11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima...

of 171 /171
ISSN 0103-0779 Revista Agropecuária Catarinense, vol. 27, n o 2, Suplemento, jul. 2014 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado São Joaquim, SC 3 a 5 de junho de 2014 Anais (Resumos de palestras e de pôsteres) Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri)

Transcript of 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima...

Page 1: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

1

ISSN 0103-0779

Revista Agropecuária Catarinense, vol. 27, no 2, Suplemento, jul. 2014

11º Seminário Nacional sobre Fruticultura

de Clima Temperado

São Joaquim, SC

3 a 5 de junho de 2014

Anais

(Resumos de palestras e de pôsteres)

Governo do Estado de Santa Catarina

Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca

Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri)

Page 2: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

2

Exemplares desta publicação poderão ser solicitados à:

Epagri/Estação Experimental de São Joaquim

Rua João Araújo Lima, 102, C.P, 81, Jardim Caiçara

88600-000 São Joaquim, SC

Fone: (49) 3233-0324

E-mail: [email protected]

Editado pela Epagri/Gerência de Marketing e Comunicação (GMC).

Revisão, padronização e diagramação: João Batista Leonel Ghizoni

Tiragem: 800 exemplares

Impressão: Editograf

A responsabilidade do editor limita-se à adequação dos trabalhos às normas editoriais estabelecidas.

O conteúdo das palestras e dos resumos aqui publicado é de responsabilidade exclusiva dos autores.

É autorizada a reprodução de partes deste trabalho desde que citada a fonte.

Ficha catalográfica

Agropecuária Catarinense - v. 1 (1988) Florianópolis: Empresa

Catarinense de Pesquisa Agropecuária (1988-1991)

Editada pela Epagri (1991- )

Trimestral. A partir de março/2000 a periodicidade é quadrimestral.

Suplemento especial do 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de

Clima Temperado, São Joaquim, SC, 2014.

1. Agropecuária – Brasil – SC – Periódicos. I. Empresa Catarinense de

Pesquisa Agropecuária, Florianópolis, SC. II. Empresa de Pesquisa

Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Page 3: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

3

REALIZAÇÃO

Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri)

Estação Experimental de São Joaquim

PROMOÇÃO

Epagri

Associação dos Engenheiros-Agrônomos da Serra Catarinense (Assea)

Prefeitura Municipal de São Joaquim

Associação dos Produtores de Maçã e Pera de Santa Catarina (Amap)

Governo do Estado de Santa Catarina

Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM)

APOIO

Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE)

Basf

Bayer

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Santa Catarina (Crea-SC)

Cooperativa Agrícola de São Joaquim (Sanjo)

Embrapa Clima Temperado

Embrapa Uva e Vinho

Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc)

Fischer S/A

Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc)

Schio Agropecuária

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Estado de Santa Catarina (Senar)

Sindicato dos Engenheiros-Agrônomos de Santa Catarina (Seagro-SC)

Sindicato Rural de São Joaquim

Page 4: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

4

Page 5: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

5

Programação

3 de junho – terça-feira

8h30 – Inscrições

10h00 – Solenidade de abertura

Coordenadores de mesa: Salvio Rodrigues Proença e João Felippeto

11h00 – Perspectiva da cadeia produtiva da macieira no Brasil e no mundo

Pierre Nicolas Pérès – Associação Brasileira dos Produtores de Maçã (ABPM), Fraiburgo, SC

12h00 – Almoço

12h45 às 14h00 – Apresentação de pôsteres

BLOCO I – Adubação e nutrição de plantas

Coordenadores de mesa: Gilberto Nava e Marcelo Cruz de Liz

14h00 – Viabilidade da fertirrigação em pomares de macieira no Sul do Brasil

Gilmar Ribeiro Nachtigall – Embrapa / CNPUV, Vacaria, RS

14h45 – Fertigation and nutrition of apple orchards

Gerry H. Neilsen – PARC – Agri-Food, Canadá

16h00 – Intervalo

BLOCO II – Mercado e custos de produção

Coordenadores de mesa: Rosangela Costa Rodrigues Pazeto e Rafael Camargo

16h45 – Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado

Joelsio José Lazzarotto – Embrapa / CNPUV, Bento Gonçalves, RS

17h30 – O futuro do agronegócio no Brasil

Marcos Fava Neves – FEA / USP, Ribeirão Preto, SP

4 de junho – quarta-feira

BLOCO III – Fitossanidade

Coordenadores de mesa: Luiz Gonzaga Ribeiro e Silvio André Meirelles Alves

8h30 – The augmentative biological control and the sterile insect technique as alternatives to suppress fruit fly populations

Pablo Montoya – Programa Moscafrut SAGARPA-IICA, México

9h30 h – Situação atual e perspectivas no controle da sarna da macieira no Brasil

José Itamar Boneti – Fito Desenvolvimento e Produção Ltda., São Joaquim, SC

9h45 – Intervalo

10h45 – Activities and resistance management of temperate fruit fungicides

Wayne Wilcox – Universidade de Cornel, Geneva, EUA

Page 6: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

6

12h00 – Almoço

12h45 às 14h00 – Apresentação de pôsteres

14h00 – Agroalertas-Maçã: sistema de monitoramento e difusão de avisos e alertas agrometeorológicos

para a cultura da macieira

Yoshinori Katsurayama – Fito Desenvolvimento e Produção Ltda., São Joaquim, SC

14h45 – Management of grape diseases in the United States

Wayne Wilcox – Universidade de Cornel, Geneva, EUA

15h45 – Intervalo

BLOCO IV – Pós-colheita e polinização

Coordenadores de mesa: Luiz Carlos Argenta e Cristiano João Arioli

16h45 – Tecnologías de postcosecha y su efecto sobre la expresión de desordenes fisiológicos en manzanas chilenas

Carolina Torres Delcampo – Universidad de Talca, Chile

17h45 – Parâmetros técnicos para uma eficiente polinização dirigida em frutíferas de clima temperado

Afonso Inácio Orth – UFSC, Florianópolis, SC

18h30 – Polinização em pomares de macieiras: nova metodologia para o aumento da frutificação com o

manejo correto de colmeias

James Arruda Salomé – UFSC, Florianópolis, SC

20h30 – Coquetel

5 de junho – quinta-feira

BLOCO V – Manejo de plantas e mecanização

Coordenadores de mesa: Adilson José Pereira e Marcelo Couto

8h30 – Manejo da macieira em sistemas de alta densidade de plantio com porta-enxertos vigorosos

José Masanori Katsurayama – Epagri / Estação Experimental de São Joaquim

9h15 – An overview of the apple-tree cultivation in South Tyrol, Northern Italy: actual and future technical solutions

Marco Bietresato – Universidade de Bolzano, Itália

10h15 – Intervalo

11h15 – Adaptação do sistema produtivo: o pomar do futuro José Luis Petri – Epagri / Estação Experimental de Caçador

12h00 – Encerramento

14h00 às 18h00 – Minicurso: Elaboração de vinhos de qualidade na pequena propriedade

João Felippeto – Epagri / Estação Experimental de São Joaquim

Vagas: 30

Carga horária: 4 horas

Page 7: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

7

APRESENTAÇÃO

É com grande satisfação que a Comissão Organizadora do décimo primeiro Seminário

Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado – 11º Senafrut, através da Empresa de Pesquisa

Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), em parceria com Associação dos

Engenheiros-Agrônomos da Serra Catarinense (Assea), Prefeitura Municipal de São Joaquim,

Associação dos Produtores de Maçã e Pera de Santa Catarina (Amap), Secretaria de Estado do

Desenvolvimento Regional de São Joaquim (SDR-SJ) e a Associação Brasileira de Produtores de

Maçã (ABPM), promove a edição desta publicação, na forma de Suplemento Especial da Revista

Agropecuária Catarinense, convicta da importância dos trabalhos abordados e da contribuição que

eles trazem para a fruticultura de clima temperado do estado de Santa Catarina e do Brasil.

Hoje podemos identificar como novos desafios a ser encarados na fruticultura de clima

temperado: adaptação de cultivares, redução no uso de agrotóxicos, controle de doenças e

pragas, melhoramento de plantas, manejo de plantas, alterações climáticas, entre outros.

Motivados por esses desafios, fomos encorajados a fazer mais uma edição do Senafrut,

objetivando contribuir com alternativas para a solução dos problemas levantados.

Considerando a importância que a fruticultura de clima temperado tem, principalmente

para o estado de Santa Catarina e para o Sul do Brasil, com a realização deste evento esperamos

contribuir com relevantes informações que serão apresentadas por renomados técnicos locais,

nacionais e internacionais ligados a esse importante setor de nossa economia. Levando em

consideração que a informação é elemento fundamental para a tomada de decisões em qualquer

atividade econômica no concorrido mercado atual, esperamos estar contribuindo com

informação, integração e atualização técnica para produtores, profissionais, empresas, instituições

e demais atores ligados ao agronegócio de frutas de clima temperado.

Gilberto Nava

Presidente da Comissão Organizadora

Page 8: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

8

Page 9: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

9

SUMÁRIO

Resumos das palestras . . . . . . . . . . . 11

Perspectiva da cadeia produtiva da macieira no Brasil e no mundo . . . . . 13 Pierre Nicolas Pérès

Viabilidade da fertirrigação em pomares de macieira no Sul do Brasil . . . . . 25 Gilmar Ribeiro Nachtigall

Fertigation and nutrition of apple orchards . . . . . . . . 34 Gerry H. Neilsen

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado . . . . 44 Joelsio José Lazzarotto

O futuro do agronegócio no Brasil . . . . . . . . . 51 Marcos Fava Neves

The augmentative biological control and the sterile insect technique as alternatives to suppress fruit fly populations . . . . . . . . . . . 56 Pablo Montoya

Situação atual e perspectivas no controle da sarna da macieira no Brasil . . . . 60 José Itamar Boneti

Activities and resistance management of temperate fruit fungicides . . . . . 70 Wayne Wilcox

Agroalertas-Maçã: sistema de monitoramento e difusão de avisos e alertas agrometeorológicos para a cultura da macieira . . . . . . . . . . 77 Yoshinori Katsurayama

Management of grape diseases in the United States . . . . . . . 83 Wayne Wilcox

Tecnologías de postcosecha y su efecto sobre la expresión de desordenes fisiológicos en manzanas chilenas . . . . . . . . . . . 89 Carolina Torres Delcampo

Parâmetros técnicos para uma eficiente polinização dirigida em frutíferas de clima temperado . 95 Afonso Inácio Orth

Polinização em pomares de macieiras: nova metodologia para o aumento da frutificação com o manejo correto de colmeias . . . . . . . . . 101 James Arruda Salomé

Manejo da macieira em sistemas de alta densidade de plantio com porta-enxertos vigorosos . 111 José Masanori Katsurayama

An overview of the apple-tree cultivation in South Tyrol, Northern Italy: actual and future technical solutions . . . . . . . . . 117 Marco Bietresato

Adaptação do sistema produtivo: o pomar do futuro . . . . . . 120 José Luis Petri

Resumos dos pôsteres . . . . . . . . . . 127

Page 10: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

10

Page 11: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

11

Resumos das palestras

Page 12: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

12

Page 13: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

13

Perspectiva da cadeia produtiva da macieira no Brasil e no mundo

Pierre Nicolas Pérès1

"A cultura da maçã no Brasil surpreendeu e surpreende ainda hoje o mundo e todos

aqueles que não acreditavam que isso seria possível. A coragem, a garra e o trabalho incansável

dos produtores e, a organização do Setor, o qual é exemplo para muitas outras culturas, é

literalmente o resultado de tantas conquistas apesar das dificuldades e das adversidades. O

produtor da maçã brasileira merece ser referenciado como um lutador incansável e como

vencedor nas batalhas que enfrenta a cada dia!”2

PRODUÇÃO DE MAÇÃ

Área plantada

Entre os anos 1900 e 1995 as áreas plantadas aumentaram muito rapidamente no mundo

devido a um aumento drástico dos plantios na China. Em 1996, quando a China chegou a sua

maior área plantada, 2.986.930 hectares, e em resposta a baixos preços de venda, começou a

erradicar pomares principalmente em regiões periféricas. No restante do mundo as áreas

diminuíram gradativamente, e os replantios foram feitos com pomares adensados e mais

produtivos.

Em 2009 a área plantada, sem considerarmos a China, aumentou levemente. Continuar

aumentando ou não dependerá do retorno aos produtores. O que se verifica são a participação de

produtores maiores, o uso intensivo de tecnologia e mecanização e a concentração das áreas

plantadas em distritos rurais.

A tabela abaixo3 ilustra esses fatos. Entre 1995 e 2012, um decréscimo mundial da área

plantada de 23,15%, China 30,24%, União Europeia 20,01% e uma leve recuperação nesses últimos

anos. Cinco países tiveram aumento da área plantada durante esse período: Índia, Polônia,

Turquia, Brasil e Chile.

País Hectares

1990 1995 2000 2005 2010 2011 2012

China 1.633.100 2.953.100 2.254.010 1.890.300 2.056.000 2.052.000 2.060.000

EUA 191.600 187.200 173.900 153.602 138.383 133.789 132.656

Índia 187.198 210.000 230.000 230.700 282.900 289.100 321.900

Turquia 105.000 108.433 107.700 121.000 165.078 142.408 150.847

(Continua)

1 Associação Brasileira dos Produtores de Maçã (ABPM), Fraiburgo, SC.

2 Publicado no jornal e blog da ABPM em abril de 2014.

3 Fonte: <http://faostat3.fao.org/faostat-gateway/go/to/download/Q/QC/E>.

Page 14: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

14

(Continuação)

País

Hectares

1990 1995 2000 2005 2010 2011 2012

Polônia 91.500 145.000 165.098 169.650 170.443 183.526 194.680

Itália 78.012 67.115 52.527 57.136 57.907 56.860 54.684

França 82.000 75.500 69.700 57.741 41.693 41.867 41.051

Irã 140.579 145.503 147.337 201.350 130.291 150.810 134.000

Brasil 22.337 26.704 30.043 35.493 38.723 38.077 38.457

Rússia - 420.000 445.000 401.000 192.300 188.000 183.300

Chile 23.260 32.440 35.790 34.800 35.029 35.682 36.500

Argentina 50.097 48.000 46.000 41.251 43.500 42.394 43.000

Ucrânia - 358.200 227.600 137.900 105.200 105.200 105.500

Alemanha 84.400 36.100 125.000 32.339 31.819 31.608 31.640

África do Sul 20.500 21.000 25.073 21.326 21.100 22.500 22.900

Mundo 5.146.862 6.301. 830 5 417.899 4.802.697 4.751.202 4.782.074 4.842.822

União Europeia 648.942 697.138 752.610 623.039 540.814 547.725 557.665

Aumento da produção

A procura por mais rentabilidade e a erradicação de áreas menos produtivas com

variedades antigas substituídas por área de alta densidade e clones novos fizeram a produção

disparar apesar da redução da área. Olhando com cuidado a tabela a seguir (Fonte: nota de

rodapé 3, na p. 11), percebe-se que os ganhos de produção vêm essencialmente da China, que

poderá ultrapassar a marca de 40 milhões de toneladas em 2014. A produção do restante do

mundo continua estabilizada a uma média de 38 milhões de toneladas. A China está a um passo

de produzir mais de 50% da produção mundial, o que é um fato notável quando comparado a

1990, quando a produção dela representava 10,5%. O aumento da produção se justificou pelo

aumento do poder aquisitivo da população. Hoje o crescimento da produção acompanha a

migração dos trabalhadores para a cidade e o consequente aumento do poder aquisitivo.

Qualquer situação econômica que perturbe esse equilíbrio poderia resultar na invasão da maçã

chinesa no mundo.

Produção de maçã (1.000t)

Classe País Ano

1990 1995 2000 2005 2010 2011 2012

1 China 4.319 14.008 20.431 24.011 33.263 35.985 37.000

2 USA 4.380 4.798 4.682 4.409 4.215 4.275 4.110

3 Turquia 1.900 2.100 2.400 2.570 2.600 2.680 2.889

4 Polônia 812 1.288 1.450 2.075 1.878 2.493 2.877

5 Índia 1.094 1.200 1.050 1.739 1.777 2.891 2.203

6 Itália 2.050 1.940 2.232 2.192 2.205 2.411 1.991

7 Iran 1.524 1.990 2.142 2.662 1.662 1.843 1.700

8 Chile 700 850 805 1.300 1.624 1.588 1.625

(Continua)

Page 15: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

15

(Continuação)

Classe País Ano

1990 1995 2000 2005 2010 2011 2012

9 Rússia - 1.200 1.832 1.786 992 1.200 1.403

10 França 2.326 2.516 2.157 2.241 1.788 1.857 1.383

11 Brasil 544 686 1.153 851 1.339 1.339 1.335

12 Argentina 976 1.146 833 1.206 1.050 1.116 1.250

13 Ucrânia - 1.046 648 720 897 954 1.127

14 Alemanha 2.222 573 3.137 891 835 898 972

15 África do Sul 430 518 574 680 724 781 796

Mundo 41.047 49.309 59.052 62.391 70.581 76.130 76.379

União Europeia 12.297 11.030 14.183 11.820 10.807 11.711 10.982

A China aumentou sua produção ao longo do período, assim como: Turquia, Polônia,

Índia, Chile, Brasil, Ucrânia e África do Sul. Todos os países tradicionais produtores de maçã

tiveram redução de produção ou estabilização. A redução maior foi nos países mais desenvolvidos.

Dificuldades comuns a todos os produtores agravaram mais a situação, ficando complicado para

os produtores se adaptarem em alguns países: falta e aumento do custo da mão de obra, aumento

da energia, aumento dos adubos e defensivos. O aumento generalizado de produção de frutas no

mundo +114,7% no período colocou mais pressão sobre o mercado de frutas no mundo.

Page 16: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

16

Os supermercados disponibilizam o ano todo frutas do mundo inteiro, e a participação

das frutas tropicais tem aumentado significativamente. Os supermercados querem manter o

abastecimento por 12 meses das frutas ofertadas. Isso estimula a demanda por frutas em outros

países produtores em hemisfério oposto. O competidor dos produtores da maçã brasileira não é

só o produtor vizinho, nem só o produtor do país vizinho; é também o produtor de todas as frutas

do mundo todo.

Outros grandes concorrentes da maçã são os snacks e as bebidas industrializadas,

produtos que têm grandes orçamentos de marketing e distribuídos por multinacionais. Nas

mensagens de marketing endereçadas aos consumidores, essas empresas usam os atributos

ligados à saúde das frutas por existir parte mínima delas na composição do produto final.

Produtividade (t.ha-1

)

País 1990 1995 2000 2005 2010 2011 2012

Chile 30,09 26,20 22,49 37,36 46,36 44,50 44,52

Itália 26,28 28,91 42,49 38,36 38,08 42,40 36,41

África do Sul 20,98 24,67 22,89 31,89 34,31 34,71 34,76

Brasil 24,35 25,69 38,38 23,98 34,58 35,17 34,71

França 28,37 33,32 30,95 38,81 42,88 44,35 33,69

EUA 22,86 25,63 26,92 28,70 30,46 31,95 30,98

Alemanha 26,33 15,87 25,10 27,55 26,24 28,41 30,72

Argentina 19,48 23,88 18,11 29,24 24,14 26,32 29,07

Turquia 18,10 19,37 22,28 21,24 15,75 18,82 19,15

China 2,64 4,74 9,06 12,70 16,18 17,54 17,96

Polônia 8,87 8,88 8,78 12,23 11,02 13,58 14,78

Iran 10,84 13,68 14,54 13,22 12,76 12,22 12,69

Ucrânia - 2,92 2,85 5,22 8,53 9,07 10,68

Rússia - 2,86 4,12 4,45 5,16 6,38 7,65

Índia 5,84 5,71 4,57 7,54 6,28 10,00 6,84

Mundo 7,98 7,82 10,90 12,99 14,86 15,92 15,77

União Europeia 18,95 15,82 18,85 18,97 19,98 21,38 19,69

Quando se analisa a produtividade, percebe-se que o Brasil está numa boa posição

(quarta). Isso é devido, basicamente, a dois fatores: as pesquisas constantes da Epagri e da

Embrapa, que permitiram aos produtores incorporar rapidamente as melhores práticas de manejo

e de nutrição; e a qualidade do corpo técnico dessas empresas. Apesar das dificuldades climáticas

e das condições subtropicais, os produtores conseguiram adaptar-se e criar uma indústria que

produz maçã de alta qualidade gustativa. O consumidor escolheu a maçã brasileira por seu gosto,

doçura e “crocância”, permitindo a nossa indústria estabelecer-se e crescer com o mercado.

Produção de maçã no Hemisfério Sul

A área plantada de maçãs no Brasil é muito estável. Nos últimos anos a produção flutuou

em função do clima, que retirou parte da produção. Um esforço grande foi feito para renovar os

Page 17: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

17

pomares mais velhos por pomares de novos clones de Gala e Fuji, mais produtivos. A produção é

mais orientada ao mercado interno; a exportação é uma porta que permite aliviar a pressão nos

meses de colheita.

Produção de maçã (1.000t)4

País Ano

2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 (1) (2)

África do Sul 637 689 749 747 775 765 813 900 842 -6 2

Argentina 1.051 1.047 980 933 800 1.048 853 930 890 -4 -6

Austrália 276 271 265 267 259 264 298 289 292 1 3

Brasil 759 993 983 1.053 1.226 1.250 1.184 1.051 1.180 12 2

Chile 1.644 1.732 1.770 1.811 1.755 1.784 1.766 1.627 1.871 15 8

Nova Zelândia 392 427 434 466 448 513 476 550 495 -10 -4

Total 4.759 5.159 5.181 5.276 5.264 5.624 5.389 5.347 5.570 4 2

(1) Diferença entre 2013 e 2014.

(2) Diferença média de 2011, 2012, 2013 e 2014.

As diferenças nos números de produção entre FAO e WAPA vêm da metodologia de

levantamento. A FAO privilegia as estatísticas oficiais: no Brasil, por exemplo, o IBGE; a WAPA dá

mais atenção às estatísticas das associações de produção em cada país. Fora a Argentina, que tem

diminuído sua produção, todos os outros países aumentaram, com destaque para o Brasil, com

+55%, e a África do Sul, com +32%. A Argentina sofre uma política econômica restritiva aos

empresários, com falta de câmbio adequado, greves permanentes, redução das áreas plantadas,

os produtores se voltaram para o mercado interno, que pagou bons preços nesses últimos anos.

No Chile o fator câmbio é também uma dificuldade para os produtores, que são obrigados a

exportar por falta de mercado interno, e existe uma nova tendência de consolidação dos

produtores de maçã. A África do Sul se encontra numa boa posição, com mercado interno forte,

boa tradição em exportar, é bem posicionada para fornecer as maçãs nos países vizinhos, mas

uma ameaça apareceu em 2013 com movimentos sociais violentos na área de mineração, que

resultou em aumento significativo do custo da mão de obra, inclusive para a indústria da fruta.

Produção do Hemisfério Sul por variedade

A variedade Braeburn, que cresceu muito rapidamente quando introduzida, tem

diminuído a produção nesses últimos anos. A Red Delicious também perdeu terreno ano a ano. A

Pink Lady teve o maior crescimento nesse período, +94%; foi a maçã-clube que soube organizar os

produtores e colocar à venda a produção com sucesso, elaborando um marketing original e

consistente. O retorno ao produtor dessa variedade é acima da média das outras variedades. Fuji,

Gala e Golden cresceram 36% nesse período. Mais detalhes podem ser vistos na tabela abaixo.

4 Fonte: Relatório da assembleia geral da WAPA em 7 de fevereiro de 2014 em Berlin, Alemanha.

Page 18: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

18

Produção conforme a variedade (1.000t)5

Variedade 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 (1) (2)

Braeburn 248 272 220 239 212 214 203 218 210 -4 -1

Cripps Pink 153 164 206 215 229 262 313 340 298 -12 -2

Fuji 535 636 629 643 729 707 759 647 730 13 4

Gala 1.260 1.496 1.574 1.654 1.768 1.893 1.741 1.755 1.715 -2 -5

G. Delicious 155 181 172 169 169 197 210 230 214 -7 1

Granny Smith 807 843 856 837 786 849 825 732 891 22 11

Red Delicious 1.177 1.152 1.078 1.025 843 1.123 935 948 1.056 11 5

Outras 424 415 446 494 528 379 403 477 457 -4 9

Total 4.759 5.159 5.181 5.276 5.264 5.624 5.389 5.347 5.570 4 2

A dificuldade de introduzir outras variedades é mundial; não existe, por parte dos

supermercados, o desejo de abrir espaço. Isso se faria em detrimento de uma variedade já

posicionada. O produtor com essa nova variedade teria que oferecer alguns atributos muito

interessantes ou novos para poder convencê-los a abrir um espaço na banca.

Produção dos Estados Unidos da América por variedade (1.000t)5

Variedade 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013

Braeburn 88 82 90 81 79 72 77 55 51 79

Cameo 32 29 34 31 35 32 22 18 23 30

Cortland 53 44 52 53 51 52 45 46 24 54

Cripps Pink 45 42 50 64 60 54 73 68 88 69

Empire 95 82 95 94 110 127 116 124 62 124

Fuji 401 373 362 331 395 360 389 357 463 397

Gala 470 437 485 528 569 531 616 647 691 627

Golden Delicious 598 564 471 423 498 499 453 441 440 502

Granny Smith 427 401 435 378 420 373 361 367 441 412

Honeycrisp 0 0 0 42 52 56 85 109 133 74

Idared 95 89 104 97 85 125 78 98 33 105

Jonagold 39 36 31 24 26 24 25 21 28 26

Jonathan 87 85 89 69 73 97 59 76 29 81

McIntosh 229 189 218 224 197 218 181 186 109 218

Newtown 21 20 19 - - - - - - -

Northern Spy 33 33 30 34 30 51 19 26 7 35

Red Delicious 1.418 1.288 1.244 1.074 1.086 1.056 1.032 1.013 1.011 1.141

RI Greening 43 36 43 - - - - - - -

Rome 202 189 202 172 185 213 150 152 105 189

Stayman 27 27 26 22 26 22 21 20 20 24

York 78 84 78 76 76 84 76 74 87 84

Outras 104 272 290 306 318 355 333 376 265 366

Total 4.583 4.402 4.456 4.123 4.371 4.402 4.210 4.273 4.110 4.635

5 Fonte: Relatório da assembleia geral da WAPA em 7 de fevereiro de 2014 em Berlin, Alemanha.

Page 19: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

19

Os EUA são um dos poucos países líderes na produção de maçã que viram sua produção

diminuir. As mudanças se caracterizaram por forte redução dos pequenos produtores e o domínio

por grandes produtores, embaladores e comerciantes. A consolidação foi uma resposta à

concentração do varejo; embaladores independentes preferiram unir-se às grandes organizações

comerciais para ser mais eficientes comercialmente. As grandes organizações integradas

conseguiram atender à demanda por padrões melhores de qualidade a custo competitivo.

Algumas organizações menores conseguiram atender à demanda por produtos de nicho, como:

socialmente mais justos, orgânico, proteção da fauna, fair trade, redução de emissão de carbono,

novas variedades ou compra de produtos locais.

Produção europeia por país (1.000t.)6

País Ano

2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013

Alemanha 946 925 948 1.070 1.047 1.071 835 953 972 802

Áustria 164 177 163 193 159 185 169 199 157 155

Bélgica 356 317 358 358 336 344 288 305 220 229

Croácia 38 41 48 40 49 60 89 83 59 96

Dinamarca 26 26 27 32 26 24 21 20 18 23

Eslováquia 31 36 31 10 42 48 32 33 36 42

Eslovênia 62 58 71 80 68 64 66 73 45 56

Espanha 553 701 547 599 528 470 486 507 386 400

França 1.709 1.770 1.585 1.676 1.528 1.651 1.579 1.701 1.169 1.528

Grécia 282 265 267 236 231 224 254 395 242 217

Holanda 435 380 348 396 376 402 334 418 281 291

Hungria 679 467 480 203 583 514 488 301 747 588

Itália 2.032 2.085 1.991 2.196 2.164 2.237 2.179 2.293 1.939 1.848

Letônia 7 38 32 31 34 13 12 8 9 9

Lituânia 34 130 100 40 74 74 46 49 39 40

Polônia 2.522 2.200 2.250 1.100 3.200 2.600 1.850 2.500 2.900 3.170

Portugal 277 252 257 258 245 274 251 265 221 284

Reino Unido 164 193 174 196 201 212 214 226 162 218

República Checa 164 138 160 113 157 145 103 79 118 111

Romênia 1.098 439 417 287 459 379 423 412 351 375

Suécia 20 21 20 16 18 18 20 17 14 17

Total 11.598 10.658 10.274 9.131 11.525 11.008 9.740 10.746 10.087 10.497

A União Europeia é um mercado comum sem impostos entre as fronteiras com uma

política agrícola comum, facilitando o comércio entre os membros. A Polônia, primeiro produtor

de maçã da Europa, tem sofrido as consequências de fatores climáticos extremos em vários anos,

fazendo a produção oscilar muito e trazendo incerteza econômica ao mercado europeu. A Itália

desbancou a França das posições de primeiro produtor e primeiro exportador – esse país é um

6 Fonte: Relatório da assembleia geral da WAPA em 7 de fevereiro de 2014 em Berlin, Alemanha.

Page 20: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

20

modelo da pequena propriedade organizada em cooperativas e cooperativas de segundo grau. Os

produtores italianos se adaptaram muito rapidamente às mudanças do mercado. No entanto, a

produção de Golden Delicious é muito importante e pode penalizar o produtor no futuro. Na

França as áreas plantadas estão se estabilizando após anos de reduções. A produção é organizada

em cooperativas fortes, continua uma das mais organizadas do mundo, e existe uma promoção

dinâmica de maçãs com AOP.

Perspectivas (1.000t.)7

País ou região 2012 - FAO 2015 prev. 2020 prev.

Europa

França 1.383,00 1.800,00 1.850,00

Itália 1.991,00 2.380,00 2.400,00

Polônia 2.877,00 3.160,00 3.270,00

Outros 4.017,00 5.485,00 5.948,00

Total 10.268,00 12.825,00 13.468,00

América do Norte

Estados Unidos 4.110,00 4.572,00 4.763,00

Outros 934,00 1.037,00 1.097,00

Total 5.044,00 5.609,00 5.860,00

Ásia

China 37.000,00 43.637,00 46.104,00

Turquia 2.889,00 2.950,00 3.200,00

Rússia 1.403,00 1.350,00 1.400,00

Outros 8.318,00 10.715,00 11.349,00

Total 48.207,00 57.302,00 60.653,00

Hemisfério Sul

América do Sul 3.661,00 4.177,00 4.409,00

África do Sul 796,00 875,00 930,00

Oceania 651,00 805,00 840,00

Total 5.108,00 5.857,00 6.179,00

Total dos principais países 70.030,00 82.943,00 87.560,00

Outros países 5.011,00 5.307,00 5.362,00

Total mundial 76.379,00 88.250,00 92.922,00

No caso da China, mesmo que a área plantada não aumente, um simples aumento de

produtividade pode fazer explodir a produção. O aumento de produção previsto por Desmond

O’Rourke é devido, principalmente, ao uso de material vegetal de última geração, novos porta-

-enxertos, plantio de alta densidade, visando à produção precoce e usando as últimas tecnologias,

por grupos de grandes produtores com capacidade financeira adequada. O’Rourke acredita que,

em termos de novas variedades, será difícil repetir o sucesso da Gala e da Fuji dos anos 1980

devido à competição entre supermercados e produtores. É provável que uma nova variedade surja

7 Fonte: World Apple Review (2013).

Page 21: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

21

entre estas: Cripps Pink, Pinova, Ariane, Cameo, Honeycrisp, Jazz, Junami, Kanzi, Belchard-

-Chantecler e Rubens. No Brasil temos a Monalisa, que é uma variedade com bom potencial para

agradar aos consumidores, variedade desenvolvida pela Epagri com resistência à sarna e ao ácaro.

Segundo relatório da World Apple Review, poucas mudanças são previstas até 2020: a

Red Delicious continuará no primeiro lugar seguida da Golden Delicious e da Gala. Essas três

variedades representarão 48% da produção das 15 primeiras variedades; em quarto lugar a Fuji

(excluída a China), Granny, Jonagold, que perde um lugar, Idared, que ganha um, Braeburn, que

perde um lugar, Cripps Pink, que ganha um lugar, e Elstar. O controle sobre o plantio de

Honeycrisp foi eliminado; foi a variedade que mais rendeu aos produtores. Estima-se que se

deverá plantar bastante nos dois hemisférios, o que certamente eliminará o preço premium que

era pago. Estão sendo lançadas maçãs muito diferentes pela Ifored, de polpa vermelha. Isso

poderá ser um novo sucesso?

Consumo de maçã no mundo (fruta in natura)

8

Países produtores Países não produtores

País Média 2010-2012 (kg) País 2010 (kg)

União Europeia 15,13 Indonésia 0,82

Reino Unido 9,40 Hong Kong 9,96

Outros países europeus 14,12 Malásia 3,35

Argentina 7,53 Filipinas 0,75

Brasil 5,21 Singapura 8,02

Chile 11,14 Taiwan 6,42

África do Sul 4,37 Tailândia 1,85

Hemisfério sul 6,20 Bahrain 5,79

China 21,64 Egito 1,32

Japão 5,43 Kuwait 7,69

Taiwan 5,79 Líbia 8,02

Turquia 30,15 Omã 4,42

Canadá 10,66 Arábia Saudita 6,19

México 5,83 Emirados Árabes 12,21

Estados Unidos 6,83 Panamá 2,10

Rússia 10,60 Venezuela 0,52

Mercado de exportação

Desde a crise financeira de 2007, os principais mercados Europeus, destino de nossas

exportações, mudaram os volumes de importação do Hemisfério Sul, que baixaram 40%. Os

exportadores do Hemisfério Sul estão trabalhando diferentes estratégias para minimizar a perda

de volume nesse mercado. Todos os países produtores e exportadores de maçã devem produzir

mais frutas na próxima década, e o desafio será encontrar os mercados lucrativos para essa fruta

8 Fonte: World Apple Review (2013).

Page 22: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

22

adicional. Esse assunto está intimamente ligado à relação do aumento da renda dos trabalhadores

num determinado mercado, de preferência não produtor de maçã.

A análise dos dados de consumo de maçã é ligada à situação econômica do momento e à

renda per capita. Verificou-se na Europa um aumento de consumo até 2002 e um retrocesso

nesses últimos anos. Essa análise vale para os outros países. Os países não produtores de maçã

são as melhores apostas em tornarem-se mercados atraentes para exportadores de maçã.

Sustentabilidade econômica em São Joaquim

O custo operacional efetivo de produção da maçã apurado em junho de 2013 pelo estudo

da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de

Aprendizagem Rural (Senar) e o Centro de Inteligência em Mercados (CIM) da Universidade

Federal de Lavras, numa propriedade típica da Região Serrana, tendo 40% Gala e 60% Fuji, para

uma propriedade de 5 hectares produzindo 45 toneladas por hectare, distribuído na média em

50% cat. 1, 25% cat. 2, 15% cat. 3 e 10% indústria, era de R$553,95 por tonelada. O custo

operacional total, incluindo as depreciações, é de R$691,45.t-1, e o custo total é de R$864,96.t-1,

incluindo o custo de oportunidade do capital calculado a 6% ao ano sobre os bens de capital e a

renumeração da terra corresponde ao valor do arrendamento.

O preço de venda médio apontado em junho de 2013 era de R$680,00/t, na média dos

produtores, e a margem bruta (PV-COE) é positiva em R$126,05.t-1. A margem liquida (PV-COT) é

negativa em R$11,45.t-1 e o resultado do exercício aponta um prejuízo de R$184,95.t-1.

Caso se considerem os mesmos dados da época, mas pegando como exemplo o perfil da

produção de um produtor com características similares oriundas de clones das variedades Gala e

Fuji, que adotou boas práticas produtivas, esse produtor alcançou a qualidade seguinte: 79% cat.

1, 1% cat. 2, 12% cat. 3 e 8% indústria. A margem bruta considerando a mesma produção de 45t.h-1

poderia chegar a R$121,50.t-1. e o resultado do exercício ficaria em R$52,16.t-1. negativo. Mas,

este produtor teve uma melhor eficiência produtiva e chegou a produzir 57 toneladas por hectare.

Neste caso a margem bruta por hectare ficou em R$266,92.t-1. e o resultado do exercício em

R$129,93.t-1.

Pudemos perceber quão importante é produzir frutas de qualidade com boa

produtividade por hectare a fim de melhorar as margens de lucro. Outro fator importante não

analisado é o tamanho da fruta: é importante para o produtor fazer um raleamento eficiente para

poder colher frutos maiores, que serão vendidos por valores mais altos, melhorando assim o preço

médio. Krueger9, num estudo de dezembro 2013, aponta o custo médio em São Joaquim de

R$15.080,82 por hectare para uma produtividade média de 41,69t.ha-1. O preço médio é de

R$630,00.t-1, originando uma margem bruta de R$268,26.

9 Krueger, R. Engenheiro-agrônomo, M.Sc., Cidasc, Sustentabilidade econômica com a cultura da maçã em São

Joaquim, publicado no jornal da Agapomi n.235, de dezembro de 2013.

Page 23: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

23

Tabela de Custos10

Conta Subconta R$.ha-1

R$.t-1

Participação

COE (%) COT (%) CT (%)

Condução de Pomares Salários 2 539,17 56,43 10,2 8,2 6,5

Encargos 2 127,57 47,28 8,5 6,8 5,5

Mecanização 2 515,99 55,91 10,1 8,1 6,5

Insumos

Corretivos 104,00 2,31 0,4 0,3 0,3

Fertilizantes 978,55 21,75 3,9 3,1 2,5

Defensivos 5.077,24 112,83 20,4 16,3 13,0

Colheita e Pós Colheita

Pessoas Salários 2.028,70 45,08 8,1 6,5 5,2

Encargos 1.306,80 29,04 5,2 4,2 3,4

Mecanização 838,66 18,64 3,4 2,7 2,2

Outros 952,29 21,16 3,8 3,1 2,4

Gastos Gerais Administrativos 3.426,06 76,13 13,7 11,0 8,8

Materiais 1.327,96 29,51 5,3 4,3 3,4

Juros de Custeio 1.704,80 37,88 6,8 5,5 4,4

Custo operacional efetivo (COE) (A) 24.927,79 553,95 100,0 80,1 64,0

Depreciações (B) 6.187,58 137,50 - 19,9 15,9

Pró-Labore (C) - - - 0,0 0,0

Custo operacional total (COT) (D) = (A+B+C) 31.115,37 691,45 - 100,0 79,9

Remuneração capital circulante próprio (E) - - - - 0,0

Renumeração terra (F) 4.590,00 102,00 - - 11,8

Renumeração bens de capital 6% (G) 3.217,96 71,51 - - 8,3

Custo Total (CT) (H) = (D+E+F+G) 38.923,33 864,96 - - 100,0

Nota: COE = custo operacional efetivo; COT =- custo operacional total; CT = custo total.

Recomendações finais

A capacitação técnica dos produtores, o acompanhamento dos pomares por engenheiro-

-agrônomo, a incorporação de boas práticas agrícolas, a escolha de clones de coloração melhor e

mais produtivos, os cuidados no manejo e na colheita para produzir o máximo de qualidade, o

cuidado para produzir frutos de tamanho adequado ao mercado, a inserção do manejo integrado

de pragas e doenças, a capacitação da mão de obra, a proteção dos pomares dos granizos11, , o

uso de novos porta-enxertos adequados as características de São Joaquim permitindo uma

colheita mais rápida mais precoce e facilitando o manejo.

Estes pontos contribuirão para a melhoria da situação econômica dos produtores, tendo

como corolário uma melhor situação econômica e social da pomicultura.

10

Dados levantados em 25 de junho em São Joaquim, no estudo do CIM da Universidade Federal de Lavras. 11

Já existe uma linha de financiamento de tela antigranizo acessível no programa de incentivo à inovação tecnológica na produção agropecuária (Inovagro). Mais informações podem ser obtidas no site do BNDES http://www. bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Apoio_Financeiro/Programas_e_Fundos/inovagro.html. Para os produtores enquadrados no Pronaf há outra linha, que é o programa Mais Alimentos, com taxa de juros de 2% ao ano.

Page 24: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

24

Para fortalecer e organizar melhor os produtores, o associativismo é o melhor caminho.

Juntos seremos mais fortes na produção e na comercialização. Para o pequeno produtor, o

cooperativismo é a saída, com as ajudas que os governos federal e estadual disponibilizam.

Nas associações e nas cooperativas deve-se trabalhar o marketing da venda, a comunicação

com o consumidor final. O financiamento das campanhas de marketing deve ser global por todos

os produtores. Não existe hoje um produtor que o consumidor final possa identificar com certeza.

A comunicação de massa é cara, mas a demanda aumenta proporcionalmente à exposição dos

consumidores às mensagens, e a resposta do consumidor é sempre positiva. Isto é a resposta dos

produtores: a grande concentração dos compradores, essencialmente supermercados com

técnicas de compra infalíveis e sempre procurando a melhor oferta do dia. Para enfrentar com

armas iguais os compradores, a concentração do produtor de maçã do lado da venda poderá

passar pela criação de consórcios comerciais, reunindo os produtores com packing houses

altamente profissionalizados e treinados, encarregados de comercializar da melhor maneira a

produção.

Outro ponto importante para o produtor é a valorização da fruta industrial. Pode caber à

pesquisa destacar alguns caminhos, como sucos naturais, pasta de frutas, etc. Para o produtor há

a possibilidade de desenvolver o caminho na propriedade ou nas cooperativas.

Das novas variedades que eventualmente podem ser cultivadas no Brasil, é importante

escolher uma que seja colhida entre a Gala e a Fuji para poder utilizar a mão de obra de colheita

nesse período, assim como o material de colheita. Com a chegada provável de equipamentos de

colheitas, será importante torná-los rentáveis da melhor maneira.

Enfim, a adaptação do produtor às mudanças climáticas e à chegada eventual de novas

pragas é essencial para perenizar sua atividade, de preferência com a ajuda dos órgãos de pesquisa.

Page 25: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

25

Viabilidade da fertirrigação em pomares de macieira no Sul do Brasil

Gilmar Ribeiro Nachtigall12, Gilberto Nava13, Maêve Silveira Castelo Branco14 e

Christiano Mignoni de Lima15

Introdução

A macieira, por ser uma planta de grande porte, com abundante vegetação, apresenta

elevada evapotranspiração da cultura (ETc) em comparação com culturas anuais, o que exige

elevadas quantidades de água disponível no solo para a obtenção de alta produtividade

(Hoffmann & Bernardi, 2004; Nachtigall et al., 2009). O consumo de água pela macieira é

influenciado principalmente pela temperatura, pela radiação solar global, pelo deficit de pressão

de vapor e pela umidade relativa do ar (Pereira et al., 2009). Além disso, diferenças no tamanho e

na forma das copas causam diferenças significativas na transpiração e na eficiência do uso de água

(Li et al., 2002).

O cultivo de maçãs nos principais países produtores, principalmente em sistemas de

produção em alta densidade e de elevado uso tecnológico, utiliza a irrigação ou a fertirrigação

para manter alta produtividade e qualidade dos frutos comercializáveis. A eficiência da irrigação e

da fertirrigação em macieiras nesses países é comprovadas por diversos resultados de pesquisa,

como os de Fallahi et al. (2008) nos EUA, Neilsen et al. (2010) no Canadá, Wan Zaliha e Singh

(2010) na Austrália, Mpelasoka et al. (2001) na Nova Zelândia, Rufat et al. (2001) na Espanha,

Wojcik e Treder (2006) na Polônia.

No Brasil, em função das características climáticas predominantes até a última década, a

irrigação ou a fertirrigação não eram técnicas incorporadas aos sistemas de produção de maçãs.

Entretanto, as variações climáticas verificadas nos últimos anos têm-se constituído em motivo de

preocupações para os produtores de maçã no Sul do Brasil, principalmente pelo fato de que a

irregularidade e a má distribuição das chuvas podem causar problemas no que se refere tanto à

qualidade quanto à produtividade das macieiras. Esses períodos de deficit hídrico ocorrem

principalmente nas etapas do ciclo produtivo da maçã (final do crescimento dos ramos até a

colheita), em que a demanda hídrica é maior (Beukes & Weber, 1982), fato que tem aumentado o

interesse dos produtores pela instalação de sistemas de irrigação em suas áreas. Os primeiros

trabalhos com irrigação e fertirrigação em macieira no Brasil foram realizados por Nachtigall et al.

(2012) e Branco et al. (2013).

12

Engenheiro-agrônomo, Dr, Pesquisador da Embrapa Uva e Vinho, Estação Experimental de Fruticultura de Clima Temperado, C.P.

1513, 95200-000 Vacaria, RS, e-mail: [email protected]. 13

Engenheiro-agrônomo, Dr, Pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), C.P.

81, 88600-000 São Joaquim, SC, e-mail: [email protected]. 14

Engenheira-agrônoma, Mestranda do curso de Ciência do Solo na Universidade do Estado de Santa Catarina, Av. Luís de Camões,

2090, Conta Dinheiro, 88520-000 Lages, SC, bolsista CNPq. e-mail: [email protected]. 15

Graduando em Agronomia UCS-CAMVA, Av. Dom Frei Cândido Maria Bamp, 2800, 95200-000 Vacaria, RS, bolsista CNPq, e-mail:

[email protected].

Page 26: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

26

Os solos da região Sul do Brasil, nas áreas onde se cultiva macieira, são predominante-

mente Latossolos, com textura argilosa, de ocorrência nas regiões de Vacaria, RS, e Fraiburgo,

SC. Esses solos, em função de suas características, apresentam alta capacidade de retração com

a perda de umidade, evidenciada pelo fendilhamento, verificado facilmente em condições em

que o solo está exposto. Já na região de São Joaquim, SC, predominam os Neossolos e

Cambissolos, de textura franca e pouca profundidade, que apresentam baixa capacidade de

armazenamento de água.

Diante da importância que os elementos relacionados com a disponibilidade de água do

solo e o fornecimento adequado de nutrientes têm sobre o crescimento e o desenvolvimento da

macieira nas condições do Sul do Brasil, foram realizadas pesquisas para avaliar a disponibilidade

de água do solo e os efeitos da irrigação e da fertirrigação na produtividade e qualidade de frutos

de macieira em Vacaria e São Joaquim.

Material e métodos

Os trabalhos foram desenvolvidos no município de Vacaria (safras 2011/12 a 2013/14), na

Estação Experimental de Clima Temperado da Embrapa Uva e Vinho (28o30’49” S; 50o52’58” W),

981m de altitude), cujo solo predominante é o Latossolo Bruno alumínico câmbico, e no município

de São Joaquim (safra 2013/14), na Estação Experimental da Epagri (28°17’25’’ S, 49°56’56’’ W,

1.350m de altitude), cujo solo predominante é o Neossolo Litólico.

Para a avaliação do efeito da irrigação e da fertirrigação na cultura da macieira foram

instalados nas duas regiões pomares com sistema de irrigação localizada, por gotejamento, e

foram utilizadas duas mangueiras para o experimento: uma para a aplicação da água de irrigação e

uma para a aplicação da solução de solo via fertirrigação. Em Vacaria, utilizaram-se os cultivares

Maxigala e Fuji Suprema sobre o porta-enxerto M9, plantados em 2009 no espaçamento de 1,2 e

1m entre as plantas respectivamente, e de 4m entre as filas, conduzidas no sistema de líder

central. Em São Joaquim, utilizou-se o cultivar de macieira Kinkas sobre o porta-enxerto

Maruba/M9 (filtro), plantado em 2012 no espaçamento de 1,2m x 4m, conduzidos no sistema de

líder central.

Os tratamentos utilizados foram: a) adubação convencional; b) adubação convencional +

irrigação; c) fertirrigação + irrigação; e d) fertirrigação. As quantidades de nutrientes aplicadas

foram de 60kg.ha-1 de K2O, 20kg.ha-1 de P2O5 e 20kg.ha-1 de N. Nos tratamentos com adubação

convencional, a aplicação dos fertilizantes na forma sólida ocorreu de uma só vez, no período pós-

-floração, enquanto nos tratamentos com fertirrigação a adubação líquida foi realizada via

fertirrigação, parceladas semanalmente durante o período de crescimento vegetativo das plantas,

utilizando as mesmas quantidades de nutrientes dos demais tratamentos.

Para o monitoramento hídrico do solo, foram empregados tensiômetros de punção

instalados na linha de plantas e em duas profundidades, de 10 e 30cm, correspondendo às

camadas de 0 a 20cm e de 20 a 40cm respectivamente. A partir dos valores do potencial matricial

da água no solo, obtidos com a leitura dos tensiômetros, determinou-se a umidade volumétrica,

Page 27: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

27

empregando-se a equação de van Genuchten (1980). A definição de necessidade de irrigação nas

áreas de pomar irrigado foi estabelecida quando os níveis médios da tensão da água no solo, na

camada 20 a 30cm, atingiram valores inferiores a -10kPa, valor referente à capacidade de campo

do solo. Foram avaliados o rendimento de frutos por área (t.ha-1), as características pós-colheita

de frutos (teor de sólidos solúveis totais em °Brix (SST) e a cor da epiderme da maçã – coordenadas

cromáticas de croma “a”).

Resultados e discussão

1 Monitoramento hídrico do solo

Na Figura 1 são apresentados os resultados do monitoramento da tensão da água no solo

em pomar de macieira, em função da irrigação, comparados aos do cultivo convencional, para a

camada de 20 a 40cm de profundidade. Essa é a camada mais representativa dos efeitos de

tratamentos por apresentar menor variabilidade de valores de tensão de água no solo, bem como

por representar a região de maior acúmulo do sistema radicular. Nestes mesmos gráficos são

representadas as ocorrências de precipitação pluviométrica nas safras 2011/12, 2012/13 e

2013/14 para a região de Vacaria.

O comportamento da tensão de água no solo foi bem distinto entre as safras avaliadas.

Na safra 2011/12 houve deficit hídrico na fase vegetativa da macieira, demonstrado pela avaliação

dos tensiômetros localizados no sistema convencional (sem aplicação de água de irrigação),

caracterizado por longo período de baixa disponibilidade de água do solo, o qual iniciou no início

de novembro e prolongou-se até o fim de dezembro. As leituras mostraram tensões que

ultrapassaram -50kPa. Outros períodos de deficit hídrico ocorreram a partir de março de 2012.

Nos tratamentos de irrigação, as tensões médias avaliadas se mantiveram nos índices

preestabelecidos como adequados para a cultura, uma vez que os tensiômetros a 30cm de

profundidade apresentaram valores superiores ou próximos a -10kPa através da aplicação de água

pelo sistema de irrigação. Isso mostrou a eficácia e a aplicabilidade do controle hídrico na cultura

da macieira.

Na safra 2012/13 houve apenas três períodos curtos de deficit hídrico durante a fase

vegetativa da macieira: dois no mês de dezembro de 2012 e um no mês de janeiro de 2013. Sua

leitura dos tensiômetros mostrou tensões inferiores a -10kPa, indicando necessidade da aplicação

de água. Nos tratamentos de irrigação, as tensões médias avaliadas se mantiveram nos índices

preestabelecidos como adequados para a cultura.

Na safra 2013/14 houve períodos de deficit hídrico significativo em três momentos da

fase vegetativa da macieira, verificado pela avaliação dos tensiômetros localizados no sistema

convencional (sem aplicação de água de irrigação), o primeiro no início do mês de dezembro de

2013, o segundo, mais prolongado, de meados de dezembro de 2013 até meados de janeiro de

2014, e o terceiro em meados de fevereiro de 2014, cuja leitura dos tensiômetros mostrou

tensões que ultrapassaram -50 kPa, indicando a necessidade da aplicação de água.

Page 28: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

28

Figura 1. Distribuição sazonal da tensão de água no solo, na profundidade de 20 a 40cm, em cultivo de macieira irrigada e convencional, e da precipitação pluviométrica nas safras 2011/12, 2012/13 e 2013/14, em Vacaria, RS

Page 29: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

29

Na Figura 2 são apresentados os resultados do monitoramento da tensão de água no solo

em pomar de macieira para a região de São Joaquim em função da irrigação, comparados aos do

cultivo convencional, para a camada de 20 a 40cm de profundidade, na safra 2013/14. Houve

períodos de deficit hídrico significativo em três momentos da fase vegetativa da macieira: o

primeiro no início do mês de dezembro de 2013, o segundo em meados de dezembro de 2013 e o

terceiro no fim de janeiro de 2014. A leitura dos tensiômetros mostrou tensões que ultrapassaram

-30kPa, indicando a necessidade da aplicação de água.

Figura 2. Distribuição sazonal da tensão de água no solo, na profundidade de 20 a 40 cm, em cultivo de macieira irrigada e convencional e da precipitação pluviométrica na safra 2013/14. São Joaquim/SC.

2 Efeito da irrigação e fertirrigação na produtividade e qualidade

Para a região de Vacaria, os efeitos da irrigação e fertirrigação na produtividade

acumulada de frutos (três safras: 2011/12, 2012/13 e 2013/14) e na qualidade de frutos de

macieira foram distintos entre os cultivares Maxigala e Fuji Suprema (Tabelas 1 e 2).

Quanto ao rendimento de frutos, no cv. Maxigala somente na produção da classe 65 a

70mm houve efeito de tratamentos, em que o tratamento adubação convencional + irrigação

apresentou produtividade superior aos demais tratamentos, com aumento de produtividade de

aproximadamente 8 toneladas em três safras. Para a produção total, o tratamento adubação

convencional + irrigação apresentou produtividade superior ao tratamento adubação conven-

cional, com aumento de produtividade de aproximadamente 14 toneladas em três safras. Para o

cv. Fuji Suprema houve efeito de tratamentos para as classes de maior calibre de frutos. Na classe

>70mm os tratamentos adubação convencional + irrigação e fertirrigação + irrigação apresen-

taram produtividade superior ao tratamento adubação convencional, com aumentos de produ-

tividade de aproximadamente 10 toneladas no período avaliado. Na classe 65 a 70mm, o trata-

mento adubação convencional + irrigação apresentou produtividade superior ao tratamento

adubação convencional, com aumento de produtividade de aproximadamente 6 toneladas em três

Page 30: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

30

safras. Para a produção total, os tratamentos adubação convencional + irrigação e fertirrigação +

irrigação apresentaram produtividade superior ao tratamento adubação convencional, com

aumento de produtividade de aproximadamente 9 toneladas no período avaliado.

