2 Traumatologia Forense

download 2 Traumatologia Forense

of 22

  • date post

    15-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    758
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of 2 Traumatologia Forense

Segundo Genival Frana (1998, p55) a traumatologia estuda as leses e os estados patolgicos, imediatos ou tardios, produzidos por violncia sobre o corpo humano. Para Delton Croce (1998, p 115) o cap da Medicina Legal no qual se estudam as leses corporais resultantes de traumatismos de ordem material ou moral, danosos ao corpo ou sade fsica ou mental Os danos pessoais podem ser decorrentes da ao de varias formas de energia sobre o corpo humano. De ordem mecnica De ordem fsica De ordem qumica De ordem fsico-quimica Energia De ordem bioqumica De ordem biodinmica De ordem mista

2. Energia de Ordem Mecnica

As energias de ordem mecnica so aquelas que, incidindo sobre o corpo, so capazes de modificar o seu estado de repouso ou movimento. Podem atuar de varias maneiras, conforme a natureza do agente que as veiculam. Naturais mos, ps, cabea, o prprio corpo Armas Prop ditas armas de fogo, punhais, soco ingls, cacete, funda maquinismo e peas de mquina animais mordeduras e arranhaduras em geral, etc. outros meios quedas, exploses Agentes das energias De ordem mecnica

2.1 Classificao dos instrumentos mecnicos

Levando-se em considerao a relao entre o corpo e o instrumento causador de uma leso, vamos verificar que as leses podem ser produzidas pela ao do instrumento sobre o corpo (meio ativo ex. batida de carro), pela ao do corpo sobre o instrumento (meio passivo ex. queda de judo) ou de forma mista, quando um atua sobre o outro. A gravidade da leso vai depender da intensidade com que a energia mecnica atingiu o corpo, da sede e natureza da leso e, ainda, da maior ou menor resistncia tecidual. Conforme a superfcie de contato, o modo de ao e as caractersticas das leses, os instrumentos classificam-se em: Perfurantes ou punctrios De ao simples cortantes Contundentes Instrumentos Perfurocortantes De ao composta Perfurocontundentes Cortocontundentes

2.2 Instrumentos Perfurocortantes ou punctrios Os instrumentos perfurantes ou punctrios agem por meio de presso exercida em um ponto. So instrumentos finos, alongados e pontiagudos que causam pequenas leses de pouca repercusso na superfcie corprea, mas de profundidade aprecivel. Quase sempre atuam separando as fibras do tecido sem seccion-las. Como exemplo, podemos citar o picador de gelo e as agulhas em geral. As leses produzidas pelos instrumentos punctrios ou perfurantes so denominados leses punctrias.

2.3 Lei de Filhs e Langer A maior parte da pele que recobre a superfcie do nosso corpo est sujeita a tenso, geralmente de orientao e sentido perpendicular ao movimento muscular de um determinada regio. Em razo disso, os ferimentos produzidos por instrumentos cilndricos ou cnicos, dotados de uma ponta apenas, sero diminutos e representados por apenas um ponto. Se, por outro lado, o instrumento for cilndrico ou cilndrico-conico, mas de maior dimetro, causar um afastamento maior dos tecidos e, em razo das linhas de tenso da pele, assumira a conformao de um ferimento produzido por um instrumento perfuro cortante de dois gumes.

Essas consideraes foram sistematizadas pelas chamadas Leis de Filhos e Langer, transcritas a seguir: a) Primeira Lei de Filhos as solues de continuidade so feridas semelhantes s produzidas por instrumento de dois cortes. b) Segunda Lei de Filhs na mesma regio, o eixo da soluo de continuidade est orientado sempre no mesmo sentido, o que permite distinguir a leso de outra que tivesse sido produzida por instrumento de dois cortes c) Lei de Langer em certas regies onde h cruzamento de fibrilas, o afastamento das bordas da leso assume o aspecto de ponta de seta, de triangulo, ou mesmo do quadriltero

