Reino Monera - · PDF file Reino Monera Procariontes: sem carioteca e organelas membranosas...

Click here to load reader

  • date post

    08-Oct-2020
  • Category

    Documents

  • view

    1
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Reino Monera - · PDF file Reino Monera Procariontes: sem carioteca e organelas membranosas...

  • Reino Monera

  • Reino Monera

    Procariontes: sem carioteca

    e organelas membranosas

    Unicelulares isolados ou em

    colônias

    Autotróficos ou

    heterotróficos

    Com parede celular

    Formado por eubactérias e

    arqueobactérias

  • Classificação das Bactérias Arqueobactérias:

    produtoras de gás metano;

    Eubactérias

    micoplasmas: sem parede celular,

    gram-positivas e gram-negativas: com parede celular;

    Cianobactérias

    também chamadas de algas azuis, são fotossintetizantes.

  • Eubactérias ( bactérias verdadeiras)

    diferenciadas a partir de

    características da parede celular.

    Gram negativas com parede celular

    fina (peptideoglicana + Lipídios) e

    as gram positivas com parede

    celular mais espessa (

    peptideoglicanos)

    Arqueobactérias – não há

    peptideoglicano na sua parede

    celular, vivem em ambientes

    extremos ( água quente, ácida,

    fundo de lagoas, tubo digestório

  • Mycoplasma:PPLO

    não apresentam parede celular;

    são as menores células conhecidas;

    são heterotróficos;

    são encontrados em esgotos, no solo;

    capazes de realizar o parasitismo

    intracelular;

    são conhecidos pela sigla PPLO

    (pleuro-pneumonia like organism).

  • Bactéria

    Fímbrias ou

    Pilos

    Cápsula de

    proteínas

    Parede

    celular

    Plasmídeos

    DNA circular associado

    ao mesossoma (nucleóide) Flagelo

    Enzimas relacionadas

    com a respiração,

    ligadas à face

    interna da membrana

    plasmática

    Mesossomo

    Dupla Membrana

    Ribossomos

    Molécula de DNA

    circular, menor que o

    cromossomo; contém

    genes importantes:

    resistência a

    antibióticos)

  • Bactéria gram +

    Esquema de bactéria com

    parte da célula removida.

    Membrana plasmática

    Parede celular

    formada por camada

    espessa de

    peptidoglicano

    Esquema de parte da parede celular e da membrana

    plasmática de bactéria gram-positiva.

  • Bactéria gram -

    Esquema de bactéria com

    parte da célula removida.

    Esquema de parte da parede celular e da

    membrana plasmática de bactéria gram-negativa.

    Membrana plasmática

    Camada de

    peptidoglicano

    Lipopolissacarídeo (LPS) Fosfolipídios

    Proteína

    Lipoproteínas

    Camada lipoprotéica

    externa, espessa,

    semelhante à membrana

    plasmática, com

    lipopolissacarídeos

    P a re

    d e

    ce lu

    la r

    Endotoxina da

    parede que

    aumenta seu grau

    de virulência

  • Devido à presença da endotoxina (LPS)

    na membrana externa, as bactérias

    GRAM (-) possuem a propriedade de

    patogenicidade, ou seja, são mais

    Virulentas.

  • Bactéria Transgênica

    Plasmídio modificado e

    reinjetado na bactéria que

    irá passar insulina humana

    em escala industrial

  • Por que usar o plasmídio?

    Ausência do sistema bacteriano

    CRISPR possibilita a edição do genoma

    através de clivagem do DNA por uma

    endonuclease (Cas9), guiada por uma

    sequência de RNA, capaz de se

    parear com as bases de uma

    sequência-alvo.

  • Será que o bebezinho

    aí embaixo sabe que

    essa doação do

    plasmídio entre

    bactérias ocorre por

    conjugação?

  • Morfologia Bacteriana

  • Nutrição Bacteriana

    HETEROTRÓFICAS

    ❑Parasitando seres vivos – Doenças.

    ❑Saprobiotas – Decompositoras, responsáveis pela reciclagem da matéria orgânica na natureza

  • Nutrição Bacteriana

    AUTOTRÓFICAS FOTOSSINTÉTICAS COM

    BACTERIOCLOROFILA

    6 CO2 + 12 H2S + energia da luz → C6H12O6 + 6 H2O + 12 S

    AUTOTRÓFICAS QUIMIOSSINTÉTICAS

    HNO2 + ½ O2 → HNO3 + energia (a bactéria oxida o nitrato e

    obtém energia)

    6 CO2 + 12H20 + energia → C6H12O6 + 6H2O +6 02 (energia é

    usada na síntese da glicose)

  • Tipo de nutrição Fonte de

    energia

    Fonte de

    carbono

    Exemplo

    Fotoautotrófica Luz CO2 Sulfobactérias verdes, púrpuras,

    cianobactérias

    Fotoheterotrófica Luz Compostos orgânicos( ácidos

    graxos ,glicídios)