Tabela 1. Produção acumulada de frutos (safras 2011/12, 2012/13 e 2013/14), por classe de tamanho, para os cultivares de macieira Maxigala e Fuji Suprema em função dos tratamentos de irrigação e fertirrigação. Vacaria, RS

Tratamento Classe de produção acumulada (kg.ha

-1)

>70mm 65 a 70mm 55 a 65mm < 55mm Total

Maxigala

Adubação convencional 21.664ns

29.904 b 14.005ns

1.379ns

66.952 b

Adubação convencional + irrigação 23.864 37.809 a 16.819 1.795 80.287 a

Fertirrigação + irrigação 24.654 32.587 b 15.081 1.455 73.777 ab

Fertirrigação 23.327 30.505 b 17.217 1.861 72.910 ab

CV (%) 14,0 9,7 23,8 36,6 7,9

Fuji Suprema

Adubação convencional 33.574 b 27.265 b 15.635ns

1.918ns

78.392 b

Adubação convencional + irrigação 42.725 a 33.299 a 16.431 2.047 94.502 a

Fertirrigação + irrigação 43.670 a 30.191 ab 16.819 2.123 92.802 a

Fertirrigação 39.407 ab 29.620 ab 14.541 1.756 83.524 ab

CV (%) 12,0 11,1 19,2 19,2 7,0

Nota: Médias seguidas de mesma letra, na coluna e para cada cultivar, não diferem entre si pelo teste Tukey a 5% de probabilidade. ns

= não significativo.

Tabela 2. Cor vermelha da epiderme das maçãs (coordenadas cromáticas de croma “a”) e teores de sólidos solúveis totais (SST) nas safras 2011/12 e 2012/13 para os cultivares de macieira Maxigala e Fuji Suprema em função dos tratamentos de irrigação e fertirrigação. Vacaria, RS

Tratamento Cor vermelha (“a”) SST (

oBrix)

2011/12 2012/13 2011/12 2012/13

Maxigala

Adubação convencional 25,6 b 31,5 c 12,9ns

14.5 a

Adubação convencional + irrigação 32,5 a 34,8 a 11,8 13,8 b

Fertirrigação + irrigação 30,5 a 32,0 bc 12,9 14,3 ab

Fertirrigação 32,4 a 33,6 ab 12,2 14,1 ab

CV (%) 8,2 4,0 6,7 2,6

Fuji Suprema

Adubação convencional 22,7 b 16,8ns

12,5ns

13,5ns

Adubação convencional + irrigação 27,6 a 19,2 12,2 13,8

Fertirrigação + irrigação 28,9 a 16,8 12,1 13,3

Fertirrigação 26,2 a 20,1 11,9 13,8

CV (%) 8,2 13,4 4,4 3,3

Nota: Médias seguidas de mesma letra, na coluna e para cada cultivar, não diferem entre si pelo teste Tukey a 5% de probabilidade. ns

= não significativo.

Quanto à qualidade da fruta, na safra 2011/12, tanto no cv. Maxigala quanto no cv. Fuji

Suprema, a coloração vermelha da epiderme aumentou significativamente com a irrigação e

fertirrigação, enquanto os teores de sólidos solúveis totais (SST) não foram afetados pelos

Page 31: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

31

tratamentos aplicados. Já na safra 2012/13, somente houve efeito de tratamentos no cv.

Maxigala, em que o tratamento adubação convencional + irrigação apresentou a coloração

vermelha da epiderme superior aos demais tratamentos, e os teores de sólidos solúveis totais

(SST) do tratamento adubação convencional + irrigação foram inferiores aos do tratamento

adubação convencional. Para o cv. Fuji Suprema não houve efeito de tratamentos.

Os períodos de deficit hídrico no solo na região de Vacaria, identificados durante a fase

vegetativa da macieira nas safras 2011/12 e 2013/14, afetaram a produtividade e a qualidade dos

frutos, de modo que o suprimento de água via irrigação aumentou o calibre da fruta e a

produtividade nessas safras, bem como aumentou a coloração vermelha da epiderme da fruta,

principalmente do cv. Maxigala. Efeitos da irrigação no aumento do tamanho dos frutos também

foram verificados por Fallari et al. (2008) com o cv. Autumn Rose Fuji nos USA, por Neilsen et al.

(2010) com o cv. Ambrosia no Canadá, e por Campi e García (2011) com o cv. Gala no sul do

Uruguai. Wan Zaliha e Singh (2010), com o cv. Cripps Pink na Austrália e Iglesias et al. (2002) com o

cv. Troped Delicious na Espanha, também verificaram que a irrigação aumentou a coloração

vermelha da película dos frutos.

Os resultados obtidos tornam evidentes os benefícios da irrigação no cultivo de macieiras

na região de Vacaria. Entretanto, a fertirrigação, como técnica de manejo para fornecer os

nutrientes via sistema de irrigação, ainda não está ajustada adequadamente para promover os

mesmos resultados da adubação convencional (via solo) aliada à irrigação. Provavelmente, sejam

necessários ajustes nas doses e épocas de aplicação dos fertilizantes via fertirrigação para obter a

máxima eficiência desse sistema.

Para a região de São Joaquim, os efeitos da irrigação e fertirrigação sobre a produção

total de frutos e o peso médio de frutos na safra 2013/14 são apresentados na Tabela 3. Embora

esses resultados representem apenas a primeira safra, já é possível verificar efeito dos

tratamentos sobre a qualidade dos frutos. Verificou-se que o tratamento fertirrigação + irrigação

apresentou maior peso médio de frutos que os tratamentos adubação convencional e adubação

convencional + irrigação. Para a produção total de frutos não houve efeito significativo dos

tratamentos. Para as condições dos solos da região de São Joaquim, a fertirrigação aliada à

irrigação foi mais eficiente em disponibilizar os nutrientes para as plantas, principalmente nos

momentos de maior déficit hídrico do solo.

Tabela 3. Produção total e peso médio de frutos do cultivar de macieira Fuji Suprema na safra 2013/14 em função dos tratamentos de irrigação e fertirrigação. São Joaquim, SC

Tratamento Rendimento Peso médio do fruto

(kg.ha-1

) (g)

Adubação convencional 9.840ns

163 c

Adubação convencional + irrigação 9.054 169 bc

Fertirrigação + irrigação 11.813 197 a

Fertirrigação 10.986 182 ab

CV (%) 32,24 8,65

Nota: Médias seguidas de mesma letra, na coluna e para cada cultivar, não diferem entre si pelo teste Tukey a 5% de probabilidade. ns

= não significativo.

Page 32: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

32

Conclusões

O deficit hídrico no solo, na região de Vacaria, quando caracterizado, ocorre de forma

concentrada nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro, e o monitoramento da tensão da água

no solo, através da tensiometria, foi eficiente para manter os índices de umidade do solo

adequados para a cultura via irrigação.

A irrigação aumentou a produção de frutos de maior calibre, a produção total e a

coloração vermelha da epiderme de frutos de macieiras cvs. Maxigala e Fuji Suprema quando

houve deficit hídrico nos solos da região de Vacaria. Por outro lado, o uso da fertirrigação ainda

não está ajustado adequadamente para promover os mesmos resultados da adubação convencional

com irrigação, necessitando de ajuste para doses de nutrientes e épocas de aplicação.

Referências

BEUKES, D.J.; WEBER, H.W. The effects of irrigation at different soil water levels on the water use characteristics of apple trees. Journal of Horticultural Science, Ashford, v.57, n.4, p.383-391, 1982.

BRANCO, M.S.C.; NAVA, G.; ERNANI, P.R.; NACHTIGALL, G.R. Efeito da irrigação e fertirrigação na composição mineral de folhas de macieira. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 34., 2013, Florianópolis, SC. Anais... Florianópolis: SBCS, 2013. CD-ROM.

CAMPI, P.; GARCÍA, C. Effects of irrigation management and nitrogen fertilization on the yield and quality of ‘Gala’ apple. Acta Horticulturae, Viña del Mar, v.889, p.249-255, 2011.

FALLAHI, E.; FALLAHI, B.; SHAFII, B. Effects of irrigation systems and rootstocks on water use, tree growth, fruit quality, and mineral nutrients in apples during the third and fourth year after planting. Acta Horticulturae, Seul, v.772, p.33-39, 2008.

HOFFMANN, A.; BERNARDI, J. Aspectos botânicos. In: NACHTIGALL, G.R. (Ed.). Maçã: produção. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho; Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2004. p.17-24.

IGLESIAS, I.; SALVIA, J.; TORGUET, L.; CABÚS, C. Orchard cooling with overtree microsprinkler irrigation to improve fruit colour and quality of ‘Topred Delicious’ apples. Scientia Horticulturae, Amsterdam, v.93, n.1, p.39-51, 2002.

LI, F.; COHEN, S.; NAOR, A.; SHAOZONG, K.; EREZ, A. Studies of canopy structure and water use of apple trees on three rootstocks. Agricultural Water Management, Amsterdam, v.55, n.1, p.1-14, 2002.

MPELASOKA, B.S.; BEHBOUDIAN, M.H.; MILLS, T.M. Effects of deficit irrigation on fruit maturity and quality of ‘Braeburn’ Apple. Scientia Horticulturae, Amsterdam, v.90, p.279-290, 2001.

NACHTIGALL, G.R.; CARGNINO, C.; NAVA, G. Efeito da irrigação e fertirrigação na produtividade e qualidade de macieiras Royal Gala. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS – FERTBIO 2012, 30., 2012, Maceió, AL. Anais... Maceió: SBCS, 2012. CD-ROM.

NACHTIGALL, G.R.; FIORAVANÇO, J.C.; HOFFMANN, A. Macieira. In: MONTEIRO, J.E.B.A. (Ed.). Agrometeorologia dos cultivos: o fator meteorológico na produção agrícola. Brasília, DF: INMET, 2009. p.449-464.

NEILSEN, D.; NEILSEN; G.H.; HERBERT, L.; GUAK, S. Effect of irrigation and crop load management on fruit nutrition and quality for Ambrosia/M.9 apple. Acta Horticulturae, Faro, v.868, p.63-72, 2010.

PEREIRA; A.B.; VILLA NOVA, N.A.; ALFARO, A.T. Necessidades hídricas de citros e macieiras a partir da área foliar e da energia solar. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.31, n.3, p.671-679, 2009.

Page 33: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

33

RUFAT, J.; MATA, M.; ARBONÉS, A.; DEL CAMPO, J.; GELLY, M.; MARSAL, J.; GIRONA, J. Fruit development, yield and quality in response to irrigation and nitrogen application on Golden Delicious apples. Bulletin OILB/SROP, Lleida, v.24; n.5, p.359-365, 2001.

VAN GENUCHTEN, M.T. A closed-form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soils. Soil Science Society of America Journal, Madison, v.44, p.892-898, 1980.

WAN ZALIHA, W.S.; SINGH, Z. Fruit quality and postharvest performance of ‘Cripps Pink’ apple in relation to withholding irrigation. Acta Horticulturae, Antalya, v.877, p.147-154, 2010.

WOJCIK, P.; TREDER, W. Effect of drip boron fertigation on yield and fruit quality in a high-density apple orchard. Journal of Plant Nutrition, New York, v.29, p.2199-2213, 2006.

Page 34: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

34

Fertigation and nutrition of apple orchards

Gerry Neilsen16 e Denise Neilsen16

Introduction

In apple horticultural production systems, increased precision in the application of both

water and nutrients can potentially be achieved by simultaneous applications of both nutrients

and water, a process which is commonly referred to as fertigation. There are several review

papers which have summarized fertigation principles and practices (Bar Josef, 1999; Haynes,

1985), including some with specific reference to apple (Neilsen et al., 1999; Neilsen and Neilsen,

2008). The ideal goal of fertigation is to perfectly synchronize nutrient supply with plant demand.

Nutrient uptake by apple trees is determined by root interception, soil availability and tree

demand. Apple trees have low rooting density, especially when planted on dwarfing rootstocks,

but are capable of high uptake of many nutrients per unit root length. Nutrient mobility in the soil

is a key factor in determining nutrient availability at the root surface, and good fertigation

management of nutrients requires that supply be matched to demand in terms of the amount,

timing and retention in the root zone and that those nutrients be placed where they can be

accessed by roots.

This presentation will summarize cumulative fertigation research undertaken primarily in

high density apple orchards in British Columbia and Washington State, in a semi-arid fruit growing

region, where irrigation is required to achieve production. Fertigation is of particular interest in

this region for apple orchards which are located on coarse-textured sandy loams, loamy sands or

sandy soils. Such soils are susceptible to several management problems including slow growth of

newly-planted orchards, and the development of various nutrient imbalances attributed to low

organic matter content and their generally poor nutrient and water retention capacities. This

situation has stimulated interest in precision control of nutrients and water applications via

fertigation, primarily through low pressure, irrigation systems combined with atmometer-

scheduled irrigation rather than by sprinkler irrigation.

Methods

Soluble fertilizers are required for fertigation. Caution is required to select compatible

soluble fertilizers which will not precipitate within lines or with irrigation water which can have,

for example, dissolved concentrations of calcium or magnesium which can precipitate with P

fertilizers. A typical automated fertigation injection system, as indicated in Fig. 1, has been used in

our research work. As part of this system, water applications have been scheduled to meet

evaporative demand and have been utilized to apply water daily, based on the previous day’s

irrigation as measured by an electronic atmometer (ET Gage Co. Loveland, Co.) and modified

16

Research Scientists, Ph.D., Agriculture and Agri-Food Canada, Pacific Agri-Food Research Centre, Summerland, British Columbia, Canada, V0H 1Z0

, phone number: 250-494-6377, e-mail: [email protected].

Page 35: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

35

according to a crop-coefficient curve based on canopy development (Parchomchuk et al., 1996).

Periodic soil moisture by various methods, including Time Domain Reflectometry (TDR), can be

used to verify water application rates.

Experience with fertigation to supply important plant nutrients for apple production will

be discussed by examination of results generated from a series of case studies of fertigation trials

established in the field over the past two decades.

Nitrogen

Monitoring of soil solution NO3–N concentrations from permanently installed suction

lysimeters at 30cm depth directly beneath drip emitters within the root zone of high density apple

was used to determine the effects of various fertilizer and water application strategies on root

zone N availability (Neilsen et al., 1998; Fig.2). Nitrate-N concentration in the soil solution

measured at 30 cm below drip emitters remained higher over more of the growing season, for

weekly fertigation and daily drip irrigation compared to single broadcast fertilizer application &

sprinkler irrigation. With daily calcium nitrate fertigation and daily drip irrigation, N concentrations

increased and decreased rapidly both with the onset and end of fertigation, remained relatively

constant during the intervening period and varied depending up on the time of N application (N1

compared to N3; Fig.2).

Since quantities of water applied to the soil via irrigation or natural precipitation affect

the concentration of NO3-N in the root zone, scheduled irrigation in response to evapo-

transpiration using an atmometer was used to insure that excess water is not applied to the soil

Figure 1. Components of an automated fertigation system

Page 36: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

36

when the weather is cool and wet. A three-year study in a young high density apple orchard used

passive capillary wick samplers to test the effects of scheduling irrigation to meet evaporative

demand compared to irrigation applied at a fixed rate (unscheduled) (Neilsen and Neilsen, 2002).

Water losses beneath the root zone were greater for fixed rate than scheduled irrigation during

the coolest months (May, June, and September) of irrigation application. Also, greater N use

efficiency was measured for trees when irrigation was scheduled to meet evaporation demands

rather than applied at a fixed rate year round.

Figure 2. Soil N concentration beneath the emitter as affected by different fertilizer application strategies

Timing of N application is an important consideration when fertigating N. Annual apple

tree growth is supported by N remobilized from storage in spring as well as that taken up by roots.

Labeled N studies have indicated that root uptake of soil N is negligible during early spring prior to

bloom (Neilsen et al., 2001). The commencement of rapid uptake of N from the soil is associated

with the end of within tree remobilization which coincides with the start of annual shoot growth

(Fig. 3). This means that pre-bloom N fertilizer applications have often proven ineffective and the

preferred time of N-fertigation is in the 4-6-week period of rapid shoot growth following petal fall.

It has proven difficult to distinguish consistent effects of altering the timing of N fertigation within

the 0-12-week period following bloom although there is a tendency to improve yield and fruit size

by early application of N within 4 weeks post-bloom while N applications near to harvest (8-12

weeks following bloom) tend to delay apple harvest.

The effects of N-fertigation on high density apple is illustrated in a long term experiment

maintained for the first six fruiting seasons in an orchard containing five different cultivars

Page 37: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

37

(Ambrosia, Cameo, Fuji, Gala, and Silken) on M.9 rootstock (Neilsen et al., 2009). Fertigation

treatments were a combination of two nitrogen (N) rates and three times of N application. N was

applied at low (28mg N.L-1) or high (168mg N.L-1) concentrations daily at 0 to 4, 4 to 8 or 8 to 12

weeks after full bloom (of the Ambrosia cultivar). At high N, all cultivars had increased midsummer

leaf and harvested fruit N concentrations, decreased fruit firmness, and in heavy crop years,

decreased percent red color (Table 1). Annual yield of all cultivars was significantly increased by N

in a single year, but their cumulative yields were not different among treatments as a result of rate

or timing (Table 1).

Altering the timing of N application within 12 weeks after bloom only affected leaf and

fruit tissue N concentration in this particular study (data not shown). Yield, fruit firmness and color

were unaffected by fertigation timing. It should be noted that the low N rate was equivalent to

application of 25kg N.ha-1.yr-1 and the high N rate equivalent to 125kg N.ha-1.yr-1. The high N rate

was associated with fruit quality decline, including decreases in fruit firmness and at high crop

load, reductions in percent red color. Optimum fruit quality and adequate N availability would be

achievable by maintaining fertigation concentrations at 42mg N.L-1,which would have applied 40kg

N.ha-1 by daily applications over a minimum of a 4-week period during the main growing season.

This illustrates the potential of achieving good apple production at relatively low rates of N

application per unit area of land.

Phosphorus

Despite a lack of response of apple trees to P-fertigation in early research work (Boyton

and Oberly, 1966), several soil conditions have been identified when apples responded to P

Figure 3. When N should be applied in the spring

Page 38: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

38

applications. These included times when apple root length is limited, as when trees are newly

planted (Taylor and Goubran, 1975) and when replant disorders further inhibit growth (Neilsen

and Yorston, 1991), or when low available P limits P availability to roots (Cripps, 1987).

Fertigation increases P mobility in sandy soils. The improved mobility has been attributed

to the movement of P by mass flow with irrigation waters after saturation of sorption sites near

the point of application. One benefit of first year P-fertigation is increased flowering of apple trees

in the second year and improved vigour of trees planted in old orchard soil (Neilsen et al, 1990).

A single, annual application of 20g P per tree at bloom as ammonium polyphosphate

dissolved in irrigation water was beneficial for the performance, over the first five fruiting seasons,

of a range of apple cultivars, including ‘Fuji’, ‘Gala’, ‘Ambrosia’, ‘Silken’, and ‘Cameo’ planted at

high density on the dwarfing rootstock M.9 (Neilsen et al, 2008). These trees were otherwise

receiving optimum fertigation recommendations for sandy soils which included daily application of

168mg.L-1 N as calcium nitrate, maintenance B applications (0.17g B per tree as Solubor) both

applied 0-4 weeks post bloom and daily applications of K applied 8-12 weeks post bloom as

potassium chloride (approx. 20g K per tree). Cumulative yield of these trees was increased by

about 20% over all tested apple cultivars during the first five growing seasons. These yield

increases were associated with maintenance of standard fruit quality parameters, including fruit

size, SSC, TA and proportion of coloration (for red skinned cultivars) at harvest. Reduction in

incidence of water core at harvest, resistance to browning of cut slices, reduced membrane

leakage and elevated antioxidant content of fruit after cold air storage indicated a role for P in

maintenance of apple fruit membrane stability. Cumulative results from this research also

suggested optimum mid-summer leaf P concentrations should exceed 2.2mg.g-1 dw for fruiting,

fertigated high density apple orchards, much in excess of current recommendations of 1.5mg.g-1

dw. Associated recommended harvest fruit P concentrations would then be 100-120mg.kg-1 fw.

Potassium

Potassium can be effectively applied as potassium chloride via fertigation, as indicated by

increases in soil solution concentrations at 30cm depth directly below drip emitters over a 4-year

period when fertigated from mid-June to mid-August relative to soil not fertigated with K (Neilsen

et al., 2004; Fig. 4). Potassium fertigation was able to maintain leaf K concentrations above

deficiency levels and increase fruit K concentrations. Furthermore, fruit yield, size, titratable

acidity and red color at harvest all increased in the apple cultivars ‘Gala’, ‘Fuji, ‘Fiesta’ and

‘Spartan’ which were grown at this site.

Subsequent research involving ‘Jonagold’ on M.9 indicated there were few differences

among K-fertilizers including KMg, sulphate, chloride, thiosulphate forms indicating a range of

soluble materials would be suitable fertigants for improving inadequate K-nutrition (Neilsen and

Neilsen, 2006). Use of KMg was effective at increasing extractable soil Mg content but relative

effects on leaf and Mg concentrations were slight, indicating the difficulties of ameliorating

inadequate Mg via fertigation when co-applying K. Short term differential effects of treatments on

Page 39: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

39

leaf and fruit Ca concentrations were minimal and there was no increase in bitter pit disorders

(Table 2). The sensitivity of the orchard production system to long-term disruption in Ca nutrition

was indicated by a general decrease in soil Ca availability after fertigation of K, especially in

association with Mg additions and low pH (Table 3), and by increased whole fruit Ca/K ratios at

harvest. Thus, application of significant amounts of K to coarse-textured soils, via irrigation water,

when the K nutritional status of apple trees is unknown, should be accompanied by vigilance to

ensure Ca concentration of harvested fruit is optimum.

Figure 4. Soil solution K concentration at 30cm depth beneath drip emitters in response to

K fertigation

Other nutrients

Several important nutrients are traditionally more effectively applied via foliar sprays

rather than by applications to the soil. These include Ca, which is critical for ensuring optimum

apple fruit harvest and storage quality (Vang-Peterson, 1980). British Columbia production

recommendations for orchard Ca management are similar to may fruit growing regions of the world

and usually involve, for blocks susceptible to Ca disorders, three to six sprays of soluble Ca salts

(food grade calcium chloride preferred) applied during mid- to late-growing season when the fruit

is large. Cultivars such as ‘Braeburn’ and ‘Honeycrisp’ have been found to respond to foliar

applied Ca earlier in the growing season prior to the cessation of shoot growth (Peryea et al.,

2007). There has been a limited response of apple trees to Ca application via fertigation. One

exception is a comparative study in a low pH (high leaf Mn) orchard where fruit Ca in ‘Jonagold’

Page 40: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

40

apple was higher when fertigated with calcium nitrate rather than urea or ammonium nitrate

(Table 4; Neilsen et al., 1993).

Also, many micronutrients are preferentially applied by foliar sprays. For example, leaf

concentrations of micronutrients Zn and B were effectively increased via foliar application in a

long term trial on apple. Foliar B applications ameliorated deficiency symptoms associated with

‘blossom blast’ in the spring, and fruit corking and cracking at harvest. Fertigation of Zn as soluble

zinc sulphate was ineffective at increasing leaf Zn concentration (Fig. 5). In contrast, fertigated B

was mobile within the soil and it was relatively easy to increase leaf and fruit B concentrations via

fertigation of modest rates of 0.34g B per tree. The ready response of tissue B concentrations to

fertigated B suggest caution is required to select moderate B application rates in order to avoid

toxicity when fertigating B (Fig. 6; Neilsen et al., 2004).

Other issues

Crop load

A multi-year fertigation trial involving low, standard and high crop loads (2.5, 5 and 10

fruits per cm2 trunk cross-sectional area (TCSA) respectively was maintained on Ambrosia apple

M.9 rootstock over a range of irrigation treatments (Neilsen et al., 2010).

To ensure that trees were not nutrient limited, N was fertigated daily as Ca (NO3)2 for six

weeks after bloom to provide 75g N.tree-1, P was fertigated one day after full bloom before the

start of N applications as NH4- polyphosphate at 20g P.tree-1, and K was fertigated daily three to

six weeks after full bloom as KCl at 20g K.tree-1. Nevertheless, as crop load increased, fruit

concentration and total tree partitioning to fruit of N, P, K, Mg, B, and leaf concentrations of K and

P decreased, suggesting some limitations in availability to the fruit when demand was high from a

large crop (Table 5). High crop load did not result in negative consequences to fruit Ca

concentration, possibly due to smaller apples occurring when crop load is high. The results suggest

that crop load should be taken in to account when fertigating with the possibility, after

examination of leaf concentrations, of increasing P and K fertigation rates when a large crop is

anticipated.

Soil pH

A problem which has arisen from continued fertigation of ammonium-containing N

fertilizers into restricted soil volumes is soil acidification resulting from nitrification of the applied

NH4-N. Declines of 2 pH units have been measured in fertigated orchards within a single year. The

result may be reduced tree growth from Mn and Al toxicity and induced nutrient deficiencies, such

as for K (Neilsen et al., 1994). The sensitivity of orchard soils to fertigation-induced acidification

varies with the buffer capacity of the soil and can be estimated by an acidification resistance index

to assess soil susceptibility to acidification (Neilsen et al., 1995). Soils with little resistance to

Page 41: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

41

acidification should receive N fertigated in NO3 rather than NH4 forms. The problem can be

particularly serious in regions, such as Brazil, where soil pH is already low.

Literature cited BAR-YOSEF, B. 1999. Advances in fertigation: Advances in agronomy 65:1-76.

BOYTON, D.; OBERLY, G.H. 1966. Apple nutrition. P 1-50 in: N.F. Childers (ed.) Nutrition of fruit crops. Horticultural Publication, New Brunswick, N.J.

CRIPPS, J.E.L. 1987. Response of apple trees to soil applications of phosphorus, nitrogen and potassium. Austral. J. Expt. Agric. 27:909-914.

HAYNES, R.J. 1985. Principles of fertilizer use for trickle irrigated crops. Fert. Res. 6:235-255.

NEILSEN, D.; HOYT, B.; PARCHOMCHUK, P.; Neilsen, G.H.; HOGUE, E.J. 1995. Measurement of the sensitivity of orchard soils to acidification. Can. J. of Soil Sci. 75:391-395.

NEILSEN, D.; PARCHOMCHUK, P.; NEILSEN, G.H.; HOGUE, E.J.; ZEBARTH, B.J. 2001. Remobilization and uptake of N by newly planted apple (Malus domestica) trees in response to irrigation method and timing of N application. Tree Physiol. 21:513-521.

NEILSEN, D.; NEILSEN, G.H. 2002. Efficient use of nitrogen and water in high-density apple orchards. HortTechnology, 12:19-25.

NEILSEN, D.; NEILSEN, G. 2008. Fertigation of deciduous fruit trees: apple and sweet cherry, pp. 76-88. In: Fertigation: Optimizing the utilization of water and nutrition. International Potash Institute, Horgen, Switz. P. Imus and M.R. Price (Eds.).

NEILSEN, D.; NEILSEN, G.H.; HERBERT, L.; GUAK, S. 2010. Effect of irrigation and crop load management on fruit nutrition and quality for Ambrosia/M.9 apple. Acta. Hort. 868:63-71.

NEILSEN, D.; PARCHOMCHUK, P.; NEILSEN, G.H.; HOGUE, E.J. 1998. Use of soil solutions monitoring to determine the effects of irrigation management and fertigation on nitrogen availability in high-density apples. J. Ame. Soc. Hort. Sci. 123: 706-713.

NEILSEN, G.H.; HOGUE, E.J.; PARCHOMCHUK, P. 1990. Flowering of apple trees in the second year is increased by first-year P fertigation. HortScience. 25:1247-1250.

NEILSEN, G.H; NEILSEN, D. 2006. Response of high density apple orchards on coarse-textured soil to form of potassium applied by fertigation. Can. J. Soil Sci. 86:749-755.

NEILSEN, G.H.; NEILSEN, D.; HERBERT, L. 2009. Nitrogen fertigation concentration and timing of application affect nitrogen nutrition, yield, firmness and color of apples grown at high density. J. Amer. Soc. Hort. Sci. 44:1425-1431.

NEILSEN, G.H.; NEILSEN, D.; HERBERT, L.C.; HOGUE, E.J. 2004. Response of apple to fertigation of N and K under conditions susceptible to the development of K deficiency. J. Amer. Soc. Hort. Sci. 129:26-31.

NEILSEN, G.H.; NEILSEN, D.; HOGUE, E.J.; HERBERT, L.C. 2004. Zinc and boron nutrition management in fertigated high density apple orchards. Can. J. Plant. Sci. 84:823-828.

NEILSEN, G.H.; NEILSEN, D.; PERVEYA, F. 1999. Response of soil and irrigated fruit trees to fertigation or broadcast application of nitrogen, phosphorus, and potassium. Hort Technology 9:393-401.

NEILSEN, G.H.; NEILSEN, D.; TOIVONEN, P.; HERBERT, L. 2008. Annual bloom-time phosphorus fertigation affects soil phosphorus, apple tree phosphorus nutrition, yield, and fruit quality. HortScience. 43:885-890.

NEILSEN, G.H.; PARCHOMCHUK, P.; HOGUE, E.J.; WOLK, W.D.; LAU, O.L. 1994. Response of apple trees to fertigation induced soil acidification. Can. J. Plant Sci. 74:347-351.

Page 42: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

42

NEILSEN, G.H.; PARMOMCHUK, P.; WOLK, W.D.; LAU, O.L. 1993. Growth and mineral composition of newly planted apple trees N and P. J. Amer. Soc. Hort. Sci. 118:50-53.

NEILSEN, G.H.; YORSTON, J. 1991. Soil disinfection and monoammonium phosphate fertilization increase precocity of apples on replant problem soils. J. Amer. Soc. Hort. Sci. 116:651-654.

PARCHOMCHUK, P.; BERARD, R.C.; VAN DER GULKIK, T.W. 1996. Automatic irrigation scheduling using an electronic atmometer, pp. 1099-1104. In: CAMP, C.R.; SADLER, E.J.; YODER, R.E. Yoder (Eds.). Evapotranspiration and irrigation scheduling. Amer. Soc. Agr. Engn. Proc. Intl. Conf., San Antonio, Texas.

PERYEA, F.J.; NEILSEN, G.H.; FAUBION, D. 2007. Start-timing for calcium chloride spray programs influence fruit calcium and bitter pit in ‘Braeburn’ and ‘Honeycrip’ apples. J. of Plant Nutr. 30:1213-1227.

TAYLOR, B.K.; GOUBRAN, F.H. 1975. The phosphorus nutrition of the apple tree. Influence of rate of application of superphosphate on the performance of young trees. Aust. J. of Agric. Res. 26:842-853.

VANG-PETERSEN, O. 1980. Calcium nutrition of apple treEs: a review. Scientia Hortic. 12:1-9.

Tables

Table 1. Leaf and fruit concentration, yield, harvest fruit firmness and color for ‘Ambrosia’, ‘Cameo’, ‘Fuji’, and ‘Gala’ apple cultivars as affected by low and high N rates over a six year period, 1999 to 2004

Six-year (1999-2004) averages

Factor (Unit) Cumulative yield Leaf N Fruit N Firmness Color

kg.tree-1

% dw mg.kg-1

FW N % red

N rate(1)

Low 52.6 2.25 364 84.6 85

High 55.6 2.45 483 82.3 80

NS

Significant years 0 6 6 5 3

(1) Fertigated at either 28mg N.L

-1 (low) or 168mg N.L

-1 (high) as calcium nitrate (15.5N-0P-0K). Source: Neilsen et al. (2009). Adapted.

Table 2. Leaf and fruit Ca concentrations and incidence of bitter pit as affected by K-fertigation treatment for ‘Jonagold’ on M.9 rootstock, 2000-2002

Fertigation treatment Leaf Ca (% dw) Fruit Ca (g.kg

-1 FW) Bitter pit (%)

2000 2001 2002 2000 2001 2002 2000 2001 2002

Control (no K) 1.23 1.35 1.15 32.6 24.7 26.0 8 15 17

KCl (15 g K/tree) 1.21 1.29 1.25 34.8 23.8 26.3 2 13 18

KCl (30 g K/tree) 1.18 1.18 1.19 36.3 23.7 24.2 5 5 18

KMag (18 g K/tree) 1.21 1.22 1.15 35.6 23.2 26.2 8 10 27

KMag (30 g K/tree) 1.24 1.18 1.10 34.8 22.0 22.5 7 8 20

K2SO4 (30 g K/tree) 1.24 1.22 1.15 32.8 23.5 24.6 2 5 10

KTS (30 g K/tree) 1.24 1.20 1.18 33.2 23.6 24.6 8 4 13

Contrasts

Control vrs all NS ** NS NS NS NS NS NS NS

K-form NS NS * NS NS NS NS NS NS

K-rate NS NS NS NS NS ** NS NS NS

Data adapted from Neilsen and Neilsen (2006).

Page 43: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

43

Table 3. Effect of K-fertigation treatment on exchangeable Ca concentration at 0-10, 10-20, and 20-30cm directly beneath the drip emitters after three growing seasons of treatment

Aspect Exchangeable Ca (cmol (+).kg-1

Depth (cm) 0-10 10-20 20-30

Treatment(1)

Control (no K) 3.44a 2.64 a 2.16 a

KCl 2.90b 2.46 ab 1.92 b

KMag(2)

2.91b 2.10 bc 1.28 c

K2SO4 3.20ab 2.57 a 2.07 ab

KTS(3)

2.85b 1.43 c 1.38 c

Significance(4)

* ** **** (1)

All K treatments applied at 30g K.tree-1

annually for three years. (2)

Potassium, magnesium sulphate. (3)

Potassium thiosulphate. (4)

Values within column followed by different letters significantly different at indicated probability. Data adapted from Neilsen and Neilsen (2006).

Table 4. Effect of form of N on ‘Jonagold’ fruit Ca concentration during the second and third growing seasons

Fertilizer treatment Fruit Ca (mg.kg

-1) fw

Year 2 Year 3

Form of N(1)

62b(2)

42

Urea (46-0-0) 53b 41

Ammonium nitrate (34-0-0) 75a 44

Calcium nitrate (15.5-0-0)

Significance ** NS (1)

All fertigated at rage of 57 g N/tree in eight weekly applications during May and June each year. (2)

Means within columns followed by different letters significantly different at p=0.01 (**).

Data adapted from Neilsen et al. (1993).

Table 5. Effects of crop load on leaf and fruit nutrition of fruiting ‘Ambrosia’ apple on M.9 rootstock

Crop load(1)

Leaf (% dw) Fruit (mg.kg

-1 FW)

K P N P K Ca Mg B

Low 1.67a 0.20a 635a 132a 1426a 32c 62a 3.3a

Standard 1.59b 0.20a 570b 109b 1252b 37b 58b 3.1ab

High 1.42c 0.19b 518c 89c 1060c 47a 54c 2.7b

Significance **** ** **** **** **** **** **** * (1)

Crop load adjusted six weeks after full bloom to low, standard and high crop loads (2.5, 5 and 10 fruit per cm2 trunk cross-

sectional area). Note: Means within columns followed by different letters significantly different at indicated probability. Data adapted from Neilsen et al. (2010).

Page 44: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

44

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado

Joelsio José Lazzarotto17

Introdução

A eficiência gerencial constitui fator-chave para que qualquer empreendimento

agropecuário possa garantir sua inserção no mercado e, por consequência, sua competitividade ao

longo do tempo. Isso porque existe uma série de fatores que podem afetar significativamente o

desempenho desses empreendimentos, entre os quais podemos citar: o clima, a perecibilidade de

diversos produtos agropecuários e os altos custos de saída ou entrada em um empreendimento

dessa natureza.

Apesar de muitos desses fatores fugirem ao controle da unidade de produção, outros

podem ser, de certa forma, controlados mediante a utilização de adequadas tecnologias de

gestão, que incluem compreensão do funcionamento dos mercados e adoção de novas formas de

negociação e práticas de gestão do processo produtivo. A implantação de uma mentalidade

administrativa é, portanto, necessária para que o produtor melhore o processo de tomada de

decisão, que deve avaliar a alocação de recursos escassos em diversas possibilidades produtivas,

dentro de um ambiente de riscos e incertezas característicos do setor agropecuário (Lourenzani,

2006).

Partindo desses pressupostos, busca-se contribuir com discussões relativas à importância

e aos procedimentos para efetuar uma adequada gestão econômico-financeira em sistemas de

produção de frutas de clima temperado.

1 Fundamentos teóricos da gestão econômico-financeira

A gestão econômica trata, basicamente, de questões de curto prazo. Nesse sentido,

envolve avaliações de recursos produtivos, tecnologia empregada, aspectos de comercialização,

receitas e custos de produção. Por outro lado, a gestão financeira envolve, sobretudo, questões de

longo prazo, que estão associadas com investimentos, fontes e imobilização de capital, financia-

mentos e amortizações.

Pelo fato de tratar de relevantes questões de curto e de longo prazos, a realização de

análises econômico-financeiras é essencial para subsidiar a tomada de diversas decisões organi-

zacionais, acompanhar se os resultados planejados estão sendo atingidos e auxiliar, quando

necessário, na definição e implementação de medidas corretivas relacionadas com os rumos da

organização.

Operacionalmente, as avaliações econômicas podem ser feitas a partir do cálculo das

receitas e dos custos de produção. Enquanto a receita total (RT) representa o resultado da

17

Doutor em Economia Aplicada. Pesquisador da Embrapa Uva e Vinho. Caixa Postal 130, 95.700-000 Bento Gonçalves, RS, fone: (54) 3455-8031, e-mail: [email protected].

Page 45: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

45

multiplicação do preço unitário pela quantidade vendida, em certo período de tempo, os custos

correspondem à soma dos valores de todos os recursos utilizados no processo produtivo (Reis, 2007).

Segundo Debertin (1986), no curto prazo, existem importantes agrupamentos de custos,

entre os quais se destacam três: variáveis, fixos e totais. No primeiro, estão os custos que variam

em função do nível de produção. Considerando-se uma propriedade rural como exemplo, gastos

com mudas, fertilizantes e defensivos fazem parte desses custos. Nos custos fixos, que

independem do nível de produção, entre outras, estão as despesas com manutenção, seguro e

depreciação. Por fim, a soma dos custos fixos e variáveis resulta nos custos totais (CTs).

Com os valores de receitas e custos, pode-se obter o lucro total (LT), dado pela diferença

entre a RT e o CT, e gerar e analisar alguns indicadores, como a lucratividade (LV) e o ponto de

equilíbrio (PE). A LV, que representa a razão entre o LT e a RT, possibilita avaliar, para o curto

prazo, o nível de retorno que pode ser obtido ao efetuar investimentos em determinado

empreendimento (Lazzarotto & Hirakuri, 2009). O PE permite medir o nível de produção que a

empresa compromete para cobrir todos os custos de produção (Gitman, 2004).

Em termos de gestão financeira, partindo-se de fluxos físicos (insumos e produtos) e

preços de mercado, podem ser calculadas as entradas e saídas de caixa. As entradas

correspondem às receitas, que se dividem em diretas (vendas de produtos) e indiretas (soma do

valor residual dos bens de capital). As saídas são constituídas pelas despesas fixas e variáveis e

pelos investimentos de capital de longo prazo. A partir dessas variáveis, obtêm-se os fluxos de

caixa, que são a base para realizar as avaliações de viabilidade financeira (Lazzarotto et al., 2010).

Com esses fluxos e a utilização de uma taxa mínima de atratividade, que representa o

retorno mínimo que a empresa espera obter em determinado projeto (Gitman, 2004), podem ser

gerados indicadores financeiros, como valor presente líquido (VPL), taxa interna de retorno (TIR),

razão benefício/custo (B/C) e período de payback descontado (PPD). O VPL calcula o valor

presente de uma série de pagamentos (ou recebimentos), iguais ou diferentes, a uma taxa

conhecida. A TIR é a taxa de desconto que anula o VPL do investimento analisado (Gitman, 2004).

Com a razão B/C, que representa uma relação entre entradas e saídas de caixa, também é possível

identificar as alternativas com maiores retornos financeiros. O PPD indica o espaço de tempo

compreendido entre o início do projeto e o momento em que o fluxo de caixa acumulado se torna

positivo (Sanvicente, 1999).

É importante salientar que, para grande parte dos empreendimentos, as avaliações

econômico-financeiras devem considerar duas situações: determinísticas e de incertezas.

Enquanto nas determinísticas se assume que os valores de certas variáveis (ex.: preços) são

conhecidos, nas situações de riscos esses valores não são conhecidos, estando cercados por

incertezas e probabilidades de ocorrência.

Portanto, como a maioria das decisões deve ser tomada com considerável grau de

incerteza, é fundamental o uso de abordagens que consideram os riscos nas avaliações

econômico-financeiras. Entre essas abordagens estão a análise de sensibilidade e a simulação. Na

primeira, usa-se um número de valores possíveis para uma dada variável visando avaliar seu

impacto sobre os resultados da empresa. Nos métodos de simulação, as formas de investigação

Page 46: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

46

estão baseadas na percepção do risco a partir do emprego de distribuições de probabilidades

predeterminadas e números aleatórios, que possibilitam projetar, ao longo do tempo, o

comportamento de certos indicadores (Gitman, 2004).

2 Avaliações econômico-financeiras na fruticultura de clima temperado

Para efetuar avaliações econômico-financeiras relacionadas com sistemas de produção de

distintas frutas de clima temperado, é relevante destacar os principais passos e procedimentos

que devem ser adotados. A partir da definição do sistema que se pretende analisar, inicialmente

são levantadas informações e dados relacionados com estrutura, dinâmica de funcionamento e

tecnologia de produção. Em termos específicos, cabe assinalar alguns tipos de informações e

dados que devem ser coletados: tamanho do empreendimento; tipos de bens de capital

necessários para implantar e conduzir a exploração; cultivar adotado; ciclo e produtividade da

fruta; operações agrícolas (ex.: plantio); e coeficientes tecnológicos da produção (ex.: 300kg de

adubo por hectare).

Além das informações e dos dados referidos, devem ser obtidos os preços pagos na

compra de recursos produtivos (bens de capital, insumos e mão de obra) e recebidos na venda da

produção. Para isso, podem ser feitas consultas a empresas especializadas na venda desses

recursos e na compra da fruta.

Finalizados os levantamentos de campo, são iniciados os procedimentos para executar as

avaliações supracitadas. Para analisar a gestão econômica, com base em dados de produtividade,

componentes e coeficientes tecnológicos e preços pagos e recebidos, podem ser calculadas

diversas variáveis de curto prazo, como: receita, custos de produção e lucro. A partir dessas

variáveis, podem ser calculados os indicadores de lucratividade e de ponto de equilíbrio e,

posteriormente, avaliados os níveis de eficiência e de vulnerabilidade econômica do sistema de

produção.

Com referência à análise de viabilidade financeira, baseando-se em dados de investi-

mentos, componentes e coeficientes tecnológicos e preços pagos e recebidos, inicialmente são

elaborados os fluxos de caixa anuais (entradas e saídas de caixa) para um determinado horizonte

de planejamento (HP) (ex.: 10 anos, que constitui um período que vai do Ano 0 ao Ano 10). Como

exemplo, assumindo um HP de 10 anos para um sistema de produção de maçã, o Ano 0

representaria o período inicial de implantação do empreendimento, em que são feitos os

investimentos em ativos produtivos duráveis do sistema (ex.: trator). Os anos 1, 2, 3 e 4

constituiriam os anos de formação do pomar. Por sua vez, os anos 5 a 10 corresponderiam aos

períodos de manutenção, em que as plantas já estariam plenamente formadas.

Depois de elaborar os fluxos de caixa, utilizando uma taxa mínima de atratividade, podem

ser avaliados os níveis de viabilidade e de vulnerabilidade financeira, por meio de diversos

indicadores (ex.: período de payback descontado). É importante destacar que, para efetuar as

avaliações de eficiência econômica e de viabilidade financeira em condições determinísticas,

podem ser utilizados os valores efetivamente levantados para as produtividades e os preços pagos

e recebidos. Por outro lado, para proceder às avaliações em condições de incertezas,

primeiramente deve ser efetuada a análise de sensibilidade (AS) para identificar as variáveis-

-chave, ou seja, aquelas que, ante uma variação individual de, por exemplo, 10% no valor utilizado

Page 47: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

47

para calcular o lucro total, causam maiores impactos sobre essa variável dependente. Salienta-se

que as variações devem ser promovidas na direção em que causam impactos negativos na variável

dependente.

Finalmente, a partir dos resultados da AS, podem ser gerados, por meio de simulação

iterativa, diversos valores para as variáveis econômicas e para os indicadores financeiros.

Operacionalmente, levando em conta as variáveis-chave e a definição de possíveis variações nos

valores utilizados para se obter os resultados determinísticos, pode-se adotar determinada

distribuição de probabilidade (ex.: normal, triangular, etc.). Com os valores gerados de forma

probabilística, podem ser obtidos e analisados diversos parâmetros estatísticos, como: valores

esperado, mínimo e máximo e coeficiente de variação.

3 Resultados econômico-financeiros em um sistema de produção de pêssego

Partindo-se das discussões realizadas nas seções anteriores, a seguir são apresentados, de

maneira sintética, resultados de um estudo de caso envolvendo avaliações econômico-financeiras

de um sistema de produção de pêssego no município de Farroupilha, RS. Salienta-se que, neste

trabalho, os resultados em questão visam exemplificar e ilustrar a geração e a aplicabilidade de

indicadores econômicos e financeiros no processo de tomada de decisão.

Na Tabela 1, são apresentados resultados que permitem efetuar análises de eficiência

econômica, em condições determinísticas, do sistema de produção citado. Com base nesses

resultados, pode-se avaliar, por exemplo, o custo total por quilo da fruta, identificando, assim, o

preço mínimo de comercialização que permite, ao menos, igualar a receita ao custo de produção.

Tabela 1. Eficiência econômica de um sistema de produção de pêssego

Informações gerais Detalhes Variáveis e indicadores Valor

Município de implantação Farroupilha, RS Produção média estabilizada (kg) (P) 25.000

Safra 2011/12 Receita total (R$) (A) 25.000

Área de produção 1 hectare Custo fixo total (R$) (B) 4.937,22

Cultivar plantado Chimarrita Custo variável total (R$) (C) 15.496,33

Tempo de vida útil do pomar 13 anos Custo total (R$) (B + C = D) 20.433,55

Lucro total (R$) (A - D = F) 4.566,45

Receita total média (R$.kg-1

) (A/P) 1,00

Custo fixo médio (R$.kg-1

) (B/P) 0,20

Custo variável médio (R$.kg-1

) (C/P) 0,62

Custo total médio (R$.kg-1

) (D/P) 0,82

Lucro total médio (R$kg-1

) (F/P) 0,18

Lucratividade (F/A) 18,27%

Ponto de equilíbrio (kg de produção) 12.987,66

Ponto de equilíbrio (% de produção) 51,95%

Participação do custo fixo no custo total 24,16%

Participação do custo variável no custo total 75,84%

Participação da mão de obra no custo total (%) 44,48%

Fonte: Pesquisa de campo realizada pelo autor.

Page 48: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

48

Na Tabela 2, também desconsiderando a existência de incertezas, são expressos resultados

associados a aspectos financeiros do sistema de produção. Mediante resultados dessa natureza,

pode-se avaliar, por exemplo, o valor total de investimentos necessários para implantar um

hectare de pêssego, bem como a taxa de retorno anual e o tempo para recuperar todo o capital

investido.

Tabela 2. Viabilidade financeira do sistema de produção de pêssego estudado

Variáveis e indicadores Valor

Taxa mínima de atratividade (%) 6,50 Horizonte de planejamento (anos) 10,00 Investimento total (R$) (inclui máquinas, equipamentos e benfeitorias) 33.549,00

Tempo de recuperação do capital (anos) (com o custo do capital no tempo) 9,51 Valor presente líquido (R$) 5.437,86 Taxa interna de retorno (%) 8,28 Relação benefício/custo (un.) 1,03

Fonte: Pesquisa de campo realizada pelo autor.

Para efetuar as análises de risco, partindo-se dos resultados determinísticos (Tabelas 1 e

2), inicialmente foi realizada a análise de sensibilidade, identificando-se as 10 variáveis-chave mais

impactantes nas variáveis lucro e valor presente líquido (VPL) do sistema de produção estudado

(Tabela 3). A partir dessa identificação, para cada variável-chave foram definidos parâmetros de

variação em relação ao valor mais provável, utilizado para obter os resultados determinísticos.

Tabela 3. Análise de sensibilidade do sistema de produção de pêssego

Variável-chave Valor mais provável

Variação Impacto (%) Parâmetro (%)(1)

(%) Lucro VPL Mínimo Máximo

Preço médio de venda de pêssegos (R$/kg) 1,00 -100 -52,84 -247,25 -20 20

Produtividade média estabilizada (kg/ha) 25.000,00 -100 -45,76 -231,25 -20 20

Mao de obra (média em R$/diária) 70,00 10 -19,95 -94,26 0 20

Adubos (média em R$/un.) 4,33 10 -3,75 -18,97 -20 20

Fungicidas (média em R$/un.) 69,00 10 -3,70 -16,80 -20 20

Trator (R$/un.) 62.000,00 10 -2,21 -18,27 -20 20

Taxa de juros de financ. para investimentos (%) 6,50 10 -1,74 -38,18 -20 20

Produtividade 3º ano de formação (kg/ha) 10.000,00 -10 -1,57 -15,19 -20 20

Tributação incidente sobre o faturamento (%) 2,30 10 -1,34 -6,07 -20 20

Inseticidas (média em R$/un.) 160,69 10 -1,34 -6,24 -20 20 (1)

Variações mínima e máxima em relação ao valor mais provável. Fontes: Pesquisa de campo realizada pelo autor.

Levando-se em conta os parâmetros estabelecidos na Tabela 3, e utilizando-se a

distribuição de probabilidade triangular (Tabela 4), temos algumas estatísticas dos indicadores

econômico-financeiros, em condições de incertezas, obtidas a partir da realização de simulação

com mil iterações. Com essas estatísticas, pode-se verificar, por exemplo, a probabilidade de

obtenção de lucro e de VPL maiores que zero.

Page 49: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

49

Tabela 4. Indicadores econômico-financeiros, em condições de incertezas, para o sistema de produção de pêssego

Indicador Média Mínimo Máximo Coeficiente de variação

(%)

Chance de resultado

positivo (%)

Chance de resultado

negativo (%)

RTMe 1,00 0,80 1,20 7,92 -- --

CTMe 0,82 0,65 1,09 8,55 -- --

LTMe 0,18 -0,12 0,44 54,64 96,50 3,50

L 17,94% -14,11% 37,55% 51,23 96,50 3,50

VPL 6.485,15 -34.882,22 46.779,15 235,19 63,90 36,10

TIR 8,27% -7,92% 20,33% 59,29 68,10 10,90

B/C 1,04 0,78 1,30 9,28 63,90 36,10

Nota: RTMe = receita total por kg; CTMe = custo total por kg; LTMe = lucro total por kg; L = lucratividade; VPL = valor presente líquido; TIR = taxa interna de retorno; B/C = razão benefício/custo. Fonte: Pesquisa de campo realizada pelo autor.

4 Considerações finais

A realização de adequadas análises de eficiência econômica e de viabilidade financeira

gera maiores condições para, nas propriedades rurais, responder a algumas perguntas essenciais,

como: Dentro de perspectivas de curto e de longo prazos, quais níveis de desempenho econômico

e financeiro são esperados para distintas alternativas de produção agropecuária? Quais são as

variáveis técnicas e econômicas que podem causar maiores impactos nos referidos desempenhos?

Quais os principais cuidados gerenciais que o produtor deve ter para assegurar a reprodução social

e econômica da sua unidade de produção?

Nessa perspectiva, para facilitar a realização de análises econômico-financeiras de

distintas alternativas de sistemas de produção de frutas de clima temperado, a Embrapa Uva e

Vinho está em fase final de desenvolvimento de onze aplicativos computacionais. Esses

aplicativos, desenvolvidos com base em todos os fundamentos discutidos nas seções anteriores

deste trabalho, poderão ser utilizados para efetuar análises econômico-financeiras de distintos

sistemas de produção relacionados com as seguintes frutas: amora, ameixa, caqui, framboesa,

kiwi, maçã, mirtilo, morango, pera, pêssego e uva. Salienta-se que, depois de finalizar o

desenvolvimento e validar os aplicativos citados, eles deverão ser disponibilizados no site da

Embrapa Uva e Vinho: http://www.cnpuv.embrapa.br.

Referências DEBERTIN, D.L. Agricultural production economics. New York: MacMillan Publishing Company, 1986. 366p.

GITMAN, L.J. Princípios de administração financeira. 10.ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2004. 745p.

LAZZAROTTO, J.J.; HIRAKURI, M.H. Evolução e perspectivas de desempenho econômico associadas com a produção de soja nos contextos mundial e brasileiro. Londrina: Embrapa Soja, 2009. 57p. (Embrapa Soja. Documentos, 319).

LAZZAROTTO, J.J.; SANTOS, M.L. DOS; LIMA, J.E. DE. Viabilidade financeira e riscos associados à integração lavoura-pecuária no Estado do Paraná. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v.12, n.1, p.113-130. Jan./Abr. 2010.

Page 50: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

50

LOURENZANI, W.L. Capacitação gerencial de agricultores familiares: uma proposta metodológica de extensão rural. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v.8, n.3, p.313-322. 2006.

REIS, R.P. Fundamentos de economia aplicada. Lavras: UFLA/Faepe, 2007. 95p.

SANVICENTE, A.Z. Administração financeira. São Paulo: Atlas, 1999. 288p.

Page 51: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

51

O futuro do agronegócio no Brasil

Marcos Fava Neves18

O Brasil é um país agrícola, possui em seu DNA o gene da agricultura, gene este que foi

muito bem desenvolvido ao longo de sua história, tornando a agricultura um dos esteios da

economia do país. Gerando milhares de empregos e desenvolvendo a economia local, o

agronegócio não somente contribui para isso, mas também contribui para alimentar o mundo por

meio da exportação de seus produtos.

Os números da nossa economia mostram que, silenciosamente, as cadeias produtivas do

agronegócio brasileiro estão no seu caminho de produzir e gerar renda, empregar para distribuir

renda e contribuir com a economia brasileira. Em 2013 o valor bruto da produção do agronegócio

brasileiro chegou a R$470 bilhões, 11,3% maior que em 2012. Desse total, 66,5% referem-se à

agricultura e 33,5% à pecuária (Mapa, 2014). A renda gerada moveu inúmeros outros setores

econômicos do que chamo de... Brasil-Chinês, o Brasil do agro.

As exportações chegaram perto de US$100 bilhões, 4,3% acima do Valor de 2012. As

importações também cresceram 4%, chegando a US$17 bilhões, o que proporciona um incrível

saldo de US$83 bilhões em 2013. Só em soja foram US$31 bilhões, chegando a 31% do total

brasileiro. Sojicultores tiveram a façanha de exportar 10 milhões de toneladas a mais em 2013

(Secex, 2014).

Se olharmos o Brasil como uma grande empresa que compete no mundo, a sociedade

não vai bem. O país está caindo diversas posições nos principais rankings mundiais de

competitividade. O rombo das transações correntes (balança comercial, serviços e transferências)

em 2013 atingiu US$81 bilhões, 50% a mais que em 2012, sendo o maior desde 2001. O

investimento estrangeiro direto no Brasil caiu para 2,88% do PIB (Campos & Peres, 2014). É a

primeira vez que esse percentual cai desde 2009. Nosso superavit primário foi o menor desde

2002 (1,9% do PIB).