2.4 Instrumentos cortantes Os instrumentos cortantes agem por meio de presso e deslizamento sobre a pele ou tecido dos rgos. Os melhores exemplos so as laminas de barbear, as navalhas e o bisturi. As facas, quando atuam pelo deslizamento da lamina, podem ser consideradas instrumentos cortantes. As leses produzidas pelos instrumentos cortantes so denominadas leses incisas e tem as seguintes caractersticas : Margens lisas e regulares Ausncia de regio de contuso Leses incisas Geralmente mais largas e profundas na poro mdia Existncia freqente de uma causa de escoriao ou sada Hemorragia geralmente abundante

As leses incisas so freqentemente encontradas em suicdios, particularmente nas vtimas que cortam o pescoo ou os pulsos. Tambm so caractersticas de ferimentos de defesas, em caso de agresso com armas brancas (facas, navalhas etc), hiptese em que os ferimentos recaem, quase sempre, nas mos e braos. Quando os ferimentos incisos so produzidos contras as linhas de fora da pele( ver Leis de Filhs e Langer) a tendncia a de haver grande afastamento das margens da ferida. Esgorjamento, degola e decapitao so leses de natureza incisa localizada no pescoo. O Esgorjamento a leso localizada na regio anterior do pescoo. A degola, na regio posterior, e a decapitao a separao da cabea e do corpo.

2.5 Instrumentos Contundentes

Os instrumentos contundentes so todos aqueles que agem pela ao de uma superfcie. Podem ser slidos, liquidos ou gasosos, desde que atuem por presso, exploso, toro, distenso, descompresso, arrastamento ou outro meio, como, as mos, um tijolo, um automvel, jato de ar, a superfcie de gua de uma piscina etc. Os instrumentos contundentes produzem leses contusas, encontradas nos acidentes de automvel, nos desabamentos, nas lutas corporais, e outros. As leses contusas, segundo Delton Croce englobam: Escoriaes Equimoses Contuses Hematomas Bossas hemticas Bossas linfticas Comoo cerebral Contuso cerebral Compresso cerebral Sndrome ps-concussao

No crnio Leses Contusas Feridas contusas

Na coluna vertebral No trax No abdome Nas artrias Nos ossos contuso ssea Fraturas Nas art. Luxao Entorse

Escoriaes popularmente denominadas esfolados ou arranhes, so leses superficiais, geralmente produzidas por deslizamento, em que a camada mais externa da pele, a derme atingida. Equimoses a intensidade da equimose depende do instrumento e do seu grau de violncia. So comumente chamadas manchas roxas, que aparecem em razo do rompimento de vasos sanguneos superficiais ou profundos. As equimoses superficiais apresentam uma sucesso de cores denominada, por Legrand Du Saule, espectro equimtico, decorrente das sucessivas alteraes cromticas por que passa a hemoglobina em sua metabolizao e absoro pelo organismo. Essa evoluo muito importante em casos de violncia domstica e maus-tratos, PP envolvendo crianas, pois a presena de inmeras leses de colorao variada atesta pela continuidade de sevcias, afastando a alegao, bastante comum por parte da defesa, de ferimentos produzidos por um nico acidente. Uma outra importante caract mdico legal das equimoses o fato de constiturem reaes vitais por excelncia , no sendo encontradas no cadver em leses prod aps a morte. O quadro a seguir mostra uma evoluo do espectro equimtico: Espectro equimtico

Tempo 1 dia Do 2 ao 3 dia Do 4 ao 6 dia Do 7 ao 10 dia Do 11 ao 12 dia Do 12 ao 17 dias A partir do 22 dia