    Bactérias não

    sulfurosas púrpuras,

    verdes

    Quimioautotrófica Em geral elétrons ¨energizados¨de

    compostos

    inorgânicos

    CO2 Bactérias do enxofre,

    do ferro, do hidrogêgio,

    nitrificantes

    Quimioheterotrófica Em geral elétrons ¨energizados¨de

    compostos

    orgânicos

    Compostos

    orgânicos

    Maioria das espécies de

    bactérias

  • Obtenção de Energia Bacteriana

    Para sobreviver, as bactérias necessitam catabolizar (desmanchar) a glicose para a obtenção da energia

    acumulada em suas ligações químicas. Isso pode ser feito com ou sem o auxílio do oxigênio.

     Respiração Anaeróbia: Não usa O2 como aceptor final de elétrons e sim nitrogênio, enxofre...  Anaeróbia fermentativa: catabolismo de glicose sem o auxílio do oxigênio

    C6H12O6 (Glicose) → 2 C3H6O3 (2 Ácidos Lácticos) + energia

    ❖Obrigatórias: Clostridium tetani, lactobacilo.

    ❖ Facultativas ou tolerantes: Escherechia coli

  • Obtenção de Energia Bacteriana  Respiração aeróbia: catabolismo da glicose com o auxílio de oxigênio – Mycobacterium, Pseudomonas....

    C6H12O6 + 6 O2 → 6 CO2 + 6H2O + energia

     extremamente sensíveis: as “verdadeiras” anaeróbias estritas, porque

    não toleram concentrações de O2 > 0,5% por mais que uns minutos

     moderadamente sensíveis: toleram concentração de O2 até 2-8%. Podem não se conseguir multiplicar na presença de O2, mas, pelo

    menos, não morrem. Toleram estes níveis cerca de 15 a 20 minutos.

     Um radical ao qual se dá grande importância é o ânion super-óxido

    O2- já que é capaz de quebrar DNAs, inativar muitas enzimas bacterianas e degrada lípídos da membrana.

  • Reprodução Bacteriana Reprodução assexuada: Cissiparidade

    Duplicação do DNA

    Separação das células

    Parede celular

    Membrana

    plasmática

    Molécula de DNA

    Nucleóide

  • Reprodução Bacteriana

    Reprodução Assexuada: Esporulação

     Quando o ambiente está desfavorável à bactéria pode utilizar essa forma de reprodução para originar esporos (constituídos pelo material genético da bactéria envolto pela membrana plasmática e uma capa protetora), que lhes permite permanecer em latência durante períodos prolongados, até que as condições favoráveis se restabeleçam. Os esporos são resistentes à falta de umidade, temperaturas elevadas, radiação ultravioleta (em pequenas quantidades) e substâncias químicas, como o álcool.

    Bacillus anthracis - os esporos são

    esféricos e a forma vegetativa, em

    forma de bastão.

  • Recombinação Gênica Bacteriana TRANSFORMAÇÃO

    ➢ Quando uma bactéria absorve e incorpora fragmentos de material genético do meio. Ao reproduzir-se a bactéria passa a enviar

    também esse material genético às células filhas.

  • Recombinação Gênica Bacteriana TRANSDUÇÃO

    ➢ Ocorre auxiliada pela ação viral. O vírus, ao multiplicar-se dentro de uma bactéria pode encapsular fragmentos de DNA bacteriano e

    introduzi-lo em outra bactéria. Ao reproduzir-se a bactéria passa a enviar também esse material genético para as células filhas.

  • CONJUGAÇÃO

    1º: Aproximação das bactérias (doadora F+ e receptora );

    2º: Formação do tubo protéico (pili) para conexão estrutural

    3º: Replicação do

    plasmídeo F;

    4º: Transferência do DNA da bactéria F+ para a F-)

    Recombinação Gênica Bacteriana

  • CONJUGAÇÃO

    Recombinação Gênica Bacteriana

  • Importância das Bactérias Uso de bactérias na indústria alimentícia

    1. Lactobacillus e Streptococcus úteis na fabricação de queijos e iogurtes

    2. Acetobacter- álcool do vinho em ácido acético ( vinagre)

    3. Corynebacterium- produzem aminoácido utilizados na produção de temperos, além de ácido glutâmico ou glutamato monossódico, vendido comercialmente como aji-no-moto emprega as bactérias na produção de acetona, metanol, butanol e outros.

  • Importância das Bactérias Uso de bactéria na indústria farmacêutica

    1. Streptomyces –produz neomicina

    2. Bactérias na produção de álcool

    3. Utilização de bactérias para síntese de hormônio de crescimento e de insulina 4. A indústria química emprega as bactérias na produção de acetona, metanol,

    butano