A deteriorada balança comercial fechou o ano com saldo de pouco mais de US$2,5

bilhões, o pior resultado desde 2000. O Governo só não jogou o país para deficit na balança devido

à criativa operação de exportar as plataformas de petróleo que nunca deixaram o Brasil. Só isso

gerou US$7,7 bilhões em “exportações”.

Nos últimos 10 anos as exportações de nossa agricultura cresceram 205%, ou seja, um

valor 3 vezes maior do que se exportou em 2003 (Figura 1). As importações desse segmento

também triplicaram, mas permaneceram muito abaixo das exportações, na ordem de 15% do

valor exportado. Assim, foi permitido ao agronegócio um saldo incrível em sua balança comercial.

Esse saldo salvou a economia brasileira, pois, caso contrário, fecharíamos a balança comercial com

deficit. Em 2003, se não fosse o agronegócio, fecharíamos negativo em R$1 bilhão. Já em 2013, se

18

Engenheiro-agrônomo, Dr., professor titular da FEA-RP/USP, Bloco C, sala 64, 14040-900, Ribeirão Preto, SP, fone: (16) 3456-5555, e-mail: [email protected].

Page 52: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

52

não fosse o agronegócio, esse saldo negativo seria de R$78 bilhões. Isso mostra a importância das

exportações de produtos agrícolas brasileiros.

(1)

Janeiro a novembro.

Figura 1. Evolução da balança comercial brasileira nos últimos 10 anos. Fonte: Elaborado pelo autor a partir de SECEX/MDIC.

Em relação aos produtos exportados pelo agronegócio, também tivemos algumas

mudanças. Produtos antes importantes e que estavam entre os 10 mais exportados, como

calçados de couro, papel e suco de laranja, saíram dessa lista e foram substituídos por produtos

como milho, fumo não manufaturado e açúcar refinado (Tabela 1). Porém, quando analisamos a

concentração dos 10 principais produtos nas exportações totais do agronegócio, vemos que essa

concentração aumentou, passando de 57,8%, em 2003, para 73,5%, em 2013. É imprescindível

diversificar produtos, porém sem perder vendas.

A grande diversificação das exportações brasileiras na última década está no seu destino.

A China, de 3º maior importador do Brasil em 2003, despontou para o país mais importantes nas

exportações do agronegócio brasileiro, sendo responsável por 42% de nossas exportações (Figura 2).

Apesar de a participação dos 10 principais destinos terem diminuído cerca de 1%, ter um

único país com tamanha expressão de importância pode ser algo arriscado. Todavia, na última

década, o país também ganhou novos mercados, já que em 2003 exportava para cerca de 200

países e em 2013 o país exporta para 220 países.

Além da concentração de alguns países, países importantes como Estados Unidos e

Alemanha diminuíram suas importações, ao passo que países que antes nem apareciam entre os

dez mais importante, como Coreia do Sul e Venezuela, se tornaram mercados importantes e

estratégicos para o Brasil (Tabela 2). O país saiu de exportações pautadas no continente europeu e

passou a atingir economias em desenvolvimento, como Ásia e Oriente Médio. É preciso continuar

diversificando mercados.

Page 53: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

53

Tabela 1. Os dez produtos mais exportados pelo agronegócio brasileiro

Produto

Valor (milhão de dólares)

Quantidade (1.000t) Produto

Valor (milhão de dólares)

Quantidade (1.000t)

2003 2013(1)

Soja em grãos 4.287 19.881 Soja em grãos 22.785 42.751

Farelo de soja 2.603 13.603 Açúcar de cana (bruto) 8.366 19.542

Celulose 1.744 4.566 Carne de frango in natura 6.470 3.528

Carne de frango in natura 1.710 1.922 Farelo de soja 6.282 12.422

Açúcar de cana (bruto) 1.350 8.354 Milho 5.643 23.525

Café verde 1.303 1.369 Carne bovina in natura 4.840 1.073

Calçados de couro 1.287 79 Celulose 4.696 8.913

Sucos de laranja 1.193 1.590 Café verde 4.236 1.548

Carne bovina in natura 1.155 620 Fumo não manufaturado 2.695 428

Papel 1.088 1.782 Açúcar refinado 2.507 5.269

Total (10 mais) (A) 17.718 53.766 Total (10 mais) 68.790 118.729

Total exportações agr. (B) 30.653 77.453 Total exportações agr. 93.579 137.379

Participação (A + B) 57,8% 69,4% Participação (A + B) 73,5% 86,4% (1)

Janeiro a novembro. Fonte: Elaborado pelo autor a partir de Secex/MDIC.

Figura 2. Evolução dos destinos das exportações brasileiras do agronegócio Fonte: Elaborador pelo autor a partir de Secex/MDIC. Nota: Os dados de 2013 referem-se ao período de janeiro a novembro.

A última década de exportações do agronegócio mostrou desempenho crescente. Nota-se

uma diversificação nos mercados de destino das exportações: países antes importantes para as

exportações do agronegócio estão saindo de cena e dando espaço para países antes menos

importantes, que agora são os que mostram crescimento de valores importados do Brasil,

principalmente países emergentes, do BRICs, países da Ásia e do Oriente Médio, da mesma forma

que produtos antes pouco representativos começam a ganhar cada vez mais espaço. Enfim, o país

está buscando e conseguindo uma pauta cada vez mais diversificada.

Page 54: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

54

Tabela 2: Os dez principais destinos das exportações do agronegócio

Ordem País Valor (em US$

milhões)

Ordem País Valor (em US$

milhões)

2003 2013(1)

1º Estados Unidos 4.804 1º China 22.432

2º Países Baixos 3.166 2º Países Baixos 6.554

3º China 2.562 3º Estados Unidos 6.547

4º Alemanha 1.665 4º Japão 3.229

5º Rússia 1.427 5º Hong Kong 2.551

6º Itália 1.240 6º Coreia do Sul 2.511

7º Reino Unido 1.141 7º Rússia 2.476

8º França 1.097 8º Alemanha 2.434

9º Bélgica 1.096 9º Arábia Saudita 2.330

10º Japão 1.061 10º Venezuela 2.293

Total (10 mais) (A) 17.718 Total (10 mais) (A) 53.359

Total de exportações agrícolas (B) 30.653 Total de exportações agrícolas (B) 93.579

Participação (A + B) 57,8% Participação (A + B) 57,0% (1)

Os dados referem-se ao período de janeiro a novembro. Fonte: Elaborador pelo autor a partir de Secex/MDIC.

O Brasil também foi contemplado, nesses últimos anos, com três presentes muito

indesejáveis e indigestos: o aumento na taxa de juros, a perda de valor da nossa moeda e,

consequentemente, do patrimônio, e o mais terrível, a volta da inflação. Diferentemente de quem

está no dia a dia brasileiro, quem morou um ano fora do Brasil pode perceber facilmente que a

inflação voltou, e voltou forte. Nada disso seria necessário se o país tivesse um projeto de gestão e

não de poder, e as consequentes reformas estruturantes tivessem sido parte da agenda.

A sofrível gestão do pesado e complexo Estado e a decorrente explosão do gasto público

deixou o Governo sem margem para reduzir sua fúria arrecadatória (impostos). Se isso impacta no

competitivo agronegócio, imaginem em outros setores, como a indústria e o turismo. De que adiantou

o agronegócio exportar US$100 bilhões se a indústria tomou um tombo de US$100 bilhões?

Outro ponto importante que deve ser analisado é o trabalho. Se alguns anos atrás, nas

viagens, os empresários reclamavam de protecionismo, de câmbio, de falta de crédito, hoje a

questão do trabalho salta e toma boa parte do tempo de troca de ideias, pois estamos perdendo

competitividade por problemas de quantidade (oferta) e qualidade (preparo e custo) das pessoas.

O país está vibrando com a ideia do Brasil a pleno emprego, porém, um aspecto não

muito comentado é que há na sociedade 61 milhões de pessoas em idade de trabalho e produção

que não trabalham, não estudam, e não estão procurando trabalho, portanto não aparecem na

taxa de desemprego. É certo que entre desses 61 milhões há muitas pessoas no trabalho do lar, no

“trabalho de mãe” e em atividades informais, entre outras alocações de tempo. Mas há uma parte

grande apta a trabalhar que não trabalha, não gerando produção nem impostos à sociedade. É

preciso ampla investigação nas causas existentes nesses 61 milhões de pessoas, e são distintas,

mas está claro que uma parte capaz não está procurando trabalho, pois está contemplada em

programas assistencialistas, que cresceram muito nos últimos 20 anos. Se encontrar trabalho,

perde algum tipo das inúmeras bolsas. Duplo prejuízo ao Brasil, pois perde-se um trabalhador e

mantém-se o gasto com a bolsa.

Page 55: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

55

Ao entrar no tema de custo e qualidade do trabalho, são diversos os estudos que

mostram que o salário médio em dólar no Brasil mais do que dobrou em 10 anos. Isso é

absolutamente louvável e um desejo de todos os brasileiros. O problema é que a produtividade do

trabalho praticamente não cresceu no período. Então, empresas que são intensivas em mão de

obra e que competem no mercado internacional praticamente tiveram seus custos de trabalho

duplicados. Esse é um dos fatores pelos quais o Brasil está perdendo investimentos, empresas e,

consequentemente, postos de trabalho. Precisa-se de ações; precisam-se adaptar iniciativas que

fizeram a produtividade do trabalho crescer em muitas outras nações, pois ninguém quer a perda

de renda do trabalhador, que seria a alternativa para baixar custos. Somado a isso, o país é

prejudicado por uma legislação trabalhista antiga, não adaptada às demandas setoriais, e os direitos

do trabalhador são elevados e caros para as empresas. É uma legislação que não se reforma.

Nos últimos anos, o fator trabalho passou de ponto de vantagem competitiva do nosso

país para desvantagem competitiva. O Brasil é um país onde produzir é caro e investir é difícil.

Mão de obra (e educação) é nosso problema mais sério, e o de mais difícil solução. É preciso

coragem para resolver isso, mas vejo poucas ações nesse sentido. Aliás, tenho visto grande

retrocesso.

Mesmo com todos esses problemas, o agronegócio desempenhou seu tão importante

papel para a economia brasileira. Apesar de o Banco Mundial ter previsto ao Brasil uma das

menores taxas de crescimento entre todos os países analisados, as cadeias produtivas do

agronegócio brasileiro continuarão seu forte trabalho em 2014. A Conab diz que a safra brasileira

de 2013/14 será de quase 197 milhões de toneladas. Será um crescimento de 5,2% em relação à

safra que terminou (187 milhões de toneladas). Se produzirmos os quase 91 milhões de toneladas

de soja esperadas, devemos passar os EUA e ser o maior produtor mundial. A área total deve

chegar a quase 56 milhões de hectares, 4% maior.

Na última década o Brasil continuou sustentando e reafirmando sua posição como grande

vendedor mundial de alimentos e com saldo positivo para a balança comercial do agronegócio

brasileiro, buscando garantir um saldo positivo para balança comercial do Brasil. Esperamos que

nossas exportações continuem quentes e crescentes, assim como foi nessa última década. Com

ações privadas e públicas adequadas, e com o crescimento econômico mundial, é possível

chegarmos aos US$200 bilhões exportados pelo agronegócio em 2020, a milhares de empregos, à

melhoria de nossa balança comercial e à de nossa economia.

Referências

CAMPOS, E.; PERES, L. Investimento estrangeiro direto em 2013 fica acima do previsto para o BC. Valor

Econômico. Brasília, 24 jan. 2014. Disponível em: <http://www.valor.com.br/brasil/3406252/investimento-

estrangeiro-direto-em-2013-fica-acima-do-previsto-pelo-bc>. Acesso em: 24 jan. 2014.

CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Levantamento de safra. Disponível em:

<http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1253&t=2>. Acesso em: 18 jan. 2014.

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Estatísticas. Disponível em:

<http://www.agricultura.gov.br/vegetal/estatisticas>. Acesso em: 22 jan. 2014.

SECEX. Secretaria de Comércio Exterior. Bases estatísticas. Disponível em:

<http://sistemasweb.agricultura.gov.br/pages/AGROSTAT.html>. Acesso em: 18 jan. 2014.

Page 56: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

56

The augmentative biological control and the sterile insect technique as alternatives to suppress fruit fly populations

Pablo Jesús Montoya Gerardo19

Introduction

Fruit flies (Diptera: Tephritidae) are a pest complex of great economic importance that

adversely affect the marketing of fruits and vegetables and the development of the horticultural

industry worldwide (Aluja 1993). Their control requires an area-wide approach that includes the

use of environmentally-oriented strategies such as the application of selective toxic baits to

suppress pest populations at specific sites, the augmentative releases of parasitoids in areas

identified as reservoirs of fruit flies populations, and the application of the sterile insect technique

(SIT) to reduce the population growth rate (Montoya et al., 2007). The use of this technological

package has allowed the generation and maintenance of free and low prevalence areas of fruit

flies in Mexico, which have significantly favored the international marketing of various fruit and

vegetable products (Gutierrez 2010).

Current integrated pest management (IPM) programs are focused on a more sustainable

approach in order to mitigate the adverse effects commonly associated with the indiscriminate

use of pesticides (Montoya 2007). This reinforces the incorporation of Augmentative Biological

Control (ABC) as a viable strategy in the integrated management of fruit flies, using the mass

releases of parasitoids in marginal areas that harbor high densities of alternate hosts and where

the implementation of chemical control is not a socially, ecologically and economically appropriate

alternative.

The greatest strength of this approach lies in the integration of this type of biological

control with the SIT, where synergistic results can be expected as two different biological states of

the pest are attacked simultaneously (Knipling, 1992). Currently 18 million of Diachasmimorpha

longicaudata (Ashmead) (Hymenoptera: Braconidae) parasitoids are released weekly in different

parts of Mexico in support of this integrated approach, achieving 20 to 70% of parasitism

depending mainly on the type and size of the host fruit involved. The final goal is to suppress

sustainably the fruit fly populations in those areas identified as reservoirs and to facilitate the

management of these pests into commercial orchards (Montoya et al., 2000; 2007), which provides

the double benefit of efficient production of healthy fruits and also environmental protection.

The ABC strategy also has been proved to control outbreaks of the Mediterranean fruit

fly, Ceratitis capitata, in Mexico. This pest is considered as one of the most important quarantines

species of fruits and vegetables around the world, since it has been reported attacking more than

200 different fruits hosts (Liquido et al., 1990). In 2001, in the state of Chiapas county of Santo

Domingo, were detected 93 larvae of medfly in 2,853kg of sampled cherry coffee, from which the

19 Doctor in Biology, Programa Moscafrut Sagarpa-IICA, Camino a los Cacahotales S/N, C.P. 30680, Metapa de

Domínguez, Chiapas, México, phone number: (52) 962-643-5059, e-mail: [email protected].

Page 57: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

57

42.7% of the larvae were parasitized by D. longicaudata. This parasitoid species had been released

by air using a helicopter on a surface of 9,000ha of coffee growing zone at a density of ≈1,000

parasitoids ha-1 (Montoya et al., 2005).

Mexican achievements using the IMP strategies

In Mexico, the integration of above mentioned strategies (i.e., selective toxic baits, the

releases of parasitoids on marginal areas, the use of SIT) together with the implementation of

quarantines stations protecting the free pest zones have helped to acquire more than 50% of the

national territory free of fruit flies genus Anastrepha of economic importance, such as Anastrepha

ludens (the Mexican fruit fly), A. obliqua (the mango fruit fly), A. striata (the guava fruit fly) and A.

serpentina, a major pest of Zapotaceae (Gutiérrez, 2010; Figure 1). This means that more than

85,000ha of fruit growing have been recognized by international agencies as fruit fly free zones,

and 186,000ha of fruit growing as fruit fly low prevalence zones. Regarding this issue, it is

convenient to mention that achieving a free pest zone is only the beginning; the hard part is

protecting and maintaining it.

Another important example of using the integration of the aforementioned strategies in

Mexico is the execution of the Regional Medfly Program on the border with Guatemala, which also

counts with the participation of the Guatemala and USA governments. The objective of this

program is to avoid the dispersion C. capitata to the north of Mexico and the rest of the continent,

maintaining the free zones of the three countries. This goal has been achieved mainly for the

release of sterile Medfly along the 1,000km of the border with Guatemala, which is plenty of

mountains, barracks and rivers making more complex the performance of the control actions.

Currently, this species has been pushed almost 100km inside the southwest part of Guatemala’s

territory (Labor memory, Medfly Program, 2013), and only sporadic outbreaks are detected in the

Mexican territory each year.

Figure 1. Fruit fly free areas in Mexico and location of the Packing and Release Centers of sterile adults and parasitoids in the low prevalence zoneSource: Gutierrez (2010).

Page 58: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

58

Developing new strategies

In order to improve the available strategies to better control the fruit flies in the field, it is

necessary to continue developing new ecologically-oriented technologies. In this sense, a novel

tool, the use of sterile flies as vectors of fungus spores, has been recently proposed by different

authors (Toledo et al.. 2007; Quezada et al., 2008; Dimbi et al., 2009). Tests at laboratory and field

cage levels using Mexican fruit fly Anastrepha ludens (Loew) sterile males as vectors of Beauveria

bassiana (Bálsamo) Vuillemin spores, showed that the mating success of inoculated males was not

affected compared to the control group for three days post-inoculation. The horizontal

transmission of the fungus spores to females during the first two days ranged between 80% and

84% through matings, and 15% to 22% through mating attempts and contact during courtship

(Toledo et al., 2007; Novelo-Rincon et al., 2009).

Recently, this approach was evaluated under open field conditions against wild Ceratitis

capitata (Wied.) populations (Flores et al., 2013). The sterile inoculated males were released by air

using the chilled adult technique over 7,000ha of coffee plantations in Guatemala at a rate of

3,000 males ha-1. The results revealed that inoculated sterile males were able to transmit fungal

spores to 44% of the wild C. capitata captured in traps, and that there was no transmission of the

fungal spores to non-target insect species such as the coffee berry borer, honey bees or their

parasites, demonstrating that this strategy is highly specific. This strongly suggests that this tool

could be used as an additional component of a SIT-based IPM to suppress fruit fly populations

where more conventional control methods against these pests are restricted.

Literature cited

ALUJA, M. Manejo Integrado de Moscas de la Fruta. México D F: Trillas, 251p. 1993.

DIMBI, S.; MANIANIA, N.K.; EKESI, S. Effect of Metarhizium anisopliae on the inoculation behavior of three species of African tephritid fruit flies, Ceratitis capitata, Ceratitis cosyra and Ceratitis fasciventris. Biological Control, v.50, p.111-116, 2009.

KNIPLING, E.F. Principles of Insect Parasitism Analyzed from New Perspectives. Agriculture Handbook, n.693.Washington, DC: ARS-USDA, 1992.

FLORES, S.; CAMPOS, S.; VILLASEÑOR, A.; ENKERLIN, W.; TOLEDO, J.; LIEDO, P.; MONTOYA, P. Sterile males of Ceratitis capitata (Dipt.: Tephritidae) as disseminators of Beauveria bassiana spores for IPM strategies. Biocontrol Science and Technology, v.23, n.10, p.1186-1198, 2013.

GUTIÉRREZ, J.M. El programa de moscas de la fruta en México. In: MONTOYA, P.; TOLEDO, J.; HERNÁNDEZ, E. (Eds.). Moscas de la Fruta: Fundamentos y Procedimientos para su Manejo. México, DF: y G Editores, p.3-10, 2010.

MONTOYA, P. Control biológico por aumento en el manejo integrado de moscas de la fruta. In: HERNÁNDEZ-ORTIZ, V. (Ed.). Moscas de la Fruta en Latinoamérica (Diptera: Tephritidae): Diversidad, Biología y Manejo. México, DF: S y G editores, p. 145-156; 2007.

LIQUIDO, N.J.; CUNNINGHAM, R.T.; NAKAGAWA, S. Host plants of Mediterranean fruit fly (Diptera: Tephritidae) on the Island of Hawaii (1949-1985 Survey). Journal of Economic Entomology, v.83, n.5, p.1863-1878, 1990.

Page 59: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

59

MONTOYA, P.; CANCINO, J.; ZENIL, M.; SANTIAGO, G.; GUTIÉRREZ. J.M. The augmentative biological control component in the Mexican campaign against Anastrepha spp. Fruit Flies. In: VREYSEN, M.J.B.; ROBINSON, A.S.; HENDRICHS, J. (Eds.). Area-Wide Control of Insect Pests: From Research to Field Implementation. Springer, Dordrecht, The Netherlands, p.661-670, 2007.

MONTOYA, P.; CANCINO, J.; ZENIL, M.; GÓMEZ, E., VILLASEÑOR, A. Parasitoid releases in the control of Ceratitis capitata (Diptera: Tephritidae) outbreaks, in coffee growing zones of Chiapas, Mexico. Vedalia. v. 12, n.1, p.85-89; 2005.

MONTOYA, P.; LIEDO, P.; BENREY, B.; BARRERA, J.F.; CANCINO, J.; SIVINSKI, J.; ALUJA, M.; Biological control of Anastrepha spp. (Diptera: Tephritidae) in mango orchards through augmentative releases of Diachasmimorpha longicaudata (Ashmead) (Hymenoptera: Braconidae). Biological Control, v.18, p.216-224, 2000.

NOVELO-RINCÓN, L.F.; MONTOYA, P.; HERNÁNDEZ-ORTIZ, V.; LIEDO, P.; TOLEDO, J. Mating performance of sterile Mexican fruit fly Anastrepha ludens (Diptera: Tephritidae) males treated with Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. Journal of Applied Entomology, v.133, p.702-710, 2009.

PROGRAMA REGIONAL MOSCAMED, Guatemala-México-Estados Unidos, Memoria de labores, Guatemala, C.A., p.34, 2013.

QUESADA-MORAGA, E.; CARBALLO-MARTIN, I.; JURADO-GARRIDO, I.; ÁLVAREZ-SANTIAGO, C. Horizontal transmission of Metarhizium anisopliae among laboratory populations of Ceratitis capitata (Wiedemann) (Diptera: Tephritidae). Biological Control, v.47, p.115-124, 2008.

TOLEDO, J.; CAMPOS, S.E.; FLORES, S.; LIEDO, P.; BARRERA, J.F.; VILLASEÑOR, A.; MONTOYA, P. Horizontal transmission of Beauveria bassiana in Anastrepha ludens (Diptera: Tephritidae) under laboratory and field cages conditions. Journal of Economic Entomology, v.100, n.2, p.291-297, 2007.

Page 60: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

60

Situação atual e perspectivas no controle da sarna da macieira no Brasil

José Itamar Boneti20 e Yoshinori Katsurayama20

Introdução

A sarna da macieira, causada por Venturia inaequalis, é a principal doença da macieira

nas maiores regiões produtoras do sul do Brasil. Pode causar perdas significativas na produção

caso medidas de controle não sejam adotadas com eficiência. Trata-se de uma doença de clima

ameno, ocorrendo mais intensamente na primavera, a partir da brotação, infectando folhas

jovens, pecíolos, pedúnculos e frutos da macieira. Nessa fase, a infecção nas folhas pode

manifestar-se após um período de apenas 9 horas de molhamento foliar à temperatura de 11oC,

conforme se observa na Tabela de Mills (Mills, 1944). Nesse caso, os sintomas aparecem

aproximadamente 16 dias após o início do período de molhamento foliar (Stensvand et al., 1997).

Os frutos podem ser infectados em qualquer estádio de desenvolvimento. São muito suscetíveis

até a frutificação efetiva e vão tornando-se resistentes à medida que se desenvolvem e se

aproximam do início da maturação (Schwabe e al., 1984).

O controle da sarna, tendo em vista a alta suscetibilidade dos cultivares Gala, Fuji e de

seus respectivos clones, predominantes no sul do Brasil, é realizado com medidas profiláticas

praticadas durante o outono e inverno visando à redução de inóculo, e com uso de fungicidas na

primavera e no verão. O uso racional dos fungicidas é de fundamental importância, haja vista a

inexistência, até o presente momento, de plantios comerciais com cultivares resistentes à sarna.

Durante os mais de 40 anos de cultivo comercial da macieira no Brasil, foram introduzidos

vários fungicidas, de diferentes grupos químicos, para o controle da sarna e de outras doenças.

Todos esses produtos são de ação protetora, curativa e erradicante e, com exceção de alguns que

foram retirados por causar dano ao homem e ao meio ambiente, continuam sendo utilizados para

o controle da sarna.

No início da década de 1970, o controle era realizado apenas com fungicidas de contato.

O número de tratamentos era relativamente alto e, mesmo assim, aconteciam grandes perdas na

produção. Quando foram introduzidos os fungicidas do grupo dos benzimidazóis (benomyl e

tiofanato metílico), de ação protetora, curativa e erradicante, observou-se aumento significativo

nos níveis de controle da sarna. Entretanto, após três anos de uso foi observada perda total da

eficiência devida à resistência de V. inaequalis a esses fungicidas (Akutsu & Tanaka, 1977).

Fungicidas IBEs

Na década de 1980, iniciou-se nova fase no controle da sarna com a adaptação da Tabela

de Mills para as condições brasileiras (Berton & Melzer, 1984; Boneti & Katsurayama, 1988;

Katsurayama et al., 1992). Para isso, contribuiu muito a introdução dos fungicidas Inibidores da 20 Engenheiros-agrônomos, M.Sc., Fito Desenvolvimento e Produção Ltda., Rodovia SC-438, Km 60, 88600-000 São

Joaquim, SC, fone: (49) 9930-9393, email: [email protected].

Page 61: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

61

biossíntese de ergosterol (IBEs), com ação curativa sobre a sarna da macieira. O primeiro fungicida

IBE comercializado para o controle da sarna foi o triforine e depois o bitertanol (Boneti &

Katsurayama, 1988a). Logo em seguida, foram introduzidos os IBEs mais eficientes, tais como

fenarimol e tebuconazole, e, mais tarde, miclobutanil, tetraconazole, triflumizole, ciproconazole e

difenoconazole. Naquela época, os fungicidas IBEs apresentaram índices de controle próximo de

100%, mesmo quando eram aplicados 96 horas após o início de um período de infecção da sarna

(PI), ou seja, após o início da chuva.

Com a introdução dos fungicidas IBEs e a implantação das Estações de Avisos

Fitossanitários em São Joaquim/SC e Fraiburgo/SC pelo Ministério da Agricultura (Katsurayama et

al., 1992), iniciou-se nova fase no manejo da sarna. Os fungicidas IBEs eram recomendados até 96

horas após o início do PI (Boneti et al., 1989; 1992). Desse modo, o fruticultor podia esperar o final

da chuva para realizar a pulverização, pois contava com a espetacular ação de penetração

(retroativa) dos fungicidas nas folhas (e nos frutos) e de inibição do desenvolvimento do fungo.

Além disso, em misturas com fungicidas protetores eram muito eficientes mesmo quando

aplicadas em intervalos fixos de 10 ou mais dias (Boneti & Katsurayama, 1991), o que permitiu

reduzir o número de aplicações na safra.

Porém, após 10 anos de uso dos fungicidas desse grupo, começou-se a observar,

principalmente nas aéreas experimentais, falha de controle da sarna. Nos anos de 1992 e 1993, foi

realizado levantamento para avaliar a frequência de isolados de V. inaequalis resistentes aos IBEs

e também ao dodine; constatou-se erosão da sensibilidade de isolados de V. inaequalis a ambos os

grupos de fungicidas (Katsurayama & Boneti, 1996; 1997). Alguns ciclos mais tarde, resultados

mais críticos foram observados, como o aumento do nível de resistência e da frequência de

isolados resistentes aos IBEs (Katsurayama & Boneti, 2004; Wolf et al., 2007). Em ensaio recente,

realizado no campo no ciclo 2012/13, comparando os atuais fungicidas curativos presentes no

mercado, observou-se contínuo desgaste na eficiência desses produtos, principalmente no

controle da sarna nos frutos (Tabelas 1 e 2), ou seja, o índice de controle foi muito baixo.

Felizmente, o uso desses produtos em mistura com fungicidas protetores, aminoácidos e fosfitos

ainda tem sido satisfatório.

Tabela 1. Eficiência de fungicidas IBEs no controle da sarna da macieira em condições de campo, cv. Gala. São Joaquim, SC, 2012/13

Tratamento(1)

Dose Sarna nas folhas(2)

Sarna nos frutos

(p.c. 100L-1

) Inc. (%) IC (%) Inc. (%) IC (%)

Testemunha - 94,2 a(3)

0,0 100,0 a 0,0

Score 14ml 35,7 b 60,8 95,7 a 4,3

Trifmine 100g 35,7 b 60,8 64,2 b 35,8

Folicur 200 EC 50ml 33,7 b 63,0 95,7 a 4,3

Domark 100 EC 50ml 45,6 b 50,0 98,2 a 1,8

Mythos 100ml 3,0 c 96,7 31,5 c 68,5

Stroby 30ml 48,5 b 46,8 95,7 a 4,3

CV (%) - 17,1 - 14,0 - (1)

Os fungicidas foram aplicados em: 16/9, 23/9, 27/9, 3/10, 11/10, 18/10, 25/10, 1/11 e 8/11/2013. (2)

Avaliação da sarna: 14/11/2013. Inc = incidência (%); IC= índice de controle (%). (3)

Médias seguidas de pelo menos uma mesma letra nas colunas não diferem entre si (Duncan, 0,05).

Page 62: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

62

Tabela 2. Eficiência da aplicação de fungicidas no controle da sarna da macieira, cv. Gala. São Joaquim, SC, ciclo 2012/13

Tratamento(1)

Dose Sarna nas folhas(2)

Sarna nos frutos Russeting

(p.c. 100L-1

) Inc. (%) IC (%) Inc. (%) IC (%) (%)

Testemunha - 100,0 a(3)

0,0 96,0 a 0,0 1,2 a

Dodex 450 SC 100ml 5,2 e 94,8 16,0 d 83,3 0,8 a

Dodex + Score 100ml + 14ml 3,0 e 97,0 18,2 cd 81,0 1,0 a

Score 14ml 57,5 c 42,5 71,6 ab 25,4 1,2 a

Domark 50ml 74,5 b 25,5 98,3 a 0,0 0,8 a

Dodex + Dithane 100ml + 200g 3,7 e 96,3 13,3 d 86,1 1,4 a

Dithane NT 200g 16,0 e 84,0 39,1 bc 59,2 0,2 a

CV (%) - 13,3 - 22,4 - 13,1 (1)

Os fungicidas foram aplicados em: 15/9, 22/9, 29/9, 6/10, 12/10, 20/10, 27/10 e 2/11/2012. (2)

Inc. = incidência de sarna nas folhas e nos frutos; IC = índice de controle (%) de sarna nas folhas e nos frutos. Avaliação realizada no dia 24/11/12.

(3) Médias seguidas de pelo menos uma mesma letra, nas colunas, não diferem entre si. Duncan (P=0,05).

Fungicidas QoIs

Em 1995, começaram a ser testados os fungicidas QoIs e, em 1998, foi lançado o kresoxim-

-metílico, dando início ao uso dos fungicidas também chamados de estrobilurinas no Brasil (Boneti

& Katsurayama, 1998). Posteriormente, foi introduzido o trifloxystrobina (Boneti & Katsurayama,

1999b) e, mais tarde, famoxadone e pyraclostrobina. Tais fungicidas eram muito importantes, haja

vista que se tratava de um novo grupo químico com alta eficiência no controle da sarna. Além da

ação protetora e alta afinidade com a camada cerosa das folhas da macieira, atuavam fortemente

sobre a esporulação (ação erradicante) do fungo e também possuíam pequena ação curativa

devido a sua ação de profundidade (Boneti & Katsurayama, 1998; 1999b; 2000; Katsurayama &

Boneti, 2000). Com o passar do tempo, começou-se a observar, nos ensaios de campo, que a

eficiência desses fungicidas já não era tão boa quanto se observara por ocasião de sua introdução.

No ciclo 2010/11, observou-se que o kresoxim-metílico não mais controlava a sarna da macieira

nos ensaios de campo. Foi realizado, então, um levantamento no qual se constatou que 73,8% das

amostras de V. inaequalis eram resistentes, ou seja, germinavam em 20ppm de kresoxim-metílico

adicionado ao meio de ágar a 2% (Boneti & Katsurayama, 2011).

Para confirmar os resultados, foram realizados ensaios em casa de vegetação visando

avaliar o efeito dos fungicidas QoIs, aplicados isoladamente ou em mistura com outros fungicidas.

De acordo com esses resultados, todos os QoIs testados falharam no controle da sarna,

evidenciando a resistência cruzada para todos os fungicidas desse grupo. Foram testados

kresoxim-metílico (Stroby), trifloxystrobina (Flint), picoxystrobina (Aproach), pyraclostrobina

(Comet) e famoxadone. Tal resultado se mantém, conforme ensaio de campo realizado com o

fungicida kresoxim-metílico (Tabela 1).

Fungicida dodine

Em Santa Catarina, o fungicida dodine foi intensivamente utilizado na década de 1970

devido a sua ação protetora similar aos demais fungicidas convencionais, ao efeito curativo similar

Page 63: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

63

ao dos benzimidazóis, e à ótima ação erradicante, com efeito supressor da produção de esporos.

No entanto, nos anos de 1991 a 1994, quando predominou um longo período de influência do El

Niño, vários produtores associaram a alta severidade da sarna ao desenvolvimento da resistência

ao dodine. Resultados do levantamento realizado em Santa Catarina (Katsurayama & Boneti, 1993;

1996; 1997) indicaram que na maioria dos pomares a severidade da sarna estava relacionada ao

manejo em si. Entretanto, em alguns pomares da região de São Joaquim, foram constatados

isolados de V. inaequalis tolerantes ao dodine em proporções críticas.

Visando conhecer um pouco mais a situação de eficiência do dodine, foram realizados

alguns ensaios de campo e de casa de vegetação. De acordo com esses resultados, o nível de

resistência parecia estar estabilizado e independe do histórico do pomar, ou seja, o dodine em

dose mais alta do que se usava nos anos 1990 apresentou boa eficiência quando foi testado contra

V. inaequalis com isolado oriundo de um pomar com 30 anos de idade e outro com 8 anos de

idade. É provável que a população do fungo se tenha estabilizado e tornado abrangente em todas

as regiões produtoras, além do possível efeito positivo com o aumento de dose. Em ensaio de

campo, o Dodex (100ml.100L-1) apresentou potencial no controle da sarna nas folhas e nos frutos

da macieira. Esse fungicida foi testado novamente no ciclo 2012/13 e confirmou sua eficiência,

conforme resultado apresentado na Tabela 2. Além disso, observa-se que o dodine não aumentou

a severidade de russeting.

Fungicidas ANPs

Os fungicidas do grupo das Anilinopyrimidinas (Mythos e Unix) foram testados desde

1994 e lançados juntamente com os fungicidas do grupo dos QoIs (Katsurayama & Boneti, 2005).

São fungicidas que possuem ação protetora e curativa de até 72 h.a.i. Apesar do risco de

ocorrência de surgimento de resistência, tais fungicidas continuam muito ativos no controle da

sarna nas folhas conforme testes realizados recentemente no campo (Tabela 1). A eficiência de

controle nos frutos pode ser incrementada com a mistura com Aliette, conforme se observa na

Tabela 3.

Tabela 3. Avaliação do efeito curativo de fungicidas no controle da sarna nos frutos da macieira, cv. Castel Gala. São Joaquim, SC, ciclo 2013/14

Tratamento(1)

Dose Sarna nos frutos (%)

48 horas 72 horas

(p.c. 100L-1

) Sev (%)(2)

IC (%)(3)

Sev (%) IC (%)

Testemunha - 68,1 a(4)

0,0 67,4 a 0,0

Aliette 150g 50,7 ab 25,5 39,0 abc 42,1

Mythos 100ml 25,2 bc 62,9 27,4 bc 59,3

Aliette+Mythos 150g + 100ml 10,0 c 85,3 17,2 c 74,4

CV (%) - 27,0 - 28,0 - (1)

Os fungicidas foram aplicados 48 e 72h após a inoculação com conídios de V. inaequalis na concentração de 3 x 105 conídios ml

-1.

(2) Severidade de sarna nos frutos (%).

(3) Índice e controle de sarna nos frutos (%).

(4) Médias seguidas de uma mesma letra, na coluna, não diferem entre si pelo teste de Duncan (p = 0,05).

Page 64: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

64

Fungicidas do grupo das carboxamidas (SDHIs)

Atualmente, encontram-se em fase de registro novos fungicidas do grupo das

carboxamidas. O produto que está mais desenvolvido para uso na cultura da macieira, porém

ainda sem registro, é o fungicida Orkestra SC. Trata-se de um novo fungicida, composto por uma

carboxamida (fluxapiroxade) e uma estrobilurina (piraclostrobina). Esses ingredientes ativos

apresentam dois diferentes mecanismos de ação: o primeiro pertence ao grupo dos SDHI, e o

segundo, ao dos Qol. Ambos atuam evitando a respiração do fungo na mitocôndria, porém em

pontos diferentes. Portanto, não apresentam resistência cruzada entre si. Esse fungicida, aplicado

isoladamente nas doses de 30 e 40ml.100L-1, ou em mistura com outros fungicidas, tem-se

mostrado muito eficiente no controle da sarna nas folhas e nos frutos da macieira (Tabela 4).

TABELA 4. Eficiência da aplicação de fungicidas no controle da sarna da macieira, cv. Gala. Campo Experimental de Santa Isabel, São Joaquim, SC, ciclo 2013/14

Tratamento(1)

Dose Incidência de sarna (%) Russeting

(p.c. 100L-1

) Folhas Frutos (%)

Testemunha - 91,2 a(2)

94,0 a 0,8 b

Captan SC 250ml 0,2 e 1,6 d 3,3 a

Mythos + Dithane NT 100ml + 200g 0,0 e 1,6 d 0,2 b

Mythos + Frowncide 100ml + 100ml 0,7 de 1,6 d 0,6 b

Orkestra + Mythos 30ml + 100ml 0,0 e 0,8 d 0,2 b

Orkestra 30ml 4,0 cd 0,8 d 0,0 b

Mythos 100ml 1,0 de 20,0 c 0,4 b

Orkestra + Score 30ml + 20ml 5,7 c 4,9 d 0,6 b

Orkestra + Delan 30ml + 50g 0,0 e 0,0 d 0,4 b

Orkestra + Phytogard 30ml + 200ml 0,2 e 2,5 d 0,2 b

Orkestra 40ml 3,2 cde 3,3 d 0,2 b

Score 20ml 45,7 b 46,5 b 0,2 b

Delan 50g 0,2 e 2,4 d 0,8 b

Delan 125g 0,7 de 0,0 d 4,3 a

Phytogard K 200ml 3,0 cde 34,1 d 0,6 b

CV (%) - 31,0 30,5 36,3 (1)

Os fungicidas foram aplicados em: 13/9, 19/9, 27/9, 5/10, 10/10, 19/10, 25/10 e 1/11/2013. (2)

Médias seguidas de pelo menos uma mesma letra, nas colunas, não diferem entre si pelo teste de Duncan (p = 0,05).

Produtos alternativos

Mais recentemente, alguns compostos alternativos vêm sendo desenvolvidos para uso no

controle da sarna da macieira (Boneti & Katsurayama, 2002; 2005; 2010): os fosfitos, notadamente

o fosfito de potássio, compostos que possuem comprovada ação sobre a sarna e outras doenças

da macieira. Em condições de alta pressão de doença, recomenda-se o uso em mistura com

fungicidas protetores. Outros compostos, tais como aminoácidos, flavonoides, sais naturais,

compostos oriundos de plantas, algas e microrganismos também apresentam potencial e vêm sendo

desenvolvidos para uso no controle da sarna da macieira, conforme apresentados na Tabela 5.

Page 65: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

65

Tabela 5. Eficiência da aplicação de fungicidas no controle da sarna nas folhas da macieira, cv. Gala. Campo

Experimental de Santa Isabel, São Joaquim, SC, ciclo 2013/14

Tratamento(1)

Dose Incidência de sarna (%) Russeting

(p.c. 100L-1

) Folhas Frutos (%)

Testemunha - 69,2 a(2)

98,3 a 0,8 a

Gama “Super” K Plus 300ml 24,2 b 66,6 ab 0,6 a

Mythos+Fitofos K 100ml + 200ml 1,2 cd 5,8 d 0,6 a

Mythos+Aliette 100ml + 150g 0,2 d 8,3 d 0,4 a

Fitamin CAB+Score 100ml + 14ml 10,2 c 40,8 bc 0,6 a

Score 14ml 37,5 b 64,1 ab 0,6 a

Phyto-Sar+Score 100ml + 14ml 8,0 c 27,5 c 0,6 a

Fitofos K Plus 200ml 2,7 cd 29,1 c 0,6 a

Aliette 150g 22,5 b 62,5 ab 0,8 a

CV (%) - 33,1 24,8 58,0

(1) Os fungicidas foram aplicados em: 13/09, 19/09, 27/09, 5/10, 10/10, 19/10, 25/10 e 1/11/2013.

(2) Médias seguidas de pelo menos uma mesma letra, nas colunas, não diferem entre si. Duncan (P=0,05).

Filocrono

Os fungicidas de contato, ou protetores, são muito importantes, haja vista o não registro,

até o presente momento, da ocorrência de resistência. No entanto, devido à característica de não

penetrarem nos tecidos da planta, devem ser aplicados antes dos períodos chuvosos. Após a

aplicação, forma-se um depósito nos órgãos vegetativos da planta. O fungicida fica aderido na

superfície para, posteriormente, ser redistribuído pela chuva e pelo orvalho e, desse modo, o

produto vai ficando inativo com o passar do tempo. Outros fatores que afetam os fungicidas são:

1- Ambiente: lavagem por água da chuva, orvalho, hidrólise e fotólise; 2- Ação da microflora

presente na superfície das folhas e dos frutos que podem decompor o produto; 3- Características

morfológicas da planta que interferem na aderência e efetividade (serosidade, pilosidade, etc.); 4-

Formulação do fungicida (PM, CE, SC, GDA, etc.); e 5- Fenologia (desenvolvimento das gemas,

emissão de folhas e crescimento dos ramos terminais). O fator emissão de folhas é de suma

importância no manejo das doenças foliares, haja vista que o fungicida não se transporta de uma

folha para outra em quantidade suficiente para controlar a doença.

Para que o controle seja eficiente, a reposição do fungicida de contato deve ser feita em

determinados intervalos antes que ocorra novo período de infecção e o patógeno se estabeleça na

macieira. Essa reposição depende da dose, da quantidade de chuva e, principalmente, da emissão

de folhas novas. Ensaios realizados em São Joaquim (Katsurayama & Boneti, 2006) têm

evidenciado que chuvas de 30 a 60mm não afetam a eficiência de fungicidas como Captan, Folpet

e Dithianon. O efeito protetor do fungicida é, então, mais influenciado pela formação de novas

folhas e pelo posterior crescimento dos ramos terminais.

Num estudo realizado na Epagri/Estação Experimental de São Joaquim, em condições de

temperatura constante, observou-se que são necessários 6,2, 2,6 e 1,8 dias para formar uma nova

Page 66: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

66

folha em temperaturas de 10oC, 15oC e 20oC respectivamente, ou seja, numa temperatura média

de 12,5oC são necessários 4,4 dias para formar uma nova folha. Já em avaliações realizadas no

campo nas primaveras de 2008 a 2013, observou-se que, durante o ciclo primário da sarna, a

temperatura media diária foi de 13,3oC e que, nessa condição, foram necessários em média 4,4 e

4,0 dias para abrir uma nova folha nos cvs. Gala e Fuji respectivamente (Tabela 6). Esses resultados

de campo são indicativos de que o intervalo residual para ação dos fungicidas protetores, nas

condições de São Joaquim, oscila ao redor de 4 dias. Portanto, a estratégia de controle consiste

em aplicar o fungicida protetor o mais próximo possível de um período de infecção, tendo em

vista a formação de novas folhas. Normalmente, os produtores efetuam a pulverização entre 1 e 2

dias antes do período chuvoso, possibilitando, assim, cobertura satisfatória das folhas e dos frutos

e evitando a infecção. Caso haja dificuldade nessa aplicação, ainda existe a possibilidade de

aplicação curativa com os fungicidas ANPs (até quatro aplicações por ciclo) ou utilizando a mistura

de fungicida IBEs com aminoácidos ou flavonoides.

Tabela 6. Avaliação do crescimento foliar da macieira, cvs. Fuji e Gala, enxertada sobre o porta-enxerto Marubakaido nos ciclos 2008 a 2013. São Joaquim, SC

Cultivar Ano de avaliação

Média 2008 2009 2010 2011 2012 2013

Fuji

Taxa(1)

0,27 0,27 0,24 0,25 0,19 0,26 0,24

Dia(2)

3,6 3,6 4,1 4,0 5,3 3,8 4,0

TM (°C)(3)

13,8 15,2 14,2 13,6 13,4 12,1 13,7

Gala

Taxa 0,26 0,26 0,20 0,24 0,17 0,24 0,22

Dia 3,6 3,8 5,0 4,2 6,0 4,1 4,4

TM (°C) 13,8 15,2 14,2 13,6 13,4 12,1 13,7 (1)

Taxa de emissão de novas folhas por dia. (2)

Número de dias necessários para emissão de uma nova folha. (3)

Temperatura média observada nos meses de setembro, outubro e novembro.

Considerações finais

As estratégias de controle da sarna têm sido muito dinâmicas nos 40 anos de cultivo

comercial da macieira no Brasil, haja vista as mudanças na sensibilidade das populações de V.

inaequalis ante os fungicidas de ação específica. Atualmente, encontramos um quadro de

resistência múltipla agravada pelo recente surgimento de resistência aos fungicidas QoIs.

Felizmente, de acordo com estudos preliminares, tem-se observado que essa população ainda

possui relativa sensibilidade ao fungicida dodine. Esse é um resultado interessante e já devida-

mente comprovado em ensaios realizados em campo e em casa de vegetação. Portanto, trata-se

uma ferramenta importante no controle dessa doença. Além disso, os carboxamidas estão

próximos de ser lançados para uso no controle da sarna, os quais poderão substituir a lacuna

deixada pela saída dos QoIs. Finalmente, o uso de fungicidas protetores aplicados o mais próximo

possível de um período chuvoso é o método indicado para o controle da sarna.

Page 67: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

67

Os ANPs, com sua ação curativa de até 72 horas, podem ajudar nos momentos mais críticos

e quando for necessário efetuar aplicações curativas. Os fungicidas IBEs, na falta de alternativa,

continuam sendo recomendados, pois ainda apresentam pequena ação (IC de 30%) sobre a sarna.

E a adição de fosfitos ou aminoácidos melhora o desempenho desses produtos. Finalmente, a

redução de inóculo durante o outono e inverno é prática fundamental visando à sustentabilidade

das estratégias de controle com fungicidas protetores.

Referências

AKUTSU, M.; TANAKA, H. Controle químico da sarna da macieira. Florianópolis: Empasc, 1977. 9p. (Empasc. Comunicado Técnico, 2).

BERTON, O.; MELZER, R. Controle da sarna da macieira pelo sistema de Mills. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.19, n.10, p.1211-1217, 1984.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. A sarna da macieira. Florianópolis: Empasc, 1988, 39p. (Empasc. Boletim Técnico, 44).

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y.; GREINER, L.C. Efeito da mistura de fungicida curativo com fungicida protetor, aplicada em pós-infecção, no controle da sarna da macieira. Fitopatologia Brasileira, v.14, p.263-268. 1989.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Intervalos de aplicação de misturas de fungicidas curativos com fungicidas protetores no controle da sarna da macieira. Fitopatologia Brasileira, v.16, p.82-86. 1991.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y.; KRUEGER, R. Avaliação da eficiência de misturas de fungicidas aplicadas em pré- e pós-inoculação no controle da sarna da macieira em casa de vegetação. Fitopatologia Brasileira, v.17, p.87-90. 1992.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Avaliação do efeito protetor, curativo e erradicante do fungicida kesoxim-methyl no controle da sarna da macieira (Venturia inaequalis) em casa de vegetação. Fitopatologia Brasileira, v.23, p.251. 1998.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Doenças da macieira. In: BONETI, J.I.S.; RIBEIRO, L.G.; KATSURAYAMA, Y. Manual de identificação de doenças e pragas da macieira. Florianópolis: Epagri, 1999a. p.13-95p.

BONETI, J.I.S.; KATSURYAMA, Y. Eficiência de fungicidas no controle da sarna da macieira. In: REUNIÃO ANUAL DE FITOSSANIDADE NA CULTURA DA MACIEIRA (1998/99), 4., 1999, São Joaquim, SC. Relatório. São Joaquim: Epagri / Estação Experimental de São Joaquim, São Joaquim, SC. 1999b. p.13-18.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Eficiência do fungicida kresoxim-methyl no controle da sarna da macieira em casa de vegetação e no campo. Fitopatologia Brasileira, v.25, n.3, p.538-543. 2000.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Viabilidade do uso de fosfitos no manejo da sarna da macieira. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 5., 2002, Fraiburgo, SC. Anais. Caçador: Epagri, 2002. P.125-139.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Viabilidade do uso de fosfitos no controle da sarna da macieira. Agropecuária Catarinense, v.18, n.2, p.51-54. 2005.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Controle da sarna com uso de fungicidas protetores. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 11., 2009, Fraiburgo, SC, Anais... Caçador: Epagri, v. 1(palestras), 2009. P.99-109.

BONETI, J.I.S.; KATASURYAMA, Y.; RIBEIRO, L. G.; NAVA, G.; DI PIERO, R. Produção orgânica de maçã no estado de Santa Catarina. In: Agropecuária Catarinense, v.23, n.2 (suplemento), 2010. p.66-78.

Page 68: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

68

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Uso dos fosfitos e compostos naturais no controle das doenças da macieira. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 12., 2011, Fraiburgo, SC, Anais... Caçador: Epagri, v.1 (Resumos), 2011. P.54-66.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Ocorrência de resistência em Venturia inaequalis aos fungicidas QoI no Brasil. Tropical Plant Pathology, v.36, (suplemento), agosto de 2011. p.206.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Estado da arte no controle da sarna da macieira (Venturia inaequalis) no Brasil. Senafrut, 10. In: Agropecuária Catarinense, v. 25, n.2, julho de 2012. p.85-95.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Soma térmica diária como ferramenta para o controle da sarna da macieira (Venturia inaequalis) com uso de fungicidas protetores. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 13., 2013, Fraiburgo, SC. Anais... Caçador: Epagri, v.2 (Resumos), 2013, p.34.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Avaliação da eficiência do fungicida Dodex 450 SC no controle da sarna da macieira (Venturia inaequalis), cv. Gala. Ciclo 2012/13. Jornal da Fruta. v.21, n.270, julho/2013. p.11.

DAROLT, J.C.; JAIL, N.G.; BONETI, J.I.S.; DI PIERO, R.M. Fosfito de potássio reduz a severidade da sarna e altera o metabolismo de flavonóides em macieira. In: REUNIÃO BRASILEIRA SOBRE INDUÇÃO DE RESISTÊNCIA EM PLANTAS A PATÓGENOS, 6., 2012, Viçosa, MG. Anais..., p. 333.

FELIPINI, R.B.; LUIZ, C.; BONETI, J.I.S; KATSURAYAMA, Y.; MARASCHIN, M.; DI PIERO, R.M. Aplicação preventiva de elicitores de mecanismos de defesa em macieira contra Venturia inaequalis. Summa Phytopathologica, v. 39, suplemento (36º Congresso Paulista de Fitopatologia), 2013 (meio digital, resumo 99).

FELIPINI, R.B.; luiz, C.; BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y.; MARASCHIN, M.; DI PIERO, R.M.. Concentração de flavonóides e compostos fenólicos totais em folhas de macieira após a aplicação de quitosana ou fosfito de potássio. Summa Phytopathologica, v.39, suplemento (36º Congresso Paulista de Fitopatologia), 2013 (meio digital, resumo 100).

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Monitoramento da resistência de Venturia inaequalis ao fungicida dodine no estado de Santa Catarina. Fitopatologia brasileira, n.18, p.308, 1993.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Monitoramento da resistência de Venturia inaequalis ao fungicida dodine. Agropecuária Catarinense, v.9, p.12-15, 1996.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Redução da sensibilidade da população de Venturia inaequalis aos fungicidas fenarimol e dodine, provocada pelas pulverizações sucessivas no campo. Fitopatologia Brasileira, v.22, p.273. 1997.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Eficiência do fungicida kresoxym-methyl no controle da sarna da macieira em casa de vegetação e no campo. Fitopatologia Brasileira, v.25, n.3, p.538-543, 2000.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Resistência de Venturia inaequalis, agente causal da sarna da macieira, aos fungicidas: 1- Grupo dos Inibidores da Biossíntese de Ergosterol (IBE). In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 7., 2004, Fraiburgo, SC. Anais... Caçador, SC: Epagri, 2004. p.121-133.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Eficiência de fungicidas no controle da sarna da macieira. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 8., 2005, Fraiburgo, SC. Anais... Caçador, SC: Epagri, 2005. p.41-52.

KATSURAYAMA,Y.; BONETI, J.I.S. Resistência dos fungicidas de contato à lavagem pela chuva. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 9., Fraiburgo, Anais..., Caçador: Epagri, v.2 (Resumos), 2006. p.85-98.

Page 69: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

69

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.; KRUEGER, R.; AMORIM NETO, A. Estações de avisos fitossanitários no controle da sarna da macieira na região de São Joaquim, SC. Agropecuária Catarinense, v.5, p.10-16, 1992.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S.; VIEIRA, H.J.; MISZINSKI, J. Implantação pela Epagri do Agroalertas, sistema on line de previsão da sarna e mancha da gala da macieira no sul do Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 13., 2013, Fraiburgo, SC. Anais... Caçador: Epagri, v.2 (Resumos), 2013, p.50.

MILLS, W.D. Efficient use of sulphur dusts and sprays during rain to control apple scab. Ithaca: Cornell University/New York State College of Agriculture, 1944. 4p. (Cornel University. Agricultural Experiment Station Bulletin, 630).

PALM, G. Controle integrado da sarna da maçã em Altes Land, Alemanha. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 6., Fraiburgo, Anais... Caçador: Epagri, v.1 (palestras), 2003. p.231-243.

SCHWABE, W.F.S.; JONES, A.L.; JONKER, J.P. Change in the susceptibility of developing apple fruit to Venturia inaequalis. Phytopathology, v.74, n.1, p.118-121, 1984.

STENSVAND, A.; GADOURY, D.M.; AMUNDSEN, T.; SEMB, L.; SEEM, R. Ascospores release and infection of apple leaves by conidia and ascospores of Venturia inaequalis at low temperatures. Phytopathology, v.87, n.10, p.1046-1053, 1997.

WOLF, C.M; VALDEBENITO-SANHUEZA, R.M. Sensibilidade de Venturia inaequalis ao miclobutanil. SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS, 9., 2007, Bento Gonçalves, RS, p.77-81.

Page 70: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

70

Activities and resistance management of temperate fruit fungicides

Wayne F. Wilcox21

Introduction

Most fruit growers rely heavily on fungicides as essential components of their disease

management programs. Understanding how individual fungicides function, and how to minimize the

probability that fungal pathogens will develop resistance to them, enables growers and their advisers to

use these tools more efficiently.