Coloracao Vermelho escuro Violeta Azulado Verde escuro Verde-amarelado Amarelado

Molcula de HB Hemoglobina Hemossiderina Hematoidina Hematina

Desaparecem vestgios da equimose

Hematomas So colees sanguneas formadas pelo extravasamento de sangue oriundo de vasos de maior calibre. Normalmente se apresentam em relevo na pele, e sua resoluo mais lenta que a da equimose Bossas Hemticas So protuberncias, hematomas localizados em regies como a cabea, onde o sangue no pode difundir-se para os tecidos moles, formando verdadeiras bolsas repletas de sangue. Bossas Linfticas Similares a bossas hemticas, so colees formadas pelo rompimento dos vasos linfticos. Comoo Cerebral o mais leve dos acometimentos cerebrais. Normalmente traduzido por uma descarga do sistema nervoso central sem leso, que se manifesta por perda temporria dos reflexos, do controle dos esfncteres e da conscincia. Contuso Cerebral decorre de uma leso microscpica do encfalo que pode ou no estar prximo uma rea traumatizada. Aos sintomas de comoo cerebral podem-se acrescentar convulses e espasmos. Sd Ps Concusso o termo concusso indica comoo, violncia, abalo, choque. Na verdade, a sndrome ps- pode aparecer sempre que h um traumatismo craniano. Ocorre em leses de pequena monta, em que no h sinais de dano. Caracteriza-se por algumas alteraes da personalidade, como irritao, inquietude, desconsiderao pelas pessoas. Contuses sseas- so microfraturas e pequenas hemorragias decorrentes da ao de instrumentos contundentes sobre os ossos sem que haja ruptura do tecido sseo. Fraturas- so solues de continuidade, parciais ou totais, do tecido sseo. Luxao o deslocamento de dois ou mais ossos e relao a sua articulao pelo rompimento da cpsula articular. Entorse- a leso dos ligamentos pela realizao de um movimento que vai alm dos limites fisiolgicos da articulao. 2.6 Conformaes das leses contusas Os ferimentos contusos assumem, com freqncia, a conformao dos instrumentos que os produziu. Outras vezes produzem ferimentos de natureza variada, de grandes propores, sendo difcil distinguir o agente lesivo 2.7 Instrumentos perfurocortantes Os instrumentos perfurocortantes so aqueles geralmente dotados de ao menos uma ponta e pelo menos uma lamina ou gume. Agem, inicialmente, afastando as fibras e facilitando a penetrao, para depois seccion-las. O melhor exemplo desse tipo de instrumento so as facas. As leses produzidas pelos instrumentos perfuro cortantes denominam-se perfuroincisas e tem como caracterstica serem mais profundas que largas. Quando atingem a regio abdominal podem levar a eviscerao.

Leses em acordeo instrumentos perfurantes ou perfurocortantes de laminas curta, por compresso da parede abdominal, produzem leses bastante profundas. 2.8 Instrumentos Perfurocontundentes Instrumentos perfurocontundentes so aqueles que agem inicialmente por presso em uma superfcie para em seguida perfurar a regio atingida. As leses produzidas pelos instrumentos perfurocontundentes denominam-se perfurocontusas e so tpicas de leses por armas de fogo, no obstante sejam eles os nicos agentes capazes de produzir esse tipo de ferimento. bom lembrar que qualquer instrumento com perfurao cilindro-ogival, como a ponta de um guarda-chuva, capaz de produzir ferimentos perfurocontusos. Sero melhor estudados em balstica. 2.9 Instrumentos Cortocontundentes Os instrumentos cortocontundentes so aqueles que atuam por presso exercida sobre uma linha, produzindo leses denominadas cortocontunsas. So exemplos o machado, um golpe de faco desferido com a lmina, o cutelo. A distino entre os ferimentos cortocontusos e os incisos faz-se pela zona de contuso, que existe ao longo das bordas do primeiro e inexiste no segundo. 2.10 Instrumentos lacerantes ou dilacerantes bastante freqente encontrarmos em laudos periciais referencia a ferimentos lacerantes ou lacerocontusos. Para Delton Croce e Genival Frana no h ferimentos dilacerantes, contusosdilacerantes, perfurodilacerantes ou cortodilacerantes, precisamente porque no existem instrumentos dilacerantes. Nada mais so do que ferimentos de grandes propores produzidas pela ao do agente contundente. Essa espcie de ferimento geralmente so encontradas em acidentes de transito ou em precipitaes.