General fungicide properties

Fungicides may be categorized according to various criteria, including whether they

control fungi through single or multiple biochemical action sites; whether they are absorbed by

plant tissues and move within them; their chemical composition; their biochemical mode of

action; or their physical mode of action. For example, difenoconazole can correctly be referred to

as a single-site, locally systemic, triazole, sterol demethylation-inhibiting (DMI), and protective

plus post-infection fungicide.

Non-systemic or "contact" fungicides are intended to adhere to the outer leaf and fruit

surfaces and prevent of infection before it starts, usually by inhibiting germination of fungal

spores. Because they do not enter the plant tissues, they have no post-infection or "curative"

activity against pathogens once infection has occurred, and they are subject to removal by rain.

Such materials require more frequent reapplication to maintain effective control during rainy

periods (when they are most needed!) than do systemic materials that are absorbed into the

plant. In addition to resisting removal by rain, systemic materials also provide some degree of

post-infection activity because they are able to reach pathogens after they have entered the plant.

Most systemic fungicides are able to move only within the individual leaves or fruit to which they

have been applied, although some are able to move limited distances to nearby plant parts and a

few are able to move throughout most or all of the plant. Among the fungicides used in temperate

fruit production, the phenylamides (e.g., metalaxyl/mefenoxam) and the phosphonates exhibit the

greatest degree of systemic movement.

A fungicide's biochemical mode of action refers to the mechanism of its toxicity, and is

the characteristic used to group fungicides into different classes for resistance management

purposes. All fungicides developed before the mid-1960’s kill or inhibit fungi by interfering with

numerous enzymes necessary for normal metabolism (multisite inhibitors) or through a general,

21

Professor, Department of Plant Pathology and Plant-Microbe Biology, Cornell University, New York State Agricultural

Experiment Station, Geneva, NY, 14456 USA, phone number: 1-315-787-2335, e-mail: [email protected].

Page 71: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

71

non-specific mechanism such as asphyxiation (oil), desiccation (inorganic salts), and oxidation

(calcium polysulfate). It is very unlikely that fungi will develop resistance to such materials. In

contrast, many newer fungicides are single-site inhibitors, i.e., they interfere with one specific

enzyme, usually by binding at one specific site. Such fungicides are often very active against

susceptible fungi and often present fewer environmental problems than the multisite inhibitors

since they are less likely to affect other living organisms. However, the specificity of their activity

makes it more likely that resistant fungi can develop through just one mutation that affects the

binding site, which allows them to escape interaction with the fungicide.

“Physical mode of activity” is a term sometimes used in reference to a fungicide’s ability

to prevent disease symptoms from developing when applied either before (protective) or after

(post-infection) infection begins. It may also be a reference to the ability of a fungicide to allow

only weak, abnormal lesions to form if applied after infection has begun but before symptoms first

appear (pre-symptom); to inhibit spore formation from lesions that develop (anti-sporulant); or to

eradicate infections when applied after symptoms have appeared (eradicant). Unfortunately,

eradicant activity is very uncommon among fungicides.

Fungicide resistance

The loss of fungicide activity due to target pathogens developing resistance to them is an

increasing problem, which will only become worse in the future. Almost all new fungicides are at

medium to high risk of resistance development and this is a trend that will continue as more new

products are developed. Why? Because the low toxicity to other “non-target” organisms that is

necessary for new materials to obtain government approval almost guarantees that their activity

against target fungi will be very specific, often single site. Classes of fungicides important to

temperate fruit producers and to which resistance has developed among some pathogens in

various parts of the world include the benzimidazoles (e.g., benomyl), dicarboximides (e.g.,

iprodione), DMIs (e.g., triazoles), QoIs (e.g., trifloxystrobin), SDHIs (e.g., boscalid), and dodine.

Loss of fungicide activity due to resistance occurs when applications favor the survival of

specific individuals within the pathogen population over most others, due to some different aspect

of their genetic structure that allows them to better withstand the material. A condition termed

“practical resistance” occurs if these individuals continue to reproduce and pass this trait along to

their progeny and the proportion of the individuals in the vineyard or orchard population able to

tolerate the fungicide increases to a level that it no longer provides acceptable disease control.

Resistance is termed “qualitative” when normal individuals are sensitive to the field dose

and resistant individuals are virtually immune to even many multiples of it. In such cases, shifts in

the composition of the population can occur quickly if the fungicide is used regularly, with

resistant types becoming predominant after just a few years of use and control failures occurring

suddenly. Common examples of this type of resistance have occurred with the MBCs or

Page 72: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

72

benzimidazoles (e.g., benomyl), the phenylamides (e.g., metalaxyl/mefanoxam), and the QoI

fungicides (e.g., azoxystrobin, trifloxystrobin).

In contrast, resistance is termed “quantitative” when individuals poorly controlled by one

dose of a fungicide may be controlled by incremental increases in the dose or by the substitution

of a field dose of a related material with greater intrinsic activity. In such cases, the distribution of

sensitivities within the pathogen population shifts incrementally over time, following repeated use

of the fungicide, with progressively greater proportions of the population requiring progressively

higher doses of the material for control. This type of resistance was first noted when dodine failed

to control apple scab in some orchards and reduced the control of many pathogens with DMI

fungicides.

Basic resistance management strategies include: (1) Limit the total number of seasonal

applications of all related fungicides within any group at risk for resistance development. (2) Do

not use at-risk fungicides once a disease has become established in the orchard or vineyard and

populations of the pathogen are large (because this provides more opportunity to select resistant

individuals). (3) Limit the reproduction of resistant individuals that have survived applications of

the fungicide by using appropriate cultural practices and applying unrelated fungicides in rotation

or mixture with the at-risk material. (4) For fungicides subject to quantitative resistance

development (e.g., DMI materials), either increase the rate of the product within legal limits or

substitute a related fungicide with greater intrinsic activity. For example, flusilazole and

difenoconazole have provided control of apple scab in some orchards where other DMIs are

ineffective; similarly, difenoconazole has provided control of grapevine powdery mildew in

vineyards where other DMIs have lost significant activity.

Specific fungicides and groups

Selected properties of individual fungicides and groups important to temperate fruit

producers are provided below. Single-site inhibitors at risk for resistance development are

identified with an asterisk (*); multi-site inhibitors at little risk for resistance development are

identified with a “plus” sign (+).

*Anilinopyrimidines (APs)

The AP fungicides (cyprodinil and pyrimethanil) inhibit germ tube elongation following

spore germination and mycelial growth following infection. They are absorbed by plant tissues in a

locally systemic manner and provide both preventive and post-infection activity. Practical

resistance can occur quickly if these materials are used intensively and with little rotation,

whereas their effectiveness has been maintained in many settings where the annual use of all APs

is strictly limited and other recommended resistance management practices are used.

*Aza-napthalenes

Quinoxyfen and proquinazid are active only against powdery mildews. They do not stop

spore germination, but act by inhibiting appressorium formation soon after, thereby stopping the

Page 73: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

73

fungus from penetrating and infecting the plant. Consequently, they provide only protective

activity. They also have strong vapor activity, allowing some degree of redistribution within

treated canopies to help protect tissues formed since the previous application. Quantitative

resistance has been documented in a limited number of locations.

*CAAs (carboxylic acid amides)

These fungicides, which include dimethomorph, iprovalicarb, and mandipopamid, are

active only against oomycetes (e.g., downy mildew), but not against the “true” fungi that cause

most other fungal diseases. The resistance risk is considered moderate, although it has been

documented for grape downy mildew in a few locations in Europe (qualitative resistance).

+ Chloronitriles

Chlorothalonil is the only member of this group. Its properties are similar to those of the

phthalimides (captan, folpan) discussed below.

+ Coppers

Copper exerts activity in the form of its cupric ion (Cu++), which binds to amino acid

residues involved in providing protein shape and function. Thus, at sufficient concentration it is

detrimental to multiple enzymes of numerous organisms, including plants (which provides a

danger of plant injury). Although most active against downy mildews and various bacterial

diseases, copper provides significant suppression of numerous fungal diseases, and is often the

most effective material available for "organic" disease management. Copper products are

preventive fungicides but do provide some anti-sporulant activity against grapevine downy and

powdery mildew when applied post-symptom.

* Dicarboximides

The dicarboximides (iprodione, procymidone, vinclozolin) inhibit both spore germination

and mycelial growth, but are more active against the latter. Thus, they provide both preventive

and post-infection activity, including a strong inhibition of sporulation from active lesions. Practical

resistance (quantitative) has developed in a number of locations. Resistant individuals appear to

be less fit than their wild-type counterparts and their frequency declines significantly within a

population if fungicide use is stopped for one or two seasons.

+ Dithiocarbamates

The dithiocarbamates are sometimes split into two chemical groups, the older

dimethyldithiocarbamates (e.g., ferbam, thiram, ziram) and the more common

ethylenebisdithiocarbamates, or EBDCs (maneb, mancozeb, zineb, metiram). They have the same

protective and general properties as other broad-spectrum contact fungicides. The risk of

resistance is low.

* DMIs (sterol demethylation inhibitors)

Following spore germination, which the DMIs do not inhibit, susceptible fungal germlings

that are treated with these materials are unable to synthesize additional ergosterol, which is

Page 74: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

74

necessary for their cell membranes. This causes the nascent fungal colonies to die. Because

oomycetes such as the grapevine downy mildew pathogen do not synthesize ergosterol for their

growth, they are not affected by DMIs. DMI fungicides are absorbed rapidly by treated plant

tissues after application, so they are not removed by rain. Different products exhibit varying

degrees of local systemicity; those with greater movement provide less residual protective activity

within treated tissues. DMI fungicides sometimes show stronger activity in leaves than in fruit.

Because they operate against developing mycelia within plant tissues, they have particularly

strong post-infection activity; residual protective activity typically is significant but limited.

Individual DMIs can vary significantly in their intrinsic activities against specific pathogens. Control

of many diseases on multiple crops has been compromised by practical resistance to DMIs,

including apple scab and both grapevine and apple powdery mildew. Resistance is of the

quantitative type and is sometimes overcome by use of a DMI fungicide with high intrinsic activity

against the specific pathogen involved.

* Hydroxyanalides

Fenhexamid and the newly-introduced fenpyrazamine are the only two members of this

group, used primarily to control Botrytis and Monilinia. The hydroxyanalides are sterol

biosynthesis inhibiting fungicides, although their biochemical mode of action is different from that

of both the DMIs and the morpholines, with no cross-resistance among these three groups. As

with the DMIs, the hydroxyanalides do not inhibit spore germination but do affect germ tube

elongation and mycelial growth. They provide good residual protective activity and, against

Botrytis, locally systemic and post-infection activities comparable to those of the AP and

dicarboximide fungicides. The resistance risk for this group is considered to be moderate.

+ Inorganic salts

Dilute solutions of inorganic salts such as potassium bicarbonate and monopotassium

(dihydrogen potassium) phosphate can be used to control powdery mildew. They provide virtually

no residual preventive activity against spore germination or mycelial growth, but kill live fungal

structures (spores, germlings, and visible colonies) through desiccation when applied both post-

infection and post-symptom. They have little activity against other diseases.

* MBCs (methyl benzimidazole carbamates)

This group (benomyl, carbendazim, and thiophanate-methyl) contains the first systemic

fungicides exhibiting activity against a broad spectrum of pathogens, although they do not control

diseases caused by oomycetes (e.g., downy mildews). Their utility has been reduced severely over

the years due to the development of qualitative resistance (immunity) to them by many different

pathogens in many parts of the world. MBCs provide both preventive and post-infection control of

susceptible fungi.

+ Oils

Some highly purified oils derived from both botanical and petroleum sources can be used

as fungicides to control powdery mildews. They are most active when applied directly to germlings

Page 75: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

75

and mycelia of the powdery mildew fungi during the incubation phase of the disease or even after

symptoms have developed, and are among the most effective products available for eradication of

visible colonies. They provide little control of other diseases.

* Phenylamides

This fungicide class contains metalaxyl and its active enantiomeric form, mefenoxam

(metalaxyl-M), in addition to benalaxyl and oxadixyl. These materials are highly active against

oomycetes (Phytophthora spp., downy mildews) but do not control other diseases. They are at

very high risk for the development of qualitative resistance (immunity), and no longer control

downy mildews on many crops in various parts of the world for this reason. They are highly

systemic in treated plants and very active in the vapor phase also, providing significant protective,

post-infection, and anti-sporulant activity.

* Phosphonates (phosphites, phosphorous acids)

Phosphonates are toxic to a number of oomycete species and this is almost certainly the

means by which they control many downy mildew and Phytophthora spp. through a combination

of protective, post-infection, and anti-sporulant activities. There is some evidence that they also

induce plant defense responses (physiological resistance) against other diseases in some crops,

but this effect appears to be neither predictable nor reliable. They move systemically in treated

plants both upward and downward. They appear to be at moderate risk for the development of

quantitative resistance.

+ Phthalimides

These materials (e.g., captan and folpet) are multi-site toxicants, which makes them

active against a wide range of fungi but also results in injury to treated leaves and fruit if the

materials are absorbed through the waxy cuticle on the surface of these organs, e.g., if they are

applied with oil or certain surfactants. They provide protective activity by inhibiting spore

germination. Their resistance risk is low.

* Qols (Quinone Outside Inhibitors)

Individual QoI fungicides vary significantly in their biological range of activity and include

the broad-spectrum strobilurins (axoxystrobin, kresoxim-methyl, pyraclostrobin, trifloxystrobin)

and the chemically-distinct, oomycete-specific imidazole fungicides, fenamidone and famoxadone.

All exhibit some limited local systemicity, but are confined primarily to the waxy cuticle. They

inhibit both spore germination and mycelial growth, but function primarily as protective

fungicides, although they do have some post-infection activity against powdery mildews and the

sub-cuticular pathogens that cause apple scab and grape black rot. The risk of qualitative

resistance (immunity) is high; consequently, control has been lost against apple scab and both

powdery and downy mildew of grapes in some regions.

Page 76: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

76

* SDHIs (Succinate Dehydrogenase Inhibitors)

SDHI fungicides (boscalid, fluopyram, fluxapyroxad, penthiopyrad) show local to limited

systemicity and are effective against sensitive pathogens when applied both preventively and

post-infection. They are considered to be at moderate to high risk for resistance development.

+ Sulfur

Elemental sulfur is used to control powdery mildews on many crop species and is also

active against some other diseases. It is a strong inhibitor of spore germination (protective activity)

but is also toxic to fungal mycelia, providing post-infection activity against pathogens that reside

on plant surfaces (e.g., powdery mildews). Sulfur particles are volatile, which can provide

significant vapor activity at warm temperatures. Volatilization increases with increasing

temperature, which can affect both disease control and the potential for phytotoxicity. Elemental

sulfur products are available in formulations representing a wide range of particle sizes, from

“micronized” formulations suitable for spraying with water (ca. 4µm diameter) to dust particles

that are applied directly without wetting (ca. 25µm diameter). In general, their resistance to

removal by rain, vaporization rate, and efficacy per unit weight applied are all inversely

proportional to particle size.

Page 77: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

77

Agroalertas-Maçã: sistema de monitoramento e difusão de avisos e alertas agrometeorológicos para a cultura da macieira

Yoshinori Katsurayama22; José Itamar da Silva Boneti22; Hamilton Justino Vieira23 e Joelma Miszinski23

Introdução

Agroalertas-Maçã foi desenvolvido pela Epagri para auxiliar os produtores de maçã a

obter máxima eficácia dos tratamentos visando ao controle da sarna e mancha da gala, duas das

mais importantes doenças da macieira no sul do Brasil. O sistema foi construído com base em mais

30 anos de trabalho conjunto com a Estação de Avisos Fitossanitários de São Joaquim

(Katsurayama et al., 1992) e incorpora ferramentas modernas, como coleta, processamento e

emissão de alerta em tempo real, com livre acesso via computador ou telefone móvel.

No caso da sarna, o aparecimento de resistência aos fungicidas inibidores da síntese de

ergosterol (IBEs) na década passada causou mudança profunda no manejo dessa doença. Até

então, esse grupo de fungicidas era a mais importante ferramenta de controle curativo da sarna

da macieira. Com a adoção do controle preventivo em detrimento do curativo, as pulverizações

contra a sarna vêm sendo realizadas com base na previsão do tempo (da chuva), o que, muitas

vezes, resultam em aplicações desnecessárias e, outras vezes, na superestimação da sua eficácia, o

que pode resultar em infecção inesperada, com perda severa da produção. Com as informações

disponibilizadas pelo Agroalertas-Maçã, o produtor pode, rapidamente, aplicar medida de controle

corretiva, quando necessária.

Agroalertas-Maçã mostra também o período de transição entre as doenças da primavera,

representadas pela sarna, e do verão, representadas pela mancha da gala, de maneira que o

usuário possa ajustar o tratamento em função da sua necessidade, pois um produto eficiente para

sarna pode não sê-lo para a mancha da gala. Além disso, as informações epidemiológicas geradas

durante o período de colheita da ‘Gala’, por exemplo, podem ser usadas para evitar perdas por

fuligem, sujeira de mosca, mancha de marsonina e podridão-amarga, entre outras.

Esta apresentação visa mostrar como o Agroalertas-Maçã está sendo desenvolvido pela

Epagri, as principais funções disponibilizadas e como obter informações para o uso racional do

sistema.

Rede de estações meteorológicas automáticas

As estações meteorológicas, com sensores de chuva, temperatura do ar, umidade relativa

e de molhamento foliar, estão localizadas nas principais regiões produtoras de maçã de Santa

Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, e enviam, a cada 60 minutos, os dados para o servidor da

22

Engenheiros-agrônomos, M.Sc., Fito Desenvolvimento e Produção Ltda., Rodovia SC-438, Km 60, 88600-000 São

Joaquim, SC, fone: (49) 9983-8190, email: [email protected]. 23 Epagri/Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina. Rod. Admar Gonzaga,

1347, Itacorubi, C.P. 502, 88034-901 Florianópolis, SC, fone: (48) 3665-5148, site: http://ciram.epagri.sc.gov.br.

Page 78: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

78

Epagri/Ciram, onde são processados e os alertas fitossanitários emitidos, também a cada 60

minutos, na forma de gráficos e tabelas.

Alerta para a sarna da macieira

A previsão da sarna é realizada com o uso da tabela de Mills (Mills, 1944), já de amplo

conhecimento dos produtores de maçã do sul do Brasil. O uso dessa tabela teve seu auge em

Santa Catarina durante as décadas de 1980 e 1090, quando os fungicidas IBEs, mesmo aplicados 4

dias após o início da chuva, controlavam totalmente a sarna (Boneti & Katsurayama, 2012). Com a

atual falta de bons fungicidas retroativos, com exceção das anilinopirimidinas (ANPs), as quais

estão limitadas a quatro aplicações/ciclos, a tabela de Mills passa a ser uma importante ferramenta

de apoio ao manejo preventivo da sarna da macieira atualmente em uso pelos produtores.

O controle preventivo da sarna vem sendo recomendado desde quando a eficácia dos

IBEs ficou abaixo de 50% (Katsurayama & Boneti, 2004; 2005). Esse método é baseado no uso de

fungicidas de contato, cuja máxima eficiência é observada se aplicados pouco antes de um período

chuvoso (período infeccioso), de modo que se tenha máxima cobertura da planta e mínima

degradação do ingrediente ativo. Na prática, recomenda-se entre 1 e 3 dias antes da chuva, quando

resulta em controle muito próximo de 100% (intervalo de 6 a 12 horas entre a pulverização e a

chuva, para secagem e aderência dos fungicidas).

A eficiência do método preventivo de controle da sarna depende da precisão da previsão

do tempo, sujeito ao erro inerente à previsão. Daí a importância das informações epidemiológicas

disponibilizadas pelo Agroalertas-Maçã. O sistema pode acusar a necessidade de medidas

corretivas, como a aplicação de fungicidas de modo retroativo ou em pré-sintoma para minimizar

as reinfecções.

As reaplicações logo após, ou mesmo durante, um período chuvoso são recomendadas

dependendo do estádio fenológico da macieira, da qualidade (cobertura) da pulverização

realizada, do volume de chuva e, principalmente, da duração do molhamento foliar. No

Agroalertas-Maçã um período de infecção da sarna termina quando se acumulam 6 horas de

interrupção no molhamento, conforme metodologia adotada há anos pela Estação de Avisos de

São Joaquim.

As informações relativas à sarna disponibilizadas pelo Agroalertas-Maçã são o início e o fim

do período chuvoso, o volume de chuva observado no período, a severidade esperada da sarna

com base nos graus-hora (multiplicação da duração do molhamento com a temperatura desse

período) e a previsão do aparecimento do sintoma, tanto para a infecção causada por ascósporos

quanto para a causada por conídios. Além disso, os dados são sumarizados em tabelas mostrando

os dados de hora em hora e médias do dia.

A vantagem do Agroalertas-Maçã em relação ao sistema antigo (ainda em operação em

São Joaquim) é, sem dúvida, a rapidez da informação (disponível 24 horas por dia 7 dias por

semana), pois não necessita da coleta in loco dos dados meteorológicos. Assim, como já foi

mencionado, o produtor dispõe de mais tempo para realizar o tratamento retroativo, quando

Page 79: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

79

necessário. Além disso, oferece maior detalhamento meteorológico relacionado ao número de

estações instaladas.

Alerta para a mancha da gala

Semelhantes aos da sarna, os dados epidemiológicos são apresentados na forma de

gráficos e tabelas. No Agroalertas-Maçã, a previsão da mancha da gala é realizada com base na

soma dos valores diários de severidade (SVDS) dos 3 dias consecutivos. Os VDS foram gerados

através de estudos meteorológicos e epidemiológicos realizados durante 5 anos nos três estados

do sul do Brasil (Katsurayama et al., 2000). O valor de VDS varia de 0 a 2 em função da

temperatura e da duração do molhamento foliar. Quando a soma dos VDS atinge 2,5 unidades ou

mais, é considerada crítica e medidas de controle são recomendadas (Katsurayama & Boneti,

2006).

Nas regiões mais altas de Santa Catarina, como Urupema e São Joaquim, comumente o

período crítico da mancha da gala ocorre a partir de novembro devido às temperaturas mais

baixas, principalmente durante o período chuvoso. Já nas regiões mais quentes pode ocorrer a

partir de setembro ou outubro. Esse período coincide com a fase ainda crítica da sarna, daí a

necessidade de definir o tratamento de acordo com a gravidade de cada doença no momento.

Nem sempre um bom fungicida para o controle da sarna o é também para a mancha da gala ou de

outras doenças que podem ocorrer concomitantemente.

No Agroalertas-Maçã, o VDS máximo é atingido com 18 horas de molhamento diário,

contínuo ou não, e não mais com 20 horas como havia sido estabelecido anteriormente

(Katsurayama & Boneti, 2006). Com isso, o modelo se tornou mais conservador, pois nem sempre

as estações são instaladas no local mais favorável para a ocorrência da mancha da gala.

Com a introdução de um novo modelo de previsão da mancha da gala, desenvolvido a

partir de estudos em casa de vegetação, o sistema tornou-se mais preciso. Baseado na interação

entre temperatura e duração do molhamento foliar (Katsurayama & Boneti, 2010), o modelo

estima a severidade da mancha da gala na presença de inóculo. Com a inclusão de um fator de

correção para o molhamento descontínuo, o efeito aditivo dos períodos intermitentes de

molhamento não é mais desconsiderado. Nesses casos, quando a soma dos períodos secos atinge

12 horas, encerra-se o período de molhamento, e o programa busca o maior valor de severidade

observado.

O sistema Agroalertas-Maçã associa os dois modelos acima; o primeiro, muito eficiente

na previsão e no controle no início da epidemia, na primavera, e o segundo, na estimativa do

potencial de dano na presença de sintomas, no verão. Alguns critérios podem ser considerados na

utilização do modelo de previsão da mancha da gala.

Durante o período de temperaturas baixas na primavera, o inóculo da mancha da gala

tende a ser muito baixo ou nulo, e o desenvolvimento do patógeno, muito lento. Nessas

condições, aplicação de fungicida 1 dia após o SVDS indicar 2,5 unidades resulta em controle

muito eficaz. Além disso, enquanto a temperatura do período chuvoso não ultrapassar os 15°C, os

Page 80: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

80

fungicidas de contato utilizados para o controle da sarna também controlam eficientemente a

mancha da gala. Porém, os fungicidas com modo de ação específica, como os IBEs e ANPs, são

ineficientes. As estrobilurinas são eficazes no controle da mancha da gala, porém as carboxamidas

não são.

Falhas no controle estão invariavelmente associadas ao período chuvoso longo, com

temperaturas acima de 15°C. Nessas condições, nas aplicações realizadas com intervalo de 7 dias o

fungo se estabelece, mesmo com o uso de fungicidas eficazes. Isso acontece porque surgem

muitas folhas novas no período. A 20°C, por exemplo, o cv. Gala emite uma folha por ramo a cada

2 dias (Boneti & Katsurayama, 2012; 2013). Bom efeito protetor dos fungicidas de contato vai até

3 dias. Com 5 dias ou mais, a queda na eficácia é notória, independentemente da ocorrência de

chuvas.

Plantas com crescimento excessivo, ou muito fechadas, são as primeiras a manifestar

sintomas. Nesse caso, poda de verão visando ao arejamento da planta é fundamental para

retardar a evolução da mancha da gala.

Os fungicidas do grupo das estrobilurinas são os que apresentam maior efeito retroativo

no controle da mancha da gala: em torno de 60% quando aplicados até 1 dia após a inoculação, ou

um pouco mais tarde em temperaturas baixas. No entanto, devido à redução da eficácia

observada nos últimos anos, deve ser utilizado sempre associado aos fungicidas de contato

tradicionais.

O tiofanato metílico tem apresentado boa eficácia se aplicado na primavera. Entretanto,

pelo fato de a resistência ser do tipo qualitativo (monogênico), deve-se utilizar sempre associado

aos fungicidas com modo de ação inespecífica.

O mancozebe, na dose de 1,6kg ia.ha-1, nos dois últimos ciclos, tem apresentado eficácia

abaixo da expectativa, em aplicações a cada 7 dias. Controle eficiente só foi observado com 2,4kg

i.a. ha-1. Por outro lado, captan (1,2kg ia.ha-1) tem apresentado eficácia acima da expectativa.

Além disso, a adição de adjuvantes tende a melhorar sua eficácia.

Os cúpricos são produtos interessantes para ser utilizados em pós-colheita, uns

apresentando menor fitotoxidade que outros. Mesmo na fase pré-colheita, alguns produtos

tendem a ser menos fitotóxicos.

Alerta para outras doenças

O Agroalertas-Maçã está programado para emitir alertas para outras doenças. Para a

podridão-amarga da macieira, o sistema adota o modelo de previsão desenvolvido por Bleicher

(1991), com base na precipitação e temperatura dos últimos 10 dias. As informações

epidemiológicas são apresentadas numa tabela bem simples. À primeira vista, o modelo parece

ser bem confiável, pois apresenta relação estreita entre os alertas e as precipitações observadas,

principalmente quando a temperatura ultrapassa 18°C. No entanto, sugere-se seu uso com

restrição, visto que o modelo não foi aferido no campo.

Page 81: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

81

Para a previsão da podridão-branca foi adotado o modelo desenvolvido por Parker &

Sutton (1993) com base na duração do molhamento e na temperatura do período, cujos

parâmetros se assemelham aos recomendados pela Produção Integrada da Maçã. Do mesmo

modo que na podridão-amarga, o modelo não foi avaliado para a nossa região.

Informações a ser agregadas no Agroalertas-Maçã

Além dos dados meteorológicos horários e diários, o Agroalertas-Maçã disponibilizará, a

partir do ciclo 2014/15, as horas de frio e as unidades de frio, informações fundamentais para

prever o início da brotação da macieira. Mais adiante, será incluído o modelo para estimar a

emissão de folhas com base na temperatura, informação útil para o manejo preventivo da sarna

da macieira.

Doenças como fuligem e sujeira de mosca também poderão ser previstas com adaptação

para a região Sul dos modelos de previsão e controle relatados por Cooley e colegas (2011).

Referências

BLEICHER, J. O sistema pluviométrico para previsão da podridão amarga da macieira. Agropecuária Catarinense, v.3, p.16-18. 1991.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Estado da arte no controle da sarna da macieira (Venturia inaequalis) no Brasil. SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 10. In: Agropecuária Catarinense, v.25, n.2, julho de 2012. p.85-95. 2012.

BONETI, J.I.S.; KATSURAYAMA, Y. Soma térmica diária como ferramenta para o controle da sarna da macieira (Venturia inaequalis) com uso de fungicidas protetores. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 13., 2013, Fraiburgo, SC. Anais... Caçador: Epagri, v.2 (Resumos), 2013, p.34.

COOLEY, D.R.; ROSENBERGER, D.A.; GLEASON, M.L.; KOEHLER, G.; COX, K.; CLEMENTS, J.M.; SUTTON, T.B., MADEIRAS, A.; HARTMAN, J.R. 2011. Variability among forecast models for the apple sooty blotch/flyspeck disease complex. Plant Dis. v.95, p.1179-1186.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S.; BECHKER, W.F. Mancha Foliar da Gala: principal doença de verão da cultura da macieira. Agropecuária Catarinense, v.13, n.3, p.14-19.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Efeito do molhamento foliar descontínuo na severidade da mancha da gala (Colletotrichum spp.) em macieiras, cv. Gala. Fitopatol. Bras., Resumo Expandido, 2003.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Resistência de Venturia inaequalis, agente causal da sarna da macieira, aos fungicidas: 1- Grupo dos Inibidores da Biossíntese de Ergosterol (IBE). In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 7., 2004, Fraiburgo, SC. Anais... Epagri, Florianópolis, SC. 2004. p.121-133.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Eficiência de fungicidas no controle da sarna da macieira. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 8., 2005. Fraiburgo, SC. Anais... Epagri, Florianópolis, SC. p. 41-52.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Previsão da sarna e da mancha da gala: Sistema Sempre Alerta. In: SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 7., 2006, São Joaquim, SC. Anais... Epagri, Florianópolis, SC. p.33-41.

Page 82: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

82

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Manejo das doenças de verão da macieira no Sul do Brasil. In: STADNIK, M.J. Manejo Integrado de Doenças da Macieira. Florianópolis: CCA-UFSC, 2009. 229p.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S. Modelo de previsão da mancha da gala na macieira baseado na temperatura e na duração do molhamento foliar. Agropecuária Catarinense, v.23, n.3, p. 82-84, nov. 2010.

KATSURAYAMA, Y.; BONETI, J.I.S.; KRUEGER, R.; AMORIM NETO, A. Estações de aviso no controle da sarna da macieira na região de São Joaquim, SC. Agropecuária Catarinense, v.5, n.3, p.10-16. 1992.

MILLS, W.D. Efficient use of sulfur dusts and sprays during rain to control apple scab. Cornell Ext. Bull., n.630, p.1-4. 1944.

PARKER, K.C.; SUTTON, T.B. Effect of temperature and wetness duration on apple fruit infection and eradicant activity of fungicides against Botryosphaeria dothidea. Plant Disease, n.77, p.181-185. 1993.

Page 83: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

83

Management of grape diseases in the United States

Wayne F. Wilcox24

Introduction

In the USA, grape production is concentrated largely in California and other states

bordering the Pacific Ocean (Oregon, Washington) with significant plantings also east of the

Mississippi River, in regions where winters are cold enough to preclude survival of the Pierce’s

Disease bacterium (Xylella fastidiosa). Relatively little rain falls in the western states during the

growing season. Thus, the primary fungal diseases there are powdery mildew and various wood

canker diseases that infect through pruning wounds during the rainy dormant season (e.g., Eutypa

dieback, Botryosphaeria dieback), although Phomopsis cane and leaf blight and Botrytis bunch rot

may also require control in some localities.

In contrast, precipitation occurs regularly throughout the year in the eastern production

regions, where a complex of fungal diseases must be controlled each year through an integrated

program of viticultural practices (e.g., sanitation, canopy management) and fungicide sprays, as

influenced by cultivar, latitude (temperature), and specific weather conditions. The most widely

important of these are bitter rot (Greenaria uvicola), black rot (Guignardia bidwellii), Botrytis

bunch rot (Botrytis cinerea), downy mildew (Plasmopara viticola), Phomopsis cane and leaf blight

(Phomopsis viticola), powdery mildew (Erysiphe necator), and ripe rot (Colletotrichum spp.),

although others may be locally important as well. Grape production in the east utilizes cultivars

not only of Vitis vinifera but also those of some North American species (e.g., V. labrusca, V.

aestavalis) and various interspecific hybrids. Production in the west is focused almost entirely on

V. vinifera.

Pierce’s Disease is a serious problem in those portions of both eastern and western

districts, where winter temperatures seldom go below freezing and efficient leafhopper vectors

are present. It is controlled by removing infected vines as they appear, unless resistant

interspecific hybrid cultivars are grown. Important virus diseases in both regions include grapevine

leafroll, grapevine fanleaf, and the newly recognized grapevine red blotch (Al Rwahnih et al.,

2013); as in the rest of the world, these are controlled primarily through the use of healthy

propagating material. The remainder of this presentation will focus on the biology and

management of the major fungal diseases, with an emphasis on conditions in the east, where I live

and work.

Powdery mildew (PM)

The fungus overwinters as cleistothecia in both the east and west. This is the only means

of overwintering in regions where winter temperatures go significantly below freezing, whereas

24

Professor, Department of Plant Pathology and Plant-Microbe Biology, Cornell University, New York State Agricultural Experiment Station, Geneva, NY, 14456 USA, tel.: 1-315-787-2335, e-mail: [email protected].

Page 84: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

84

the fungus may also overwinter as “flag shoots” under more moderate conditions. Disease severity

during one season strongly affects primary inoculum levels and the success of control programs in

the subsequent season. In a replicated field experiment, we applied different spray programs to

Chardonnay vines, resulting in mean foliar disease severity levels of either 1%, 17%, or 28% in the

autumn, providing either 1.3, 5.3, or 28.3 x 103 cleistothecia.kg-1 of vine bark the following spring

respectively. A uniform, minimal spray program that year produced 11%, 22%, and 48% cluster

disease severity on these respective vines, illustrating the “carry over” effect of the previous year’s

disease level and the resulting primary inoculum level.

Temperature has a significant effect on PM development (Delp, 1954), which has been

used as the basis for several different programs designed to model this disease. Atmospheric

humidity also impacts disease development: 85% RH is optimal and disease severity is twice as

great at 80% RH as it is at 40% RH (Carroll & Wilcox, 2003). Sunlight exposure has an even more

pronounced impact. It severely inhibits disease development due to (i) the deleterious effects of

ultraviolet radiation upon the thallus of the fungus, which exists almost entirely upon the surface

of infected tissues; and (ii) the heating of exposed grapevine tissues to temperatures that are not

favorable to the fungus. In fact, these two effects are not merely additive but are synergistic, i.e.,

UV radiation is more deleterious to the fungus at temperatures that are above optimum for it than

it is at lower temperatures (Austin & Wilcox, 2012). These effects have great practical implication,

as disease development on both leaves and clusters is directly related to canopy density (Austin &

Wilcox, 2011a), and we were able to reduce disease severity on clusters by 35% simply through

canopy management practices that increased their exposure to sunlight (Austin & Wilcox, 2011b).

The integrative effects of different levels of temperature, relative humidity, and solar radiation can

be approximated by “pan evaporation” data (the depth of water evaporated from an open

container in the field) that are sometimes used for determining irrigation schedules. These data

can be incorporated into an advisory system for PM control (Moyer et al., 2010).

The susceptibility of grapevine tissues to PM development decreases dramatically as they

age, and this age-related or ontogenic resistance is often incorporated into management

strategies. Most significantly, it is now known that whereas grape berries are highly susceptible to

infection within the first 2 or 3 weeks after flowering, they become highly resistant soon

thereafter or approximately 3 to 4 weeks after flowers open (Gadoury et al., 2003). Thus, growers

are advised to use their most efficacious fungicides and to shorten spray intervals during this

critical period during and shortly after bloom.

The PM-specific fungicides metrafenone and quinoxyfen are among the most active

products against this disease, as are the SDHI fungicides fluopyram and boscalid. The QoI products

are also very active, particularly pyraclostrobin and trifloxystrobin, although resistance has

developed to them in some eastern vineyards. Sulfur is used very commonly throughout the USA.

Several DMI fungicides are still used widely, although reduced sensitivity to this class of materials

has lowered the efficacy of some older products; among the DMIs, difenoconazole is the most

active and effective in our region. A number of products that provide control through direct

contact with the superficial fungal mycelium are used also. Among the more popular and effective

Page 85: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

85

of this group are special, highly refined petroleum oils and inorganic potassium salts (potassium

bicarbonate, di-hydrogen potassium phosphate).

Downy mildew (DM)

Downy mildew is a serious disease on V. vinifera and other susceptible cultivars grown in

eastern regions. In contrast, the disease is virtually unknown in the west, except under rare

circumstances. Control is improved by management practices that reduce canopy densities,

thereby promoting ventilation and increasing the deposition of fungicide sprays, but it is heavily

dependent on fungicide applications if susceptible cultivars are grown. Although models have

been developed to help determine the need and timing for fungicide sprays, their practical utility

is limited by the need also to control other fungal diseases, which typically are not accounted for

by these models.

In New York, the first primary DM infections typically occur about 3 weeks before the

start of flowering; thus, fungicidal protection is provided from this time onward if weather

conditions favor infection. Fruit clusters are highly susceptible from this time until approximately 2

to 4 weeks after flowering begins (Kennelly et al., 2005), so control programs are especially strong

during the pre-bloom through early post-bloom period, both to prevent an epidemic from starting

and to protect the clusters from disease. Spray programs during the mid-summer and early

autumn are highly variable, depending on the local weather conditions and the need to control

spread of disease that might already be established in the vineyard.

Mancozeb, captan, and copper are popular fungicides due to their cost and efficacy, and

are often used early in the season when disease pressure is relatively light or in the midsummer to

maintain a vineyard where relatively little disease has become established earlier. The QoI

fungicides (especially azoxystrobin and pyraclostrobin) were highly effective and very popular for

their strong activity against this and a wide spectrum of other diseases, but DM resistance to these

materials is now common in many regions where disease pressure is high. Several modern DM-

specific “systemic” fungicides are used effectively, including the Group 40 materials

(dimethomorph, mandipropamid) and fluopicolide, which is very active. Metalaxyl/mefanoxam

(Ridomil) products are still extremely effective, but are used only on a limited basis due to their

expense and a concern for resistance management. Multiple phosphorous acid (phosphite,

phosphonate) products are available and these are used widely, providing some protective activity

in addition to significant curative and antisporulant activity. There is concern that quantitative

shifts in sensitivity have occurred among individual populations of the pathogen in some

vineyards, but this has not been proved.

Black rot

Black rot is a very destructive disease in eastern regions unless it is controlled effectively,

although this is relatively easy to accomplish with modern fungicides and good sanitation practices.

Page 86: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

86

However, control is very difficult to provide without modern fungicides (e.g., “organic” production

systems), making strict sanitation programs essential. The most important sanitation practice is

removal or destruction of mummified fruit within the vineyard, although simply removing these

“mummies” from the canopy during dormant pruning operations and dropping them to the

vineyard floor significantly reduces the production of primary inoculum during the period of fruit

susceptibility and improves the performance of modest fungicide programs (Hoffman et al., 2004).

Black rot does not occur in western regions.

Fungicide spray programs are most effective when they are concentrated during the

period of maximum fruit susceptibility—the first few weeks after flowering begins—and a limited

number of sprays applied only during this period is often sufficient for control under the low to

moderate inoculum levels found in most commercial vineyards (Hoffman et al., 2002; Hoffman et

al., 2004). Dithiocarbamate fungicides (mancozeb, ferbam, ziram) are popular and effective but

wash off under the high rainfall conditions that most strongly promote disease development,

whereas the strobilurin group of QoI fungicides are all highly effective protectants and resist

weathering. The triazole members of the DMI group have proven extremely effective, providing

significant curative activity (up to 7 or 8 days) plus some protective activity. No resistance

problems have occurred with any material when it is used to control black rot.

Botrytis bunch rot

Botrytis is a significant problem on tight-clustered cultivars in the east, especially in

regions where temperatures of 15 to 25°C are common during the pre-harvest period. It can also

be a serious problem in some western regions in occasional years when rain occurs during this

time.

The fungus often colonizes senescing or dead blossom tissue during the flowering period

or soon thereafter, sometimes growing into the newly developing berry and becoming quiescent

within it. Although most of these latent infections remain inactive through harvest, some can

become active after a certain period of time and rot the berry, usually after it begins to ripen

(senesce) during the pre-harvest period. These diseased berries then serve as a source for

secondary spread of the disease, which is much more severe in tight-clustered clones and cultivars

due to the growth of the fungus mycelium from one berry to another at the point of contact. The

conditions that cause latent infections to become active and rot the affected berry are not well

understood, although high relative humidity, high berry nitrogen content, and high berry water

content have all been shown to promote this process.

Botrytis is controlled through a combination of canopy management practices, irrigation

management (where practiced), nitrogen management, and fungicide applications. Although the

“full” program for fungicide applications is considered to be at flowering, bunch closure, veraison,

and pre-harvest, which one (or ones) of these timings is (are) most important is a matter of

debate. Spray timing trials that we have conducted for nearly 20 years in New York indicate that in

some years, the early sprays at flowering and bunch closure (to control the establishment of

Page 87: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

87

primary infections) are most important; in some years, the later sprays at veraison and pre-harvest

(to control secondary spread) are most important; in some years, applying sprays either early or

late will provide adequate control; and in some years, sprays at all times are important. Not

surprisingly, the optimum time for fungicide applications varies among years and depends on the

weather during any particular season.

Phomopsis cane and leaf spot

Although most cultivars are susceptible to the disease and it occurs in both eastern and

western regions, it is seldom a serious problem in the west or in intensively managed vineyards in

the east. However, it sometimes causes substantial yield losses in the east, primarily in older

vineyards of some V. labrusca and interspecific hybrid cultivars (cv. Niagara is especially

susceptible), where inoculum has built up and fungicide programs are relatively modest. These

losses occur primarily as the result of infections of the rachis, which can become girdling and cause

berries to quit developing or fall to the ground before harvest, or the pedicels (berry stems), which

can expand into the ripening berry before harvest and cause it to rot.

Management programs focus on a combination of sanitation (removal of dead and

diseased wood in which the fungus resides) and fungicide applications. In the west, a limited spray

program may be applied during the beginning of the growing season, when rain is most likely to

occur. In the east, fungicides may be beneficial from the start of shoot growth until shortly after

fruit set, although sprays applied to the newly emerging clusters (approximately 8 to 15cm of

shoot growth) provide the greatest control of infections of the rachis and pedicels, which are the

most economically important ones. In the east, only the traditional protectant fungicides (e.g.,

dithiocarbamates, captan) provide good control consistently, although other materials also are

effective in the west, where disease pressure is generally lower.

Bitter rot and ripe rot

These two diseases are favored by the same warm, wet conditions during the fruiting

period. They are consistent problems only in the more southern portions of the east (south of the

Missouri, Ohio, and Potomac rivers), where summer rains are warmest. They are controlled

through a combination of sanitation (pruning out dead spurs, removing overwintered mummies,

removing weak or dead cordons) and regular applications of captan, mancozeb, or strobilurin

fungicides during wet periods between bloom and harvest.

Literature cited

AL RWAHNIH, M.; DAVE, A.; ANDERSON, M.; ROWHANI, A.; UYEMOTO, J.K.; SUDARSHANA, M.R. Association of a DNA virus with grapevines affected by red blotch disease in California. Phytopathology, 103:1069-1076; 2013.

AUSTIN, C.N.; WILCOX, W.F. Effects of sunlight exposure on grapevine powdery mildew development. Phytopathology, 102:857-866; 2012.

Page 88: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

88

AUSTIN, C.N.; MEYERS, J.; GROVE, G.G.; WILCOX, W.F. Quantification of powdery mildew severity as a function of canopy variability and associated impacts on sunlight penetration and spray coverage within the fruit zone. Amer. J. Enol. Vitic., 62 (1):23-31; 2011a.

AUSTIN, C.N.; WILCOX, W.F. Effects of fruit zone leaf removal, training system, and variable irrigation on powdery mildew development on Vitis vinifera L. Chardonnay. Amer. J. Enol. Vitic., 62:193-198; 2011b.

CARROLL, J.E.; WILCOX, W.F. Effects of humidity on the development of grapevine powdery mildew. Phytopathology, 93:1137-1144; 2003.

DELP, C.J. Effects of temperature and humidity on the grape powdery mildew fungus, Phytopathology, 44:615-626; 1954.

GADOURY, D.M.; SEEM, R.C.; FICKE, A.; WILCOX, W.F. Ontogenic resistance to powdery mildew in grape berries. Phytopathology, 93:547-555; 2003.

HOFFMAN, L.E.; WILCOX, W.F.; GADOURY, D.M.; SEEM, R.C. Influence of grape berry age on susceptibility to Guignardia bidwellii and its incubation period length. Phytophathology, 92: 1068-1076; 2002.

HOFFMAN, L.E.; WILCOX, W.F.; GADOURY, D.M.; SEEM, R.C; RIEGEL, D.G. Integrated control of grape black rot: Influence of host phenology, inoculum availability, sanitation and spray timing. Phytophathology, 94:641-650; 2004.

KENNELLY, M.M.; GADOURY, D.M.; WILCOX, W.F.; MAGAREY, P.A.; SEEM, R.C. Seasonal development of ontogenic resistance to downy mildew in grape berries and rachises. Phytopathology, 95:1445-1452; 2005.

MOYER, M.M.; GADOURY, D.M.; CADLE-DAVIDSON, L.; DRY, I.B.; WILCOX, W.F.; SEEM, R.C. Development of an advisory system for grapevine powdery mildew in eastern North America: A reassessment of epidemic progress. Plant Health Progress doi:10.1094/PHP-2010-0526-02-SY; 2010.

Page 89: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

89

Tecnologías de postcosecha y su efecto sobre la expresión de desordenes fisiológicos en manzanas chilenas

Carolina Torres25 y Omar Hernández26

Introducción

La exportación de fruta en Chile es una actividad económica de gran relevancia para el

país; Chile ostenta los primeros lugares en el ranking de exportadores de fruta del hemisferio sur y

el mundo, según la especie exportada. Las manzanas ocupan el primer lugar en el hemisferio sur y

su rentabilidad se basa en alta calidad de fruta y oferta estable a través del año en los exigentes

mercados internacionales. Lo anterior, obliga a la guarda de fruta en frío por hasta 9-10 meses,

manteniendo la calidad externa e interna de la fruta. Aproximadamente el 33% de las

exportaciones de manzanas corresponde al grupo de las Red Delicious y Granny Smith, el 43% al

grupo de las Galas, el 10% al grupo de las Fujis y 10% a Cripp’s Pink del cual alrededor del 50% se

comercializa como Pink LadyTM (Decofrut, 2013).

El clima reinante en la zona productora de pomáceas en Chile es semiárido, con altas

temperaturas y alta radiación solar durante el crecimiento del fruto. Esas condiciones son

altamente estresantes para esa especie, generando el desarrollo de desorden fisiológico,

detrimentales para la calidad de la fruta, tanto en pre- como en postcosecha. Adicionalmente, y

dependiendo de la temporada de crecimiento, el clima tiene influencia sobre la efectividad y

efectos secundarios que tienen distintas tecnologías de postcosecha utilizadas en la industria

frutícola nacional.

Dentro de los problemas fisiológicos más comunes en la manzana chilena se encuentran:

el daño por sol, el sunscald (postcosecha), necrosis lenticelares, manchas necróticas asociadas a

desbalances nutricionales (bitter pit y otros), escaldado superficial (ES) y pardeamiento interno

(PI), cuya incidencia y severidad varían según temporada de crecimiento, variedad y tratamientos

de postcosecha aplicados en la fruta. Hoy día, 1-MCP (SmartfreshTM) es ampliamente utilizado en

Chile, tanto para mantener la calidad de la fruta en guardas prolongadas, como para reducir la

incidencia de escaldado superficial, especialmente luego de la desaparición de la difenilamina

(DPA) del listado de pesticidas autorizados en fruta en Europa. La atmósfera dinámica

(HarvestWatch, etanol) por su parte, está creciendo exponencialmente, debido a la tendencia

mundial a la reducción de residuos químicos en la fruta.

Daño por sol y sunscald

El sunscald, o escaldadura por sol, es un desorden fisiológico que afecta de forma

cosmética a las manzanas durante postcosecha, especialmente aquellas de la var. Granny Smith.

25

Ingeniera agrónoma, Ph.D, Universidad de Talca, Avenida Lircay s/n, Talca, Chile, Fono: 56 71 2200366, email: [email protected].

26 Ingeniero agrónomo, Centro de Pomáceas, Universidad de Talca, Avenida Lircay s/n, Talca, Chile, Fono: 56 71

2200366, email: [email protected].

Page 90: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

90

Los síntomas son manchas de color pardo o negro en la superficie del fruto, específicamente sobre

la zona expuesta directamente al sol en campo o con síntomas de daño por sol (Hernandez et al.,

2014; Lurie et al., 1991). En cultivares como Granny Smith, el sunscald es uno de los principales

problemas de postcosecha en Chile, cuando se almacena fruta con daño por sol, llegando a ser

muy importante en zonas y temporadas muy cálidas. El momento de aparición del síntoma y su

severidad son directamente proporcionales al grado de daño por sol en la fruta, así como en fruta

con daño severo, sunscald aparece sólo dos semanas post-almacenaje en frío (Hernandez et al.,

2014).

A diferencia del escaldado superficial, esa escaldadura por sol no es controlada por el

antioxidante sintético difenilamina (DPA), por lo que se presume que su origen fisiológico es

distinto (Lurie et al., 1991; Contreras et al., 2008), y donde estarían involucradas las quercitinas

acumuladas en piel expuesta a la radiación directa en campo (Hernandez et al., 2014). Por otra

parte, su origen tampoco está directamente ligado a daño por frío, dado que frutos almacenados a

temperaturas superiores a 5oC no han mostrado una disminución del síntoma (Lurie et al., 1991).

Durante las temporadas 2009/10 y 2010/11 se evaluaron distintos tratamientos control en

manzanas Granny Smith (Tabla 1), sin resultados positivos. Dado lo anterior, el único control

disponible para sunscald es el control de daño por sol en campo, a través de: orientación de las

hileras y otras consideraciones de portainjerto/variedad y manejo de vigor, aplicación de

protectores solares y arcillas, enfriamiento evaporativo con agua y mallas sombreadoras. En Chile,

el daño por sol en campo puede afectar al 40% de la producción en cvs. susceptibles como Fuji

(Yuri, 1996).

Tabla 1. Efecto de distintos tratamientos de postcosecha sobre la incidencia de sunscald en manzanas cv. Granny Smith luego de 60 y 120 días de guarda. Temporadas 2009/10 y 2010/11

Tratamiento 60 días 120 días

Temporada 2009/10

DPA 74,4 74,8

DPA + EP 72,8 75,3

DPA + ácido ascórbico 75,9 90,9

Ácido ascórbico 78,3 81,0

Significancia ns ns

Temporada 2010/11

FC 26,3 b 57,6

Mezcla de osmorreguladores 12,8 ab 69,5

Agua caliente 15,5 b 59,0

AC 7,1 a 53,9

Significancia * ns

Promedios en una misma columna seguidos por la misma letra no difieren estadísticamente, según test LSD (p ≤ 0,05). ANOVA: ns = no significativo; * = significativo (p ≤ 0,05); ** significativo (p ≤ 0,01).

DPA = difenilamina, dosis de 2000 ppm; EP = enfriamiento paulatino (72 horas a 10oC y luego 1

oC); ácido ascórbico; dosis de 2000

ppm; FC = frío convencional a 1°C y 90% HR; mezcla de osmorreguladores formulados: ácido ascórbico, sorbitol y calcio; agua caliente: 40°C por 30 segundos; AC = atmósfera controlada (1°C, 90%HR y gases (1,8% oxígeno y 1,3% de CO2)).

Page 91: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

91

Escaldado superficial

El escaldado superficial es un desorden fisiológico que aparece en la postcosecha de

manzanas y peras, cuyo síntoma son manchas pardas, de tamaño irregular y distribuidas al azar en

la piel de la fruta, que aparece en almacenajes en frío prolongado. El daño por frío que sufre la

fruta durante el almacenaje es fundamental para la expresión de ese desorden (Lurie & Watkins,

2012). El control de escaldado superficial en Chile (y en el mundo) ha sido, tradicionalmente,

realizado mediante la aplicación de DPA; sin embargo, y dada su alta toxicidad para los seres

humanos, hoy se encuentra eliminado de la lista autorizada de pesticidas en la Comunidad

Económica Europea (Anexo I de la Directiva 91/414), con un residuo máximo de 0,1ppm en fruta

importada. Dado lo anterior, la búsqueda de alternativas químicas (e inocuas) para reemplazarlo y

métodos para predecir su aparición durante los primeros meses de guarda están siendo temas

relevantes para diferentes grupos de investigación en el mundo y empresas en el rubro de la

postcosecha.

En Chile, las tecnologías utilizadas hoy, en reemplazo del DPA, son el 1-metil ciclopropeno

(1-MCP, SmartFreshTM) aplicado en postcosecha y la guarda en atmósfera controlada dinámica

(ACD). Las empresas que no exportan fruta a la CEE aún aplican DPA para el control de escaldado

superficial.

El 1-MCP es un gas que bloquea los receptores del etileno en la fruta, por lo que se aplica

con el objetivo principal de retrasar la madurez de la fruta, pero tiene el efecto secundario de

controlar la aparición de escaldado superficial en manzanas sólo cuando se aplica sobre fruta con

la madurez adecuada y durante los primeros 7-10 días postcosecha. En forma experimental, el

control de escaldadura mediante el uso de 1-MCP en una dosis de 1000nL.L-1 i.a., aplicado 2 días

después de cosecha en cámaras de 0,315m3 y luego almacenada a 1oC durante 210 días,

usualmente, es del 100% en el cv. Granny Smith (Tabla 2) y Cripp’s Pink (Tabla 3). Sin embargo, los

resultados comerciales con respecto al grado de control de ES que tiene el 1-MCP no son siempre

consistentes debido a múltiples factores.

Tabla 2. Incidencia de escaldado superficial (%) en manzanas cv. Granny Smith luego de 150 y 210 días más 1 y 7 días a 20°C. Temporada 2010/11 (Caro, 2012)

Tratamiento

150 días 210 días

Shelf life (20oC)

1 día 7 días 1 día 7 días

Frío convencional(1)

18,3 b 93,3 b 90,0 c 100,0 b

Frío convencional + SmartFreshTM

0,0 a 0,0 a 0,0 a 0,0 a

Atmósfera controlada(2)

0,0 a 25,0 a 22,0 a 98,3 b

ACD(3)

HarvestWatch 0,0 a 0,0 a 0,0 a 0,0 a

Atmósfera controlada + SmartFreshTM

0,0 a 0,0 a 0,0 a 0,0 a

Significancia ** ** ** **

Promedios en una misma columna seguidos por la misma letra no difieren estadísticamente, según test LSD (p ≤ 0,05). ANOVA: ns = no significativo, * = significativo (p ≤ 0,05); ** = significativo (p ≤ 0,01). (1)

Frío convencional = 1°C y 90% HR; 1-MCP: Smartfresh TM

, dosis de 1000nL .L-1

. (2)

Atmósfera controlada = 1°C y 90% HR, 1,8% O2 y 1,3%CO2. (3)

ACD (atmósfera controlada dinámica) = 1°C y 90% HR, 0,3-0,4% O2 y < 1.0% CO2.

Page 92: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

92

Tabla 3. Incidencia de pardeamiento interno total (%; difuso + radial) en manzanas cv. Cripp’s Pink luego de 120 y 180 días más 7 días a 20°C. Temporada 2011/12

Tratamiento 120 días 180 días

Frío convencional(1)

, 1oC 20,0 b 22,0 b

Frío convencional, 1oC + SMartFresh

TM 1,3 a 7,1 a

Frío convencional, 3oC 2,1 a 0,0 a

Frío convencional, 3oC + SmartFresh

TM 7,3 a 2,0 a

Significancia * **

Promedios en una misma columna seguidos por la misma letra no difieren estadísticamente, según test LSD (p ≤ 0.05). ANOVA: ns = no significativo, * = significativo (p ≤ 0,05); ** = significativo (p ≤ 0,01). (1)

Frío convencional = 1oC o 3

oC y 90% HR; 1-MCP: Smartfresh

TM, dosis de 1000nL.L

-1.

A inicios de la década del 2000 aparece el concepto de atmósfera controlada dinámica, la

cual corresponde a la aplicación de una atmósfera de ultrabajo oxígeno (ULO) o estrés inicial con

bajo oxígeno (ILOS), con un sistema de monitoreo de O2 y CO2, a través de parámetros fisiológicos

asociados al punto de compensación anaeróbico, tales como la fluorescencia de la clorofila y la

producción de etanol en la fruta (Fan et al., 2005). La fluorescencia de la clorofila es una medición

en tiempo real, no destructiva e indirecta del nivel de estrés de tejidos vegetales (DeEll et al.,

1999; Prange et al., 2010; 2011) y que es capaz de detectar el límite de bajo oxígeno (LOL) (Prange

et al., 2010; 2011; Wright et al., 2012), distribuido en Chile por Isolcell. El ILOS, monitoreado por

etanol (ILOS-PLUS) es distribuido en Chile por Marvil Engineering. Ambas ACDs tienen la ventaja de

mantener la calidad de la fruta y reducir la incidencia de desórdenes fisiológicos, comparables al 1-

MCP. En forma experimental, el HarvestWatch ha logrado reducir la incidencia de ES en un 100%

luego de 210 días de guarda en frío en Granny Smith (Tabla 2). El sistema HarvestWatch presentó

baja producción de α-farneseno y trienos conjugados (281nm), 85% y 98% menor que el testigo a

los 150 días de guarda (máxima acumulación; p < 0,05).

El efecto anti-escaldante de la ACD provendría de la acumulación de etanol en la fruta

(Scott et al., 1995), sin afectar su calidad organoléptica debido a procesos fermentativos. El ILOS-

PLUS generaría varios momentos de estrés durante la guarda, cuya consecuencia sería el aumento

interno y externo de etanol en la cámara (Fadanelli et al., 2009).

El efecto de la ACD sobre la calidad de la fruta (firmeza, acidez, color de piel) fue similar a

aquel obtenido con 1-MCP y significativamente superior al testigo (FC; p < 0,05), hasta 5lb de

firmeza más luego de 210 días en frío y 7 días de shelf life.

Sin embargo, los resultados comerciales con respecto al grado de control de ES que tiene

este tipo de guarda no es concluyente debido al estado fisiológico (madurez) de la fruta al

momento del establecimiento de la atmósfera, al largo de la guarda, al período de shelf life al cual

es sometido la fruta cuando llega a los mercados internacionales y a la temperatura durante ese

periodo.

Pardeamiento interno

El pardeamiento interno (PI) es un desorden fisiológico que afecta la pulpa de manzanas,

dada la combinación de distintos factores en diferentes cultivares, que aparece durante o

Page 93: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

93

posterior a la guarda en frío (Clark et al., 2003). Braeburn, Fuji y Cripp’s Pink son altamente

susceptibles, pero en general, en todos, la incidencia y severidad aumenta con el tiempo de

guarda (Argenta et al., 2000; Elgar et al., 1998; Jobling et al., 2004), y en algunos casos, con el

aumento de las presiones parciales de CO2 y O2 en atmósferas controladas (Argenta et al., 2000;

Elgar et al., 1998; Jobling et al., 2004). En Cripp’s Pink el PI se expresa con al menos tres tipos de

sintomatología. El PI radial, acafesamiento sólo de tejido que rodea a haces vasculares en la fruta,

estaría asociado mayormente a factores de pre-cosecha (climáticos y productivos) y madurez; el PI

difuso, acafesamiento de la pulpa excepto haces vasculares, estaría asociado principalmente a

daño por frío durante la guarda; y el PI con cavidades, asociado principalmente a daño por CO2

(James et al., 2007; Jobling et al., 2004).

En Chile, las manzanas Cripp’s Pink (Pink LadyTM), dada su alta susceptibilidad a

desarrollar PI durante la guarda en frío, son enviadas a los diferentes mercados internacionales

antes de 3 meses de guarda en Chile, aumentando no sólo la oferta en los distintos destinos,

especialmente Europa, sino que la calidad del producto y la rentabilidad de exportadores y

productores Chilenos. El mayor problema en ese caso es el desarrollo de PI en destino, mientras la

fruta espera a ser comercializada.

Dado su origen multifactorial, los manejos para reducir la incidencia del PI han apuntado

a mejorar condiciones productivas y de postcosecha; sin embargo, en Chile la variabilidad

agroclimática de las zonas productivas, y por ende la susceptibilidad a desarrollar ese desorden, es

muy grande, haciendo difícil combinar esos manejos para obtener fruta libre de PI.

Buscando distintas alternativas de guarda, con el objetivo de minimizar la incidencia de PI

luego de almacenajes prolongados, se establecieron una serie de tratamientos, durante dos

temporadas, que combinan temperaturas de guarda y tecnologías de postcosecha para

mantención de calidad (Tablas 3 y 4). En general, tanto el PI radial como el difuso fueron

significativamente reducidos con guardas a temperaturas mayores a 1oC, pero con efectos

negativos sobre la calidad de fruta asociados a sobre-madurez (reducción de la firmeza, grasitud

en la piel). Dado lo anterior, la aplicación de un retardante de la madurez como lo es el 1-MCP, es

fundamental para aplicar guardas prolongadas a mayores temperaturas. Por otra parte, bajo las

condiciones chilenas, el PI radial en Cripp’s Pink pareciera tener un fuerte componente de daño

por frío, en adición a los factores productivos, climáticos y fisiológicos ya conocidos.

Tabla 4. Incidencia de Pardeamiento Interno (%; difuso+radial) en manzanas cv. Cripp´s Pink (provenientes de 16 huertos), luego de 120 y 180 días más 7 días a 20°C Temporada 2012/13

Tratamiento 120 días 180 días

Enfriamiento paulatino(1)

+ SmartFresh AC(2)

9,3 10,0

Frío convencional, 1oC 40,3 47,4

Significancia ** **

ANOVA: ns = no significativo; * = significativo (p ≤ 0,05); ** = significativo (p ≤ 0,01). (1)

4oC hasta 1,5

oC en 3 semanas.

(2) 1,5

oC, 90% HR, v2,5% O2, 0,8% CO2.

Page 94: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

94

Referencias

ARGENTA L.; FAN, X.; MATTHEIS, J. Delaying establishment of controlled atmosphere or CO2 exposure reduces ‘Fuji’ apple CO2 injury without excessive fruit quality loss. Postharvest Biol. Technol. 20:221-229. 2000.

CARO, R. Efectos del sistema atmósfera dinámica (HarvestWatchTM) sobre calidad y condición de manzanas cv. Granny Smith. Memoria de grado Ingeniero Agrónomo, Universidad de Talca. 1-58. 2012.

CLARK, C.J.; MCGLONE, V.A.; JORDAN, R.B. Detection of brownheart in ‘Braeburn’ apple by transmission NIR spectroscopy. Postharvest Biol. Technol. 28:87-96. 2003.

CONTRERAS, C.; ZOFFOLI, J.P.; ALCALDE. J.A.; AYALA, M. Evolution of sunburn damage on Granny Smith apples during storage. Cien. Inv. Agr. 35, 113-122. 2008.

DECOFRUT S.A. Expordata Yearbook. 638p. 2013.

De’ELL, J.; VAN KOOTEN, O.; PRANGE R.; MURR, D. Applications of chlorophyll fluorescence techniques in post-harvest physiology. Hort. Rev. 23:69-107. 1999.

ELGAR, H.J.; BURMEISTER, D.M.; WATKINS, C.B. Storage and handling effects on a CO2-related internal browning disorder of ‘Braeburn’ apple. HortScience. 33:719-722. 1998.

FADANELLI, L.; ZENI, F.; TURRINI, L.; BARCHETTI, P.; MATTE, P.; BUGLIA, Y.L. New development of dynamic controlled atmosphere storage of apples applying repeated and controlled low oxygen stress treatments. 6th International Postharvest Symposium, Antalya 8-12 April. 2009.

FAN, L.; SONG, J., FORNEY, F.; JORDAN, M. Ethanol production and chlorophyll fluorescence predict breakdown of heat-stressed apples fruit during cold storage. J. Amer. Soc. Hort. Sci. 130:237-243. 2005.

HERNÁNDEZ, O.; TORRES, C.; MOYA-LEÓN, M.; OPAZO, M.; RAZMILIC, I. Roles of the ascorbate-glutathione cycle, pigments and phenolics in postharvest ‘sunscald’ development on ‘Granny Smith’ apples (Malus domestica Borkh.) Postharvest Biol. Technol. 87:79-87. 2014.

JAMES, H. Understanding the flesh browning disorder in ‘Cripps Pink’ apples. PhD Thesis, Faculty of Agriculture, Food and Natural Resources, University of Sydney, Sydney 2006 NSW, Australia, pp. 183. 2007.

JOBLING, J.; BROWN, G.; MITCHAM, E.; TANNER, D.; TUSTIN, S.; WILKINSON, I.; ZANELLA, A. Flesh browning of Pink LadyTM apples: Why do symptoms occur?. Results from an international collaborative study. Acta Hortic. 682:851-858. 2004.

LURIE, S.; PESIS, E.; BEN-ARIE, R. Darkening of sunscald on apples in storage is a non-enzymatic and non-oxidative process. Postharvest Biol. Technol. 1:119-125. 1991.

LURIE, S.; WATKINS, C.B. Superficial scald, its etiology and control. Postharvest Biol. Technol. 65:44-60. 2012.

PRANGE, R.; DELONG, J.; WRIGHT, A. Storage of pears using dynamic controlled atmosphere (DCA), a non-chemical method. Acta Hort. 909:707-717. 2011.

PRANGE, R.; DELONG J.; WRIGHT, A. Chlorophyll fluorescence: applications in postharvest horticulture. Horticultural Science Focus. 50:13-15. 2010.

SCOTT, K.J.; YUEN, C.M.C.; GJAJRMANI, F. Ethanol vapor – a new anti-scald treatment for apple. Postharvest Biology and Technology. 6:201-208. 1995.

WRIGHT, A.H.; DELONG, J.; GUNAWARDENA, A.; PRANGE, R. Dynamic controlled atmosphere (DCA): Does fluorescence reflect physiology in storage?. Postharvest Biology and Technology. 64:19-30. 2012.

YURI, J.A.; VÁSQUEZ, J.; TORRES, C.; VÁSQUEZ, J.L. Golpe de sol: la experiencia chilena. En: Coloquio en Pomáceas. Universidad de Talca. 75-101. 1996.

Page 95: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

95

Parâmetros técnicos para uma eficiente polinização dirigida em frutíferas de clima temperado

Afonso Inácio Orth27 e James Arruda Salomé28

Introdução

A polinização envolve sequências complexas e interações entre a planta, sejam elas

morfológicas, fisiológicas ou bioquímicas, e os vetores do pólen, que normalmente são insetos e

mais especificamente as abelhas. Essas interações, por sua vez, são influenciadas pelas condições

climáticas e por fatores genéticos das plantas.

O investimento em novos estudos, principalmente aqueles que envolvem outras áreas do

conhecimento científico, é imprescindível para o desenvolvimento de novas estratégias,

tecnologias e ações. Nesse contexto, a introdução de novas espécies (exóticas) para fins

comerciais pode vir a gerar perdas, em alguns casos desnecessárias para o produtor quando da

ausência de conhecimento técnico. O conhecimento da biologia da planta, associado aos fatores

bióticos e abióticos que com ela interagem, é a chave para o sucesso na sua exploração comercial.

Para se obter boa frutificação, tanto de plantas silvestres como cultiváveis, é necessário que haja

boa polinização e consequente fertilização das flores.

Normalmente, a monocultura predomina na agricultura. Com o desmatamento e o uso

intensivo de agrotóxicos, extensas áreas floridas ficam à mercê de pouquíssimos insetos

polinizadores. Em muitos casos, o único método conhecido e satisfatório de aumentar a população

desses insetos nos pomares é com a introdução de colmeias de abelhas domésticas ou nativas, as

quais polinizam adequadamente a cultura, proporcionando ainda a colheita de mel, cera, própolis,

etc. (Free, 1993; Paranhos, 1998; Laroca & Orth, 2002; Lenzi & Orth, 2004). Entretanto, o uso de

pesticidas e a ocupação desordenada de áreas nativas têm contribuído substancialmente para o

declínio dos polinizadores, inclusive dos polinizadores de espécies cultiváveis (Laroca & Orth,

2002). Contudo, é necessária a existência de informações seguras e confiáveis sobre o papel de

cada uma das espécies visitantes florais a fim de se determinar realmente qual é ou quais são os

polinizadores efetivos e sua real importância no incremento das taxas de frutificação.

São poucos os estudos que abordam essa temática, em especial no estado de Santa

Catarina, e com espécies vegetais exóticas há pouco tempo introduzidas, como algumas espécies

de fruteiras. Sendo assim, estudos a curto, médio e longo prazos que envolvam as espécies de

frutíferas mais cultivadas devem ser efetivamente desenvolvidos a fim de subsidiar estratégias

viáveis de conservação da fauna polinizadora nativa e o manejo apícola em pomares dessas

frutíferas exóticas ou nativas para assegurar uma adequada produção comercial.

27

Engenheiro-agrônomo, Dr., CCA/UFSC. Rodovia Admar Gonzaga, 1346, Itacorubi, 88034-001 Florianópolis, SC, fone: (48) 3721-5421, e-mail: [email protected].

28 Biólogo. Doutorando em Recursos Genéticos Vegetais. CCA/UFSC. Rodovia Admar Gonzaga, 1346, Itacorubi,

88034-001 Florianópolis, SC, fone: (48) 9616-1302, e-mail: [email protected].

Page 96: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

96

A falta de polinização adequada não é um problema exclusivo das plantas domesticadas e

exploradas comercialmente na agricultura. Buchmann e Nabhan (1997), por exemplo, fizeram um

levantamento extensivo e minuncioso em estudos que abordaram a reprodução de 258 espécies

de plantas nativas e observaram que 62% delas apresentavam limitação da frutificação causada

por deficit de polinização, normalmente associado à falta de insetos polinizadores. Aizen e

Feinsinger (1994), estudando uma área no sul da Argentina, sugerem que a forte fragmentação de

habitat que ocorreu na área do Chaco Serrano resultou no declínio acentuado dos polinizadores

nativos, o que reduziu o sucesso reprodutivo de pelo menos 16 espécies de plantas que ocorrem

nesse ecossistema.

A abordagem dos estudos de polinização dirigida deve levar em conta os sistemas

naturais de reprodução de plantas para permitir obter uma luz sobre os fatores limitantes ao

sucesso na frutificação nos ambientes agrícolas e, em especial, nos pomares de frutíferas de clima

temperado no Sul do Brasil. Nesse sentido, para determinar a importância das abelhas Apis

mellifera e das abelhas nativas (Hymenoptera: Apoidea) no incremento da frutificação de espécies

como a pereira, o mirtilo e a macieira, devem-se abordar vários aspectos que acabam interagindo

nos agroecossistemas, tais como fatores bióticos associados aos polinizadores e às plantas a ser

polinizadas como também os fatores abióticos que interferem nessa interação planta-polinizador.

Os estudos em polinização dirigida na fruticultura de clima temperado são escassos, e os

trabalhos de polinização são muitas vezes conduzidos de forma muito empírica, sem o devido

fundamento técnico. Utilizam-se em pomares de macieira dados obtidos em experimentos

conduzidos no início da década de 1970 (Wiese, 1974), quando a cultura da macieira estava ainda

se implantando no Sul do Brasil e com parâmetros técnicos totalmente distintos dos praticados

atualmente.

Aspectos considerar na definição da polinização

1. A caracterização do sistema reprodutivo buscando descrever a morfologia e a biologia

floral, seus sistemas reprodutivos preferenciais e as taxas de frutificação efetiva nos locais de

estudo são imprescindíveis. A quantidade de flores e sua morfologia, em diferentes cultivares de

macieira, varia significativamente nos pomares catarinenses, o que pode estar afetando as

estratégias de forrageamento e aprendizagem das abelhas polinizadoras.

2. A determinação independente e conjunta da importância das abelhas Apis mellifera e

das abelhas nativas (Hymenoptera: Apoidea) no incremento da frutificação das espécies alvo do

estudo, buscando conhecer e comprovar o comportamento polinizador de cada espécie de abelha

e sua importância para a fertilização das flores dessas espécies são necessárias. As abelhas devem

ser contadas por intervalos de três minutos em agrupamentos de flores (inflorescências ou

ramos). A partir dessas contagens obtém-se a frequência, a abundância e o número de vezes que

as abelhas visitam uma ou mais flores em uma ou mais inflorescências ou racemo das espécies

vegetais estudadas em busca de pólen e néctar. É importante avaliar o comportamento dos

visitantes florais por ocasião da abordagem e da partida das flores, observando-se, em especial, se

Page 97: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

97

o corpo dos visitantes toca as anteras e os estigmas das flores e se retira os recursos tróficos de

maneira ilegítima, como pode acontecer em flores de macieira.

3. A determinação da importância dos recursos florais (principalmente néctar e pólen)

ofertados por essas espécies vegetais para a ecologia da polinização e sua relação com o

comportamento forrageiro das abelhas visitantes florais, quando na busca desses recursos, devem

ser investigadas. É importante determinar tanto o volume como a concentração de açúcares no

néctar produzido pelas flores. A determinação do volume e da concentração do néctar produzido

deve ser realizada de forma precisa, utilizando-se um número suficiente de flores e avaliando-se

desde o início da antese até seu final. No Laboratório de Entomologia Agrícola da UFSC utilizamos

tubos microcapilares (marca Drumond) com capacidade que varia entre 1, 5 e 10µl por permitirem

precisão na obtenção dos volumess (Dafni, 1992). Para a avaliação da concentração do néctar

utilizamos um refratômetro portátil que apresenta escala de leitura de 0% a 50% oBRIX que

apresenta uma plataforma especial para avaliar volumes diminutos, como 0,5µl (modelo Eclipse).

4. A caracterização das condições metereológicas nos locais onde são necessários os

serviços de polinização dirigida deve ser minunciosamente levantada.

Principais problemas associados a fatores bióticos e abióticos que podem

influenciar a polinização

Para uma boa polinização em pomares, há vários fatores bióticos e abióticos que podem

interferir positiva ou negativamente. Citaremos alguns fatores que devem ser analisados em cada

pomar onde se pretende implantar uma adequada polinização dirigida.

1 Compatibilidade entre cultivares

Algumas frutíferas, como a macieira e a pereira, apresentam incompatibilidade

gametofítica. Por isso, é importante a presença de cultivares polinizadores compatíveis. Ademais,

os cultivares polinizadores devem apresentar boa sincronia de florescimento com os cultivares

produtores. Em função das variações bastante acentuadas das condições microclimáticas de uma

região para outra e de um ano para outro, esse tem sido um problema bastante sério enfrentado

pelos fruticultores.

2 Distância entre a planta polinizadora e a produtora

Quanto maior a distância entre a planta do cultivar produtor e a planta polinizadora,

menor será a polinização. De modo geral, a distância máxima entre a planta polinizadora e a

produtora deve ser de 10 a 25m para a macieira e de 8 a 20m para a pereira (Soltész, 2003). Os

cultivares fornecedores do pólen não podem estar em pomares distintos daqueles dos cultivares

produtores.

3 Quantidade de plantas polinizadoras

Em condições naturais, a proporção ideal entre plantas fornecedoras de pólen e plantas

produtoras é de 1:1. Nessas condições, temos adequado fornecimento de pólen para as flores a

Page 98: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

98

ser polinizadas. Em pomares de fruteiras dependentes de polinização cruzada, como a macieira e a

pereira, a literatura indica a existência de no mínimo 10% a 12% de plantas dos cultivares

polinizadores. Todavia, essa quantidade mínima pode ser utilizada desde que haja perfeita

coincidência das floradas e que a planta polinizadora produza no mínimo um número de flores

igual ao das plantas produtoras. Geralmente se recomenda o plantio de dois a três diferentes

cultivares polinizadores para assegurar boa sincronia durante a floração dos cultivares

polinizadores e dos produtores (Soltész, 2003). A falta de suprimento adequado de grãos de pólen

de cultivares polinizadores nos pomares comerciais de frutíferas de clima temperado tem sido

uma das principais razões dos insucessos na frutificação eficiente desses pomares.

4 Atratividade da flor aos insetos polinizadores

As flores oferecem recursos tróficos aos polinizadores e os atraem por suas corolas

marcantes, além do cheiro que sinaliza a presença desses recursos tróficos, em especial o néctar e

o pólen. Quando a planta frutífera secreta pouco néctar e com baixo teor de açúcar (típico da

maioria dos cultivares de macieira e pereira), as abelhas tendem a procurar outras flores com

recursos tróficos mais atrativos. No Planalto Catarinense existe uma rica e abundante flora

melífera florescendo abundantemente a partir do mês de setembro que compete diretamente

pelos polinizadores das plantas frutíferas, geralmente menos recompensadoras aos visitantes

florais (Salomé, 2002).

5 Cultivar que promova alta fixação de frutos

A florada das frutíferas de clima temperado, quando em clima adequado, pode ser muito

intensa. No entanto, somente uma pequena porcentagem dessas flores fixa frutos, mas, mesmo

assim, promove uma produtividade adequada. A porcentagem de fixação pode variar de ano para

ano e de cultivar para cultivar. A porcentagem de fixação de frutos, necessária para uma boa

produção, depende da quantidade flores produzidas no ciclo. Esses valores mudam de região para

região e, por isso, não se podem generalizar os valores. Assim, uma taxa adequada de flores

polinizadas nos Estados Unidos pode ser incipiente aqui no sul do Brasil.

Free (1993) cita que a fixação de frutos pode ser semelhante quando as plantas são

polinizadas por abelhas ou manualmente. Isso evidencia a suficiência da polinização mediada por

insetos em pomares, e há correlação positiva entre o número de insetos polinizadores e a fixação

de frutos ou a produtividade da planta.

6 Condições meteorológicas durante a florada

Temperaturas ideais para a fertilização da macieira se situam entre 18 e 27oC. Abaixo de

16°C o crescimento do tubo polínico é reduzido (Free, 1993). Isso pode afetar negativamente a

fertilização e, consequentemente, reduzir a fixação de frutos. As temperaturas, os ventos e os

períodos de precipitação também afetam a atividade forrageira dos insetos polinizadores. Nos

pomares de Santa Catarina é comum a ocorrência de períodos hostis para o trabalho das abelhas

sobre as flores durante a primavera, o que tem causado sérios prejuízos em alguns anos com

Page 99: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

99

precipitações intensas ou contínuas durante a florada. Apicultores voltados para o serviço de

polinização de pomares de macieira no Canadá e no Chile têm contornado parcialmente esse

problema com a adição de mais colmeias por unidade de área para que mais abelhas possam

visitar as flores nos poucos períodos favoráveis à visitação das abelhas.

7 Número de colmeias por área

O número de colmeias por hectare depende da quantidade de abelhas por colmeia, do

arranjo das plantas polinizadoras, do tamanho das plantas e das condições climáticas que

geralmente ocorrem durante a polinização. Na maioria dos pomares de macieira e pereira do

Estado de Santa Catarina se tem utilizado um número de colmeias que varia entre duas e três, o

que, segundo Estay (2011), é incipiente para assegurar uma adequada polinização, mormente nos

anos de condições meteorológicas adversas durante a florada das espécies frutíferas.

8 População da colmeia

As colmeias devem ser fortes e possuir uma população aproximada de 25 mil a 30 mil

abelhas. É importante que se observe boa quantidade de larvas e posturas nos favos da colmeia

para incentivar as abelhas a forragear por pólen nos pomares. As visitas direcionadas à coleta de

pólen, normalmente, são consideradas mais eficientes para polinizar do que aquelas direcionadas

somente à coleta de néctar. Considerando que a floração das frutíferas, normalmente, ocorre no

início da floração das plantas melíferas e, com isso, as colmeias não conseguiram ainda recuperar

a população de abelhas campeiras após o período do inverno, é comum encontrar colmeias

inadequadas, apresentando baixo número de quadros cobertos por abelhas, sendo transportadas

para os pomares para realizar a polinização dirigida. O deslocamento das colmeias para regiões

que apresentem boa florada nativa (como a bracatinga) logo na saída do inverno e antes da

floração das espécies frutíferas alvo da polinização pode minimizar esse problema da falta de

abelhas e crias dentro das colmeias.

9 Localização da colmeia

A colocação das colmeias de abelhas próximo ao pomar aumenta a polinização. As

colmeias devem ficar protegidas de ventos, principalmente dos frios, pois temperaturas abaixo de

21°C, ventos e chuva reduzem significativamente a atividade das abelhas campeiras. Estudos em

pomares de macieira demonstram que quanto maior a distância da colmeia do pomar, menor será

a fixação de frutos. Por exemplo, colmeias situadas a 150m de distância resultaram numa fixação

de frutos de 13,2% no cv. Jonathan, enquanto colmeias situadas a 600m polinizaram apenas 6,1%

das flores (Benedek, 1996). Em função da abundante presença de plantas nativas no entorno dos

pomares, a localização das colmeias fora do perímetro do pomar tem facilitado o desvio das

abelhas para esses recursos florais mais atrativos e mais próximos das colmeias.

10 Abundância de insetos polinizadores nos pomares

Segundo Fell (1996), em dias secos, quentes e normais, a presença de no mínimo 8 a 12

abelhas por planta num período 30 segundos pode indicar boa polinização. Um número de

Page 100: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

100

abelhas inferior a oito pode sugerir baixa quantidade de abelhas no pomar ou má distribuição das

colmeias no pomar. Nas contagens de abelhas realizadas em pomares de macieira, pereira e

mirtilo por alunos do Laboratório de Entomologia Agrícola da UFSC, temos evidenciado baixa

ocorrência de abelhas por minuto, insuficiente para assegurar adequada polinização. Nesse

sentido, a reavaliação do número de abelhas presentes no pomar, seja através da presença de

populações naturais, seja através da introdução de colmeias de abelhas pela polinização dirigida,

torna-se fundamental para gerar avanços na tecnologia associada à polinização de pomares de

frutíferas de clima temperado.

Referências

AIZEN, M.; FEINSINGER, P. Forest fragmentation, pollination and plant reproduction in a Chaco Dry Forest, Argentina. Ecology 75(2):330-351, 1994.

BENEDEK, P. Insect pollination of fruit crops. In: NYÉKI, J.; SOLTÉSZ, M. Floral biology of temperate zone fruit trees and small fruits. Budapest: Akadémiai Kiadó, p.287-340, 1996.

BUCHMANN, S.L.; NABHAN, G.P. The forgotten pollinators. Washington, Island Press, 292p., 1997.

DAFNI, A. 1992. Pollination ecology: A practical approach. Oxford University Press, Oxford, 250p., 1992.

ESTAY, P. Servicios de polinización con abejas en frutales: Parámetros técnicos y de calidad. Revista Actualidad Apícola, 3.ed., 2011.

FELL, R.D. Pollination and honey bees. In: Mid-Atlantic orchard monitoring guide. Ithaca: NRAES, 1996. (www.ento.vt.edu/fruitfiles/bees.html).

LAROCA, S.; ORTH. A.I. Melissocoenology: historical perspective, method of sampling, and recommendations to the “Program of conservation and sustainable use of pollinator, with emphasis on bees” (ONU). In: KEVN, P.; IMPERATRIZ-FONSECA, V.L. (Eds.). Pollinating bees: the conservation link between agriculture and nature. Ministry of Environment, Brasilia, Distrito Federal, Brasil, p.217-225, 2002.

LENZI, M.; ORTH, A.I. Caracterização funcional do sistema reprodutivo da aroeira-vermelha (Schinus terebinthifolius Raddi) em Florianópolis, SC, Brasil. Revista Brasileira de Fruticultura, 26(2):198-201, 2004.

ORTH, A.I. Estudo ecológico de abelhas silvestres (Hymenoptera: Apoidea) em Caçador, SC, com ênfase em polinizadores potenciais da macieira (Pyrus malus) ( Rosaceae). Dissertação de Mestrado. UFPR. Curitiba. 135p., 1983.

PARANHOS, B.A.J.; WALDER, J.M.M.; MARCHINI, L.C. Densidade de colméias de abelhas africanizadas, Apis mellifera L. 1758 (Hymenoptera: Apidae) para polinizar maçã cv. Anna. Scientia Agrícola, 55(3), 1998.

SALOMÉ, J. Levantamento e fenologia de plantas apícolas do Estado de Santa Catarina. Dissertação de Mestrado. UFSC. Florianópolis. 112p., 2002.

SOLTÉSZ, M. Association of varieties in fruit plantations. In: KOZMA, P.; NYÉKI, J.; SOLTÉSZ, M.; SZABÓ, Z. Floral biology, pollination and fertilization in temperate zone fruit species and grape. Budapest: Akadémiai, p.227-236, 2003.

WIESE, H. Normas para atividades de polinização com abelhas em fruticultura. IASC. Florianópolis. 1.ed. 87p., 1974.

Page 101: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

101

Polinização em pomares de macieiras: nova metodologia para o aumento da frutificação com o manejo correto de colmeias29

James Arruda Salomé30 e Afonso Inácio Orth31

Introdução

A macieira é uma cultura que apresenta grande importância socioeconômica e o Brasil se

transformou de importador para exportador dessa fruta ao longo das últimas décadas. Este fato

trouxe como consequência para o País, a geração de empregos em áreas pouco industrializadas

(Sanhueza, 2003), sendo considerada a fruta de clima temperado mais importante no comércio de

frutas frescas, tanto no contexto internacional, quanto no mercado interno (Tessmer, 2009).

A produção nacional de maçãs está concentrada principalmente na Região Sul. A

fruticultura de clima temperado no Estado de Santa Catarina, sobretudo a cultura da macieira,

representa importante recurso econômico para o desenvolvimento regional, principalmente para

as regiões de Fraiburgo e de São Joaquim. No Estado, na safra de 2013 a safra de maçãs alcançou

530.601 toneladas (IBGE, 2013).

Para atender à crescente demanda por frutas de clima temperado, principalmente maçãs,

é necessário melhorar a qualidade e a produtividade, obtendo-se uma boa frutificação, que

depende de polinização satisfatória e consequente fertilização das flores (Antunes, 2008).

1 A incompatibilidade

Em macieiras ocorre autoincompatibilidade do tipo gametofítica. É geneticamente

controlada, ocorrendo sempre que o pólen e o estigma apresentem o mesmo alelo S. Quando os

alelos são idênticos, o ritmo de crescimento do tubo polínico é lento ou nulo, de tal forma que sua

penetração no ovário é retardada ou impedida (Nettancourt, 1977; Albuquerque Jr. et al., 2010;

Sakurai, 2000; Santos et al., 2007).

Para ocorrer a fertilização das flores é necessário que as plantas polinizadoras tenham

pólen compatível com o cultivar produtor a polinizar, e coincidência da data da floração ao longo

do ciclo da cultura. A macieira requer polinização cruzada para produção comercial, necessitando

do plantio de dois ou mais cultivares no mesmo pomar com períodos de floração coincidente

(Weirtheim & Schimdt, 2005). Assim, grande rendimento com a cultura da macieira só pode ser

esperado se as condições para polinização e fecundação forem favoráveis (Petri et al., 2006).

29

Os autores agradecem à Capes, por proporcionar condições para a realização do trabalho, e à empresa Pomesul,

pela colaboração e pelo uso dos pomares. 30

Biólogo. Doutorando em Recursos Genéticos Vegetais, CCA/UFSC, Rodovia Admar Gonzaga, 1346, Itacorubi,

88034-001 Florianópolis, SC, fone: (48) 9616-1302, e-mail: [email protected]. 31

Engenheiro-agrônomo, Dr., CCA/UFSC, fone: (48) 3721-5421, e-mail: [email protected].

Page 102: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

102

2 A polinização cruzada em macieiras com o uso de abelhas melíferas

A polinização cruzada em plantas frutíferas de clima temperado com a transferência dos

grãos de pólen geralmente é feita por insetos, sendo eles os principais vetores na realização dessa

ação (Laroca & Almeida, 1985). A grande importância das abelhas como agentes polinizadores é

corroborada por números bastante expressivos: estima-se que aproximadamente 73% das espécies

vegetais cultivadas no mundo sejam polinizadas por alguma espécie de abelha. Um exemplo de um

caso de dependência obrigatória é a polinização da macieira. De acordo com Losey & Vaughan

(2006), essa cultura é 100% dependente das abelhas. As abelhas, cujo manejo para a polinização

dirigida é comum em boa parte do mundo, são da espécie Apis mellifera, usadas nas mais diversas

culturas, inclusive em macieiras.

3 O atual modelo utilizado e o novo modelo sugerido

A polinização cruzada das macieiras no estado de Santa Catarina, implementada

atualmente através da polinização dirigida com o uso de colmeias de Apis mellifera, acompanha o

modelo desenvolvido na década de 1970, por iniciativa do Instituto de Apicultura de Santa

Catarina. Os trabalhos relacionados à polinização dirigida em macieiras são escassos no Brasil e

iniciaram em pomares de macieiras de ‘Golden Delicious’, ‘Starkrinson Spur’, e ‘Golden Spur’ no

município de Fraiburgo (Wiese, 1974).

A densidade do plantio utilizado era de 600 árvores.ha-1, e as plantas apresentavam

número médio de 334 flores por planta. Para a execução da polinização dirigida, naquela época, foi

recomendado um número variável de colmeias, entre 0,5 e 2 colmeias.ha-1, dependendo da idade

dos pomares.

O número ideal de colmeias usadas por hectare no sistema atual de produção das

principais frutíferas de clima temperado no Brasil é amplamente discutível. Nos sistemas de

condução dos pomares de macieiras em alta densidade (2.500 plantas.ha-1 ou mais) com cultivares

mais bem adaptados e melhoria do manejo da quebra de dormência, o número de flores por área

é muito maior em comparação com o tipo de condução utilizado no passado, necessitando de

maior quantidade de abelhas para realizar uma polinização eficiente.

Dessa ótica, nos anos de 2012 e 2013, o Laboratório de Entomologia Agrícola da

Universidade Federal de Santa Catarina desenvolveu trabalhos no campo, em pomares comerciais

da empresa Pomesul, no município de Bom Retiro, SC. O trabalho consistiu na avaliação do atual

sistema de polinização dirigida com colmeias de Apis mellifera, visando estabelecer critérios de

densidade de colmeias e de períodos de sua introdução nos pomares para promover maior

eficiência na frutificação efetiva e melhorando, assim, a rentabilidade da cultura.

No período entre 20/9 e 4/10/2012 foi avaliado o volume de néctar potencial produzido

pelas flores dos cultivares Fuji Suprema e Galaxy na Fazenda Santa Clara, no município de Bom

Retiro. Os volumes de néctar potencial apresentaram variações de 0,49µl a 1,64µl no cv. Galaxy, e

de 0,30µl a 0,79µl no cv. Fuji Suprema.

Page 103: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

103

Entre as avaliações de néctar potencial realizadas em diferentes períodos, nos dois

cultivares, apenas uma das amostras não diferiu estatisticamente, indicando que as flores de

‘Galaxy’ produzem mais néctar do que as flores de ‘Fuji Suprema’ (Figura 1).

Figura 1. Volume (µL) de néctar potencial, avaliado entre os dias 20/9 e 4/10/2012, de flores dos cultivares Fuji Suprema e Galaxy em pomar comercial no município de Bom Retiro, SC

Em 12 amostras de néctar avaliadas para a determinação do teor de açúcares ou sólidos

solúveis totais (SST – °Brix), o maior teor de SST ocorreu na amostra no 1 em ‘Galaxy’, com 45°Brix,

enquanto o menor teor de SST foi observado na amostra no 4, com 17°Brix. Em ‘Fuji Suprema’, a

amostra no 3 indicou 33°Brix, e a amostra no 9 foram registrados apenas 7°Brix de SST.

Comparando as amostras obtidas em dias distintos, observamos que em nove amostras

‘Galaxy’ apresentava o néctar com maior teor de SST que ‘Fuji Suprema’, e em apenas três

amostras (no 3, no 5 e no 12) ‘Fuji Suprema’ apresentou néctar com maior teor de SST do que

‘Galaxy’ (Figura 2).

Figura 2. Teor de sólidos solúveis totais (SST em °Brix) em néctar de 'Fuji Suprema' e 'Galaxy' em Bom Retiro, SC, no ano de 2012

Page 104: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

104

O número de grãos de pólen por flor no cv. Galaxy apresentou média de 65.195 grãos de

pólen por flor, enquanto no cv. Fuji Suprema esse número alcançou apenas 26.544..

0,00

100.000,00

Fuji Suprema Galaxy

26.544,55 b65.195,25 a

Núm

ero

de g

rãos

de

póle

n

Cultivares

Figura 3. Número médio de grãos de pólen por flor em ‘Fuji Suprema’ e em ‘Galaxy’ na Fazenda Santa Clara, Bom Retiro, SC, 2012

Para testar o efeito da densidade de colmeias sobre a polinização das macieiras,

utilizamos o atual modelo de densidade de colmeias adotado pela empresa Pomesul, que é de 3

colmeias.ha-1 (Tratamento 1 – Controle), com a distribuição única das colmeias por ocasião da

abertura dos primeiros 15% das flores. Um novo modelo de densidade de colmeias e do período

de entrada nos pomares foi usado nos anos de 2012 e 2013 com a entrada de 6 colmeias.ha-1 e de

introdução sequencial, sendo 3 colmeias.ha-1 introduzidas com 15% da floração aberta e mais 3

colmeias.ha-1 durante a plena floração (Tratamento 2 – Dupla Densidade + IS), de acordo com Dag

& Stern (2001), Stern et al. (2005) e Sapir et al. (2007). As colmeias foram distribuídas sobre bins,

em blocos, para a cobertura de toda a área da cultura-alvo.

As observações das frequências (no de abelhas.planta.minuto-1) e dos tipos de visita

(visitas pelos lados da flor – sideworking, e visitas por cima da flor – topworking) das abelhas às

flores foram realizadas em distâncias determinadas a partir dos blocos de colmeias (em 2012, as

distâncias foram de 9 metros, 27 metros e 45 metros, e em 2013, 27 metros, 45 metros, 90

metros). Em cada tratamento, 12 plantas de cada cultivar nas três distâncias foram avaliadas em

diferentes períodos, totalizando 2.592 observações no ano de 2012, e 3.456 observações em 2013.

As frequências das visitas das abelhas às flores das plantas de macieiras apresentaram

variações de acordo com as diferentes densidades de colmeias utilizadas nos pomares, com os

cultivares que apresentaram maior oferta de recurso alimentício de néctar e de pólen às abelhas

em dado momento e com condições ideais de clima, principalmente temperatura, precipitação e

ventos, para o voo das abelhas.

Na Fazenda Barreiro, em 2013, na área controle (T1), o número médio de abelhas

observado foi de 2,8 abelhas.planta.minuto-1 em plantas do cultivar Imperial Gala, e de 2,3

abelhas.planta.minuto-1 em ‘Fuji Suprema’ no dia 12/10/2013, um dia após a introdução das

colmeias. Com o decorrer dos dias, as observações apontavam diminuição na frequência de

visitação das abelhas às flores de macieiras dos cultivares avaliados, como mostra a Figura 4.

Page 105: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

105

Figura 4. Frequência de visitas das abelhas (n

o de abelhas.planta.minuto

-1) às flores dos

cultivares Imperial Gala (IG) e Fuji Suprema (FS) entre os dias 12 e 15/10/2013, em pomar com tratamento controle na Fazenda Barreiro, município de Bom Retiro

A mesma tendência, ou seja, redução gradual das visitas às flores de macieira, foi

observada nas áreas com tratamento de dupla densidade de colmeias e com introdução

sequencial (T2). As colmeias foram introduzidas no pomar nos dias 4 e 8/10/2013. Um dia após as

introduções, a frequência das visitas era a maior observada, diminuindo com o decorrer dos dias.

Figura 5. Frequência de visitas das abelhas (n

o de abelhas.planta.minuto

-1) às flores dos

cultivares Imperial Gala (IG) e Fuji Suprema (FS), entre os dias 5 e 11/10/2013, em pomar com tratamento de dupla densidade com introdução sequencial de colmeias na Fazenda Barreiro, município de Bom Retiro

Na maioria das 6.048 observações realizadas sobre visitas das abelhas às plantas dos

cultivares avaliados nos anos de 2012 e 2013, a maior frequência observada era sobre as flores de

‘Galaxy’ e ‘Imperial Gala’, e a menos frequente, em flores de ‘Fuji Suprema’.

Maior frequência de visitas das abelhas às flores de plantas de ‘Galaxy’ e de ‘Imperial

Gala’ pode ser resultado de maior oferta de recursos alimentícios (néctar e pólen) ofertados por

Page 106: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

106

esses cultivares. Benedek & Finta (2006) verificaram que a disponibilidade de néctar aos

polinizadores influenciou o número de visitas das abelhas que visitavam as flores de macieiras em

pomares na Hungria. Observações em pomares feitas por Sapir et al. (2007) constatam que, após a

introdução das colmeias em pomares de frutas de clima temperado, as abelhas forrageiam sobre

as flores da cultura-alvo por apenas alguns dias, diminuindo sua frequência proporcionalmente ao

período de permanência das colmeias no pomar. Há uma tendência das abelhas campeiras a

ampliar gradualmente a área de forrageio, ocorrendo a possibilidade de coletarem alimentos em

flores de outras plantas com maior e melhor oferta de néctar e pólen, diminuindo a visitação às

plantas de interesse (Free, 1993). Introduções sequenciais de colmeias adquirem importância pelo

fato de introduzir novas abelhas nos pomares, que realizarão voos de reconhecimento em áreas

próximas às colmeias, visitando, consequentemente, mais flores da cultura-alvo como, no nosso

caso, a macieira (Dag & Stern, 2001; Stern et al., 2005; Sapir et al., 2007).

A porcentagem de visitas das abelhas por cima das flores (topworking) ou pelos lados

(sideworking) foi avaliada durante as observações nos anos de 2012 e 2013. Visitações por cima

das flores sugerem mais eficiência por parte dos polinizadores na transferência de grãos de pólen

entre flores por tocarem em suas partes reprodutivas. Visitas laterais às flores, basicamente para a

coleta de néctar, geralmente não proporcionam transferência de grãos de pólen.

Em 2012, na Fazenda Santa Clara, as colmeias foram introduzidas no pomar em 25/9 (T1 e

T2) e em 2/10 (T2). É possível constatar que, logo após a entrada das colmeias nos pomares em

que foram feitas as avaliações (27/9 e 03/10) no cultivar Galaxy, há equilíbrio entre as visitas

realizadas pelas abelhas por cima e pelos lados das flores. A partir desse momento, as

porcentagens de visitas pelos lados das flores de ‘Galaxy’ tornam-se acentuadas e superiores às

visitas realizadas por cima, como ocorreu no dia 29/9/2012 para os dois tratamentos.

Figura 6. Porcentagem (%) de distribuição dos tipos de visitas das abelhas (sideworking e topworking) a flores de ‘Galaxy’ em pomar comercial entre os dias 27/9 e 3/10/2012 no município de Bom Retiro

Page 107: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

107

Em ‘Fuji Suprema’ as visitas das abelhas às flores ocorreram predominantemente por

cima. Já no Tratamento 2 e no dia 27/9/2012 ocorreu equilíbrio entre os dois tipos de visita, sendo

o mesmo fato observado no dia 3/10/2012. Essas observações foram realizadas logo após a

introdução das colmeias nos dias 25/10 e 2/10/2012. Em T1, no dia 27/9/2012, a totalidade das

abelhas foi observada visitando as flores de ‘Fuji Suprema’ por cima (topworking), sendo essa

média mantida durante as observações posteriores.

Figura 7. Porcentagem (%) de distribuição dos tipos de visita das abelhas (sideworking e topworking) em flores de ‘Fuji Suprema’ em pomar comercial entre os dias 27/9 e 3/10/2012 no município de Bom Retiro

Índices maiores de frequências de visitas pelos lados nas flores em ‘Galaxy’ e por cima em

‘Fuji Suprema’ foram constantes e verificadas durante os anos de 2012 e 2013 nos pomares das

Fazendas: Santa Clara e Barreiro. Observações realizadas por Dag & Stern (2001), Stern et al.

(2005) e Sapir et al. (2007) mostraram que a frequência de abelhas trabalhando pela parte

superior das flores apresentou aumento significativo após a introdução sequencial de colmeias. O

comportamento de forrageio das abelhas coletando néctar trabalhando pelo lado da flor não é

considerado comportamento inato, mas um comportamento que depende de aprendizado; nos

primeiros voos de coleta, as abelhas trabalham tanto por cima da flor como pelo lado e aprendem

a coletar o néctar de forma mais eficiente no decorrer das atividades de forrageio.

O trabalho das abelhas pelo lado da flor de macieiras geralmente está relacionado com a

coleta de néctar (Free, 1993). O néctar é obtido introduzindo a língua entre os filetes, a partir do

lado da flor, apoiando as pernas nas pétalas. É comum, nesse tipo de comportamento, que as

abelhas não toquem as anteras e os estigmas. Roberts (1945) observou que a forma, o

comprimento e a distribuição dos estames no receptáculo floral em diferentes cultivares

determinam a proporção de abelhas coletoras de néctar que trabalharão nas flores a partir da

lateral, ou por cima. Arranjos irregulares dos estames ao redor do nectário resultam em 'lacunas

Page 108: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

108

basais’ entre si próximas ao receptáculo floral, com tamanho suficiente para a abelha inserir a

língua em direção ao nectário e coletar néctar (Degrandi-Hoffman et al.,1985). Os mesmos

pesquisadores observaram que a porcentagem de abelhas coletando néctar através das ‘lacunas

basais’ em flores do cultivar Delicious aumenta progressivamente, a partir de 21% no primeiro dia

da floração, até 60% no quinto dia.

As flores dos cultivares Galaxy e Imperial Gala avaliadas em Bom Retiro em 2012 e 2013

apresentavam ‘lacunas basais’, não observadas em ‘Fuji Suprema’. Talvez por esse motivo a maior

parte das visitas das abelhas às flores dos cultivares Galaxy e Imperial Gala tenha sido observada

pelo lado das flores.

Um dos pontos-chave no processo de polinização dirigida para obtenção de frutificação

eficiente é a introdução de colmeias populosas com grande capacidade de forrageio, representada

por abelhas campeiras, quantidades satisfatórias de cria aberta e de alimento energético

armazenado nos favos. A combinação desses fatores proporciona necessidade de busca de

alimento proteico (pólen) para alimentação larval, realizada por grande número de abelhas

campeiras e consequentes visitas às flores da cultura da macieira por cima.

Os resultados da frequência e dos tipos de visita das abelhas às flores determinam uma

polinização eficiente ou não e, consequentemente, maior ou menor frutificação efetiva. Em 2012,

nos dois tratamentos realizados na Fazenda Santa Clara, as maiores taxas de frutificação

ocorreram nas áreas em que foram utilizadas 6 colmeias.ha-1 (T2). No ano de 2013, na Fazenda

Barreiro foram observados dados semelhantes.

No ano de 2012, em ‘Galaxy’, a média da frutificação efetiva foi de 18,72% no tratamento

controle (T1), ao passo que no tratamento com seis colmeias (T2) essa média foi de 36,05%. No

mesmo ano, em ‘Fuji Suprema’ a frutificação efetiva também foi superior no Tratamento 2. Em

2013, as maiores porcentagens de frutificação ocorreram no Tratamento 2 para os cultivares

avaliados. ‘Imperial Gala’ apresentou porcentagem de frutificação 100% superior em T2 se

comparado ao T1.

Uma maior frutificação em ‘Fuji Suprema’ pode ser pelo fato de que a maior parte das

visitas das abelhas às flores desse cultivar foi realizada por cima, tocando as partes reprodutivas. É

importante mencionar que, na polinização cruzada, ‘Galaxy’ e ‘Imperial Gala’ são cultivares que

apresentam maior produção do pólen que está disponível para ser transferido pelas abelhas para

as flores de ‘Fuji Suprema’. Já o inverso não se observa, sendo, assim, a frutificação efetiva de

‘Fuji’ é favorecida.

Um maior número de abelhas visitando as flores pode representar maior porcentagem de

frutificação, porém o tipo de coleta ou visita realizado pelas abelhas às flores pode influenciar

ainda mais a frutificação (Tabela 1). Na coleta de pólen, e na coleta de néctar por cima da flor, as

abelhas geralmente polinizam as flores, tocando os estigmas e as anteras, mas na coleta de néctar,

realizada pela lateral das flores, a eficiência da polinização poderá ser comprometida pela falta de

contato com o aparelho reprodutivo da flor (Dag, 2009).

Page 109: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

109

Tabela 1. Frutificação efetiva nos cultivares Fuji Suprema, Galaxy e Imperial Gala nos tratamentos utilizados em pomares comerciais nas Fazendas Santa Clara e Barreiro, município de Bom Retiro, SC, nos anos de 2012 e 2013

Tratamento

Frutificação efetiva (%)

Fazenda Santa Clara (2012) Fazenda Barreiro (2013)

Fuji Suprema Galaxy Fuji Suprema Imperial Gala

T1 (C) 20,94 b 18,72 b 38,94 b 24,27 b

T2 (DD + IS) 41,83 a 36,05 a 62,41 a 49,05 a

Notas: - As médias seguidas pela mesma letra não diferem estatisticamente entre si.

- T1 = Controle (C): 3 colmeias.ha-1 distribuídas com 15% da floração aberta.

- T2 = Dupla Densidade com Introdução Sequêncial (DD + IS). Distribuição de 3 colmeias.ha-1, com 15% da floração aberta, e a introdução

de 3 colmeias.ha-1 com plena floração.

A frutificação efetiva depende de vários fatores, como intensidade de floração, qualidade

da gema e da flor, vigor da planta, presença e coincidência de floração de plantas de cultivares

polinizadores com os produtores, temperatura, vento, precipitação e visitas realizadas às flores

pelos insetos polinizadores.

Fatores concernentes às visitações dos polinizadores, atualmente, com o uso de modelos

de densidades de colmeias iguais ou inferiores a 3 colmeias.hectare-1 nos pomares de macieiras no

estado de Santa Catarina acarretam polinização cruzada insuficiente, o que resulta em baixa

frutificação. A distribuição única de colmeias no início da floração nas áreas a serem polinizadas

resulta numa diminuição gradativa da frequência de visitas das abelhas às flores de macieiras com

o decorrer dos dias de permanência das mesmas colmeias dentro dos pomares.

Baixa qualidade das colmeias que realizam os serviços de polinização dirigida é um fator

preocupante dentro do processo, pois colmeias que não possuem pelo menos uma câmara de cria

com os dez favos cobertos com abelhas, e com volumes satisfatórios de cria e de alimentos

armazenados, não podem ser consideradas unidades produtivas eficientes para o serviço de

polinização. Pelo contrário: um maior número de colmeias nas áreas a serem polinizadas, com

ninhos integralmente preenchidos nas câmaras de cria, supre a necessidade de visitas das abelhas

às flores para a realização da transferência de pólen entre cultivares, proporcionando frutificação

satisfatória. A permanência das abelhas, mesmo que por pouco tempo trabalhando dentro dos

pomares, pode ser mediada pela introdução sequencial de colmeias. As novas abelhas

introduzidas na área realizam voos de reconhecimento próximo das colmeias e possuem a

tendência de trabalhar na parte superior das flores, quando em visita, tendo contato direto com

os estames e estigmas das flores de macieiras, tornando-se polinizadores eficientes.

Referências

ALBUQUERQUE JR, C.L.; DENARDI, F.; DANTAS, A.C.M.; NODARI, R. O desenvolvimento de tubos polínicos em cruzamentos entre cultivares brasileiras de macieira. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, v.45, n.11, p.1324-1327, 2010.

ANTUNES, L.E.C. Sistema de Produção da amoreira-preta. 2008. Disponível em: <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Amora/SistemaProducaoAmoreiraPreta/intro.htm>. Acesso em: 22 jan. 2014.

Page 110: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

110

BENEDEK, P. & FINTA, K. The effect of nectar production to the gathering behaviour of honeybees and to the foraging activity of wild bees at apple flowers. International Journal of Horticultural Science, 12 (2): 45-57. 2006.

DAG, A.; STERN, R. Sequential introduction and heavy density of beehives increases cross-pollination, fruit-set and yield in apple. Proceedings... 37th Int. Apic. Congr., 28 Oct. – 1 Nov. 2001, Durban, South Africa.

DAG, A. Interaction between pollinators and crop plants: The Israeli experience. Israel Journal of Plant Sciences, v. 57, p.231-242. 2009.

DEGRANDI-HOFFMAN, G.; LOPER, G.; THORP, R. The influence of nectar and pollen availability and blossom density on the attractiveness of almond cultivars to honeybee. Acta Horticulturae, 288:299-302. 1991.

FREE, J. B. Insect pollination of crops. 2.ed. London: Academic Press, 684p., 1993.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE . Levant. Sistem. Prod. Agríc. ISSN 0103-443X Rio de Janeiro v.26, n.8 p.1-84 agosto. 2013. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/ indicadores/ agropecuaria/lspa/lspa_201308.pdf>. Acesso em: 3 fev. 2014.

LAROCA, S.; ALMEIDA, M.C. Adaptação dos palpos labiais de Niltonia virgilii (Hymenoptera, Apoidea, Colletidae) para coleta de néctar em Jacaranda puberula (Bignoniaceae), com descrição do macho. Revista Brasileira de Entomologia, v.29, n.2, p.289-297, 1985.