Ao Simples

Instrumento Perfurantes Cortante Contundente Composta Perfurocortante Perfurocontundente Cortocontundente

Leso Punctria Incisa Contusa Perfuroincisa Perfurocontusa Cortocontusa

Exemplo Agulhas,estilete, picador de gelo Navalha e lmina de barbear Mos, tijolos, bordo Facas em geral Projtil de arma de fogo Machado, foice, cutelo

bom lembrar que os instrumentos, mesmo pertencendo a uma determinada categoria, podem produzir ferimentos de natureza diversa. Assim, uma faca, que em princpio um instrumento perfurocortante, pode produzir: uma leso incisa, se a lamina deslizar sobre a superfcie, cortando-a; uma leso perfuroincisa, se for introduzida de ponta na regio atingida; um leso cortocontusa, se a regio for golpeada com a lmina; e finalmente uma leso contusa, se a regio for golpeada com a lateral, o dorso ou o cabo da faca.

3. Energias de Ordem Fsica Energias de ordem fsica so aquelas capazes de modificar o estado fsico podendo provocar leses corporais ou a morte. temperatura presso eletricidade radioatividade Energias de ordem fsica luz som 3.1 Lesoes produzidas pelo calor Calor frio Difuso termonoses Leses produzidas pelo Calor calor quente direto - queimaduras Oscilaes de temperatura Tendo em vista que o homem um animal homeotrmico, so extremamente importantes para o organismo os mecanismos de controle de calor, ante a necessidade de manter a temperatura corprea dentro de certos limites bastante precisos. Tanto a perda para o meio ambiente, produzida pelo calor frio, como o ganho de calor, decorrente do calor quente, ou as oscilaes freqentes e abruptas de temperatuas podem levar a leses irreversveis, ocasionando, inclusive, a morte. 3.2 Lesoes produzidas pelo calor frio A temperatura corporal mnima compatvel com a vida, segundo Bonnet, e de aproximadamente 31C. a maior parte dos casos de morte ou leses produzidas pelo frio decorre da exposio a temp atm muito baixas, o que no ocorre no Brasil. Pode haver, entretanto, alguns casos envolvendo cmaras frigorficas, geladeiras ou hidrognio lquido. Juridicamente, as leses envolvendo calor frio so em regra acidentais, no se podendo excluir aquelas decorrentes de aes criminosas como a do abandono de RN ou maus tratos a idosos. As leses produzidas pelo frio, denominadas geladuras, tem aspecto plido e anserino, evoluindo para isquemia e necrose, ou gangrena. No sistema nervoso o frio pode levar a sonolncia, alteraes dos movimentos, insensibilidade de membros e delrio. As geladuras, segundo Callisen admitem 3 graus: 1 graus eritema ocorrem em razo da vasoconstrio no nvel da pele, com palidez inicial e rubor secundrio, produzido pela estase sangunea nas reas atingidas Geladuras 2 grau flictenas em decorrncia da estase ocorre transudao de plasma formao de bolhas similares aquelas observadas nas queimaduras 3 graus necrose ou gangrena o sangue coagula-se no interior dos capilares e, por ausncia da irrigao, ocorre a morte tecidual. Na primeira guerra mundial eram comuns as leses produzidas pelo frio insolao intermacao

Particularmente atingindo os membros inferiores dos soldados e, por isso,denominados ps de trincheira 3.3 Leses produzidas pelo calor quente O calor quente pode atuar sobre o corpo humano de forma difusa ou direta. Atua de forma difusa quando a fonte de calor no incide diretamente sobre a rea atingida, mas sim tornando o meio ambiente incompatvel com os fenmenos biolgicos. A forma do calor difuso produz os quadros conhecidos como termonoses, compreendendo a insolao e a intermacao. Alguns autores citam, ainda cimbra trmica, brotoeja, sncope trmica e desidratao. O calor direto produz as chamadas queimaduras, que podem ser simples, quando produzidas apenas pelo calor, ou complexas, quando, alem do calor existem outros fatores, como nas queimaduras por eletricidade, atrito, agentes qumicos etc. 3.3.1 Termonoses Termonoses Insolacao Intermao