LOSEY, J.E.; VAUGHAN, M. The economic value of ecological services provided by insects. BioScience, v.56, n.4, p.311-323, 2006.

NETTANCOURT, D. Incompatibility in angiosperms. Berlin: Springer-Verlag. 230p. 1977.

PETRI, J.L.; PALLADINI, L.A.; POLA, A.C. Dormência e indução da macieira. In: A cultura da macieira. Florianópolis: Epagri, p.261-268. 2006.

ROBERTS, R.H. Bee pollination of Delicious. American Fruit Grower, 65, 16. 1945. In: FREE, J. B. Insect pollination of crops. 2.ed. London: Academic Press, 684p., 1993.

SAKURAI, K.; BROWN, S.K.; WEEDEN, N.F. Self-incompatibility alleles of apple cultivars and advanced selections. Horticulture Science, v.35, p.116-119, 2000.

SANHUEZA, R.M.V. Prefácio. In: PROTAS, J.F. da S.; SANHUEZA, R.M.V. Produção integrada de frutas: o caso da maçã no Brasil. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho, 2003.

SANTOS, K.L. dos; LENZI, M.; CAPRESTANO, C.A.; DANTAS, A.C. de M.; DUCROQUET, J.P.H.J.; NODARI, R.O.; ORTH, A.I.; GUERRA, M.P. Evidência da atuação do sistema e autoincompatibilidade tardia em Acca Sellowiana (berg) burret. (Myrtaceae). Revista Brasileira de Fruticultura, v.29, p.120-123, 2007.

SAPIR, G.; GOLDWAY, M.; SHAFIR, S.; STERN, R.A. Multiple introduction of honeybee colonies increases crosspollination, fruit-set and yield of ‘Black Diamond’ Japanese plum (Prunus salicina Lindl.). Journal of Horticultural Science & Biotechnology, 82(4):590-596. 2007.

STERN, R.A.; ZISOVICH, A.H.; SHAFIR, S.; DAG, A.; GOLDWAY, M. Increasing the yield of ‘Spadona’ pear (Pyrus communis L.) by appropriate utilization of beehives. Acta Hort. 671:143-150. 2005.

TESSMER, M.A. Características anatômicas e físico-químicas de frutos de macieira (Malus domestica Borkh) e sua relação com a lenticelose. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz.75p. Piracicaba. 2009.

WEIRTHEIM, S.J.; SCHMIDT, H. Flowering, pollination and fruit set. In: Fundamentals of temperature zone tree fruit production. Leiden, the Netherlands: Backhuys Publishers, p. 216-239, 2005.

WIESE, H. Normas para atividades de polinização com abelhas em fruticultura. Florianópolis: Iasc. 1.ed. 87p. 1974.

Page 111: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

111

Manejo da macieira em sistemas de alta densidade de plantio

com porta-enxertos vigorosos

José Masanori Katsurayama32

Introdução

Atualmente, problemas sociais, técnicos e econômicos afetam a sustentabilidade dos

produtores de maçã. Podemos citar alguns dos problemas enfrentados pelos fruticultores: o êxodo

rural, a falta de mão de obra e o alto custo de implantação/produção da maçã. Assim, o

desenvolvimento e a adaptação de tecnologias que melhorem a produtividade inicial dos pomares

e, consequentemente, reduzam os custos de produção são fundamentais para a manutenção das

pequenas propriedades frutícolas no Brasil.

No mundo, vários sistemas de cultivo da macieira são utilizados devido à diversidade de

cultivares copa e porta-enxertos e às diferentes densidades de implantação (Pereira & Petri,

2006). Em sistemas de condução de baixa a média densidade, em função do menor número de

árvores por unidade de área, comportam árvores com maior volume de copa, a qual necessita de

período maior para atingir a plena produção do cultivar de macieira. Nos primeiros pomares

comerciais, as mudas de macieira estavam enxertadas sobre porta-enxertos vigorosos, e a

densidade utilizada foi de 868 árvores de ‘Gala’, 834 árvores de ‘Golden Delicious’ e 783 árvores

de ‘Fuji’ por hectare (Ebert & Raasch, 1987).

Pesquisas sobre o desenvolvimento de técnicas para o aumento da densidade de plantio

em macieira iniciaram na Inglaterra nos anos 1970. A alta densidade é uma técnica utilizada nos

cultivos comerciais para aumentar a produtividade dos pomares frutícolas (Pereira, 2007). Nos

sistemas modernos de condução de pomares para a formação de árvores de porte compacto,

recomenda-se a utilização de cultivares de macieira com precocidade de produção enxertada

sobre porta-enxerto de vigor anão a semianão.

Na Região de São Joaquim, os solos predominantes são classificados como Neossolos e

apresentam perfil raso e com afloramento de rochas, características que impedem o bom

desenvolvimento dos porta-enxertos de vigor mais ananizante. Nessas condições, além de afetar o

estabelecimento e a formação das árvores, o solo afeta a produtividade e a longevidade dos

pomares. Entre os porta-enxertos vigorosos, o porta-enxerto Marubakaido adaptou-se aos solos

Neossolos da região de São Joaquim. Além disso, esse porta-enxerto se comportou bem em

replantio de áreas erradicadas ou em renovação de pomares.

Estudos sobre a viabilidade do aumento da densidade de plantio conduzidos fora do

Brasil (Goedegebure, 1980; Winter, 1986) e no Brasil (Kreuz et al., 1996; Kreuz, 2002) comprova-

32

Engenheiro-agrônomo, M.Sc., Pesquisador da Epagri / Estação Experimental de São Joaquim, Rua João Araújo Lima,

102, 88600-000 São Joaquim, SC, fone: (49) 3233-8430, e-mail: [email protected].

Page 112: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

112

ram sua viabilidade. A alta densidade reduz o período improdutivo do pomar, com maior produção

inicial por área, tornando-se possível um maior e mais rápido retorno do capital empregado, fator

fundamental ao progresso de qualquer empreendimento agrícola.

O experimento objetivou avaliar o desempenho produtivo do porta-enxerto Marubakaido

em diferentes combinações e densidades nas condições de solo da região de São Joaquim, SC.

Material e métodos

Em 2010, foi implantada uma área experimental na Epagri/Estação Experimental de São

Joaquim para avaliar a precocidade e a produtividade do porta-enxerto Marubakaido em várias

combinações e densidades de plantio (666; mil e 2 mil árvores):

T1 – Mishima Fuji/M.26/Marubakaido (1m) (porta-enxerto duplo);

T2 – Mishima Fuji/M.26/Marubakaido (2m) (porta-enxerto duplo);

T3 – Mishima Fuji/M.9/Marubakaido (2m) (filtro de M.9 (20cm);

T4 – Mishima Fuji/Marubakaido (1m) (aplicação de regulador de crescimento);

T5 – Mishima Fuji/Marubakaido (1m);

T6 – Mishima Fuji/Marubakaido (2m);

T7 – Mishima Fuji/Marubakaido (3m).

Poda e condução em alta densidade

A poda e a condução são imprescindíveis na formação, uniformização e maximização dos

atributos qualitativos das árvores no pomar, principalmente na indução da precocidade de

produção. Neste ensaio, o sistema de condução utilizado foi em líder central, com plantio de

mudas de vara lisa sem tutoramento.

No plantio das mudas em julho de 2010, os tratamentos com densidade de 2 mil árvores

por hectare não foram despontados (Mishima Fuji/Marubakaido e Mishima Fuji/M.26/Maru-

bakaido). Nesse ciclo, todas as inflorescências foram eliminadas no cultivar Mishima Fuji.

No ciclo vegetativo 2011/12 a 2013/14, a poda foi realizada em duas épocas: em “pós-

-colheita”, com algum repasse em dormência na alta densidade (2 mil árvores por hectare de

Mishima Fuji/Marubakaido), e especificamente em “dormência” para as demais combinações e

densidades: Mishima Fuji/M.26/Marubakaido (2 mil árvores), Mishima Fuji/M.26/Marubakaido

(mil árvores), Mishima Fuji/M.9/Marubakaido (mil árvores), Mishima Fuji/Marubakaido (mil

árvores) e Mishima Fuji/Marubakaido (666 árvores).

Em relação ao sistema de condução em alta densidade, foi definida a eliminação de

ramos concorrentes com o líder central deixando um ramo curto com duas a três gemas

vegetativas, arqueamento a 90° em relação ao líder central, desponte do líder quando necessário,

e sem poda de encurtamento em ramos de ano e do ano. A partir do ciclo 2012/13, iniciou-se a

renovação em torno de 25% dos ramos improdutivos (com pouca formação de gemas) por planta.

Page 113: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

113

Resultados

A produtividade inicial dos pomares depende de vários fatores, tais como a adaptação

edafoclimática do porta-enxerto e do cultivar, a precocidade produtiva do porta-enxerto e do

cultivar, a característica ananizante do porta-enxerto, a densidade de plantas e, principalmente, o

sistema de condução da planta.

Em duas das três safras, o número de frutos por árvore não diferiu entre os tratamentos

(Tabela 1). Nos anos agrícolas 2011/12 e 2012/13, o número de frutos por árvore não diferiu entre

os tratamentos, mas no ano agrícola 2013/14, o número de frutos por árvore diferiu entre os

tratamentos. Nas fases iniciais após a implantação (2011/12 e 2012/13), as árvores apresentaram

o mesmo comportamento de desenvolvimento vegetativo. A partir da terceira safra (2013/14), a

diferença no número de frutos entre os tratamentos foi observada significativamente em plantios

com menor densidade (666 e mil árvores por hectare), com exceção do tratamento Mishima

Fuji/M.26/Marubakaido (mil árvores).

O cultivar Mishima Fuji tende a ter maior frutificação em estruturas do tipo brindila. Essas

estruturas são favorecidas pela poda mais leve e pela condução dos ramos, característica em

árvores em baixa ou média densidade. Esses dados corroboram Ebert & Raasch (1988), segundo os

quais os cultivares Gala, Golden Delicious e Fuji apresentaram menor capacidade produtiva em

árvores conduzidas em alta densidade.

Tabela 1. Evolução dos frutos nas macieiras cv. Mishima Fuji (anos agrícolas 2011/12 a 2013/14). São Joaquim, SC

Tratamento Número de frutos por planta

Safra 2011/12 Safra 2012/13 Safra 2013/14 Total acumulado

Mishima/M.26/Marubakaido (2000) 4 a 38 a 51 cd 93

Mishima/M.26/Marubakaido (1000) 6 a 30 a 59 bc 95

Mishima/M.9/Marubakaido (1000) 5 a 36 a 73 ab 114

Mishima/Marubakaido(1)

(2000) 2 a 48 a 34 d 84

Mishima/Marubakaido (2000) 3 a 38 a 43 cd 84

Mishima/Marubakaido (1000) 4 a 47 a 81 a 132

Mishima/Marubakaido (666) 6 a 46 a 93 a 145

Média 4 40 62 107

CV (%) 43,74 27,08 21,77 -

Média 4 40 62 107

CV (%) 43,74 27,08 21,77 -

Médias seguidas da mesma letra, na coluna, não diferem entre si pelo teste de Duncan a 5% de probabilidade. (1)

Aplicação de regulador de crescimento.

Nos anos agrícolas 2011/12 e 2012/13, a produção de frutos não diferiu entre os

tratamentos (Tabela 2). No ano agrícola 2013/14, a produção por árvore diferiu entre os

tratamentos, principalmente pelas diferenças no número de frutos observados nas árvores (Tabela

1). Os tratamentos com 666 e mil árvores de Mishima Fuji/Marubakaido foram o mais produtivos,

com média de 20,025kg e 17,325kg de frutos por árvore respectivamente. E os tratamentos com 2

mil árvores de Mishima Fuji/Marubakaido apresentaram a menor produção por árvore (6,375 e

7,758kg).

Page 114: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

114

Tabela 2. Evolução da produção de frutos nas macieiras cv. Mishima Fuji (anos agrícolas 2011/12 a 2013/14). São Joaquim, SC

Tratamento Produção por árvore (kg)

Safra 2011/12 Safra 2012/13 Safra 2013/14 Total acumulado

Mishima/M.26/Marubakaido (2000) 1,409 a 8,267 a 10,967 de 20,593

Mishima/M.26/Marubakaido (1000) 1,923 a 6,450 a 12,100 cd 20,473

Mishima/M.9/Marubakaido (1000) 1,680 a 6,892 a 15,159 bc 23,732

Mishima/Marubakaido(1)

(2000) 1,071 a 9,575 a 6,375 f 17,012

Mishima/Marubakaido (2000) 1,043 a 6,934 a 7,758 ef 15,735

Mishima/Marubakaido (1000) 1,789 a 9,709 a 17,325 ab 28,823

Mishima/Marubakaido (666) 1,789 a 9,392 a 20,025 a 31,206

Média 1,529 8,174 12,808 22,512

CV (%) 40,72 27,44 20,96 -

Médias seguidas da mesma letra, na coluna, não diferem entre si pelo teste de Duncan a 5% de probabilidade. (1)

Aplicação de regulador de crescimento.

No ano agrícola 2012/13, os tratamentos “2.000 árvores de Mishima Fuji/M.26/

Marubakaido” e “1.000 árvores de Mishima Fuji/M.26/Marubakaido” apresentaram peso médio

do fruto superior aos tratamentos “1.000 árvores de Mishima Fuji/M.9/Marubakaido” e “2.000

árvores de Mishima Fuji/Marubakaido”. E no ano agrícola 2013/14, os tratamentos “2.000 árvores

de Mishima Fuji/M.26/Marubakaido”, “1.000 árvores de Mishima Fuji/M.9/Marubakaido”, “1.000

árvores de Mishima Fuji/Marubakaido” e “666 árvores de Mishima Fuji/Marubakaido” foram

superiores aos tratamentos “2.000 árvores de Mishima Fuji/Marubakaido”.

Tabela 3. Peso médio do fruto cv. Mishima Fuji (anos agrícolas 2011/12 a 2013/14). São Joaquim, SC

Tratamento Peso médio do fruto (g)

Safra 2011/12(1)

Safra 2012/13 Safra 2013/14

Mishima/M.26/Marubakaido (2000) - 221 a 214 a

Mishima/M.26/Marubakaido (1000) - 217 a 204 ab

Mishima/M.9/Marubakaido (1000) - 189 b 208 a

Mishima/Marubakaido(2)

(2000) - 196 ab 191 bc

Mishima/Marubakaido (2000) - 187 b 181 c

Mishima/Marubakaido (1000) - 206 ab 214 a

Mishima/Marubakaido (666) - 204 ab 215 a

Média 325 203 204

CV (%) 40,72 8,21 5,39

Médias seguidas da mesma letra, na coluna, não diferem entre si pelo teste de Duncan a 5% de probabilidade. (1)

O peso médio foi calculado por todas as amostras. (2)

Aplicação de regulador de crescimento.

A produtividade das árvores foi calculada para o espaçamento de 5m entre as fileiras

(Tabela 4). Nos três anos agrícolas avaliados (2011/12 a 2013/14), foram observadas diferenças

significativas na produtividade entre os tratamentos. No primeiro ano de produção (2011/12), o

tratamento “2.000 árvores de Mishima Fuji/M.26/Marubakaido” foi superior ao tratamento “666

árvores de Mishima Fuji/Marubakaido”, com 2,8t.ha-1 e 1,2t.ha-1 de maçã respectivamente. No

segundo ano de produção (ano agrícola 2012/13), os tratamentos com densidade de “2.000

Page 115: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

115

árvores de Mishima Fuji/M.26/Marubakaido” e “2.000 árvores de Mishima Fuji/Marubakaido”

foram superiores às densidades de “1.000 árvores de Mishima Fuji/M.26/Marubakaido”, “1.000

árvores de Mishima Fuji/M.9/Marubakaido” e “666 árvores de Mishima Fuji/Marubakaido”. E no

ano agrícola 2012/13, as densidades com “2.000 árvores de Mishima Fuji/M.26/Marubakaido”

foram superiores aos tratamentos “1.000 árvores de Mishima Fuji/M.26/Marubakaido”, “2.000

árvores de Mishima Fuji/Marubakaido” e “666 árvores de Mishima Fuji/Marubakaido”.

Em termos de produção acumulada nos três anos agrícolas, as menores produções foram

encontradas em “666 árvores de Mishima Fuji/Marubakaido” e “1.000 árvores de Mishima

Fuji/M.26/Marubakaido”, com 20,9t.ha-1 e 20,5t.ha-1 respectivamente. O aumento da produção

acumulada com o aumento da densidade de plantas variou de 2.900kg (13,9 %) a 17.700kg

(84,7%) em comparação ao tratamento padrão de “666 árvores de Mishima Fuji/Marubakaido”.

Segundo Kreuz et al. (2006), a intensificação tecnológica do pomar pelo aumento da densidade de

plantas propicia aumento na produção e, consequentemente, incremento na rentabilidade.

Tabela 4. Evolução da produtividade do cv. Mishima Fuji (ano agrícola 2011/12 a 2013/14). São Joaquim, SC

Tratamento Produtividade (t.ha

-1)

Safra 2011/12 Safra 2012/13 Safra 2013/14 Total acumulado

Mishima/M.26/Marubakaido (2000) 2,8 a 16,5 a 19,3 a 38,6

Mishima/M.26/Marubakaido (1000) 1,9 ab 6,5 c 12,1 cd 20,5

Mishima/M.9/Marubakaido (1000) 1,7 ab 6,9 c 15,2 abc 23,8

Mishima/Marubakaido(1)

(2000) 1,5 ab 19,2 a 12,8 bc 33,5

Mishima/Marubakaido (2000) 1,8 ab 13,9 ab 15,5 abc 31,2

Mishima/Marubakaido (1000) 1,4 ab 9,7 bc 17,3 ab 28,4

Mishima/Marubakaido (666) 1,2 ab 6,3 c 13,4 bc 20,9

Média 1,8 11,3 15,1 28,1

CV (%) 49,02 32,35 18,61 -

Médias seguidas da mesma letra, na coluna, não diferem entre si pelo teste de Duncan a 5% de probabilidade. (1)

Aplicação de regulador de crescimento.

Considerações finais

Geralmente, com o aumento da densidade de plantio, comparando com a densidade

padrão de 666 árvores por hectare, aumentou a produção acumulada na mesma unidade de área.

Referências

EBERT, A.; RAASCH, Z.S. Condução da macieira em sistemas de baixa e alta densidade. Florianópolis: Empasc, 1988. 58p.

GOEDEGEBURE, J. Economic aspects of high density plantings in apple-growing in the Netherlands. Acta Horticulturae, Wageningen, n.114, p.389-397, 1980.

KREUZ, C.L. Rentabilidade da cultura da macieira cultivar Gala em duas densidades de plantio. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.37, n.3, p.229-235, 2002.

Page 116: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

116

KREUZ, C.L.; PETRI, J.L.; MONDARDO, M. Capacidade produtiva de macieiras cv. Fuji em diversos espaçamentos, com o uso de mudas livres de viroses. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.31, n.2, p.121-127, 1996.

KREUZ, C.L.; SOUZA, A.; PETRI, J.L. Impacto da intensificação da densidade de plantio na rentabilidade em duas cultivares de macieira em Fraiburgo, SC. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.28, n.2, p.2040-243, 2006.

PEREIRA, A.J. Efeito dos porta-enxertos M.9 e M.26 na densidade de plantio da macieira cvs. Royal Gala e Fuji. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 10., 2007, Caçador, SC. Anais... Caçador: Epagri, 2007. p.195-201.

PEREIRA, A.J.; PETRI, J.L. Poda e condução da macieira. In: A cultura da macieira. Florianópolis: Epagri, 2006, p.391-418.

WINTER, F. Modelling the biological and economic development of an apple orchard. Acta Horticulturae, Wageningen, n.160, p.353-360, 1986.

Page 117: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

117

An overview of the apple-tree cultivation in South Tyrol, Northern Italy: actual and future technical solutions

Marco Bietresato33, Toni Unterhofer34 and Fabrizio Mazzetto35

Abstract

Alto Adige/South Tyrol (AA/ST) is a territory placed in Northern Italy (alpine area) and,

administratively, corresponds to the autonomous province of Bolzano. Apple-tree cultivation is a

traditional activity of that area and it is economically important both at the local scale (18,000ha

and 7,000 family farms) and at the national level: the apple production of AA/ST together with the

neighbouring area of Trentino accounted for 67.3% of the Italian production in 2010 (ISTAT, 2011),

and Italy was the 2nd biggest European producer of apples in 2011, with 2,212,000 tons (FAO,

2012). Despite the high fragmentation of land ownership that characterizes the region (average

farm size: 2.5ha.farm-1), in recent decades, a far-sighted policy of subsidies to agriculture has

allowed the acquisition and the diffusion among the farmers of the most recent technologies, raising

the productivity and the profitability of the sector. In addition, thanks to a precise coordination of

producers in consortia and to the presence of several research and experimentation institutes

(e.g., Laimburg), the same area has recently raised to the leading producers of apples in the

international scenario, obtaining also in 2005 the European quality label of “Protected

Geographical Indication – PGI” (IGP in Italian) for eleven varieties cultivated there, then marketed

under the same brand “Mela Alto Adige IGP”.

The modernization of agriculture and, in particular, of the apple-tree cultivation in AA/ST,

still in progress, involves: all the operations necessary to the productive cycle of apples (from

apple-tree transplanting to fruit-picking), all involved machines (from machines for pruning to

machines for distributing plant-protection products), all the technical systems (mechanical,

electronic, mechatronic) and all the technologies equipping these machines (from power-

generation systems, to sensors, actuators and geo-positioning systems).

This innovation process has significant impacts on the territory and on the farms also to

an organizational/managerial and environmental level and is leading to a change in the outlook.

The definition of “agricultural mechanization”, originally involving only the partial or total

replacement of physical/human labour by machines (i.e., with an exclusive focus on labour and

technology issues), should therefore be completely revised in a more general and inclusive point

of view, then including four distinct but integrated competence areas: technology and labour, but

also enterprise and environment. Although the agricultural mechanization concerns always the

generation of mechanical power, it now comprises also the automated management of human

33

Free University of Bozen-Bolzano, Faculty of Science and Technology (F.S.T.), Piazza Università 5, I-39100 Bolzano (BZ), Italy, fone: 39-0471-017181, e-mail: [email protected].

34 Free University of Bozen-Bolzano, Faculty of Science and Technology (F.S.T.), e-mail: [email protected].

35 Free University of Bozen-Bolzano, Faculty of Science and Technology (F.S.T.), e-mail:[email protected].

Page 118: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

118

and material resources, as well as of power and information flows, thus including the feedback-

control of technical systems through sensors and actuators (precision agriculture), the data

collection and processing (monitoring system, farm information systems) and the automation of

farming operations (remote controls, robotics).

Keeping in mind the focuses illustrated above, this presentation will give an overview of

the solutions currently adopted in the apple-tree cultivation in AA/ST, highlighting the benefits

they brought and their possible future developments. This work will illustrate, for example:

automatic guidance systems, fruit-harvesting platforms (eventually electrically-driven), sprayers

with drift-containment systems but also farm information systems.

Keywords: Agricultural mechanisation; apple-tree cultivation; Alto Adige/South Tyrol (Italy);

technical solutions and information systems for farms.

Sommario

L’Alto Adige è un territorio dell’Italia Settentrionale (area alpina) corrispondente, dal

punto di vista amministrativo, alla provincia autonoma di Bolzano. In questo territorio la

coltivazione delle mele è un’attività tradizionale ed economicamente importante sia a livello locale

(18000 ha e 7000 aziende familiari), sia a livello nazionale: la produzione dell’Alto Adige e del

vicino territorio del Trentino è stata il 67.3% della produzione italiana nel 2010 (ISTAT, 2011) e

l’Italia è stato il 2° produttore europeo di mele nel 2011 (FAO 2012).

Nonostante la grande frammentazione della proprietà fondiaria che caratterizza il

territorio (dimensione media degli appezzamenti aziendali: 2,5 ha/azienda), una lungimirante

politica di incentivazione dell’agricoltura ha permesso negli ultimi decenni l’acquisto e la diffusione

tra i coltivatori delle più recenti tecnologie, elevando la produttività delle coltivazioni e la

redditività del comparto. Inoltre, grazie ad un preciso coordinamento dei produttori in consorzi e

alla presenza di diversi istituti di ricerca e sperimentazione (ad es.: Laimburg), lo stesso territorio si

è recentemente imposto a livello internazionale tra i principali territori produttori di mele,

ottenendo inoltre nel 2005 il marchio di qualità europeo di “indicazione geografica protetta” (IGP)

per undici varietà coltivate là, commercializzate quindi con lo stesso marchio “Mela Alto Adige

IGP”.

La modernizzazione dell’agricoltura e, in particolare, della coltivazione del melo in Alto

Adige, tuttora in atto, sta interessando tutte le operazioni del ciclo di produzione delle mele (dalla

piantumazione dei meli alla raccolta dei frutti), tutte le possibili macchine coinvolte (da quelle

impiegate per la gestione della chioma a quelle utilizzate per la distribuzione di prodotti

fitosanitari), tutti i sistemi tecnici (meccanici, elettronici, meccatronici) e tutte le tecnologie di

queste (dai sistemi di generazione della potenza, ai sensori, agli attuatori e ai sistemi di geo-

posizionamento). Le ripercussioni d tale processo di innovazione sono quindi importanti anche a

livello organizzativo/gestionale nonché ambientale e stanno portando ad un cambiamento di

Page 119: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

119

prospettiva. Il concetto di “meccanizzazione agricola”, che nel suo significato originario riguardava

sostanzialmente la parziale o totale sostituzione del lavoro fisico umano ad opera di macchine

(quindi con un focus esclusivo sul lavoro e sulle tecnologie), dovrebbe quindi essere

completamente rivisto in un’ottica più generale ed inclusiva, a comprendere quindi quattro ambiti

distinti ma integrati tra loro: le tecnologie e il lavoro, ma anche l’impresa e l’ambiente. Sebbene

esista sempre la componente di generazione della potenza meccanica, la meccanizzazione

dell’agricoltura ora comprende anche la gestione automatizzata delle risorse umane e materiali,

dei flussi di potenza e dei flussi di informazioni, includendo quindi il controllo retroazionato dei

sistemi tecnici ad opera di sensori ed attuatori (agricoltura di precisione), la raccolta e

l’elaborazione dei dati acquisiti (monitoraggio, sistemi informativi aziendali), arrivando quindi

all’automazione delle operazioni colturali (teleoperazione, robotica).

Nell’ottica appena illustrata, nel presente lavoro si darà quindi una panoramica delle

soluzioni correntemente adottate nella coltivazione del melo in Alto Adige, mettendo in evidenza i

vantaggi che esse hanno portato e i loro possibili futuri sviluppi; si parlerà quindi di sistemi di guida

automatica, di macchine agevolatrici per la raccolta frutta, anche con trazione elettrica, di

atomizzatori con sistemi di contenimento della deriva ma anche di sistemi gestionali per le aziende

agricole.

Parole chiave: Meccanizzazione agricola; coltivazione del melo; Alto Adige (Italia); soluzioni

tecniche e gestionali per aziende agricole.

Page 120: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

120

Adaptação do sistema produtivo: o pomar do futuro

José Luiz Petri36

Introdução

A produção de frutas de qualidade é o produto da complexa interação entre o manejo do

solo, da planta e da influência dos fatores ambientais, e seu correto entendimento poderá levar ao

aumento de produtividade e da qualidade dos frutos. O adequado entendimento da fisiologia das

plantas também aumenta a compreensão acerca da necessidade de realização das práticas

culturais, o que é de extrema importância para sua tomada de decisão. Com o correto

gerenciamento das diversas práticas culturais é possível regularizar a colheita e a qualidade da

fruta. A correlação entre produtividade e qualidade da fruta está principalmente relacionada com

o desenvolvimento das tecnologias que vêm sendo geradas pela pesquisa nos últimos anos.

Contudo, essas tecnologias são direta ou indiretamente afetadas pelas condições ambientais,

como solo, temperatura, chuvas, umidade relativa, que poderão dar o diferencial em uma

determinada região. Nos últimos anos a cultura da macieira no Brasil passou por grandes

transformações, que levaram a significativos aumentos de produtividade. A sustentabilidade da

cultura da macieira ao longo dos anos foi conseguida com a introdução de importantes tecnologias

que permitiram avanços na produtividade e qualidade da fruta. Essas tecnologias sustentam o

crescimento da cultura da macieira de maneira que, em 40 anos, o Brasil foi capaz de tornar-se

autossuficiente, abastecendo o mercado de norte a sul do país e abrindo mercado de exportação

em diversos países.

A grande transformação mundial dos pomares foi passar da baixa densidade para a alta

densidade de plantio com copas estreitas, mas, no futuro, questões comerciais exigirão novas

tecnologias que reduzam a necessidade de mão de obra e, consequentemente, minimizem a

necessidade das intervenção braçal. No Brasil podemos citar a densidade de plantio, que passou

de 550 a 600 plantas.ha-1 na década de 1970 para 2.500 a 3.500 plantas.ha-1 atualmente. Nos

últimos anos, um novo componente tornou-se fundamental para o sucesso na cultura da macieira:

a elevada demanda por mão de obra, visto que a oferta de força de trabalho no campo está

estagnada ao mesmo tempo que mais pomares são implantados. Portanto, é necessário reavaliar

a realização de algumas práticas culturais bem como a possibilidade de mecanizá-las. A elevada

demanda de mão de obra, que deverá agravar-se a cada ano, poderá motivar os produtores a

fazer uma “reengenharia”, com o objetivo de aumentar o rendimento e aperfeiçoar os recursos

humanos e econômicos disponíveis.

A fruticultura tem sido um dos mais adiantados setores da agricultura, contudo continua

evoluindo especialmente no desenvolvimento de novas tecnologias de produção e marketing.

Portanto, é essencial que tais mudanças ocorram ordenadamente e em velocidade compatível

36

Engenheiro-agrônomo, M.Sc., Epagri/Estação Experimental de Caçador, Rua Abílio Franco, 1500, C.P. 591, 89500-000 Caçador, SC, fone: (49) 3561-2000, e-mail: [email protected].

Page 121: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

121

com o crescimento e dinamismo da cadeia produtiva. Não podemos prever o futuro, mas

podemos prever alguns setores que deveremos adaptar para os futuros pomares. A seguir, serão

apresentados alguns itens que deverão ser revistos no pomar do futuro.

1 O Agronegócio

O agronegócio da maçã localiza-se no Sul do Brasil, envolvendo seus três estados,

notadamente nas suas regiões mais frias, destacando-se a região de Vacaria, no Rio Grande do Sul,

São Joaquim e Fraiburgo, no estado de Santa Catarina, e de Palmas, no estado do Paraná.

Atualmente, a cultura da macieira está expandindo-se para outras regiões, incluindo algumas não

tradicionais no cultivo de frutas de clima temperado.

Em uma área plantada de 38,5 mil hectares, a produção brasileira de maçã foi de 1,34

milhão de toneladas no ano agrícola 2011/12 (Epagri, 2013). O volume da safra brasileira pode ser

considerado expressivo se levarmos em conta que nos anos 1970 a produção nacional praticamente

inexistia (Kreuz & Bernardi, 1986). Observa-se que o Brasil, em 40 anos, passou de país importador

à autossuficiência, sendo o ano de 1998 um importante marco, pois o Brasil passa ao status de

país exportador. Nessa atividade estão envolvidos mais de 3 mil produtores, gerando em torno de

150 mil empregos diretos e indiretos. Com o desenvolvimento da cultura da macieira, agregou-se

a cadeia do frio e, atualmente, a capacidade estática de armazenagem em atmosfera convencional

e modificada é de 705 mil toneladas. Com o crescimento da cultura da macieira, houve evolução

tecnológica que se refletiu no aumento de produtividade e qualidade, porém novos enfoques

deverão ser vislumbrados para o futuro, visando manter a atividade atrativa economicamente.

2 Produção de mudas

No final da década de 1970, foi constatado que as plantas de macieira apresentavam

reduzido crescimento, principalmente as do cv. Gala, sendo posteriormente diagnosticado que

tanto os porta-enxertos como o material de copa estavam altamente infectados por viroses. No cv.

Gala, a incidência do vírus lenho-mole (Apple rubbery wood) foi observada em 75% das plantas,

comprometendo o plantio desse cultivar naquela época. Com o propósito de disponibilizar

material livre de vírus, foram importados da Estação Experimental de East Malling, na Inglaterra,

material copa e porta-enxerto dos principais cultivares, os quais foram multiplicados e distribuídos

pela Empasc aos viveiristas. Esse material propiciou maior desenvolvimento das plantas e

consequente aumento de produtividade, de 25% a 50%. Essa melhoria na condição sanitária do

material genético viabilizou a utilização de porta-enxertos ananizantes, o que permitiu o aumento

da densidade de plantio.

A qualidade fitossanitária da muda é um dos fatores mais importantes na lucratividade de

um pomar, pois se refletirá durante a vida produtiva do pomar, podendo ser um dos principais

fatores que reduzem a produtividade. Uma das grandes evoluções dos últimos anos é a produção

Page 122: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

122

de mudas pré-formadas para plantios em sistemas de alta densidade. Essas mudas possuem

galhos e esporões já formados no viveiro, estando aptas a entrar precocemente em produção,

além de permitirem a redução dos trabalhos de arqueamento e poda.

3 Porta-enxertos

A escolha do porta-enxerto é um dos fatores que mais geram duvida ao produtor, visto

que está fortemente ligada à escolha da densidade de plantio e ao sistema de condução. No Brasil,

o início do plantio de pomares comerciais foi realizado com o porta-enxerto MM106, o qual se

mostrou muito suscetível à podridão do colo (Phythophtora cactorum) (Boneti et al., 1999). Em

consequência, foram buscadas alternativas, como o M7 e Marubakaido, sendo o primeiro

suscetível ao pulgão-lanígero (Eriosoma lanigerum) e a rebrotações no colo das plantas, e o

segundo muito vigoroso, porém com muita rusticidade e adaptação aos solos de baixa fertilidade,

permitindo seu plantio sem tutoramento. Outros porta-enxertos foram introduzidos, como

MM111 e MI793, os quais não tiveram sucesso devido a seu excessivo vigor.

Para a redução do vigor e a indução à precocidade de frutificação, com a utilização do

Marubakaido, foi desenvolvida e adotada a tecnologia do interenxerto, com M9. Com os plantios

em alta densidade na década de 1990, foi introduzido nos novos plantios o M9, um porta-enxerto

ananizante que induz frutificação precoce. Embora apresente alta produtividade, o M9 necessita

de um sistema de tutoramento, o que aumenta o custo de implantação, bem como a adequação

dos níveis de fertilidade e acidez do solo de forma mais atenta. Dos novos porta-enxertos

desenvolvidos, destacam-se os da série americana Geneva, que apresentam características

agronômicas adequadas para o plantio no Brasil, tais como capacidade de induzir melhor brotação

à copa (Denardi et al., 2012), fator importante para as regiões com menos de 1.200 metros de

altitude. Segundo Cummins e Aldwncle (1983), a série Geneva apresenta indução de alta precocidade

de frutificação, resistência às principais doenças e pragas de solo, facilidade de propagação pelos

métodos convencionais, ausência de rebrotações e burrknots, boa compatibilidade de enxertia

com a copa e boa capacidade de sustentação da copa. Tais características foram confirmadas por

Fazio et al. (2013), acrescentando ainda modificações da arquitetura de ramos e raízes, tolerância

ao replantio e aumento da produtividade. Os porta-enxertos ananizantes G.213 e G.202 e o

semiananizante G.210 poderão ser utilizados nos futuros plantios.

4 Cultivares

O sucesso com a cultura da macieira no Brasil está ligado aos avanços tecnológicos que

acompanharam a cultura. Um dos principais fatores a considerar nesse sucesso são os cultivares

utilizados. Nos primeiros plantios foram utilizados os cvs. Golden Delicious, Starkimson, Blackjon e

Melrose. Entretanto, eles foram rapidamente substituídos por ‘Gala’ e ‘Fuji’, as quais despontavam

em nível internacional como cultivares promissores. Atualmente, representam 14,89% e 7,20% da

Page 123: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

123

produção mundial respectivamente. Estima-se que em 2020 estarão na terceira colocação em

volume mundial de produção.

No Brasil, os grupos de Gala e de Fuji representam em torno de 60% e 30% da produção

respectivamente. Já a partir do início da década de 1980, foram introduzidos clones destes

cultivares, com melhor coloração: Royal Gala, Imperial Gala, Maxi Gala, Brookfield, Fuji Suprema,

Fuji Seleta e Mishima, que possibilitaram viabilizar a exportação e, assim, atender às exigências de

consumo do mercado externo. Para as regiões com pouco frio destaca-se o cv. Eva, que é

comercializado nos meses de dezembro e janeiro. Novos cultivares oriundos dos trabalhos de

melhoramento genético, como Daiane e Monalisa, vêm sendo introduzidos, porém ainda

representam menos de 5% da área plantada.

É indiscutível a necessidade da ampliação do número de cultivares utilizados no Brasil

para que seja possível realizar o escalonamento de colheita com consequente melhor utilização da

mão de obra. Além disso, os atuais cultivares plantados também apresentam problemas de

adaptação em grande parte das regiões produtoras, além de serem suscetíveis à sarna e à mancha

de glomerela. Novos cultivares com resistência a doenças deverão facilitar o desenvolvimento de

sistemas de cultivo agroecológico com consequente redução no uso de agroquímicos.

5 Introdução e adaptação de métodos de plantio de macieira em alta densidade

No início da década de 1970, os primeiros plantios foram conduzidos no sistema de Taça,

com densidade de plantio de 550 a 800 plantas.ha-1. Com o uso de material genético livre de vírus,

porta-enxertos ananizantes, interenxertos e sistema de condução em líder central foi possível

utilizar altas densidades de plantio, com espaçamentos de 3,5 a 4,5m x 0,8 a 1,5m com um

estande de planta de 1.500 a 3.500 plantas.ha-1. Sendo assim, a aplicação dessa tecnologia

proporcionou aumento da produção por unidade de área, precocidade na entrada em frutificação,

redução da utilização de mão de obra no manejo de pomares e, consequentemente, aumento da

rentabilidade do agronegócio da maçã.

A utilização dessas tecnologias de manejo de pomares pode ser considerada um dos

maiores avanços na cultura da macieira em relação ao seu início no Brasil. O aumento da

densidade de plantio é um dos fatores mais importantes no aumento da produtividade, o que foi

possível com os porta-enxertos ananizantes. Essa tecnologia está bem desenvolvida na cultura da

macieira, porém as demais fruteiras de clima temperado também já estão em desenvolvimento,

pois essa tendência é irreversível. Nas Tabelas 1 e 2 é possível observar a influência da densidade

de plantio no aumento da produtividade. Nos novos plantios será necessária a preocupação não

somente com a densidade de plantio, mas também com formas de condução de copa estreita que

facilitem os trabalhos de poda e colheita e, assim, possibilitem a melhoria de qualidade da fruta.

Afora esses aspectos, a uniformidade das plantas no pomar torna-se fundamental para o aumento

de produtividade, pois com a identificação do percentual de plantas com produção abaixo da

média é possível corrigir tal problema (Figura 1).

Page 124: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

124

Tabela 1. Influência da densidade de plantio sobre a produtividade (t.ha-1

) do cultivar Royal Gala/M9 em São Joaquim. Caçador, SC, 2014

Espaçamento 2o

ano 3o

ano 4o

ano 5o

ano 6o

ano 7o

ano 8o

ano 9o

ano 10o

ano

4,0 x 0,5m 23,8 45,4 57,0 48,4 61,6 56,3 43,8 61,4 81,2

4,0 x 1,0m 23,9 29,5 42,9 42,5 53,4 41,8 38,7 41,5 68,0

4,0 x 1,5m 12,7 22,9 34,5 31,4 40,8 37,8 28,9 37,9 49,6

Fonte: Pereira (2007).

Tabela 2. Influência da densidade de plantio sobre a produtividade (t.ha

-1) do cultivar Fuji/M9 em São Joaquim.

Caçador, SC, 2014

Espaçamento 2o

ano 3o

ano 4o

ano 5o

ano 6o

ano 7o

ano 8o

ano 9o

ano 10o

ano

4,0 x 0,5m 33,3 62,2 51,4 62,3 84,2 71,7 68,1 89,3 111,0

4,0 x 1,0m 21,3 50,2 44,1 49,9 71,6 65,6 62,2 68,5 93,5

4,0 x 1,5m 12,4 41,4 26,5 41,2 52,8 52,4 59,4 58,9 70,6

Fonte: Pereira (2007).

Figura 1. Variabilidade de produção em pomar de macieira cv. Gala. Fraiburgo,SC, 2014

6 Desenvolvimento da tecnologia de raleio37 químico

Esta tecnologia gera grande impacto na fruticultura brasileira, uma vez que o raleio

químico reduz consideravelmente a necessidade mão de obra e, consequentemente, o custo de

produção. Além do aspecto econômico, pomares tratados com agentes químicos de raleio tendem a

produzir frutas de melhor qualidade, com aumento do peso médio dos frutos e maior regularidade

de produção, evitando-se a alternância de produção.

37

Nota do revisor: Apesar de o termo dicionarizado ser “raleamento”, é comum na literatura agrícola o termo “raleio”.

Page 125: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

125

7 Uso de reguladores de crescimento

O uso de substâncias reguladoras de crescimento é importante no manejo do pomar

visando melhorar a qualidade dos frutos, manter a regularidade da produção, promover o

aumento do calibre e melhorar a forma dos frutos, incrementar a frutificação efetiva, reduzir a

incidência de russeting, reduzir o excesso de frutos, melhorar a coloração dos frutos, controlar a

queda de frutos na pré-colheita e controlar o crescimento das plantas. Com esses objetivos em

conjunto, seu uso contribuirá para a redução da necessidade de mão de obra. Um exemplo do

avanço no uso de reguladores de crescimento é o escalonamento da colheita do cv. Gala.

O uso de reguladores de crescimento que retardam a maturação dos frutos em até 25

dias permite também racionalizar o uso da mão de obra, reduzir o número de repasses na colheita,

aumentar o calibre dos frutos e melhorar potencial de armazenagem do cultivar. O controle do

crescimento das plantas possibilita importantes benefícios aos produtores de maçã, reduzindo

mão de obra de poda e melhorando a eficiência dos tratamentos fitossanitários. Nesse contexto, a

aplicação de reguladores de crescimento mostra-se eficiente e deverá ser incorporada ao sistema

de produção das fruteiras de clima temperado.

8 Mecanização

Uma das principais demandas dos produtores do setor está voltada para o desenvolvi-

mento de pesquisas que possibilitem a obtenção de máquinas capazes de aumentar a eficiência

das diversas atividades de manejo nos pomares. Embora a completa mecanização do pomar seja

uma tarefa difícil, algumas atividades, como poda, raleio e colheita, podem ter redução de suas

atividades manuais. Como exemplos de equipamentos que reduzem o uso de trabalhos braçais

podemos citar plataformas de colheita, carrinho de transporte de bin, plantadeira de mudas,

roçadeira trituradora, tesouras de poda elétrica e pneumáticas. As plataformas deverão ser

introduzidas mesmo na pequena propriedade para os trabalhos de poda, raleio e colheita,

substituindo o uso de escadas de colheita, proporcionando maior eficiência dos trabalhos,

diminuindo os custos de mão de obra e, consequentemente, ampliando a rentabilidade da

atividade. Com a mecanização, pode-se fazer mais com a mesma quantidade de pessoas.

9 Produção integrada e certificação

O programa de produção integrada de maçã (PIM) foi pioneiro no Brasil. Seu

desenvolvimento foi iniciado em 1996, e já no ano agrícola 2002/03 foi implantado o sistema de

certificação, com adesão voluntária junto às entidades certificadoras (Fioravanço, 2009).

Atualmente, na região Sul, aproximadamente 60% da área cultivada com macieira adota esse

sistema (Anuário, 2008).

A PIM foi o primeiro sistema a desenvolver as normas e a obter a certificação oficial do

Ministério da Agricultura, tendo sido ampliado para outras culturas. Além desse sistema, os

produtores adotam outros sistemas de certificação, como Global Gap. Isso permite não só a

Page 126: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

126

rastreabilidade da fruta mas também a segurança ao consumidor, pois seguidores desses sistemas

somente utilizam produtos registrados para a cultura, produzido frutos com garantia da isenção

de resíduos químicos acima dos limites permitidos. A PIM permitiu ao Brasil atingir um novo

patamar de produção, com foco na melhoria da qualidade, segurança alimentar e preservação do

meio ambiente (Mello, 2004). A tendência é que o produtor deverá adaptar-se a um sistema de

certificação que assegure uma fruta com rastreabilidade, sendo também o produtor obrigado a

utilizar técnicas que levem aos princípios da sustentabilidade.

10 Fatores climáticos

Mudanças climáticas podem estar ocorrendo e temos observado temperaturas anormais

e outros eventos climáticos com reflexos negativos na produção de frutas. A proteção das

adversidades climáticas, como cobertura antigranizo, prevenção e controle de geadas e

monitoramento climático para manejo de pragas e doenças deverão ser incorporados aos

sistemas de produção.

Referências

ANUÁRIO BRASILEIRO DA FRUTICULTURA 2008. Rede protetora. Santa Cruz do Sul: Gazeta, 2008. p.44-45.

BONETI, J.I.S.; RIBEIRO, L.G.; KATSURAYAMA, Y. Manual de identificação de doenças e pragas da macieira. Florianópolis: Epagri, 1999. 149p.

CUMMINS, J.N.; ALDWINCKLE, H.S. Apple rootstock breeding. In: JANICK, J. Plant breeding reviews. Westport: Avi Publishing Co. 1983. 297p.

DENARDI, F.; KVITSCHAL, M.V.; BASSO, C.; SCHUH, F.S.; MANENTI, D.C.; VEZARO, D. Efeito de porta-enxertos na indução de brotação à copa da cultivar de macieira Monalisa. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 22., 2012, Bento Gonçalves, RS. Anais... Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho, 2012, p.3432-3435.

FIORAVANÇO, J.C. Maçã brasileira: Da importação à auto-suficiência e exportação - A tecnologia como fator determinante. Informações Econômicas, SP, v.39, n.3, pp.56-67. Mar. 2009.

FRAZIO, G.; ALDWINCKLE, H.; ROBISON, T. Unique characteristics of Geneva apple rootstocks.In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 13., 2013, Fraiburgo. Anais... Caçador: Epagri, v. 1 (palestra), 2013. p.1-10.

ICEPA. Síntese anual da agricultura de Santa Catarina – 2012/2013. Florianópolis, SC: Instituto Cepa, 2013. 178p.

KREUZ, C.L.; BERNARDI, J. História e importância da macieira. In: Manual da Cultura da Macieira. Florianópolis: Epagri, 1986. 562p.

MELLO, L.M.R. de. Produção e mercado brasileiro de maçã. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho. (Comunicado Técnico, 50). 2004.

PEREIRA, A.J. Efeito dos porta-enxertos M.9 e M.26, na densidade de plantio da macieira, cvs. Royal Gala e Fuji. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO, 10., 2007, Caçador, SC. Anais... Caçador: Epagri, 2007. p.195-201.

Page 127: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

127

Resumos dos pôsteres

Page 128: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

128

1

EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE ERGER® NA INDUÇÃO DA BROTAÇÃO DE MACIEIRAS ‘MAXIGALA’ E

‘FUJI SUPREMA’. COUTO, M.; PETRI, J.L.; GABARDO, G.C.; FRANCESCATTO, P.; FENILI, C. Epagri/Estação

Experimental de Caçador. Rua Abílio Franco, 1500, C.P. 591, 89500-000 Caçador, SC.

[email protected]

Objetivou-se adequar a concentração de Erger® para promover a indução da brotação em macieiras. O

experimento foi conduzido em pomar experimental no município de Caçador, SC, nos ciclos 2012/13 e

2013/14. Usaram-se plantas de ‘MaxiGala’ e ‘Fuji Suprema’ com 7 anos de idade sobre o interenxerto

Marubakaido/M-9. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com oito tratamentos e

cinco repetições, compostas por uma planta. Os tratamentos foram: testemunha; Nitrato de cálcio

[Ca(NO3)2] 3%; Assist® 3,5% + Dormex® 0,7%; Erger® 1% + Ca(NO3)2 3%; Erger® 2% + Ca(NO3)2 3%; Erger® 3%

+ Ca(NO3)2 3%; Erger® 4% + Ca(NO3)2 3%; Erger® 5% + Ca(NO3)2 3%. Avaliou-se a fenologia, a brotação de

gemas axilares e terminais (%) e a frutificação efetiva (%). No ciclo 2012/13, para ambos os cultivares,

observaram-se em todos os tratamentos percentuais de brotação de gemas axilares e terminais

superiores aos da testemunha, à exceção do tratamento somente com Ca(NO3)2 3%, que não diferiu da

testemunha. Já a frutificação efetiva foi menor, em comparação com a testemunha, para todos os

tratamentos. Os resultados obtidos no ciclo 2013/14 foram similares aos obtidos no ciclo anterior. Vale

salientar, que de forma geral, a partir da concentração de Erger® 3% + Ca(NO3)2 3,0% obtiveram-se

respostas na brotação de gemas axilares e terminais(%) similares às do tratamento de Assist®

3,5%+Dormex® 0,7%.

2

CONTROLE DE MOSCAS-DAS-FRUTAS (Anastrepha fraterculus; DIPTERA, TEPHRITIDAE) POR ISOLAMENTO

TOTAL DE POMAR COM TELA SINTÉTICA. ¹NORA, I.; ²VALMORBIDA, E. ¹Epagri/Estação Experimental de

Caçador, Rua: Abílio Franco, 1500, C.P. 591, 89500-000 Caçador, SC. ¹[email protected];

²Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel/Universidade Federal de Pelotas, C.P. 354, 96010-900 Pelotas, RS

O cultivo da macieira é uma atividade relevante no sul do Brasil. A mosca-das-frutas é a principal praga

da cultura e afeta a cultura todos os anos. Com o objetivo de desenvolver uma tecnologia racional de

controle da praga, executou-se a cobertura total de um pomar comercial de macieiras (250 plantas

adultas). Utilizou-se, na cobertura: tela branca clarite 1003, malha de 1,5mm; na lateral: tela clarite

citros, branca malha de 1mm, fixada a 4m acima do solo. A disposição da cobertura foi do tipo espaldeira

dotada de elásticos (Styka), que permitem abertura e fechamento automáticos da tela, possibilitando a

descarga de neve ou granizo. Os dados são preliminares, entretanto já foi possível constatar que a mosca

não ultrapassa a tela. Portanto, os frutos não são danificados por ela. Com essa perspectiva, os

agrotóxicos impactantes podem ser dispensados do programa de controle da praga. Além de dípteros,

outros artrópodes da Coleoptera, Lepidoptera, Hemiptera, Hymenoptera e aves, quadrúpedes, granizo e

neve são controlados com esse tipo de proteção. Assim, é possível produzir alimentos com menos

agrotóxicos e com menor custo de produção. Essa é uma tecnologia ambiental e economicamente viável

para hortifrutigranjeiros de pequeno porte, cooperativas ou para megaempresas.

Financiador: Fapesc.

Page 129: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

129

3

FORMAS DE K EM SOLO CULTIVADO COM CABERNET SAUVIGNON E SUBMETIDO À ADUBAÇÃO

POTÁSSICA. CIOTTA, M.N.; CERETTA, C.A.; BRUNETTO, G.; NAVA, G.; MARCHEZAN, C. Universidade Federal

de Santa Maria, Av. Roraima, 1000, Camobi, Santa Maria, RS, e-mail: [email protected]

A adubação potássica e o cultivo de videiras podem alterar as formas de potássio (K) no solo. O trabalho

objetivou avaliar as formas de K em solo cultivado com Cabernet Sauvignon e submetido à adubação

potássica. O experimento foi realizado em um vinhedo instalado em 2010 em São Joaquim, SC. Os

tratamentos foram cinco doses de fertilizante potássico (0, 50, 100, 150 e 200kg K2O.ha-1.ano-1). Nos anos

agrícolas 2010/11, 2011/12 e 2012/13, foram coletadas amostras de solo na camada de até 20cm,

preparadas e submetidas à análise de K trocável extraído por Mehlich1, K não trocável extraído por

HNO31N fervente, e o K total, extraído por HF concentrado. Nos três anos, os teores de K trocável, não

trocável e total aumentaram linearmente com o aumento das doses de K aplicadas no solo. O maior teor

de K extraído por Mehlich1 e por HNO3 no solo sem a aplicação de fertilizante potássico e com a adição

de 50kg.ha-1 de K2O foi observado na safra de 2010/11, comparativamente ao ano 2011/12 e 2012/13. O

K total foi maior no ano 2012/13, com a adição de 150 ou 200kg.ha-1 de K2O. A diminuição ao longo das

safras do K trocável e não trocável sem adição do fertilizante potássico ou com a adição de 50kg .ha-1 de

K2O.ano-1 ocorreu porque as videiras absorveram K do solo, e o nutriente foi exportado do vinhedo pelos

cachos de uva e restos de poda.

4

SISTEMA DE CONDUÇÃO ESPALDEIRA APRESENTA MENOR INTENSIDADE DE MÍLDIO DA VIDEIRA

(Plasmopara viticola) NA VARIEDADE CABERNET SAUVIGNON EM SÃO JOAQUIM, SC. DE BEM, B.P.;

GONÇALVES, M.J.; ALLEBRANDT, R.; DELLA BRUNA, D.; BOGO, A. Udesc/CAV/Departamento de Fitopatologia,

Lages, SC, e-mail: [email protected]

Regiões de elevada altitude em Santa Catarina vêm-se destacando pela produção de vinhos finos de alta

qualidade. O míldio da videira é uma das principais doenças que afetam o cultivo de uvas Vitis vinifera na

região. O objetivo do trabalho foi determinar o efeito dos sistemas de condução manjedoura e espaldeira

no controle do míldio na variedade Cabernet Sauvignon. O experimento foi realizado em vinhedo

comercial localizado no município de São Joaquim, SC, no ciclo 2012/13. O delineamento experimental

foi em blocos ao acaso, com três blocos e quatro repetições. A parcela experimental constituiu-se de 25

folhas, ramos e cachos avaliados aleatoriamente. A severidade da doença foi avaliada pela escala

diagramática após o surgimento do primeiro sintoma em condições de infecção natural, com intervalos

de 15 dias. Com os dados obtidos foram calculados: a área abaixo da curva de progresso da doença

(AACPD), o tempo para atingir a máxima incidência e severidade da doença (TAMID e TAMSD), o início do

aparecimento dos sintomas (IAS) e o valor máximo da severidade da doença (ymax). As plantas conduzidas

em espaldeira apresentaram menores valores de AACPD, com decréscimo da severidade da doença de

19,3% em relação ao sistema em manjedoura. Quanto ao TAMID, ao TAMSD, ao IAS e ao ymax não houve

diferenças estatísticas. O sistema de condução em espaldeira apresentou menor intensidade de míldio da

videira em São Joaquim, SC.