A principal diferena entre insolao e intermao est no fato de que na primeira existe uma ao direta dos raios solares sobre o corpo, PP na regio da cabea, enquanto na segunda, intermacao, h o superaquecimento do organismo pelo aumento do calor ambiente, de maneira natural ou artificial, ou, ainda, a obstruo dos mecanismos de troca calrica do corpo com o meio. A intermao tambm recebe os nomes de exausto trmica e prostrao trmica. A cimbra trmica, cimbra dos foguistas ou cimbra do mineiros, decorre do trabalho fsico pesado em ambientes de temperatura e umidade elevadas. Em razo da sudorese intensa, h uma descompensao no equilbrio de sdio e cloro do organismo levando a fenmenos dolorosos que atingem, PP, as panturrilhas Brotoejas so erupes temporrias de pele que, no vero, atingem mais freq as crianas e os adultos obesos provocada pela sudorese intensa e conseqente infiltrao do suor na camada crnea da epiderme. A sncope trmica corresponde a uma queda abrupta da presso em razo da vasodilatao superficial da pele e desidratao, lvando a perda dos sentidos. Denomina-se desidratao o quadro clnico provocado pela perda de gua no organismo. Pode ocorrer pela via cutnea , no caso de temperaturas muito elevadas, em razo da sudorese intensa, mas tambm obs em distrbios digestivos, renais e respiratrios. 3.3.2 Queimaduras Queimaduras so leses corporais produzidas pelo calor agindo diretamente sobre o organismo em qq de suas formas. As mais comuns so aquelas causadas pelo fogo, liquidos em ebulio e metais incandescentes. Quanto a gravidade, existem diversas classificaes para as queimaduras. As mais comuns so as propostas por Lussena/Hofman que adimte quatro graus, e a de Dupuytren que prev seis graus 1 graus queimaduras leves, simples formao de eritemas (sinal de Christinson) Lussena/ Hofmann a formao de escaras 4 grau- carbonizao 2 grau formao de flictenas nas reas eritematosas 3 grau atingem a derme e os tecidos adjacentes, dando origem

Com relao a extenso as queimaduras podero ser +/- severas dependendo do percentual de comprometimento da sup corprea, da importncia vital da rea atingida e do grau de profundidade. A idade da vitima Tb deve ser considerada. Um velho ou uma criana que apresentem 5-10% da rea corprea atingida podem ser considerados grandes queimados, enquanto para um adulto o percentual e de 20% ou mais. Manif e Elias Zacharias para avaliar a extenso das queimaduras, propem a diviso em pequeno, mdio e grande queimado, considerado sob o ponto de vista clnico, a gravidade, os riscos experimentados pelo paciente, a percentagem do corpo atingida e a faixa etria. GRAUS PEQ QUEIMADO MEDIO QUEIMADO GRANDE QUEIMADO 2 E 3 2 E 3 2 E 3 GRAU IDADE -5 DE 5 A 14 + DE 14 -5 DE 5 A 14 + DE 14 -5 DE 5 A 14 + DE 14 AREA ATINGIDA -5% -10% -15% DE 5 A 10% DE 10 A 20% DE 15 A 30% + DE 10% + DE 20% + DE 30%

Tambm so considerados grandes queimados, sejam crianas, velhos ou adultos, aqueles que tem comprometidas a face, mos, ps e genitais Ainda quanto a extenso, costuma-se utilizar, para avaliao do risco de vida, a regra dos noves de Pulaski e Tennison. Divide-se o corpo em fraes correspondentes a 9%, permitindo calcular com boa aproximao o percentual do corpo atingindo. Na carbonizao o corpo reduz em volume e peso, podendo ocorrer exposio da arcada dentria e abertura dos olhos. Os membros geralmente se flexionam, dando ao cadver a posio de boxeador. 3.3.3 Etiologia da morte pelas queimaduras Diversas teorias procuram explicar a etiologia das mortes por queimaduras(Croce): Mortes por queimaduras : teoria do choque nervoso, teoria das intoxicaes, teoria das alteraes sanguineas, teoria da toxemia infecciosa. Teoria do choque nervoso por esta teoria a morte ocorreria em decorrncia de um colapso cardiovascular produzido pela dor intensa, principalmente nas primeiras horas aps a queimadura. Teoria das intoxicaes a destruio acentuada dos tecidos produziria alta concentrao de toxinas no sangue levando o individuo morte. Teoria das alteraes sanguineas trata-se de uma teoria no mais aceita modernamente, pela qual as cel do sangue sofreriam alt nos locais atingidos e, em razo disso, produziriam trombos letais, que daraim causa a embolia e enfartos. Na verdade o que ocorre e uma deficincia circulatria. Teoria da toxemia infecciosa como as queimaduras so facilmente suscetveis a infeces, particularmente as produzidas por germes oportunistas, so freqentes infeces severssimas, que se instalam particularmente nas 48 horas que sucedem o evento e que podem levar a vitima ao bito. 3.4 Leses produzidas por presso A presso tambm pode produzir severas alteraes no organismo humano.

Em condies normais podemos suportar presso de aproximadamente uma atmosfera ou 760mmHg (presso ao nvel do mar) Ao ser exposto a sensveis alteraes de presso, o corpo precisa de um tempo para se adaptar, caso contrrio podero ocorrer leses at mesmo a morte. Os principais fenmenos resultantes das alt de presso, genericamente denominados baropatias, so : Dim da presso mal da montanhas ou dos aviadores Baropatias Aum da presso doena dos caixes ou mal dos escafandristas Barotraumas O mal das montanhas ou mal dos aviadores produzido pela rarefao do ar em grandes altitudes. A medida que a altura aumenta o nvel de oxignio diminui. Para compensar, o organismo precisa produzir um maior numero de glbulos vermelhos (poliglobulia). Quando no h tempo de adaptao suficiente para o incremento do numero de hemcias, ocorrem aumento dos batimentos cardacos, nuseas, epistaxe e otorragia, desmaios e, eventualmente, morte. Normalmente. Tais sintomas so observados em altitudes entre 4.600m e 6.100. Acima disso h uma rpida perda do controle muscular e morte Grfico tempo de exposio necessrio pag 123 Medicina Legal. A doena dos caixes ou mal dos escafandristas ocorre quando o mergulhador retorna muito rapidamente superfcie. Para cada 10 metros de profundidade h um aumento na presso equivalente a uma atmosfera. Como o volume de ar no organismo do mergulhador reduz pela metade toda vez que a presso atm praticamente dobra, preciso que ele compense essa diferena de alguma maneira. Isso feito pelo cilindro de ar, que injeta mais ar nos pulmes medida que o mergulhador desce. Essa compensao traz dois problemas. O primeiro diz respeito ao prprio volume de ar inspirado, que deve ser expirado gradativamente durante a subida para no provocar a ruptura dos alvolos. O segundo e, que demanda maior cuidado, que o nitrognio presente no ar atm absorvido pelos tecidos em maior quantidade, podendo levar a chamada narcose por nitrognio a altas presses. Da mesma maneira, possvel a ocorrncia de intoxicaes tambm pelo prprio oxignio e gs carbnico. Profundidade Ao nvel do mar 11m 33m 78m Pressao 1 atm 2 atm 4 atms 8 atm Volume dos gases 1 litro litro litro 1/8 litro

Barotraumas constituem traumas decorrentes de mudanas abruptas de presso. So freqentes em mergulhadores que retornam superfcie sem aguardar o tempo necessrio de descompresso, e manifestam-se por perfuraes de tmpano, rompimento dos alvolos e at fraturas em dentes mal obturados e que contem ar em seu interior. 3.5 Lesoes Produzidas por Eletricidade A eletricidade, qualquer que seja sua origem, pode atuar sobre o corpo humano produzindo leses bastantes severas e, com freqncia, a morte. A energia eltrica, conforme a origem, pode causar as seguintes leses: Natural ou csmica fulminao - morte Fulgurao leses corporais