Page 130: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

130

5

INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE THIDIAZURON SOBRE OS TEORES MINERAIS EM POLPA DE MAÇÃ

‘DAIANE’. SCHVEITZER, B.; PETRI, J.L.; COUTO, M.; GABARDO, G.C. Epagri/Estação Experimental de Caçador,

Rua Abílio Franco, 1500, C.P. 591, 89500-000 Caçador, SC, e-mail: [email protected]

O uso de reguladores de crescimento com ação de citocininas aplicados na floração da macieira pode

aumentar a frutificação efetiva. Nesse sentido, o regulador de crescimento Thidiazuron (TDZ) apresenta

ação direta no aumento da frutificação efetiva, no tamanho e na forma dos frutos. A composição

nutricional dos frutos, especialmente o teor de Ca e as relações N/Ca, K/Ca e K + Mg/Ca, influi na

capacidade de conservação dos frutos e na ocorrência de distúrbios fisiológicos durante sua

armazenagem e comercialização. O objetivo do trabalho foi verificar a influência da aplicação de TDZ nos

teores minerais de polpa fresca da maçã ‘Daiane’. Foi estudado o efeito de concentrações de 5, 10, 15,

20 e 25ppm, aplicado no estádio E2 a F2 e 10ppm+10ppm no estádio E2 e F2 respectivamente. Avaliaram-se

fatias longitudinais, cunha inteira e cunha da porção calicinar da fruta. Foram determinados os teores

dos minerais N, P, K, Ca, Mg e suas relações na polpa fresca de frutos. Com os resultados da análise

nutricional obtidos, observou-se que as concentrações de TDZ não tiveram efeito sobre os teores

nutricionais da polpa dos frutos, exceto para P e Ca. Entretanto, na amostra da parte inferior do fruto,

observou-se diferença em todos os teores minerais, à exceção do N, e apenas a relação N/Ca foi

influenciada pelas concentrações de TDZ. Aplicações de TDZ não alteram o potencial de armazenamento

dos frutos da macieira ‘Daiane’.

6

INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE ÁCIDO ABSCÍSICO SOBRE A SENESCÊNCIA DE FOLHAS DA MACIEIRA.

ESPERANÇA, C.F.; PETRI, J.L.; GABARDO, G.C.; SCHVEITZER, B.; RUFATO, A. Mestranda em Produção Vegetal,

Udesc/CAV, Lages, SC, e-mail: [email protected]

A macieira necessita que ocorra a queda das folhas no outono para iniciar o novo ciclo na primavera. Em

regiões de outono e inverno amenos, os processos de maturação e queda das folhas das macieiras são

retardados, podendo não ocorrer. Pela diversidade de clima para cultivo da macieira, há sempre dúvida

se a desfolha deve ou não ser feita e se existe alguma influência na brotação e no conteúdo de reservas

nutricionais da planta para o início do ciclo seguinte. O objetivo foi determinar os efeitos da aplicação

exógena de ácido abscísico (ABA) antes da queda das folhas em macieiras ‘Fuji Suprema’ e ‘Daiane’.

Foram avaliadas senescência das folhas, concentração de nitrogênio, carbono, relação C/N em ramos e

gemas, brotação das gemas, porcentagem de matéria seca e produção de frutos. Utilizaram-se as doses

de 0,75, 1.500ml.L-1, 750 + 750ml.L-1 e 1.500 + 1.500ml.L-1 de ABA. Os resultados indicam a entrada em

senescência das folhas com o uso de ABA, observada 7 dias após a aplicação, com elevado percentual de

queda de folhas em relação ao tratamento controle. Todas as doses de ABA desfolharam mais de 95%

aos 60 dias após a aplicação, enquanto na testemunha foi inferior a 60%. A relação C/N nos ramos e nas

gemas não foi alterada, bem como as demais variáveis observadas. Conclui-se que o ABA é eficiente na

indução da senescência de folhas de macieira em condições de inverno ameno.

Page 131: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

131

7

BLUPRINS® COMO INDUTOR DE BROTAÇÃO DA MACIEIRA. FENILI, C.L.; PETRI, J.L.; GABARDO, G.C.; COUTO,

M.; ESPERANÇA, C.F. Acadêmico de agronomia, Uniarp, Caçador, SC, e-mail: [email protected]

Apesar da existência de grande número de substâncias eficazes na indução da brotação, poucas são

aceitas e utilizadas comercialmente, e o alto custo e a elevada toxicidade dos compostos são os

principais fatores restritivos. Ante a necessidade de disponibilizar produtos com menor toxicidade e

agressão ao meio ambiente e ao aplicador, o desenvolvimento de compostos que possuam tais

características aliadas à eficiência na indução da brotação é almejado. BluPrins® é um bioestimulante

composto de aminoácidos, polissacarídeos, nitrogênio e cálcio. Os experimentos foram conduzidos em

delineamento experimental de blocos ao acaso, com sete tratamentos e cinco repetições, nOs cultivares

MaxiGala, Fuji Suprema e Daiane. Os tratamentos foram: 1. Testemunha; 2. Assist® 3,5% + Dormex® 0,7%

(padrão); 3. Bluprins® 3% + Ca(NO3)2 3%; 4. Bluprins® 5% + Ca(NO3)2 3%; 5. Bluprins® 3% + Ca(NO3)2 5%; 6.

Bluprins® 5% + Ca(NO3)2 5%; 7. Bluprins® 3% + Ca(NO3)2 3% + NH4(NO3) 3%; 8. Bluprins® 5% + Ca(NO3)2 4%

+ NH4(NO3) 4%. Foram avaliadas a fenologia, a brotação de gemas terminais e axilares (%), a frutificação

efetiva (%) e a produção. Na ‘Fuji Suprema’ a brotação das gemas axilares foi superior em todos os

tratamentos em comparação com a testemunha. Em ‘Gala’ e ‘Daiane’ o tratamento de Assist® 3,5% +

Dormex® 0,5% foi superior aos demais. BluPrins® em mistura com nitrato de cálcio mostrou ação na

indução da brotação da macieira.

8

TROCAS GASOSAS EM FOLHAS DESTACADAS DE MACIEIRA. SILVA, C.D.S; BIANCHI, V.J.; GABARDO, G.C.;

FENILI, C.L.; COUTO, M. Universidade Federal de Pelotas/Departamento de Botânica, C.P. 354, 96010-900

Capão do Leão, RS, e-mail: [email protected]

A análise de parâmetros da fotossíntese de plantas diretamente no campo tem sido facilitada pelo uso de

aparelhos portáteis, porém os obstáculos entre plantas, o sombreamento e a altura das folhas podem

dificultar a tomada das leituras. O destacamento de folhas-amostra poderia solucionar esse problema.

Sendo assim, este trabalho teve por objetivo comparar as medidas de trocas gasosas entre folhas

destacadas e não destacadas completamente expandidas e sadias de brindilas de macieira cultivar Fuji. O

experimento foi conduzido na Epagri/Estação Experimental de Caçador em dezembro de 2013. Os cinco

tratamentos, com oito repetições, consistiram na análise de folhas ligadas à planta e na análise aos 15,

30, 45 e 60 segundos após o destacamento das folhas da planta. Para as medidas foi utilizado um

analisador portátil de CO2 a infravermelho (IRGA), com concentração de CO2 na câmara ajustada para

380mol.mol-1 e densidade de fluxo de fótons em 1.400µmol.m-2.s-1, no período das 10h30 às 11h30.

Avaliou-se a taxa assimilatória líquida de CO2, condutância estomática, taxa transpiratória, concentração

intercelular de CO2, eficiência do uso da água e tempo de estabilização da leitura em segundos. Concluiu-se

que as medidas de trocas gasosas, obtidas pelo IRGA, em até 60 segundos depois de as folhas serem

destacadas, não diferem das folhas ligadas à planta, podendo facilitar e agilizar a coleta de dados.

Page 132: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

132

9

CONCENTRAÇÃO DE THIDIAZURON NA FRUTIFICAÇÃO DA MACIEIRA ‘ROYAL GALA’. FAGUNDES, E.; PETRI,

J.L.; SCHVEITZER, B.; GABARDO, G.C.; COUTO, M. Mestrando em Produção Vegetal, Udesc/CAV, Lages, SC,

e-mail: [email protected]

Um dos entraves no cultivo da macieira e da pereira na região Sul do Brasil é a baixa frutificação efetiva

que ocorre em alguns anos, principalmente quando ocorrem chuvas durante o florescimento. O objetivo

do trabalho foi estudar o efeito de concentração de Thidiazuron (TDZ) sobre a frutificação efetiva e

produção em condições de invernos amenos. O experimento foi conduzido durante os ciclos 2011/12,

2012/13 e 2013/14 em Fraiburgo, SC, em macieiras do cultivar Royal Gala em porta-enxerto

Marubakaido com filtro de M9. Avaliou-se o efeito de TDZ em diferentes concentrações (0, 5, 10, 15, 20,

25ppm), aplicado nos estádios E2 e E2 + F2. As variáveis analisadas foram: produção por planta

(kg.planta-1), número médio de frutos por planta (frutos.planta-1), produção (kg.planta-1), frutificação

efetiva ([número de frutos/número de inflorescências] x 100) e o índice de alternância. O delineamento

experimental utilizado foi blocos ao acaso, com 12 tratamentos e seis repetições de uma planta. TDZ

aumentou significativamente a frutificação efetiva nos três ciclos, porém não houve diferenças entre

uma e duas aplicações. Os tratamentos de TDZ 10 e 25ppm aplicados no estádio E2 e TDZ 15ppm no

estádio E2 + TDZ 15ppm no estádio F2 apresentaram produções superiores ao tratamento testemunha

em dois anos. Nos três anos, no melhor tratamento, houve aumento de 73,2% na produção em relação

ao tratamento testemunha. Houve formação de frutos partenocárpicos pela aplicação de TDZ,

aumentando a frutificação em condições de geadas.

10

INCIDÊNCIA DE DOENÇAS EM PLANTAS DE MACIEIRA TRATADAS COM REDUTORES DE CRESCIMENTO.

GABARDO, G.C.; PETRI, J.L.; FENILI, C.L.; SILVA, C.D.S.; COUTO, M. Mestrando em Produção Vegetal,

Udesc/CAV, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O excessivo crescimento vegetativo da macieira durante seu ciclo favorece a incidência de doenças

foliares e também dos frutos devido à dificuldade de se atingir a copa durante a realização do manejo

fitossanitário. Os redutores de crescimento sintéticos promovem paralizações no crescimento vegetativo

da planta, o que diminui a necessidade de poda e facilita os tratos culturais. O objetivo foi avaliar a

incidência de doenças em macieiras ‘Castel Gala’ tratadas com redutores do crescimento. O experimento

foi delineado em blocos casualizados, com oito tratamentos e cinco repetições, no município de Caçador,

SC, no ciclo 2013/14. Os tratamentos foram: 1. Sem aplicação (Controle); 2. Moddus® 80ml-PF; 3.

Moddus® 80ml-10cm; 4. Moddus® 80ml-30cm; 5. Moddus® 160ml-PF; 6. Moddus® 160ml-10cm; 7.

Moddus® 160ml-30cm e 8. Viviful® 120g.100L-1-30cm. Avaliou-se a incidência de sarna (Venturia

inaequalis) e mancha de glomerella (Colletotrichum gloeosporioides, C.) nas folhas quinzenalmente, a

partir dos 120 dias após a brotação, e nos frutos colhidos com sintomas. Para as folhas calculou-se a área

abaixo da curva de progresso da doença, e para os frutos a porcentagem de frutos com lesões. Não se

observou redução na incidência de ambas as doenças nas folhas. Entretanto, verificou-se menor

incidência de sarna nos frutos dos tratamentos 2, 3, 4, 5 e 7. No tratamento 5 a incidência foi de 5,8%,

enquanto no controle foi de 28,3%.

Page 133: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

133

11

ÉPOCA DE APLICAÇÃO E CONCENTRAÇÃO DE METAMITRON NO RALEIO38 QUÍMICO DA MACIEIRA ‘FRED

HOUGH’. PETRI, J.L.; COUTO, M.; GABARDO, G.C.; FRANCISCATTO, P. Epagri/Estação Experimental de

Caçador, e-mail: [email protected]

Devido às condições de clima do Sul do Brasil, a frutificação efetiva da macieira é muito variável de ano

para ano. O uso de raleadores químicos de floração torna-se uma decisão de risco, e é mais seguro

determinar a necessidade e a intensidade do raleio químico após a fecundação. Recentes estudos

mostram a eficiência do metamitron (inibidor da atividade de fotossíntese) no raleio de pós-floração. O

objetivo do estudo foi avaliar a resposta de duas concentrações em três épocas de aplicação do

metamitron, isolado ou em mistura com benziladenina, no raleio de ‘Fred Hough’. O experimento foi

delineado em blocos ao acaso, com dez tratamentos e cinco repetições. Foram avaliadas: a frutificação

efetiva (%); o número de cachos florais com frutos e de frutos por cacho floral; a produção (kg.planta-1), a

massa fresca média dos frutos (g) e o retorno de floração. No ciclo 2012/13, metamitron a 384ppm e

768ppm, isolado ou em mistura com BA e aplicados em frutos de 5 a 15mm, aumentaram a queda de

frutos quando, comparado à testemunha, reduziu-se a frutificação efetiva, o número de frutos por cacho

floral e a produção, a qual foi similar ao raleio manual. No ciclo 2013/14 metamitron a 240ppm e

480ppm reduziu a percentagem de frutos raleados, porém foi mais eficiente quando em mistura com BA,

comparando-se ao raleio manual. Isolado ou em mistura com BA, metamitron é eficiente no raleio da

macieira quando aplicado em frutos de 5 a 20mm no cv. Fred Hough, que é pouco responsivo aos

raleadores químicos.

12

INCIDÊNCIA DE MANCHAS FOLIARES EM PLANTAS JOVENS DE MACIEIRA TRATADAS COM REDUTORES DE

CRESCIMENTO. FORNARI, M.R.; GABARDO, G.C.; PETRI, J.L.; FENILI, C.L.; SILVA, C.D.S. Mestrando em

Produção Vegetal, Udesc/CAV, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O crescimento excessivo da parte aérea durante o ciclo vegetativo favorece a incidência de doenças

foliares devido à dificuldade de se atingir toda a copa com tratamentos fitossanitários. O objetivo do

trabalho foi avaliar a incidência de doenças foliares em plantas jovens de macieira (2º ano), ‘Maxigala’ e

‘Fuji Suprema’, tratadas com redutores de crescimento. O experimento foi conduzido em blocos ao

acaso, com seis tratamentos e seis repetições, no ciclo 2013/14 no município de Caçador, SC. Os

tratamentos foram: 1. Sem aplicação (controle); 2. Viviful® 120g.100L-1; 3. Moddus® 60ml.100L-1,

90ml.100L-1, 120ml.100L-1 e 150ml.100L-1 para ambos os cultivares. Avaliou-se a incidência de sarna

(Venturia inaequalis), marsonina (Diplocarpon mali) e mancha de glomerella (Colletotrichum

gloeosporioides, C.) nas folhas 120, 135, 150, 165, 180 e 210 dias após a brotação. Calculou-se a área

abaixo da curva de progresso da doença (AACPD) e os dados foram submetidos à analise da variância.

Não se observou redução da AACPD de mancha de marsonina e glomerela para ambos os cultivares.

Quanto à sarna, o tratamento controle apresentou os maiores valores de AACPD, 188,4 e 2.121,5. Os

demais tratamentos não diferiram entre si, e os menores foram 21,3 para Moddus® 120ml.100L-1 e 131,0

para Moddus® 90ml.100L-1 em ‘Maxigala’ e ‘Fuji Suprema’ respectivamente.

38

Nota do revisor: Apesar de o termo dicionarizado ser “raleamento”, é comum na literatura agrícola o termo “raleio”.

Page 134: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

134

13

EFEITO DE THIDIAZURON NA FRUTIFICAÇÃO DA MACIEIRA ‘DAIANE’ EM CONDIÇÕES ADVERSAS À

POLINIZAÇÃO. SCAPIN; V.L.V.; PETRI, J.L.; GABARDO, G.C.; COUTO, M. Acadêmica de Agronomia, Uniarp,

Caçador, SC, e-mail: [email protected]

Os reguladores de crescimento têm sido utilizados com diferentes propósitos na fruticultura. Como esses

compostos atuam como mediadores de processos metabólicos e fisiológicos, acredita-se que, em função

de sua composição, concentração e proporção das substâncias, aumentam a frutificação efetiva, a

produção e o tamanho final dos frutos em macieira. O objetivo do trabalho foi avaliar o efeito de

concentrações de Tidiazuron (TDZ) na frutificação efetiva e da produção da macieira. O experimento foi

conduzido durante os ciclos 2012/13 e 2013/14 em Caçador, SC, em macieiras ‘Daiane’. Avaliou-se o

efeito de TDZ em diferentes concentrações (0, 5, 10, 15, 20 e 25ppm), aplicado no estádio fenológico E 2 e

10ppm aplicados nos estádios E2 e F2. Foi avaliada a produção por planta (kg.planta-1 e frutos.planta-1),

massa fresca média de frutos (g), frutificação efetiva ([número de frutos/número de inflorescências]x100),

coloração vermelha dos frutos (%), resistência da polpa (lb.pol²), sólidos solúveis totais (°Brix) e índice de

iodo-amido. A frutificação efetiva foi superior nos tratamentos com TDZ somente no ciclo 2013/14. A

produção por planta em ambos os ciclos foi superior nos tratamentos com TDZ em comparação ao

tratamento testemunha. No ciclo 2013/14 a concentração de 10ppm foi superior às demais. TDZ reduziu

a cor vermelha dos frutos em 2012/13, não sendo observada resposta similar no ciclo seguinte.

14

AVALIAÇÃO DOS TEORES MINERAIS EM MAÇÃS DO CULTIVAR DAIANE NOS ANOS AGRÍCOLAS DE 2010 A

2014. SILVA, C.K.F.; SCHVEITZER, B. Estudante de Agronomia, Uniarp, Rua Victor Baptista Adami, 800,

89500-000 Caçador, SC, e-mail: [email protected]

A análise de frutos objetiva avaliar o equilíbrio nutricional próximo à colheita, permitindo prognosticar as

possíveis ocorrências de distúrbios fisiológicos e auxiliar na tomada de decisão quanto ao destino dos

frutos. Teores baixos de cálcio prejudicam a estabilidade das paredes celulares e a permeabilidade

seletiva das membranas, resultando em danos e necrose nos tecidos dos frutos. A composição

nutricional dos frutos, especialmente o teor de Ca e as relações N/Ca, K/Ca e K + Mg/Ca, tem relação com

a capacidade de conservação dos frutos e a ocorrência de distúrbios durante a armazenagem e a

comercialização. Este trabalho objetivou avaliar os nutrientes em maçãs ‘Daiane’ referentes aos anos

agrícolas de 2010 a 2014 em Fraiburgo, SC. Foram analisadas 10 amostras anuais, contendo 20 frutos,

sendo avaliados teores de nitrogênio (N), fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca) e magnésio (Mg). Os valores

médios de teores de Ca, com exceção do ano de 2010, foram superiores a 40mg.kg-1, e em 2011 e 2014

foram superiores a 46mg.kg-1. Os valores médios de teores de K obtidos foram superiores a 850mg.kg-1 e

em 2014 foram de aproximadamente 1.500mg.kg-1. Os valores médios de Mg encontrados em 2014

foram semelhantes aos encontrados em 2010, de aproximadamente 52mg.kg-1. Os valores médios de N

foram próximos a 340mg.kg-1, com exceção do ano de 2010. Os anos de 2010 e 2014 apresentaram

frutos com calibres idênticos (168g) e superiores aos demais anos (145g).

Page 135: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

135

15

FORMAÇÃO DE BLOCOS DE CRUZAMENTOS EM POPULAÇÕES DE FISALE DE CARACTERÍSTICAS

RELACIONADAS AO FRUTO. TREVISANI, N.; SCHMIT, R.; MELO, R.C.; LEÃO, J.; OLIVEIRA, M.T.A.D.

CAV/Udesc/Instituto de Melhoramento e Genética Molecular, Avenida Luís de Camões, 2090, Lages, SC,

e-mail: [email protected]

O objetivo foi avaliar a dispersão multivariada de populações de fisale com base em caracteres

relacionados ao fruto para a formação de blocos de cruzamentos. Foram avaliadas seis populações,

oriundas de Fraiburgo (1), Vacaria (2), Caçador (3), Lages (4) e de procedência colombiana (5) e peruana

(6). O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, com duas repetições. A unidade experimental é

composta por 25 plantas. As variáveis avaliadas foram massa dos frutos com e sem cápsula, diâmetro

equatorial dos frutos com e sem cápsula e diâmetro polar dos frutos com e sem cápsula. A análise de

variância multivariada indicou diferença significativa para o fator população (Pr < 0,05). Os resultados da

análise discriminante canônica apontam que as duas primeiras funções acumularam 88% da variação

total no conjunto das variáveis-resposta. As variáveis com maior peso na discriminação das populações

foram a massa dos frutos com cápsula (0,216) e o diâmetro equatorial dos frutos com cápsula (0,504),

obtidos pela taxa de discriminação paralela para a primeira função discriminante. Os cruzamentos foram

indicados com base nos escores canônicos padronizados devido à maior dispersão entre as populações.

Os blocos de cruzamentos serão compostos entre as populações 1 x 6, 1 x 2, 2 x 3 e 2 x 6. A população de

Vacaria foi a que apresentou a maior divergência, de forma que foi indicada para compor a maioria dos

cruzamentos.

16

CARACTERIZAÇÃO MULTIVARIADA DE POPULAÇÕES DE FISALE (Physalis peruviana L.). MELO, R.C.;

OLIVEIRA, M.T.A.D.; BECK, M.; CERUTTI, P.H.; TREVISANI, N. Udesc/CAV/Instituto de Melhoramento e

Genética Molecular, Avenida Luís de Camões, 2090, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O objetivo do trabalho foi caracterizar populações de fisale de diferentes origens, tais como Fraiburgo,

Vacaria, Caçador, Lages, Colômbia e Peru. O delineamento experimental foi de blocos casualizados, com

duas repetições. Os caracteres avaliados foram: massa de frutos (MF), massa da cápsula (MC), número de

sementes (NS), massa de mil sementes (MMS), diâmetro equatorial da cápsula (DEC), diâmetro polar da

cápsula (DPC), diâmetro equatorial do fruto (DEF), diâmetro polar do fruto (DPF), diâmetro do caule (DC),

altura da bifurcação (AB), altura da planta (AP), número de botões (NB), número de flores (NFL) e

número de frutos (NF). Para testar as hipóteses foi realizada a análise de variância multivariada, e

posteriormente contrastes multivariados (entre populações), e para verificar a contribuição das variáveis

utilizaram-se os coeficientes canônicos padronizados. A análise revelou existência de variabilidade entre

as populações avaliadas. As populações oriundas da Colômbia e do Peru, quando contrastadas, não

mostraram diferenças significativas. As mesmas populações também não indicam diferenças com a

população de Fraiburgo. Esse fato pressupõe que as três populações possuem caracteres morfológicos

semelhantes em virtude de sua constituição genética. As variáveis que predominantemente contribuíram

para a distinção das populações foram: NS, DPF, AB, AP e NB, enquanto MF e MC não contribuíram para

a distinção das populações neste estudo.

Page 136: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

136

17

CORRELAÇÃO CANÔNICA ENTRE CARACTERES VEGETATIVOS E REPRODUTIVOS EM POPULAÇÕES DE

FISALE NO PLANALTO SERRANO CATARINENSE. VEIGA, A.; TREVISANI, N.; BECK, M.; CERUTTI, P.; MELO,

R.C. Udesc/CAV/Instituto de melhoramento e genética molecular, Avenida Luís de Camões, 2090, Lages, SC,

e-mail: [email protected]

O objetivo do trabalho foi estimar a correlação canônica e as inter-relações entre os caracteres

vegetativos e reprodutivos em populações de Physalis peruviana L. O delineamento experimental

utilizado foi de blocos ao acaso, com duas repetições, e a unidade experimental foi composta por 25

plantas, sendo 5 amostradas. O primeiro grupo de variáveis analisadas (reprodutivas) foi constituído pela

massa do fruto, massa de mil sementes, número de sementes, diâmetros equatorial do fruto e diâmetro

polar do fruto. O segundo grupo (vegetativas) foi composto pelo diâmetro do caule, altura da bifurcação

e altura da planta. As correlações canônicas para o primeiro e segundo pares canônicos foram

significativas, indicando que há associações entre os dois grupos de variáveis. Pelos coeficientes do

primeiro par canônico, ficou evidenciado que plantas com menor diâmetro de caule (-0,106) e maior

estatura de planta (0,194) são determinantes no maior incremento da massa de mil sementes (0,209),

maior massa de frutos (0,071), maior número de sementes (0,217) e maior diâmetro equatorial (0,149)

e polar de frutos (0,121). O segundo par canônico revelou que plantas com altura de bifurcações baixa

(-0.170) tendem a propiciar plantas com menor massa de mil sementes (-0,055) e menor número de

sementes (0,007).

18

DEPRESSÃO POR ENDOGAMIA DO CARÁTER MASSA DE SEMENTES EM POPULAÇÕES MUTANTES DE

FISALE. SCHMIT, R.; MELO, R.C.; TREVISANI N.; VEIGA, A.; CAMPOS, J.C.L. Udesc/CAV/Instituto de

Melhoramento e Genética Molecular (Imegem), Avenida Luís de Camões, 2090, Lages, SC, e-mail:

[email protected].

O objetivo do trabalho foi estimar a depressão por endogamia da massa de sementes em populações

mutantes de fisale (Physalis peruviana L.). O experimento consiste em sete populações de fisale de

diferentes origens: Peru, Caçador, CAV, Fraiburgo, Colômbia SF, Colômbia ETF e Lages. As populações

foram irradiadas por raios gamas de 60Co nas doses 100 e 200Gy, além das testemunhas sem irradiação.

As flores da mesma planta foram autofecundadas artificialmente e em outras mantidas a polinização

natural. O experimento foi conduzido em casa de vegetação no delineamento inteiramente casualizado

com cinco repetições. A massa de sementes foi mensurada nas sementes de geração M2. A mutação

induzida não acarretou modificações fenotípicas para massa de sementes. Variações significativas foram

encontradas apenas nos tipos de fecundação aninhados às populações de fisale, independentemente das

doses. Somente as populações do CAV e da Colômbia ETF apresentaram depressão por endogamia

significativa (p ≤ 0,05), com decréscimo de 27% e 25% respectivamente. As populações de fisale

respondem diferentemente à autopolinização, e o decréscimo da massa de sementes foi observado em

algumas populações.

Page 137: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

137

19

TECNOLOGIAS ASSOCIADAS NA REDUÇÃO DO DECLÍNIO E MORTE DE VIDEIRAS: ESTUDO DE CASO EM

PROPRIEDADE VITÍCOLA. DAMBRÓS, R.N.; VEIGA, S.N. da; SCHUCK, E.; SOUZA, E.L. de; DALBÓ, M.A.;

Epagri/Estação Experimental de Videira, Rua João Zardo, 1660, C.P. 21, 89560-000 Videira, SC, e-mail:

[email protected]

A mortalidade de plantas reduziu drasticamente a área vitícola do Vale do Rio do Peixe nas últimas

décadas, demandando ações da Epagri para a viabilização da atividade. Foram implantados experimentos

na Epagri de Videira e uma unidade de observação numa propriedade em Pinheiro Preto. Na ocasião, foi

proposto o desafio para o grupo da Pesquisa e Extensão e aos viticultores de converter um hectare de

vinhedo com 95% de plantas mortas. No vinhedo foi identificada alta incidência de pérola-da-terra e

fungos de solo, como Cylindrocarpon, Phaeoacrimonium e Fusarium. A estratégia foi a erradicação de

plantas mortas, correção da acidez e adubação do solo, construção de drenos de pedra nas baixadas,

camalhões nas linhas das plantas, cobertura verde, replantio com o porta-enxerto VR 043-43 e enxertia

verde no campo no verão. Realizou-se anualmente o controle de pérola-da-terra, formigas, doenças

foliares e dois tratamentos pós-colheita. Após 5 anos da implantação e nos anos subsequentes, a

mortalidade de plantas se manteve inferior a 2%, e a produtividade dos cultivares Isabel Precoce, Isabel e

Bordô foi superior à média da região. A sobrevivência das plantas, o vigor e a sanidade foram

determinantes para o produtor ampliar o parreiral em área contígua, utilizando a mesma tecnologia

adotada na área convertida. O estudo serviu como subsídio para a recomendação técnica da Epagri para

a conversão e implantação de vinhedos em SC.

20

ANÁLISE DE TRILHA DOS COMPONENTES DA MASSA DE FRUTO NA CULTURA DE FISALE. BECK, M.;

SCHMIT, R.; CERUTTI, P.; TREVISANI, N.; OLIVEIRA, M.T.A.D. Udesc/CAV/Instituto de Melhoramento e

Genética Molecular (Imegem), Avenida Luís de Camões, 2090, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O objetivo do trabalho foi avaliar a correlação fenotípica das variáveis e os coeficientes de trilha em

efeitos diretos e indiretos dos caracteres que compõem a variável principal massa do fruto em Physalis

peruviana L. As avaliações foram realizadas no ano agrícola 2012/13, tendo sido o delineamento

experimental utilizado em blocos ao acaso com duas repetições. A amostra é composta por cinco plantas

da área útil. Os caracteres avaliados são divididos em: variável principal (massa de fruto), variáveis

primárias (massa de cápsula, número e massa de sementes, diâmetros equatorial e polar do fruto com e

sem cápsula) e variáveis secundárias (diâmetro do caule, altura de planta, número de botões, flores e

frutos). De acordo com os resultados, as variáveis que mais se correlacionam com massa de fruto são

diâmetros de cápsula e de fruto e número de sementes, e o número de sementes apresentou o maior

efeito direto (0,74) sobre o caráter principal. Os diâmetros de cápsula e fruto têm efeitos diretos

menores que 0,25 sobre a variável principal, apesar de existir uma contribuição indireta (acima de 0,42)

do número de sementes na formação dos diâmetros. As variáveis secundárias apresentam valores de

correlação e efeitos diretos reduzidos e negativos sobre o caráter massa de frutos. Portanto, na seleção

de populações, o caráter número de sementes não é um bom critério de seleção para aumentar a massa

de frutos devido à dificuldade de mensuração.

Page 138: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

138

21

RELAÇÃO ENTRE O ESCURECIMENTO DA POLPA E A COMPOSIÇÃO MINERAL DE PERAS ‘ROCHA’.

COLDEBELLA, M.C.; MARTIN, M.S.; AMARANTE, C.V.T.; RODRIGUES, M.F.; DENARDI, V. Udesc/CAV, Avenida

Luis de Camões, 2090, 88520-000 Lages, SC, e-mail: [email protected]

O escurecimento da polpa em peras europeias armazenadas em atmosfera controlada pode estar

associado à composição mineral dos frutos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a relação dos atributos

minerais da polpa com a incidência e severidade do escurecimento da polpa em peras ‘Rocha’

submetidas a altas pressões parciais de CO2 e baixas pressões parciais de O2. Frutos provenientes do

município de Vacaria, RS, foram separados em dois grupos, sendo um deles submetido a uma condição

extrema, com alto CO2 (> 20kPa, mantida durante 5 dias, seguidos por mais 5 dias, em condição

ambiente), e o outro em baixo O2 (< 0,4kPa, aplicada durante 3 dias, seguidos por mais 7 dias em

condição ambiente). Ambas as condições foram aplicadas a 20oC. Frutos de cada condição extrema foram

separados de acordo com a incidência e severidade de escurecimento e avaliados quanto aos teores de

Ca, Mg e K, e as relações K/Ca e (K + Mg)/Ca. Os teores de Ca, Mg e K e as relações K/Ca e (K + Mg)/Ca

não possuem relação com a incidência e os níveis de severidade do escurecimento de polpa em peras

‘Rocha’.

22

AVALIAÇÃO DE CARACTERES REPRODUTIVOS EM FISALE MEDIANTE ANÁLISE DE REGRESSÃO. CERUTTI,

P.H.; VEIGA, A.; BECK, M.; CAMPOS, J.C.L.; OLIVEIRA, M.T.A.D. Udesc/CAV/Instituto de Melhoramento e

Genética Molecular, Avenida Luís de Camões, 2090, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O objetivo foi ajustar regressões lineares para número de botões florais e número de frutos, em

diferentes épocas de avaliação. Foram utilizadas seis populações de fisale (Physalis peruviana L.),

originárias de Fraiburgo, Vacaria, Caçador, Peru, CAV e Colômbia. O delineamento experimental utilizado

foi blocos ao acaso com duas repetições. Os caracteres avaliados foram número de botões florais (NBF) e

número de frutos (NFR), aos 36, 43, 50, 57, 64 e 71 dias após o transplantio das mudas no campo. Todas

as equações de regressão foram significativas para NBF e NFR. As seguintes equações foram selecionadas

por apresentarem valores superiores de intercepto e de coeficiente angular entre as demais equações

ajustadas, sendo, y = 8,51 + 0,60 x (Vacaria), y = 7,24 + 0,95 x (CAV) e y = 7,11 + 0,93 x (Peru) no caráter

NBF, e y = 3,98 + 0,43 x (CAV), y = 2,81 + 0,56 x (Peru), y = 2,69 + 0,50 x (Fraiburgo) em NFR. Os

coeficientes de determinação (r²) variaram de 0,18-0,31 em NBF a 0,43-0,76 em NFR. O menor valor

indica baixa concordância entre equações e valores obtidos pela variação das épocas de colheita no NBF,

e maiores valores demostram que as variações obtidas em NFR são exemplificadas pelo efeito biológico

observado em diferentes épocas de colheita nas populações avaliadas. As populações de Vacaria e do

CAV apresentaram maior precocidade devido a maiores valores de intercepto obtidos, característica

desejada pelas condições climáticas adversas do Planalto Catarinense.

Page 139: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

139

23

ÍNDICES DE EMISSÃO DE RAMOS EM PEREIRAS. 1BOMBONATTI, L.; 1FAORO, I.D.; 1AMORIM, F.L.; 2OLIVEIRA,

P.R.D. de. Epagri/Estação Experimental de Caçador, Rua Abílio Franco, 1500, Bonsucesso, 89500-000

Caçador, SC; 2Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, e-mail: [email protected]

A elaboração de escalas de emissão de ramos em pereiras objetiva classificar os genótipos quanto a seu

hábito de crescimento, as quis serão úteis para compor o índice de vigor de plantas e para a seleção de

genitores em programas de melhoramento genético. Para isso, foram desenvolvidas duas escalas: a

primeira, para avaliar a quantidade de emissão de ramos secundários, ou seja, os ramos originados do

tronco principal da planta, composta por três classes e com notas variando entre 1 e 5, contendo

desenhos e exemplos de genótipos; a segunda, para avaliar o tipo e a quantidade de ramos terciários e

quaternários emitidos a partir dos ramos secundários, sendo ela composta também por três classes e

notas variando de 1 a 5. Utilizando as duas tabelas, foram avaliadas duas (em alguns casos somente uma)

plantas/genótipo do Banco de Germoplasma de Pereira existente na Estação Experimental de Caçador,

em Caçador, SC, no ano agrícola 2012/13. As plantas ficaram sem poda e condução durante 2 anos.

Exemplos de genótipos com menor emissão de ramos secundários foram os cvs. Kousui, Kikusui,

Nijisseiki, Beurre d’Anjou e Doyenne du Comice; e com maior emissão os cvs. Le Conte e Md. Siebold.

Quanto à menor emissão de ramos terciários e quaternários, destacaram-se os cvs. Rugosa e Md.

Siebold; e com maior emissão os cvs. Feliz e Choujuurou. As escalas foram eficientes na separação dos

genótipos.

24

CLASSES DE VIGOR DE PLANTAS DE GENÓTIPOS DE PEREIRA. 1FAORO, I.D.; 1BOMBONATTI, L.; 1AMORIM,

F.L.; 2OLIVEIRA, P.R.D. de. 1Epagri/Estação Experimental de Caçador, Rua Abílio Franco, 1500, Bonsucesso,

89500-000 Caçador, SC; 2Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, e-mail: [email protected]

O índice de vigor de pereiras pode ser utilizado como referência em trabalhos de melhoramento genético

para a seleção de genitores e também como indicativo de manejo de plantas em pomares comerciais.

Para isso, foi gerado um índice de vigor utilizando informações de emissão de ramos secundários

(originados do tronco principal da planta), de ramos terciários e quaternários (gerados respectivamente

dos ramos secundários e terciários), além da medida da altura da planta. Essa medida foi separada em

oito classes de vigor mediante o cálculo da amplitude dada pela equação C = AT/K, sendo AT a amplitude

total e K o número de classes. O valor de K foi obtido pela equação K = 1 + 3,22 log n, sendo n o número

de amostras. O valor de AT foi obtido pela diferença entre a altura do genótipo mais alto pelo genótipo

de menor altura. Apresentaram baixo vigor 56%. Entre os de menor vigor (Classes 1 e 2) são exemplos os

cvs. Anjou, Nijisseiki, Kikusui, Kousui, Beurre Hardy e William’s. Com baixo vigor, mas situados na Classe

3, estão os cvs. Abbé Fétel e Packhsm’s Triumph, ficando o cv. Housui na Classe 4. Os genótipos de maior

vigor foram Pera 2 e Pera 5. Genótipos situados na Classe 1 e 2 são os mais indicados para utilização em

programas de melhoramento genético para gerar progênies de menor vigor, o que pode reduzir o uso da

mão de obra nos tratos culturais.

Page 140: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

140

25

AVALIAÇÕES DOS DIFERENTES RESÍDUOS NA SELEÇÃO DE POPULAÇÕES DE FISALE PARA O CARÁTER

MASSA DE FRUTOS. OLIVEIRA, M.T.A.D.D.; SCHMIT, R.; VEIGA, A.; BECK, M.; LEÃO, J. Udesc/CAV/Instituto

de Melhoramento e Genética Molecular, Avenida Luís de Camões, 2090, Lages, SC, e-mail:

[email protected]

O estudo teve como objetivo avaliar a utilização de diferentes resíduos para a seleção entre as (e dentro

das) populações de Physalis peruviana L. Foram avaliadas seis populações de fisale provenientes de

Fraiburgo, Caçador, Vacaria, Lages, Colômbia e Peru. O delineamento experimental utilizado foi de blocos

casualizados, com duas repetições. O caráter avaliado foi a massa do fruto com cápsula (MF). Os dados

foram submetidos à análise de variância univariada a 5% de probabilidade de erro, com a especificação

dos três diferentes resíduos (total, experimental e amostral). Ao isolar as esperanças do quadrado médio,

testando a relação entre o fator população sobre o resíduo experimental, todas as fontes de variação são

isoladas, restando apenas as variações das populações, fazendo com que o erro experimental seja bem

utilizado para inferências sobre elas. Os resultados da análise revelaram diferença significativa para a

variação do caráter (MF) com a estimativa do resíduo total (Pr < 0,05). O uso do resíduo amostral, que

testa as diferenças dentro das populações, demonstrou diferença significativa para a variação do caráter,

indicando que a variabilidade está dentro da população. A seleção deve ser feita planta a planta, uma vez

que as populações de fisale não diferem entre si quanto ao caráter massa dos frutos.

26

AVALIAÇÃO DE ARMADILHAS COM FEROMÔNIO SEXUAL E ATRATIVO FLORAL PARA MONITORAMENTO

DE Spodoptera frugiperda E Pseudoplusia includens EM MACIEIRAS. 1BIZOTTO, A.L; 2SANTOS, R.S.S.

1Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Avenida Antônio Ribeiro Branco, 1060, 95200-000 Vacaria, RS; 2Embrapa Uva e Vinho, Estação Experimental de Fruticultura de Clima Temperado, BR-285, Km 115, C.P. 1513,

95200-000 Vacaria, RS. Professor da Univ. Est. do Rio Grande do Sul. E-mail: [email protected]

O monitoramento de insetos-praga em pomares de macieira é um fator-chave para a elaboração de

estratégias de controle. O presente trabalho teve como objetivos avaliar diferentes modelos de

armadilhas e atrativos para o monitoramento de adultos de grandes lagartas e apresentar a distribuição

temporal das espécies em macieira. O estudo foi realizado em pomar comercial de macieira (cultivar

Cripps Pink), localizado na cidade de Vacaria, RS (latitude 28°29'8.8"S, longitude 50°49'05.2" W), entre

19/11/2012 e 18/3/2013. Foram utilizados três modelos de armadilhas (Balde, Delta e Pet) e dois

atrativos (feromônio sexual e atrativo floral à base de fenilacetaldeído). Foram capturados 350

exemplares de Spodoptera frugiperda e 370 de Pseudoplusia includens. Com relação à distribuição

temporal das espécies, foi observado que tanto S. frugiperda como P. includens estiveram presentes no

pomar desde novembro, com maior ocorrência das espécies entre janeiro e março. O atrativo mais

eficiente foi o feromônio sexual e os modelos de armadilha Delta e Pet.

Page 141: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

141

27

AUMENTO DE FRUIT SET E RETORNO DA FLORADA PELA REDUÇÃO DO VIGOR EM PEREIRAS ‘CARRICK’.

SOUZA, D.S.; LUZ, A.R.; HIPÓLITO, J. de. S.; RUFATO, L.; KRETZSCHMAR, A.A. Udesc/CAV, Av. Luís de

Camões, 2090, C.P. 281, 88520-000 Lages, SC, e-mail: [email protected]

A pereira é uma planta que tem como característica o excesso de vigor. A energia gasta no crescimento

vegetativo deixa de ser usada na floração e na frutificação da planta. Além do uso de porta-enxertos

menos vigorosos, o uso de técnicas para a redução do vigor é uma alternativa para o aumento da

produtividade pelo melhor balanço entre a parte vegetativa e a produtiva. Nesse contexto, o presente

trabalho teve como objetivo, avaliar o efeito de técnicas de redução do vigor sobre a produtividade, fruit

set e retorno da florada na pereira ‘Carrick’ no município de Vacaria, RS, durante o ano agrícola 2013/14.

O experimento foi realizado em blocos ao acaso, com seis blocos e uma planta por parcela. Os

tratamentos utilizados foram anelamento simples e duplo de tronco, corte simples e duplo de tronco, e a

aplicação dos produtos Moddus® e STRG. Não houve diferença significativa na produtividade, pois os

efeitos geralmente não ocorrem no primeiro ano de sua execução. Os tratamentos aumentaram a

porcentagem de fruit set da planta em relação à testemunha. Com exceção do uso de Moddus®, os

demais tratamentos aumentaram o retorno de florada em relação à testemunha. O uso dos anelamentos

e de Moddus® diminui a acidez dos frutos, porém não houve diferença significativa para sólidos solúveis e

firmeza de polpa.

28

INFLUÊNCIA DE PULVERIZAÇÕES COM BORO NA QUALIDADE DE MAÇÃS APÓS O ARMAZENAMENTO. SÁ,

A.A.; ALMEIDA, L.R.; ERNANI, P.R.; ABREU, L.T. Engenheira-agrônoma, Doutoranda em Ciência do Solo da

Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), Av. Luís de Camões, 2090, C.P. 281, Conta Dinheiro,

88520-000 Lages, SC, e-mail: [email protected]

A qualidade e a capacidade de conservação de maçãs estão diretamente relacionadas com a nutrição da

planta. O objetivo do trabalho foi avaliar a influência de pulverizações foliares com boro (B) em pré-

colheita na capacidade de conservação de maçãs ‘Galaxy’. O experimento foi conduzido em Vacaria, RS,

durante o ano agrícola 2012/13 com o cultivar Galaxy. Os tratamentos foram constituídos por um

número crescente de aplicações foliares com B em pré-colheita, além de uma testemunha na qual foi

pulverizada apenas água. O número de pulverizações com ácido bórico (0,3%). Todos os tratamentos

iniciaram 45 dias antes da data prevista para a colheita comercial e terminaram 15 dias antes dela, e o

número de pulverizações, em cada tratamento, foi equidistantemente espaçado entre essas datas. Foi

utilizado o delineamento experimental de blocos ao acaso, com quatro repetições. Após a colheita, os

frutos foram armazenados durante 4 meses em câmaras frigoríficas (-1oC e 90% a 95% de umidade

relativa) para a avaliação da firmeza da polpa. Os resultados mostraram que a firmeza da polpa após 4

meses de armazenamento não foi influenciada pelas pulverizações com B, alcançando valores médios de

13,6lbs. Dessa forma, os resultados indicam que a aplicação de B em pré-colheita mantém boa qualidade

e capacidade de conservação dos frutos.

Page 142: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

142

29

VALIDAÇÃO DE ESTAÇÃO DE AVISO DE DOENÇAS NA CULTURA DA MAÇÃ NO PARANÁ. LOURENÇO JR., V.;

AULER, P.A.M.; CARAMORI, P.H.; MORAIS, H.; RICE, W. Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Rodovia

Celso Garcia Cid, Km 375, 86047-902 Londrina, PR, e-mail: [email protected]

O uso da estação de aviso de doenças é importante para a aplicação racional de fungicidas no controle da

sarna (S) e da mancha foliar de glomerela (MFG) em macieira. Dessa forma, o objetivo neste estudo foi

validar os modelos de infecção dessas doenças utilizados em Santa Catarina, em uma lavoura comercial

em Palmas, no Paraná, no ano agrícola 2013/14. Dados meteorológicos de temperatura, umidade,

precipitação e molhamento foliar foram obtidos de uma estação meteorológica próxima ao experimento.

O delineamento experimental foi em blocos ao acaso com quatro repetições, constituído pelos seguintes

tratamentos: 1. Aplicação de fungicidas conforme os modelos de infecção de S e MFG utilizados no

sistema de aviso; 2. Aplicação de fungicidas a cada 7 ou 15 dias. A testemunha foi composta por plantas

sem tratamento. A incidência da S e MFG nas folhas foi menor nos tratamentos 1 e 2. Detectaram-se os

maiores valores da área abaixo da curva de progresso de incidência (AACPI) de S (145,3) e MFG (991,3)

na testemunha. Não houve diferenças nos valores de AACPI da S e MFG nos tratamentos, que foram

aproximadamente 18 e 124 respectivamente. Os valores de incidência da S em frutos foram 50%, 7,7% e

7,4% na testemunha e nos tratamentos 1 e 2 respectivamente. Como houve redução do uso de

fungicidas no tratamento 1, o uso da estação de aviso é eficiente para estabelecer o momento adequado

para a aplicação de fungicidas no controle de S e MFG.

30

PROFUNDIDADE DE PLANTIO NÃO INTERFERE NO VIGOR DA MACIEIRA ‘MAXIGALA’. CATANEO, L.;

DANIEL, M.L.; MACEDO, T.A.; SANDER, G.F.; RUFATO, A.R. Udesc/CAV, Av. Luís de Camões, 2090, Conta

Dinheiro, 88520-000 Lages, SC, e-mail: [email protected]

A influência da profundidade de plantio de mudas de macieira no vigor final da copa é um tema muito

discutido entre produtores, técnicos e pesquisadores da área. Segundo relatos, quanto mais profundo a

muda for enterrada, ou seja, quanto mais próximo o ponto de enxertia ficar rente ao solo, maior será o

vigor da planta quando adulta. No entanto, faltam dados científicos que comprovem essas hipóteses.

Partindo desse pressuposto, objetivou-se avaliar o crescimento de macieiras plantadas em diferentes

profundidades. O experimento foi realizado em um pomar comercial no município de Vacaria, RS. O pomar

foi implantado no inverno de 2010, e utilizou-se o cultivar MaxiGala enxertado sobre o porta-enxerto

M.9 com espaçamento de 4m x 1m. Os tratamentos consistiram em três profundidades de plantio, tendo

o ponto de enxertia como referência, sendo 10, 20 e 30cm acima do solo. O delineamento experimental

utilizado foi o de blocos ao acaso, com quatro repetições e dez plantas por parcela. No inverno de 2012,

avaliaram-se as variáveis altura de planta (m), diâmetro de copa (m), diâmetro do tronco do cv. copa

(mm) e comprimento do entrenó (cm). Não se observou diferença significativa para as variáveis

avaliadas. Dessa maneira, conclui-se que a profundidade de plantio das mudas de macieiras ‘MaxiGala’

enxertadas sobre o porta-enxerto M.9 não interferem no vigor das plantas até o segundo ano após o

plantio.

Page 143: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

143

31

ESTACAS DE VIDEIRA ‘CHARDONNAY’ TRATADAS COM ÁCIDO ABSCÍSICO PARA ATRASO DA BROTAÇÃO.

VILLAR, L.; BORGHEZAN, M.; FELIPPETO, J.; SILVA, T.C.; CANTON, M.; SILVA. A.L. UFSC/CCA, Rodovia Admar

Gonzaga, 1346, Itacorubi, 88034-001 Florianópolis, SC, e-mail: [email protected]

A ocorrência de geadas tardias de primavera no Planalto Sul Catarinense causa problemas na produção

de uvas, especialmente as de brotação precoce. O objetivo deste trabalho foi avaliar o uso do ácido

abscísico para o atraso da brotação de estacas de ‘Chardonnay’ em condições controladas. Em 5 de junho

de 2013, foram coletadas estacas de videira em uma área de produção comercial situada no município de

São Joaquim, SC. Elas foram armazenadas a 6oC para o acúmulo de 1.000 horas de frio. Para o

tratamento, foram padronizadas em segmentos de uma gema e colocadas em uma bandeja com espuma

fenólica. A aplicação do ácido abscísico foi realizada a partir de sua incorporação em lanolina, formando

uma pasta que foi aplicada no ápice das estacas. As estacas tratadas foram mantidas em câmara de

crescimento a 20oC. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com aplicação de cinco

concentrações de ácido abscísico (0; 250; 500; 1.000 e 2.000mg.L-1), utilizando-se quatro repetições de

25 estacas por parcela. Foi avaliado o número de dias para brotação definindo-se a data quando foram

atingidos 50% das estacas brotadas. A aplicação dos tratamentos resultou em até 10 dias de atraso na

brotação em relação à testemunha, cuja brotação ocorreu aos 19 dias após a instalação do experimento.

32

ESTAQUIA HERBÁCEA DE PORTA-ENXERTOS DE VIDEIRA PROMISSORES PARA REGIÕES COM HISTÓRICO

DE MORTE DE PLANTAS. ¹BETTONI, J.C.; 2GARDIN, J.P.; 3FELDBERG, N.P.; 4SCHUMACHER, R.L.; 5SOUZA, J.A 1Mestrando em Produção Vegetal, Udesc/CAV, Lages, SC, bolsista Capes, e-mail: [email protected]; 2Epagri/Estação Experimental de Videira; ³Embrapa Produtos e Mercado, Canoinhas,SC; 4Doutorando em

Enologia, Universidad de Castilla La-Mancha, Espanha; 5Uniarp, Caçador, SC.

O objetivo deste trabalho foi avaliar concentrações de ácido indol-3-butírico (AIB) na estaquia herbácea

de porta-enxertos de videira recomendados para o sul do Brasil. O estudo foi realizado em casa de

vegetação na Epagri/Estação Experimental de Videira, em Videira, SC, no período de outubro de 2012 a

janeiro de 2013. O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado, com 16

tratamentos, dispostos em esquema fatorial 4 x 4, quatro porta-enxertos ('VR-04343', 'Dogridge', 'Richter

99' e 'EEV793-5') e quatro concentrações de AIB (0, 500, 1.000 e 1.500mg.L-1). Após 60 dias, foram

avaliados: a porcentagem de enraizamento e o número, o comprimento e a matéria fresca de raízes. A

aplicação de AIB não contribui para o enraizamento por estaquia herbácea dos porta-enxertos de videira

'VR-04343', 'Dogridge', 'Richter 99' e 'EEV793-5'. Os porta-enxertos 'VR-043043', 'Dogridge' e 'EEV793-5'

apresentaram alta porcentagem de enraizamento: 87,19%, 77,06% e 65,44% respectivamente. A

aplicação de AIB para todos os porta-enxertos aumentou o número, o comprimento e a massa fresca de

raízes, e as concentrações de 500, 1.000 e 1.500mg.L-1 não diferem entre si. O porta-enxerto 'VR-04343'

foi superior aos demais para todas as variáveis analisadas.

Page 144: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

144

33

RELAÇÃO ENTRE AS VARIANTES CLIMÁTICAS E A QUALIDADE E PRODUTIVIDADE DE UVAS ‘ISABEL’

PRODUZIDAS EM VIDEIRA, SC. 1SOUZA, J.A.; 2BETTONI, J.C.; 3TOMAZELLI, A. 1Universidade Alto Vale do Rio

do Peixe (Uniarp), Caçador, SC, e-mail: [email protected]; 2Udesc/CAV, Lages, SC; 3Epagri/

Estação Experimental de Caçador.

Objetivou-se avaliar as características qualitativas e quantitativas do cultivar de uva Isabel em três safras

no município de Videira, SC, em função das condições climáticas. Para o levantamento populacional

foram selecionados 23 produtores (unidades amostrais) que produzem uvas do cultivar Isabel nos

períodos correspondentes aos anos agrícolas 2010/11, 2011/12 e 2012/13. O delineamento experimental

foi inteiramente ao acaso, o conjunto de dados foi representado pelos 23 produtores, que compõem as

23 repetições, e os tratamentos são representados pelas três safras. A variável qualitativa analisada foi

°Brix e as quantitativas foram produtividade, precipitação, temperatura (mínima, média e máxima) e

horas de sol. Nas condições em que foi desenvolvido este estudo, alguns aspectos relevantes são

apresentados: as variantes climáticas representadas pela precipitação e insolação influenciam na

qualidade do cultivar de uva Isabel; precipitações elevadas durantes os meses de dezembro, janeiro e

fevereiro diminuem a qualidade das uvas ‘Isabel’; quanto maior a insolação no período de maturação,

melhor a qualidade das uvas ‘Isabel’. As uvas ‘Isabel’ produzidas no município de Videira no ano agrícola

vitícola 2010/11 apresentaram qualidade inferior aos anos agrícolas 2011/12 e 2012/13. Os fatores

climáticos que ocorreram nos anos agrícolas avaliados não interferiram na produtividade, a qual se

manteve constantes nos anos vitícolas avaliados.

34

AVALIAÇÃO DE PODRIDÃO-CINZENTA (Botrytis cinerea) EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO NA

VARIEDADE CHARDONNAY NO PLANALTO CATARINENSE. DELLA BRUNA, D.; DEBEM, B.P.; ALMEIDA,

A.P.; ISHI, T.; BOGO, A. UDESC/CAV/Departamento de Fitopatologia, 88520-000 Lages, SC, e-mail:

[email protected]

A viticultura de Santa Catarina, principalmente no Planalto Catarinense, tem-se destacado recentemente

na produção de vinhos finos de altitude. A podridão-cinzenta, ou Botrytis, existe em todos os países

vitícolas do mundo, reduzindo qualitativa e quantitativamente a produção de uvas finas (Vitis vinifera),

principalmente de variedades brancas, que apresentam cachos mais compactados. O objetivo do

trabalho foi determinar o efeito dos sistemas de condução manjedoura e espaldeira no controle da

podridão-cinzenta na variedade Chardonnay. O experimento foi realizado em São Joaquim, SC, durante o

ciclo 2013/14. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, com cinco blocos e quatro

repetições. A parcela experimental constitui-se de duas plantas centrais com 15 cachos por planta

avaliados aleatoriamente. No momento da colheita, avaliaram-se os cachos quanto à incidência e à

severidade da podridão-cinzenta pela porcentagem de bagas atacadas. As plantas conduzidas em

manjedoura apresentaram acréscimo de 10,3% de severidade de podridão-cinzenta, diferindo

estatisticamente das plantas conduzidas em espaldeira. Em relação aos polifenóis totais, as plantas

conduzidas em manjedoura e espaldeira apresentaram 831,23 e 705,09mg de ácido gálico por litro

respectivamente. O sistema em manjedoura induziu uma maior produção de polifenóis totais,

possivelmente como defesa das plantas pela maior intensidade de Botrytis cinerea.