Artificial ou industrial

eletroplessao acidental

morte Leses corporais

Eletrocusso execuo de um condenado A eletricidade natural ou csmica (raios), agindo sobre o corpo humano, pode causar a morte ( fulminao ) ou leses corporais (fulgurao ). Exatamente as leses tomam aspecto arboriforme, denominadas sinal de Lichtemberg, decorrentes de fenmenos vasomotores, que podem desaparecer com o tempo em caso de sobrevivncia. Internamente as leses podem traduzir-se por hemorragias, congesto dos diversos rgos e at fraturas sseas. A eletricidade artificial produz, no local de entrada, uma leso que com freqncia assume a forma do condutor eltrico que originou a descarga. um ferimento de e colorao amarelo-esbranquiada e indolor, que recebe a denominao de marca eltrica de Jellinek. Alm da marca eltrica, que o sinal de entrada da corrente eltrica do corpo, possvel encontrar as queimaduras eltricas, decorrentes do calor produzido pela passagem da corrente pelo corpo. Tanto nos casos envolvendo eletricidade natural como artifical possvel encontrar ferimentos de sada, indicando o local onde a descarga eltrica deixou o corpo. A maioria dessas leses encontra-se no p. Tres teorias procuram explicar a morte em decorrncia da passagem de corrente eltrica: Morte pela eletricidade : morte pulmonar ou por asfixia, morte cardaca e morte cerebral. Na morte pulmonar, o btio decorre da tetanizacao dos msculos respiratrios e dos fenmenos vasomotores decorrentes, como edema pulmonar e congesto. A morte pulmonar observada em tenses entre 120 e 1200 volts. A morte cardaca sobrevem da fibrilacao cardaca produzida pela passagem da corrente eltrica. Ocorre nas tenses menores, geralmente abaixo de 120 volts. A morte cerebral obsefvada em tenses acima de 1200 volts com leses a hemorragia das meninges e demais estruturas do crebro. 3.6 Lesoes produzidas pela radioatividade As principais fontes de radiao so, segundo Genival Frana, os raios X, o rdio e a energia atmica, responsveis pela emisso de raios alfa, beta e gama radiao eletromagntica, de pequeno comprometimento de onda, emitida num processo de transio nuclear ou de aniquilao de partculas.) Alguns dos efeitos sobre o organismo so : a) Alteraes genticas b) Vrios tipos de cancer c) Alteraes da espermatognese d) Alteraes de clulas do sangue, produzindo hemorragias acentuadas 3.7 Lesoes produzidas pela LUZ A luz dependendo da intensidade, tbm pode ocasionar leses no corpo humano, PP relacionadas c alteraes ou ate mesmo perda da viso por dano irreversvel no nervo tico. A luz tem forte influencia sobre o psiquismo humano, razo pela qual a policia lamentavelmente utilizou, durante longo perodo, o chamado terceiro grau, tcnica de interrogatrio em que o interrogado era colocado debaixo de um holofote que ofuscava a viso.

H um tipo raro de epilepsia, denominada fotossensvel, que pode ser desencadeada pela exposio da pessoa a variaes intermitentes de luz, como a tela de uma televiso, luz estroboscopica ou mesmo raios de sol passando por folhas de arvores. Raios laser tbm utilizados em cirurgias, com altas intensidade podem produzir leses. 3.8 Lesoes produzidas pelo som As ondas sonoras, ou ondas de presso, so as propagaes de um distrbio mecnico atravs de um meio elstico como o ar. As ondas sonoras compreendem : freqncia ( numero de vibraes por segundo) e amplitude (indica a intensidade do som, o comprimento da onda propagada) Unidade de medida : decibel, uma unidade p que correspnde ao mais baixo som detectavel pelo ouvido humano. As leses variam no somenta na proporo da intensidade do som como tbm em razo do tempo de exposio. Assim, rudos de intensidade elevada, acima de 160dB, podem levar a surdez imediata. Outros sons, de menor intensidade, podem causar leses se em exposies prolongadas. Restaurante tranqilo 50dB Jato na decolagem 150 dB Tempo Maximo de exposio 8horas 7 minutos dB 85 115

AS atividade ou operaes que expem os trabalhadores a nveis de rudos, continuo ou intermitente, superioes a 115 dB, ou de impacto acima de 140 dB, sem a proteo adequada, oferecem risco grave e iminente. 4. Energias de ordem qumica Energias de ordem qumica so aquelas que atuam nos tecidos vivos atravs de substancias que provocam ltracoes de natureza somtica , fisiolgica ou psquica, podendo levar inclusive a morte. Compreendem os custicos e os venenos. Energias de ordem qumica: custicos ou corrosivos, venenos ou txicos. Os custicos ou corrosivos so substancias qumicas que provocam profunda desorganizao dos tecidos vivos, quer por desidratao (coagulantes), quer por efeito de dissoluo dos minerais(liquefacientes). Ex. soda, o acido clordrico e o AC sulfrico, ou vitrolo, de onde deriva a denominao vitriolagem, que indica as leses produzidas por essas substancias. Definir veneno ou txico uma tarefa bastante difcil, visto que, dependendo da dose, at mesmo os alimntos ou a prpria gua podem provocar danos a sade. Podem-se conceituar venenos ou txicos como substancias de qq natureza que, uma vez introduzidas no organismo e por ele assimiladas e metabolizadas, podem levar a danos da sade fsica ou psquica, inclusive a morte. Brito filho, comentando a gragilidade do conceito de txico ou veneno, indica ser possvel afirmar, de maneira grosseira, que todas as substancias da natureza podem atuar como toxicas, porem, nem todas devem ser consideradas como tal. Assim, no devemos confundir toxicidade que e a capacidade inerente a uma substancia de produzir efeito sobre o organismo com o risco ou perigo que uma substancia oferece. Podemos deduzir que, dependendo da quantidade e desde que seja absorvida, qualquer substancia

poder ser considerada veneno. Assim, em toxicologia se estudam somente certas drogas que mesmo em pequenssima qtd possam provocar distrbios orgnicos Genival Frana prope a seguinte classificao:

Estado Fisico : liquido, solido ou gasoso Origem : Animal, Vegetal, Mineral, Sintetico Funcoes Qumicas --- Inorganicos : Oxidos, Acidos, Bases e Sais Venenos ou txicos Organicos : Hidrocarbonetos, Alcois, acetonas, aldedos AC orgnicos, steres, aminas, AA, carboidratos, alcaloides Quanto ao uso : domestico, agrcola, industrial, Medicinal, comestico, venenos Os envenamentos, dependo do txico considerado, podem ter etiologia acidental, homicida ou suicida, devendo ser considerado todos os elementos a disposio do pertio, particularmente no exame do local, para que possa ter subsdios suficientes para a determinao da etiologia jurdica da morte. Com relao aos venenos, preciso diferenciar os envenamentos das intoxicaes alimentares. No caso dos envenamentos de origem alimentar a vtima ingere, como se alimentos fossem, substancias qumicas nocivas ao organismo, experimentando sintomas que variam de acordo com a qualidade e a quantidade do principio txico ingerido. o caso, por exemplo, da mandioca brava ou do peixe baiacu. Logocephalus laevigatus 4.1 Monoxido de carbono Uma das principais fontes de morte acidental tem sido as intoxicaes pelo monxido de carbono. Gs incolor, inodoro e inspido, produzido em todas as regies combusto incompleta, sendo encontrado em braseiros para aquecimento, motores a exploso, combusto de lenha em lugares sem ventilao, combusto incompleta do gs de cozinha e outros. Os compostos orgnicos, como o carvo vegetal, ou alimentos ricos em amido, como arroz ou feijo queimados perante pouco fornecimento de oxignio, so excelentes fontes de monxido de carbono. Combustao completa : CnH2n + O2 CO2 + H2O Combustao incpmleta : CnH2n + O2 C0 + H20 Uma vez inspirado, o monxido de carbono dilui-se no plasma sanguineo, onde forma, com a hemoglobina, um composto altamente estvel dennominado carboxiemoglobina. Sua afinidade pela hemoglobina cerca de 250 vezes maior que a do prprio oxignio. Dessa maneira, suficiente que no ar atm, onde o oxignio representa aproximadamente 20%, haja cerca de 0,08% de monxido de carbono para que metade da hemoglobina ativa seja transformada, em carboxiemoglobina. Oxiemoglibina Hb02