Page 145: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

145

35

FITORREGULADORES NO CONTROLE DO VIGOR E NA PRODUÇÃO DE PEREIRAS ASIÁTICAS ‘HOSUI’. WEBER,

D.; CARRA, B.; ELOY, J.; ANDREI, G.; FACHINELLO, J.C. Universidade Federal de Pelotas, Fruticultura de Clima

Temperado (Pós-graduação em Agronomia), e-mail: [email protected]

Os entraves que impossibilitam produções satisfatórias em pereira são diversos, porém os problemas

relacionados ao excesso de crescimento vegetativo na cultura da pereira podem ser um fator

preponderante para a produção satisfatória, principalmente em regiões onde as condições climáticas não

são adequadas, conferindo grande crescimento de ramos interferindo na produção. Objetivou-se com

este trabalho avaliar a eficácia de fitorreguladores no controle do crescimento vegetativo e no

incremento da produção de pereiras asiáticas ‘Hosui’. Utilizaram-se plantas de 15 anos, enxertadas sobre

Pyrus calleryana, com espaçamento de 4 x 1,5m. Plantas do cultivar Shinseiki foram as polinizadoras. Os

tratamentos foram: T1: Controle; T2: Pro-hexadione de cálcio (ProCa); T3: Giberelinas 4 e 7 + 6-

Benziladenina (Promalin®); T4: 6-Benziladenina (Maxcel®); T5: ProCa + Promalin®; T6: ProCa + Maxcel®; T7:

Promalin® + Maxcel®; e T8: ProCa + Promalin® + Maxcel®. As aplicações ocorreram aos 42 dias após a plena

floração. Para as quatro datas avaliadas o vigor foi menor nas plantas tratadas com ProCa (T2, T5, T6 e

T8). Os tratamentos com Promalin® sem ProCa (T3 e T7) apresentaram maior vigor. A produção por

planta e a produtividade foram maiores quando aplicado apenas ProCa (T2) com 31,70kg.planta-1 e

52,82mg.ha-1 respectivamente. Conclui-se que pereiras tratadas com ProCa apresentam menor vigor,

independentemente das combinações, e plantas tratadas apenas com ProCa apresentam maior

produção.

36

INDUÇÃO DO AMADURECIMENTO DE PERAS ‘ROCHA’ PELA EXPOSIÇÃO À BAIXA TEMPERATURA E À

APLICAÇÃO DE ETILENO. RODRIGUES, M.F.; STEFFENS, C.A.; HENDGES, M.; MARTIN, M.S.; PAES, F.N.;

Udesc/Centro de Ciências Agroveterinárias, Av. Luís de Camões, 2090, Conta Dinheiro, 88520-000 Lages, SC,

e-mail: [email protected]

A pera ‘Rocha’ (Pyrus communis) não alcança a maturidade para consumo na planta, necessitando de

tratamentos pós-colheita para completar o processo de amadurecimento. O objetivo deste trabalho foi

verificar o efeito da exposição dos frutos à baixa temperatura e da aplicação de etileno no

amadurecimento e na qualidade de peras ‘Rocha’. O estudo foi realizado com frutos provenientes de

Vacaria, RS, no ano agrícola 2012/13. Foram avaliados quatro períodos de exposição dos frutos à baixa

temperatura (3oC), sendo eles zero (controle), 14, 28 e 42 dias, e o efeito da aplicação de 100ppm de

C2H4 por 1 e 2 dias. Os atributos avaliados foram coloração da casca (h °), atributos de textura, firmeza

de polpa, acidez titulável (AT), teor de sólidos solúveis (SS) e taxas respiratória e de produção de etileno.

O aumento do período de exposição ao frio de 14 para 28 dias proporcionou aos frutos maior

amarelecimento da casca e aumento das taxas respiratórias e de produção de etileno. O aumento do

tempo de exposição ao C2H4 propiciou frutos com a casca mais amarelada. Todos os tratamentos

apresentaram menor firmeza de polpa e de força para penetração da polpa em relação ao controle,

apresentando textura amanteigada após 7 dias em condições ambiente. A exposição dos frutos a 3oC

durante 15 dias e a aplicação de 100ppm de C2H4 por 2 dias são indicadas para induzir o amadurecimento

de peras ‘Rocha’.

Page 146: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

146

37

PLANTAS DE COBERTURA VERDE PODEM CONTROLAR O EXCESSO DE VIGOR DE UVA VINÍFERA.

SACOMORI, W.; BORGES JUNIOR, W.S.; LEHMANN, D.H.; CASSOL, P.C.; FERREIRA, A.K. Udesc/Centro de

Ciências Agroveterinárias, Av. Luís de Camões, 2090, Lages, SC, e-mail: [email protected]

Na Serra Catarinense a maturação de uvas viníferas é favorecida pela abundante insolação e alta

amplitude térmica diária. Contudo, a alta disponibilidade de nitrogênio, proveniente da mineralização da

matéria orgânica no solo, aliada ao porta-enxerto P-1103 ocasionam vigor excessivo das videiras,

aumentando a produção de massa vegetal e diminuindo a qualidade das bagas. O propósito do trabalho

foi avaliar o cultivo de plantas de cobertura como forma de diminuir o vigor das videiras Cabernet

Sauvignon. O trabalho foi realizado em vinhedo em solo de altitude, em São Joaquim, SC, submetido a

cinco tratamentos: um controle, no qual se realizou o controle habitual de plantas espontâneas com

herbicidas na linha da videira e roçadas na entrelinha; uma sucessão de plantas anuais, trigo mourisco

(Fagopyrum esculentum), aveia-branca (Avena sativa); a planta perene festuca (Festuca arundinacea); e

dois manejos, com e sem a transferência dos resíduos da roçada da linha para a entrelinha. Determinou-

se a massa de ramos da poda seca e de material cortado na poda verde do ano agrícola 2013/14. A

sucessão de plantas anuais não afetou o vigor das videiras, porém a festuca, indiferentemente aos

manejos, diminuiu a massa dos ramos secos e a massa dos ramos da poda verde.

38

EFEITO DO SISTEMA DE COBERTURA DOS VINHEDOS SOBRE OS DANOS OCASIONADOS POR GEADAS

MATOS, D.P.; RIBEIRO, T.; WELTER, J.; VILLAR, L.; BORGHEZAN, M. Universidade Federal de Santa Catarina,

e-mail: [email protected]

A Chardonnay é uma variedade com brotação precoce que pode ser muito afetada pelas geadas tardias,

que ocorrem no início da primavera nas regiões de altitude de Santa Catarina. O objetivo deste estudo foi

avaliar o efeito do tipo de cobertura dos vinhedos sobre a intensidade dos danos ocasionados pelas

geadas durante o ciclo 2013/14 em São Joaquim, SC. As avaliações foram realizadas com a variedade

Chardonnay em um vinhedo comercial conduzido em sistema manjedoura, a uma altitude de 1.270

metros. O vinhedo apresentava plantas (filas) sem cobertura, com tela antigranizo e cobertas com lona

plástica. O número de ramos e de cachos por planta e o peso dos cachos foram determinados em 20

plantas por tratamento. A partir da brotação foram observados vários eventos com a ocorrência de

temperaturas abaixo de 0oC. As plantas sem cobertura reduziram a produção em 54,6% em comparação

com as plantas cobertas com lona plástica. As plantas cobertas com tela antigranizo apresentaram

redução de 35,2% no rendimento em comparação com o outro sistema de cobertura. Houve significativa

queda nos rendimentos das plantas devido aos efeitos das várias geadas ocorridas no ciclo 2013/14. Os

sistemas de cobertura das plantas contribuem para amenizar os efeitos danosos da geada.

Page 147: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

147

39

INTENSIDADE DA COR VERMELHA INFLUENCIADA POR PULVERIZAÇÕES COM BORO. ALMEIDA, L.R.; SÁ, A.A.;

ERNANI, P.R.; ABREU, L.T. Estudante do curso de Agronomia da Universidade do Estado de Santa Catarina, Av.

Luí de Camões, 2090, C.P. 281, Conta Dinheiro, 88520-000 Lages, SC, e-mail: [email protected]

A coloração das maçãs ‘Galaxy’ é de suma importância para a comercialização dos frutos desse cultivar,

pois quanto mais intensa e quanto maior a abrangência da coloração na epiderme dos frutos, melhor

será a remuneração deles ao produtor. O objetivo do trabalho foi avaliar a influência de pulverizações

com boro (B) na coloração de maçãs. O experimento foi conduzido em Vacaria, RS, no ano agrícola

2013/14 com o cultivar Galaxy. Os tratamentos consistiram de número crescente de pulverizações com B

em pré-colheita (0, 1, 2 e 4 pulverizações) na forma de ácido bórico com concentração de 0,3%. A

determinação da cor da epiderme (ângulo ‘hue’; h˚) dos frutos colhidos foi efetuada com um colorímetro

Minolta, modelo CR 400. As determinações foram realizadas na região equatorial, no lado mais vermelho

e no lado de predominância da cor de fundo dos frutos. O h˚ define a coloração básica, sendo 0˚ =

vermelho, 90˚ = amarelo e 180˚ = verde, ou seja, quanto menor o valor do lado vermelho, maior a

intensidade da cor vermelha da epiderme, e quanto maior o valor da cor de fundo, mais verde está o

fruto. Os resultados mostraram que a aplicação de B em pré-colheita favoreceu o aumento da

intensidade da cor vermelha dos frutos e diminuiu a intensidade do verde da cor de fundo. A utilização

de B em pré-colheita pode ser uma boa alternativa para aumentar a cor vermelha de maçãs.

40

INCIDÊNCIA DE MANCHAS FOLIARES EM PLANTAS JOVENS DE MACIEIRA TRATADAS COM REDUTORES DE

CRESCIMENTO. FORNARI, M.R.; GABARDO, G.C.; PETRI, J.L.; FENILI, C.L; SILVA, C.D.S. Mestranda em

Produção Vegetal, Udesc/CAV, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O crescimento excessivo da parte aérea durante o ciclo vegetativo favorece a incidência de doenças foliares

devido à dificuldade de se atingir toda a copa com tratamentos fitossanitários. O objetivo do trabalho foi

avaliar a incidência de doenças foliares em plantas jovens de macieira (2º ano) ‘Maxigala’ e ‘Fuji Suprema’

tratadas com redutores de crescimento. O experimento foi conduzido em blocos ao acaso, com seis

tratamentos e seis repetições, no ciclo 2013/14 no município de Caçador, SC. Os tratamentos foram: 1. Sem

aplicação (controle); 2. Viviful® 120g.100L-1; 3. Moddus® 60ml.100L-1, 90ml.100L-1, 120ml.100L-1 e

150ml.100L-1 para ambos os cultivares. Avaliou-se a incidência de sarna (Venturia inaequalis), marsonina

(Diplocarpon mali) e mancha de glomerella (Colletotrichum gloeosporioides, C.) nas folhas 120, 135, 150,

165, 180 e 210 dias após a brotação. Calculou-se a área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD) e

os dados foram submetidos à analise da variância. Não se observou redução da AACPD de mancha de

marsonina e glomerela para ambos os cultivares. Quanto à sarna, o tratamento controle apresentou os

maiores valores de AACPD, 188,4 e 2121,5. Os demais tratamentos não diferiram entre si, e os menores

foram 21,3 para Moddus® 120ml.100L-1 e 131,0 para Moddus® 90ml.100L-1 em ‘Maxigala’ e ‘Fuji Suprema’

respectivamente.

Page 148: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

148

41

PRODUÇÃO DE MORANGUEIRO SOBRE DIFERENTES COBERTURAS DE SOLO. SOBUCKI, L.; DAMIÃO, D.;

MACHADO, J.T.M.; TONIN, J.; BENATTI, J.A.; SCHNEIDER, E.P. Universidade Federal da Fronteira Sul, Av. Jacob

Reinaldo Haupenthal, 1580, 97900-000, Cerro Largo, RS, e-mail: [email protected]

Com o objetivo de reduzir custos de produção do morangueiro, o presente trabalho procurou

alternativas que possam viabilizar seu manejo e produção, substituindo coberturas industrializadas por

materiais disponíveis nas propriedades. O estudo foi desenvolvido na Universidade Federal da Fronteira

Sul, campus Cerro Largo, RS, no período de julho a dezembro de 2013. Foi analisado o comportamento

produtivo do cultivar Aromas, foto neutra, implantada sobre palha de capim-sudão (CS), maravalha (MA),

acícula de pínus (AP), polietileno de cor preta (PP) e solo descoberto (SD). O delineamento utilizado foi

de blocos ao acaso (três blocos), divididos em dez parcelas, com duas repetições em cada bloco e dez

plantas em cada parcela. O parâmetro de produção utilizado foi o número e a massa total de

pseudofrutos comercializáveis (> 6g) e produção de massa seca de plantas espontâneas avaliadas a partir

da capina manual. Os tratamentos PP, SC, MA e AP obtiveram, respectivamente, para número e massa de

pseudofrutos, as melhores médias, não diferindo estatisticamente entre si, com valores superiores ao

tratamento CS. O tratamento com PP apresentou maior controle sobre as plantas espontâneas, diferindo

dos demais. MA e AP tiveram controle intermediário com controle superior a SC e CS, que apresentaram

maior massa de plantas espontâneas. As plantas espontâneas influenciaram a produção, mostrando-se

ineficientes os tratamentos testados para substituição do polietileno.

42

SISTEMA DE CONDUÇÃO MANJEDOURA E ESPALDEIRA COM PARÂMETROS DE QUALIDADE SIMILARES NA

UVA CHARDONNAY. MAGRO, M.; MARCON FILHO, J.L.; BRIGHENTI, L.H.M.; KRETZSCHMAR, A.A.; RUFATO,

L. Universidade do Estado de Santa Catarina/Centro de Ciências Agroveterinárias, Av. Luís de Camões, 2090,

88520-000, Lages, SC, e-mail: [email protected]

A manipulação da forma de crescimento da videira influencia diretamente a composição do fruto.

Dependendo do ambiente, sistemas de condução podem apresentar desempenho semelhante na

qualidade final da uva. As regiões de altitude elevada do estado de Santa Catarina são recentes no cultivo

de variedades viníferas e há carência de informações para definir o manejo adequado à região. Dessa

forma, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do sistema de condução nas

características físico-químicas de uva vinífera cultivada acima de 900m de altitude. O experimento foi

conduzido na região do Planalto Sul catarinense, durante a safra 2014 em vinhedo comercial da

variedade Chardonnay enxertada sobre ‘Paulsen 1103’, com espaçamento de 3,0m x 1,5m. Os

tratamentos consistiram em dois sistemas de condução: manjedoura e espaldeira. No momento da

colheita foram avaliadas as variáveis físicas: comprimento de cacho (cm), massa de 50 bagas (g), relação

casca/baga (%), relação cacho/ráquis (%), índice de compactação do cacho e diâmetro de bagas (cm), e

variáveis químicas: sólidos solúveis (°Brix), acidez total titulável (meq.L-1) e pH. De acordo com os

resultados, não se observou diferença entre os sistemas de condução estudados. Conclui-se que ambos

os sistemas de condução produzem uvas aptas para a elaboração de vinhos de qualidade da variedade

Chardonnay.

Page 149: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

149

43

AVALIAÇÃO DOS TEORES DE CLOROFILA E ÍNDICE SPAD EM FOLHAS DA VARIEDADE SAUVIGNON BLANC

EM SÃO JOAQUIM, SC. CANTON, M.; SILVA, T.C.; VILLAR, L.; SILVA, A.L.; BORGHEZAN, M.; VOLTOLINI, J.A.

Universidade Federal de Santa Catarina, e-mail: [email protected]

O conteúdo de clorofila em folhas é uma variável importante no estudo do comportamento vegetativo e

na resposta das plantas às técnicas de manejo que visam avaliar o potencial fotossintético e o

rendimento. O objetivo deste trabalho foi quantificar os teores de clorofila e o índice Spad em plantas de

videira da variedade Sauvignon Blanc durante o ciclo 2013/14. As coletas foram realizadas

quinzenalmente em uma área de produção comercial em São Joaquim, SC, a uma altitude de 1.293m. A

clorofila e o índice Spad foram determinados em folhas sadias e completas, a partir da seleção aleatória

da 5ª folha em 10 plantas. A cleta do material aconteceu na fase inicial de desenvolvimento dos ramos e

se estendeu até a senescência foliar. O pigmento foi extraído com dimetilsulfóxido (DMSO), sendo os

extratos avaliados em espectrofotômetro. Na fase inicial de desenvolvimento, as folhas apresentaram

acúmulo de clorofila relacionado com o período de expansão foliar. Observou-se um período de

estabilização e, ao final da maturação das bagas, iniciou-se uma redução significativa. O teor de clorofila

e o índice Spad apresentaram correlação positiva (R2 = 0,74). Os teores de clorofila podem ser estimados

de forma indireta utilizando-se um analisador portátil de clorofila.

44

ACOMPANHAMENTO DA FORMAÇÃO E MATURAÇÃO DA VARIEDADE CABERNET SAUVIGNON EM SÃO

JOAQUIM, SANTA CATARINA. WELTER, J.F.; SILVA, T.C.; CANTON, M.; ROSA, D.J.; MALINOVSKI, L.I.;

SILVA, A.P. Universidade Federal de Santa Catarina/Centro de Ciências Agroveterinárias/Departamento

de Fitotecnia, Rod. Admar Gonzaga 1346, Itacorubi, 88034-001, Florianópolis, SC, e-mail:

[email protected]

A Cabernet Sauvignon é uma das variedades mais cultivadas no Planalto Serrano Catarinense. O

acompanhamento da maturação possibilita avaliar a qualidade da uva e definir a estratégia a ser adotada

no processo de vinificação. O objetivo deste trabalho foi avaliar a maturação das uvas da variedade

Cabernet Sauvignon cultivadas em São Joaquim durante o ciclo 2013/14. As coletas foram realizadas em

um vinhedo comercial, a 1.293m de altitude. As avaliações iniciaram em 26 de dezembro de 2013 (grão

chumbinho) e foram concluídas em 7 de abril de 2014 (colheita). Amostras foram coletadas

quinzenalmente e analisadas quanto ao peso médio das bagas, o teor de sólidos solúveis totais, a acidez

total titulável e o pH. O início da maturação das bagas foi observado em 30 de janeiro de 2014 (véraison).

Os valores de sólidos solúveis totais acompanharam o aumento no peso médio das bagas, atingindo

valores de 20,7oBrix e 1,63g próximo à colheita. No período de maturação das bagas houve decréscimo

na acidez total titulável e aumento do pH. Nesse ano agrícola, ocorreram diversos problemas de ordem

meteorológica e sanitária que prejudicaram significativamente a qualidade da uva. Os índices de

maturação determinados no momento da colheita sugerem que a uva apresentou condições satisfatórias

para a vinificação.

Page 150: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

150

45

IDENTIFICAÇÃO DE GENÓTIPOS DE AMEIXEIRA EM QUE NÃO OCORRE A TRANSMISSÃO DE Xylella

fastidiosa POR INSETOS VETORES. DALBÓ, M.A.; BRUNA, E.D.; SCHMITZ, S.H. Epagri/Estação Experimental

de Videira, Rua João Zardo, 1660, C.P. 21, 89560-000 Videira, SC, e-mail: [email protected]

A escaldadura das folhas causada pela bactéria Xylella fastidiosa é a doença mais importante da

ameixeira no Brasil. Está dispersa nas principais áreas produtoras devido à presença de insetos vetores

(cigarrinhas) e hospedeiros alternativos. A maioria dos cultivares são suscetíveis, e o desafio maior do

melhoramento genético é obter cultivares resistentes. O programa de melhoramento genético da Epagri

iniciou em 1990, usando seleções resistentes oriundas da Argentina e da Flórida em cruzamentos com

cultivares comerciais. Observou-se que a herança da resistência é poligênica e predominantemente

recessiva. Entretanto, obtiveram-se genótipos recombinantes com níveis de resistência superiores às

fontes de resistência originais. Um exemplo é a seleção 97-38-2-31, em que não foi detectada a presença

da bactéria por testes de PCR mesmo em ensaios de inoculação por enxertia. Em cruzamentos com essa

seleção, uma pequena porcentagem (5% a 10%) dos descendentes não mostrou sintomas, e a queda de

folhas é notavelmente tardia. Na grande maioria desses indivíduos (> 90%) não foi detectada a presença

da bactéria nos testes de PCR. Entretanto, nos testes de inoculação por enxertia, todos eles deram

resultado positivo, indicando que a transmissão não ocorre por ação dos vetores naturais, mas é possível

por enxertia. Aparentemente, duas formas de resistência total foram identificadas: uma em que a

resistência é completa e outra em que não ocorre a transmissão por insetos vetores.

46

CARACTERIZAÇÃO DE FRUTOS DE JABUTICABA E CEREJA-DO-RIO-GRANDE CULTIVADOS EM PELOTAS, RS:

AVALIAÇÕES PRELIMINARES. LEITE, T.B.; BANDEIRA, B.B.; KROLOW, A.C.; FERRI, N.L.; FONSECA, L.X. Embrapa

Clima Temperado, BR-392, Km 78, C.P. 403, 96010-971 Pelotas, RS, e-mail: [email protected]

A Embrapa Clima Temperado mantém um Banco de Germoplasma de espécies nativas da região Sul do

Brasil. Devido à diversidade entre os frutos da mesma espécie, há necessidade de fazer sua

caracterização físico-química visando auxiliar trabalhos de melhoramento genético e identificar o

potencial dessas frutas para processamento, como a jabuticaba e a cereja-do-rio-grande. Foram

coletadas amostras oriundas do BAG da Embrapa Clima Temperado e transportadas até o Laboratório de

Ciência e Tecnologia de Alimentos dessa Instituição. As frutas foram avaliadas quanto aos teores de

sólidos solúveis totais (SST), pH, acidez total titulável (ATT) e ácido ascórbico (AA). As análises foram

realizadas nas jabuticabas com e sem casca e as cerejas-do-rio-grande foram colhidas em dois períodos

(1ª e 2ª semanas). Observou-se que, nas jabuticabas com casca, os teores de AA foram de 9,54mg.100ml-1,

enquanto nas sem casca foi de 4mg.ml-1 (essa fruta não é fonte de vitamina C). Também houve elevação

nos SSTs, além de pequena redução no pH e aumento na ATT. Em relação às cerejas-do-rio-grande, as

frutas da segunda colheita apresentaram melhor ratio (SST/ATT): 13,51 em relação à primeira: 9,58,

também havendo leve aumento do pH. Podemos concluir que a jabuticaba com casca apresenta

melhores resultados físico-químicos e que manter a cereja-do-rio-grande por mais 6 dias na planta

melhora suas características. Nessas condições, essas frutas nativas apresentam potencial para

processamento.

Page 151: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

151

47

MONITORAMENTO DE CONÍDIOS DE Neonectria ditissima NAS CONDIÇÕES DE VACARIA, RS. MENDES, R.;

ALVES, S.A.M.; CZERMAINSKI, A.B.C. Embrapa Uva e Vinho/Estação Experimental de Fruticultura de Clima

Temperado, Rod. BR-285, Km 115, C.P. 1513, 95200-000 Vacaria, RS, e-mail: [email protected]

O cancro europeu das pomáceas, causado pelo fungo Neonectria ditissima, é uma doença emergente nas

condições de cultivo de macieira na região Sul do Brasil. O objetivo do presente trabalho foi monitorar a

disponibilidade de inóculo durante os meses de julho de 2013 a fevereiro de 2014. Para isso, foram

selecionadas três mudas doentes e seis ramos destacados contendo um cancro cada um e mantidos em

condições de campo. Abaixo de cada cancro foram colocados coletores de água. Após cada chuva foram

medidos os volumes coletados e estimada a concentração de macroconídios. Numa amostra de 30ml de

água de chuva foram realizadas duas centrifugações a 3.500rpm por 5min de modo a obter 1ml e, em

seguida, procedeu-se à leitura em hemacitômetro. Durante o período avaliado ocorreram 41 eventos de

chuva e em todos foi possível detectar conídios do patógeno em pelo menos um coletor. As precipitações

variaram de 2,8 a 123,8mm, com média de 25,3mm. A concentração de conídios na água coletada variou

de 7,4 a 1844,4 conídios.ml-1, com média de 521,7 conídios.ml-1. Não foi possível caracterizar um período

de maior produção de conídios. Houve uma tendência de maior produção de conídios em precipitações

de maior volume. A constatação de que um cancro pode produzir conídios por longo período de tempo

representa um desafio para o controle da doença. A retirada e a destruição de ramos doentes são

essenciais para a diminuição do inóculo no pomar.

48

EVOLUÇÃO BIOQUÍMICA DE ATRATIVOS E SUA RELAÇÃO COM A EFICÁCIA NA ATRAÇÃO DA MOSCA-DAS-

-FRUTAS (Anastrepha fraterculus). ¹Hüntermann, J.; ¹Foppa, T.; ²Nora, I. ¹Universidade do Alto Vale do Rio

do Peixe (Uniarp), Rua Victor Batista Adami, 800, 89500-000 Caçador, SC; ²Empresa de Pesquisa

Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), Rua Abílio Franco, 1500, Bom Sucesso, Caçador,

SC, e-mail: [email protected]

A mosca-das-frutas é praga de importância econômica mundial. Além de causar danos diretos aos frutos,

constitui a principal barreira fitossanitária para o comércio mundial de frutas e hortaliças. Uma das

estratégias do manejo desse grupo de insetos é o uso de atrativos alimentares. Em função da população

de moscas detectada nas armadilhas posicionadas dentro e fora dos pomares é possível decidir aplicar ou

não um agrotóxico. Mas entre eles há os que sobressaem na atratividade da praga, caracterizando-se

como mais eficientes. O objetivo deste trabalho foi determinar entre os principais atrativos utilizados na

captura da praga (suco de uva, vinagre de vinho, suco de goiaba, melado de cana, isca mosca, proteína

hidrolisada BioAnastrepha, proteína hidrolisada Biofruit, proteína Torula e proteína CeraTrap), quais são

os mais eficientes. O experimento está sendo conduzido em duas etapas: em laboratório e em campo. No

primeiro caso, as avaliações foram baseadas na quantificação de fenóis e proteínas em condições

controladas, e as considerações aqui apresentadas são pertinentes a essa etapa de análises. Verificou-se

que as iscas compostas por proteínas tiveram maior estabilidade, ao passo que os sucos, em especial o

de uva, mostraram-se instáveis.

Financiador: Fapesc.

Page 152: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

152

49

QUALIDADE DE PERAS ‘ROCHA’ ARMAZENADAS EM ATMOSFERA CONTROLADA. MARTIN, M.S.; STEFFENS,

C.A.; COLDEBELLA, M.C.; STRAUSS, R.F.; RODRIGUES, M.F. Udesc/Centro de Ciências Agroveterinárias, Av.

Luís de Camões, 2090, Conta Dinheiro, 88520-000 Lages, SC, e-mail: [email protected]

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes condições de atmosfera controlada (AC) e

da indução de perda de massa (IPM) sobre a qualidade de peras ‘Rocha’. Os frutos foram provenientes

do município de São Joaquim, SC, tendo sido armazenados por 8 meses e 15 dias a -0,5 ± 0,1oC e UR de

96 ± 1%. As condições de armazenamento avaliadas foram: 21kPa de O2 + < 0,03kPa de CO2 (AR); 1kPa de

O2 + < 0,03kPa de CO2; 2kPa de O2 + 1kPa de CO2; 1kPa de O2 + 1kPa de CO2; 1kPa de O2 + 2kPa de CO2; e

1kPa de O2 + 2kPa de CO2 + IPM de 2,6%. O armazenamento refrigerado propiciou frutos com casca mais

amarela, menor teor de sólidos solúveis, menor acidez titulável e baixa aceitação nos testes sensoriais

para os atributos de textura e doçura/acidez. Os frutos mantidos em AR e em AC com pressão parcial de

CO2 de < 0,03kPa apresentaram maior firmeza de polpa e de força para penetração da polpa após 7 dias

de exposição dos frutos a condições ambiente, não desenvolvendo textura amanteigada própria para o

consumo. Não houve incidência de escurecimento de polpa em nenhuma das condições avaliadas. A IPM

de 2,6% não apresentou efeito na qualidade dos frutos. As condições de AC de 1kPa de O2 + 1kPa de CO2

e 1kPa de O2 + 2kPa de CO2 proporcionam melhor manutenção da qualidade de peras ‘Rocha’, permitindo

o amadurecimento normal dos frutos após o armazenamento prolongado.

50

THERMAL PEST CONTROL E SUA INFLUÊNCIA NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE UVAS CV.

CHARDONNAY NA SERRA GAÚCHA. MARIO, A.E.; MANENTI, M.C.; FAGHERAZZI, A.F.; CRISTOFOLINI,

F.R.; RUFATO, L.; Udesc/CAV, Av. Luís de Camões, 2090, Conta Dinheiro, 88520-000 Lages, SC, e-mail:

[email protected]

A aplicação de ar quente a alta velocidade sobre o dossel vegetativo (termotratamento) estimula os

mecanismos de autoproteção vegetal, podendo alterar os parâmetros qualitativos do fruto. O Thermal

Pest Control (TPC), da empresa Lazo TPC do Brasil, é um implemento que tem sido utilizado em vinhedos

de todo o País com o objetivo de substituir tratamentos químicos nos parreirais. Visando avaliar os

efeitos do termotratamento sobre a qualidade dos frutos, foi realizado um experimento nos vinhedos de

cv. Chardonnay na Vinícola Cave Geisse em Pinto Bandeira, RS. O experimento foi constituído por dois

tratamentos: T1: tratamento convencional de doenças fúngicas (fungicidas sistêmicos e de contato); e

T2: tratamento com TPC + fungicidas de contato. Cada tratamento foi composto por 30 plantas, sendo

cada planta uma repetição. No ciclo 2011/12, foram coletadas amostras de dois cachos por repetição no

momento da colheita. Foram analisados massa de cacho (g), massa de 50 bagas (g), massa de ráquis (g),

número de bagas por cacho (un.) e teor de sólidos solúveis (°Brix). Plantas submetidas ao tratamento

convencional apresentaram massa de cachos superior em 27% aos cachos do T2. Consequentemente, a

massa de 50 bagas, a massa da ráquis e o número de bagas por cacho também foram maiores, 6%, 23% e

25% respectivamente. Já os teores de sólidos solúveis das plantas submetidas ao TPC superaram em 8%

os teores encontrados nas uvas sob tratamento convencional.

Page 153: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

153

51

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO DE VINHEDO AFETADOS POR ESPÉCIES E MANEJO DE PLANTAS DE

COBERTURA. LEHMANN, D.H.; CASSOL, P.C.; SACOMORI, W.; PANISSON, J.; BORGES JUNIOR, W.S.

Universidade do Estado de Santa Catarina/Centro de Ciências Agroveterinárias, Av. Luís de Camões, 88520-

000, Conta Dinheiro, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O cultivo de plantas de cobertura do solo tem sido proposto como alternativa para controle do excesso

de vigor vegetativo das videiras observado nas regiões altas de Santa Catarina, onde os solos, em geral,

contêm teor alto de matéria orgânica. Para avaliar o efeito das plantas de cobertura sobre os atributos

químicos do solo, foi conduzido, a partir de 2009, um experimento em São Joaquim, SC, em vinhedo do

cultivar vinífero Cabernet Sauvignon. Os tratamentos consistiram em uma espécie perene (Festuca

arundinacea), a sucessão da espécie anual aveia-branca (Avena sativa) com trigo-mourisco (Fagopyrum

esculentum) e dois tipos de manejo dos resíduos culturais (com e sem a transferência da linha para a

entrelinha da videira), além de um tratamento testemunha caracterizado pelo controle de plantas

invasoras por dessecação na linha e por roçadas nas entrelinhas. O delineamento experimental usado foi

em blocos ao acaso com quatro repetições. Foram coletadas amostras de solo nas camadas de até 5, 5 a

10 e 10 a 15cm. Diferentes espécies e manejos das plantas de cobertura afetaram a dinâmica dos

nutrientes nas camadas avaliadas. A Festuca, em geral, aumentou a concentração de K na camada de até

5cm no tratamento sem transferência, demonstrando que a ciclagem de nutrientes ocorre, diminuindo o

fornecimento de nutrientes para a cultura no manejo com transferência dos restos culturais.

52

CRESCIMENTO DE VIDEIRAS JOVENS DE ‘NIÁGARA BRANCA’ (Vitis labrusca) CULTIVADAS EM SOLO

COM ALTO TEOR DE COBRE E NÍVEIS DE pH. ROSA, D.J.; AMBROSINI, V.G.; BASSO, A.; BORGHEZAN, M.;

BRUNETTO, G.; PESCADOR, R. FIT. UFSC/CCA, Rodovia Admar Gonzaga, 1346, Itacorubi, Florianópolis, SC,

e-mail: [email protected]

As sucessivas aplicações de fungicidas cúpricos para o controle preventivo de doenças fúngicas em

videiras provocam o acúmulo de cobre (Cu) no solo, que pode causar fitotoxidade às plantas. Mas a

aplicação de calcário pode ser uma das estratégias para diminuir a disponibilidade do Cu às plantas. O

trabalho objetivou avaliar o crescimento de videiras jovens ‘Niágara Branca’ em solo com alto teor de

Cu e com níveis de pH. O experimento foi realizado em ambiente controlado, com temperatura de 25oC

± 2 e fotoperíodo de 16 horas de luz.dia-1, com radiação fotossinteticamente ativa de 200µmol de

foton.m2.seg-1. As mudas utilizadas foram provenientes de micropropagação in vitro. O solo foi

proveniente de área não antropizada, com aplicação de calcário para obtenção de níveis de pH (5,0,

5,8 e 6,5), com e sem adição de 50mg Cu.kg-1. O delineamento experimental foi de blocos completos

casualizados, com seis repetições. As medições da altura da planta foram realizadas a cada 7 dias nas

dez primeiras semanas de cultivo. As plantas submetidas à adição de Cu tiveram menor crescimento

que as plantas cultivadas em solo sem a adição desse elemento. Mas o aumento do valor de pH

amenizou gradualmente os efeitos causados pelo Cu. O alto teor de Cu no solo pode prejudicar o

desenvolvimento da videira, mas a calagem pode ser uma estratégia viável para diminuir o efeito

fitotóxico do Cu.

Page 154: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

154

53

COEFICIENTES DE REPETIBILIDADE DE CARACTERES AGRÔNOMICOS EM POPULAÇÕES DE FISALE (Physalis

peruviana L.). LEÃO, J. Udesc/CAV/Instituto de Melhoramento e Genética Molecular (Imegem), Avenida

Luís de Camões, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O objetivo deste trabalho foi estimar os coeficiente de repetibilidade (r) e determinar a previsibilidade

(R²) dos caracteres agronômicos dos frutos de fisale. Os caracteres mensurados foram: massa do fruto,

diâmetro equatorial do fruto e diâmetro polar do fruto. Foram avaliadas seis populações de fisale,

considerando três colheitas no ano de 2013. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos

casualizados com duas repetições, avaliando-se cinco plantas retiradas da área útil. As estimativas de

repetibilidade dos três caracteres foram obtidas pelo método de componentes principais por meio da

aplicação da matriz de variâncias e covariâncias fenotípicas. Os valores dos coeficientes de repetibilidade

e as previsibilidades foram relativamente altos (r > 0,49 e R² > 74,9%). Pode-se considerar que o número

de medições utilizadas neste estudo (três colheitas) foi suficiente para discriminar as populações com

base nos caracteres estudados. As estimativas dos coeficientes de repetibilidade ora encontrados

confirmam a qualidade do método usado para estudo desses coeficientes e expressam o valor máximo

da herdabilidade no sentido amplo. Portanto, são úteis para determinar o número mínimo de inferências

necessárias por indivíduo e, com isso, auxiliar na mensuração de dados confiáveis para o melhoramento

genético da espécie.

54

ALTERNATIVAS DE ENSACAMENTO PARA PREVENÇÃO DO ATAQUE DE MOSCAS-DAS-FRUTAS EM

FRUTOS DE GOIABEIRA-SERRANA. SCHIAVON, A.V.; BESKOW,G.T.; RODRIGUES, C.M.; ANDRADE, S.B.;

FACHINELLO, J.C. Graduanda em Agronomia, bolsista Fapergs, FAEM/UFPel/Fruticultura de Clima

Temperado, C.P. 354, 96010-900, Pelotas, RS, e-mail: [email protected]

Buscando alternativas de ensacamento para prevenção do ataque de moscas-das-frutas (Anastrepha

fraterculus) em frutos de goiabeira-serrana [(Acca sellowiana Berg.) Burret], foram ensacados frutos de

uma planta com oito anos de idade, cultivada em sistema agroflorestal no Centro de Educação Ambiental

da Mata Atlântica em São Lourenço do Sul, RS. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado,

com três repetições com três frutos cada uma, testando quatro tratamentos: T1) Testemunha (frutos

descobertos); T2) Sacos de TNT; T3) Sacos de papel de revista; T4) Sacos de papel pardo. Os frutos foram

ensacados em janeiro de 2014, no início do desenvolvimento. A colheita foi realizada em abril de 2014,

quando os frutos estavam maduros. Os frutos foram avaliados, verificando-se a massa (g) e a presença

ou não de larvas de moscas pelo corte dos frutos. Os dados foram submetidos à análise de variância e as

médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de significância. Verificou-se a presença de larvas apenas

em T1. A massa verificada em T4 foi superior às demais (288g), e as massas de T2 e T3 não diferiram

entre si (176,25 e 166,67g respectivamente), mas foram superiores estatisticamente a T1 (106g). Conclui-se

que a proteção dos frutos é eficaz na prevenção do ataque das moscas e o ensacamento com papel

pardo proporcionou frutos com maior massa.

Page 155: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

155

55

PREFERÊNCIA SENSORIAL DO CONSUMIDOR BRASILEIRO EM RELAÇÃO À PERA ‘ROCHA’. SOETHE, C.;

MARTIN, M.S.; AMARANTE, C.V.T.; RODRIGUES, M.F.; DENARDI, V. Udesc/Centro de Ciências Agroveterinárias,

Av. Luís de Camões, 2090, 88520-200 Conta Dinheiro, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O objetivo deste trabalho foi verificar a preferência do consumidor nacional em relação ao sabor da pera

‘Rocha’. O experimento foi realizado utilizando frutos que foram submetidos a diferentes períodos de

exposição ao frio para indução do amadurecimento, sendo eles zero (controle), 15, 30, 45 e 60 dias a 3oC.

Após esse período, os frutos permaneceram 7 dias à temperatura ambiente, quando foram submetidos às

análises físico-químicas e sensoriais. As análises sensoriais foram realizadas por meio de teste de aceitação

por escala hedônica em relação aos atributos doçura/acidez e textura. Antes do teste, os consumidores

foram questionados sobre sua preferência com relação à textura de peras. O armazenamento por 60 dias

proporcionou notas mais elevadas no teste de aceitação para o atributo doçura/acidez em relação ao

controle. Apesar de a firmeza de polpa ter diferido entre os períodos de frio, não houve diferença com

relação às notas obtidas no teste de aceitação para o atributo textura. Apenas 31% dos consumidores

entrevistados têm preferência por frutos de textura amanteigada; os demais afirmaram preferir frutos de

textura firme (51%) ou intermediária (18%). Para consumidores da região Sul do Brasil, a pera ‘Rocha’ não

submetida ao choque de frio que permanece firme após exposição à temperatura ambiente pode

apresentar boa aceitação comercial.

56

EXIGÊNCIA TÉRMICA E FENOLOGIA DA ‘CHARDONNAY’ EM SANTANA DO LIVRAMENTO. COSTA, V.B.;

MARTINS, W.; MALGARIM, M.B.; HERTER, F.G.; COSTA, V.B. Universidade Federal do Pampa, Rua 21 de

Abril, 80, São Gregório, 96450-000 Dom Pedrito, RS, e-mail: [email protected]

O conhecimento das fases fenológicas é de fundamental interesse para a decisão do viticultor quanto às

práticas de manejo do vinhedo. O trabalho objetivou avaliar a fenologia e a exigência térmica do cultivar

Chardonnay produzido no município de Santana do Livramento, RS. Foram analisados dados fenológicos

e climáticos nos anos agrícolas 1993/94 a 2010/11. Para exigências térmicas, foi utilizado o somatório de

graus dias (GD) desde o início da brotação até o final da maturação das uvas, seguindo a equação

proposta por Villa Nova et al. (1972). A fenologia foi avaliada de acordo com Eichorn & Lorenz (1984) ,

avaliando-se os seguintes subperíodos fenológicos: início de brotação a final de brotação (IB-FB), final de

brotação a início de floração (FB-IF), início de floração a final de floração (IF-FF), final de floração a início

de maturação (FF-IM) e início de maturação a final de maturação (IM-FM). O ciclo médio produtivo da

videira ‘Chardonnay’ desde o início de brotação até final de maturação na região estudada foi de 152

dias, com acúmulo médio de 1.633,8 GD. Para o subperíodo fenológico IB-FB, o acúmulo foi de 70,7 GD e

11 dias para completar o subperíodo; para FB-IF, o acúmulo foi de 237,6 GD e a duração de 34 dias; para

o subperíodo IF-FF o somatório foi de 122,1 GD com duração de 14 dias; no subperíodo FF-IM, o acúmulo

foi de 686,8 GD e 58 dias de duração; já para o subperíodo IM-FM, o acúmulo foi de 516,5 GD e 33 dias.

Observou-se acúmulo maior de GD com relação a outras regiões vitícolas.

Page 156: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

156

57

ACIDEZ E GRAU BRIX EM CINCO CULTIVARES DE AMOREIRA-PRETA. NESI, C.N.; BRUGNARA, E.C.; VERONA,

L.A.F. Epagri/Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar, Servidão Ferdinando Tusset, C.P. 791, 89801-

970, Chapecó, SC, e-mail: [email protected]

O trabalho foi realizado para avaliar a qualidade das amoras (Rubus sp.) produzidas pelos cultivares

Brazos, Cherokee, Guarani, Tupi e Xavante. O experimento foi instalado em novembro de 2011 em

Chapecó, SC, em blocos casualizados, com cinco repetições. As avaliações foram realizadas em 2013, em

duas datas, de acordo com o período de maturação de cada cultivar. Amostras de 12 amoras

completamente escuras foram maceradas e filtradas. O suco obtido foi submetido à refratometria para

medir o teor de sólidos solúveis totais (oBrix) e titulação com NaOH 0,1N para determinação da acidez

titulável (ml NaOH.g-1). Calculou-se a relação oBrix:acidez. Os dados foram submetidos à análise de

variância e ao teste de Tukey para comparar médias (α = 0,05). Os cultivares apresentaram,

respectivamente, oBrix de 9,33, 9,54, 8,81, 8,79 e 8,88; acidez de 2,11, 2,09, 2,21, 1,82 e 2,38; e relação oBrix:acidez de 4,45, 4,60, 4,02, 4,91 e 3,85. O oBrix não diferiu entre cultivares. ‘Tupi’ apresentou acidez

inferior a ‘Xavante’ e ‘Guarani’, e as outras comparações não foram significativas. A relação oBrix:acidez

foi significativamente maior em ‘Tupi’ que em ‘Xavante’ devido a sua menor acidez, e não houve

diferença nas demais comparações. Conclui-se que as amoras ‘Tupi’ apresentam menor acidez e maior

relação oBrix:acidez que as amoras ‘Xavante’ e ‘Guarani’. Avaliações do rendimento e da época de

colheita devem ser consideradas para a escolha entre os cultivares.

58

CRESCIMENTO VEGETATIVO DA VARIEDADE SAUVIGNON BLANC CULTIVADA EM SÃO JOAQUIM, SC.

SILVA, T.C.; CANTON, M.; ROSA, D.J.; BORGHEZAN, M.; SILVA, A.L. Universidade Federal de Santa Catarina/

Centro de Ciências Agrárias/Departamento de Fitotecnia, e-mail: [email protected]

No Planalto Serrano Catarinense, a Sauvignon Blanc tem sido uma das variedades brancas de maior

importância em área plantada e em produção de uvas. A caracterização do crescimento vegetativo

contribui para a compreensão do comportamento das plantas no terroir de altitude. O objetivo deste

trabalho foi monitorar o crescimento vegetativo da variedade Sauvignon Blanc cultivada no município

São Joaquim, SC, durante o ciclo 2013/14. As avaliações foram realizadas em um vinhedo comercial em

sistema espaldeira e com altitude de 1.293m. Foi avaliado quinzenalmente o comprimento dos ramos e

estimada a taxa média de crescimento. Foram monitoradas as variáveis meteorológicas: precipitação

pluvial (mm), fotoperíodo e temperatura do ar (oC). A taxa máxima de crescimento foi observada na

primeira quinzena de dezembro (2,5cm.dia-1), próxima ao período de floração (24/11/2013). Verificou-se

redução acentuada na taxa de crescimento ocasionada por um período de estiagem, ocorrido até

meados de janeiro. A paralisação do crescimento vegetativo foi observada na primeira quinzena de

fevereiro. Os ramos da variedade Sauvignon Blanc alcançaram, em média, 194cm de comprimento. As

variáveis meteorológicas baixa precipitação pluvial e diminuição do fotoperíodo foram fatores

determinantes para a paralisação do crescimento.

Page 157: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

157

59

PRODUTIVIDADE E QUALIDADE DE BAGAS DA VARIEDADE MERLOT PRODUZIDA SOBRE DIFERENTES PORTA-

ENXERTOS NO MUNICÍPIO DE URUBICI, SC. ALLEBRANDT, R.; BEM, B.P.; ALMEIDA, A.P.; KRETZSCHMAR, A.A.;

RUFATO, L. Udesc/CAV, Av. Luís de Camões, 2090, 88520-000, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O uso de porta-enxertos na viticultura é essencial para garantir o desenvolvimento das variedades copa

ante as externalidades, como o ataque de pragas. Entretanto, os porta-enxertos podem exercer

influência sobre características produtivas e enológicas das variedades copa. O setor vitícola da região de

altitude de Santa Catarina carece de informações técnico-científicas sobre combinações de variedades

copa e porta-enxertos que melhor se adaptam à região. Nesse sentido, este trabalho teve por objetivo

avaliar a produtividade e a composição das bagas da variedade Merlot produzida sobre três porta-enxertos

na região de altitude de Santa Catarina, no ano agrícola 2012/13. O estudo foi realizado em um vinhedo

no município de Urubici, localizado a 1.150m de altitude, com plantas de 8 anos, conduzidas em

manjedoura, enxertadas nos porta-enxertos Paulsen 1103, Couderc 3309 e 101-14Mgt. Na colheita,

foram avaliadas a produtividade estimada e as variáveis de qualidade das bagas. Observou-se que 101-

14Mgt foi o porta-enxerto que conferiu a maior produtividade (14,2t.ha-1), seguido de C3309 (12,1t.ha-1)

e P1103 (12,1t.ha-1). Para a acidez total, foram observados os maiores valores nas bagas provenientes de

plantas enxertadas sobre P1103 (101,1meq.L-1), seguidas de C3309 (91,7meq.L-1) e 101-14Mgt

(86,3meq.L-1). Para outras variáveis de qualidade das bagas, como sólidos solúveis, pH, polifenóis totais e

antocianinas, não foram observadas diferenças estatísticas.

60

SINTOMAS DE INCOMPATIBILIDADE ENTRE PORTA-ENXERTOS E CULTIVARES COPA DE PESSEGUEIRO.

SANTOS, C.M.; ANDRADE, S.; RODRIGUES, C.M.; SCHIAVON, A.V.; FACHINELLO, J.C. UFPel/Faculdade de

Agronomia Eliseu Maciel/Departamento de Fitotecnia, C.P. 354, 96010-900 Capão do Leão, RS, e-mail:

[email protected].

A fim de avaliar a incompatibilidade entre porta-enxertos e cultivares copa de pessegueiro, realizou-se o

experimento em 2013, em condições de campo, no pomar didático do Centro Agropecuário da Palma, no

município do Capão do Leão, RS. O pomar em estudo, implantado no ano de 2006, possui os cultivares

copa Maciel e Chimarrita, e oito cultivares utilizados como porta-enxerto: Capdebosq, Nemaguard,

Aldrigh, Flordaguard, Umezeiro, Okinawa, Tsukuba e Viamão. Foram realizadas as seguintes avaliações:

contagem do número de plantas mortas, número de plantas que apresentaram sintomas de

incompatibilidade – engrossamento no ponto de enxertia – e número de perfilhos dos porta-enxertos. O

experimento foi conduzido em esquema fatorial 2 x 8 (copa e porta-enxerto) e o delineamento

experimental em blocos casualizados, com três repetições, contendo três plantas cada uma. Os valores

médios obtidos para plantas mortas e sintomas de incompatibilidade não diferiram estatisticamente

entre os porta-enxertos e copas. Todos os porta-enxertos sob Maciel apresentaram maior número de

perfilhos em comparação com Chimarrita, com exceção do porta-enxerto Tsukuba, que apresentou valor

médio de perfilhos (5,33) que não diferiu estatisticamente do total de combinações com Maciel. Então,

pode-se concluir que os porta-enxertos mostraram-se mais vigorosos sob o cultivar copa Maciel, não

apresentando sintomas de incompatibilidade com diferenças significativas entre si.

Page 158: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

158

61

VIDA DE PRATELEIRA DE PÊSSEGOS KAMPAI SUBMETIDOS À APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOSES DE

ÁCIDO SALICÍLICO. ANDRADE, S.B.; GAUTÉRIO, G.R.; LOY, F.S.; MALGARIM, M.B.; FACHINELLO, J.C. UFPel/

Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel/Departamento de Fitotecnia, C.P. 354, 96010-900 Capão do Leão,

RS, e-mail: [email protected]

Buscando alternativas para prolongar a vida de prateleira de pêssegos Kampai, aplicaram-se três

diferentes doses de ácido salicílico (AS) em pêssegos colhidos em 2013, provenientes do pomar didático

do Centro Agropecuário da Palma, em Capão do Leão, RS. O experimento foi realizado em esquema

fatorial 3 x 3 (concentrações e datas) e o delineamento experimental inteiramente casualizado com três

repetições de 15 frutos cada uma. As concentrações utilizadas foram de C0) 0, C1) 1 e C2) 2mmol de AS,

tendo sido borrifado 1ml da solução em cada fruto. Os frutos foram avaliados em D2) dois, D4) quatro e

D6) seis dias após a colheita, sendo armazenados em caixas plásticas e deixados em temperatura

ambiente. Os parâmetros analisados foram: perda de massa (g), firmeza de polpa (N) e o número de

frutos com incidência de podridão. Os valores médios de perda de massa foram menores nos frutos com

aplicação de AS, em C1 e C2 (94 e 101g respectivamente), não diferindo entre essas e em comparação

com C0 (118g). As perdas foram maiores em D4 e D6. As doses de AS não apresentaram diferença

significativa em relação à firmeza de polpa e ao número de frutos com podridão. Os frutos apresentaram

maiores médias de firmeza de polpa em D2, e a incidência de podridão foi menor nessa data. Conclui-se

que a aplicação de AS mostrou-se eficaz na redução de perda de massa, não interferindo nos demais

parâmetros analisados.

62

RESGATE DE EMBRIÕES IN VITRO ORIUNDOS DE HIBRIDAÇÃO INTERESPECÍFICA ENTRE Prunus salicina E

Prunus japonica. FURLAN, C.L.; GARDIN, J.P.P.; DAL BÓ, M.A. Epagri/Estação Experimental de Videira,

Rua João Zardo, 1660, Campo Experimental, 89560-000 Videira, SC, e-mail: [email protected]

Embriões oriundos de cruzamentos da produção de híbridos interespecíficos não conseguem germinar

adequadamente por problemas de imaturidade do embrião, entre outros. O objetivo deste trabalho foi

promover a completa germinação in vitro e a obtenção de plantas inteiras a partir de embriões de

híbridos entre Prunus salicina e Prunus japonica. Foi realizada assepsia de 50 frutos e, em seguida, os

frutos foram dessecados e seus embriões retirados. Esses embriões foram inoculados em 10ml de meio

WPM (Lloyd & McCown, 1980). Para a quebra de dormência dos embriões, os tubos de ensaio foram

colocados em câmara BOD à temperatura de 5oC, durante 45 dias. Após esse período, os tubos foram

levados para a sala de crescimento, com temperatura de 25oC, fotoperíodo de 16 horas e intensidade

luminosa de 40 a 45µmol.m-2.s-1. Terminado esse período de germinação e formação da planta, que

durou cerca de 90 dias, as plantas foram transplantadas para copos plásticos de 500ml, contendo como

substrato vermiculita e substrato orgânico na proporção 1:2 para aclimatização. Dos 50 frutos iniciais

foram obtidas 18 plantas aptas para ser levadas a campo e, posteriormente, realizar o acompanhamento

do seu desenvolvimento e da qualidade dos frutos. Conclui-se que o resgate in vitro de embriões

oriundos de cruzamento interespecífico foi utilizado com sucesso para a produção de novos cultivares.

Page 159: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

159

63

DIFERENTES MEIOS DE CULTURA PARA CULTIVO IN VITRO DE EMBRIÕES DE SEMENTES DE

MARMELEIRO. GAUTÉRIO, G.R.; ANDRADE, S.B.; LIMA, C.S.M.; SCHUCH, M.W. UFPel/Faculdade de

Agronomia Eliseu Maciel/Departamento de Fitotecnia, C.P. 354, 96010-900 Capão do Leão, RS, e-mail:

[email protected]

Com o objetivo de conhecer o meio de cultura adequado para o cultivo in vitro de embriões de sementes

de marmeleiro, utilizaram-se frutos dos cultivares Meliforme e Zuquerinetta, colhidos no pomar didático

do Centro Agropecuário da Palma, em Capão do Leão, RS. As sementes foram extraídas dos frutos

maduros e armazenadas sob refrigeração por 1 mês. Após esse período, foram tratadas com álcool (70%)

por 5 minutos e, posteriormente, em hipoclorito de sódio (2%) por 20 minutos. Em seguida, foram

lavadas três vezes em água destilada. Com o auxílio de pinça e bisturi, separaram-se os tegumentos das

sementes e retiraram-se os embriões. Eles foram inoculados em frascos de vidro, contendo diferentes

meios de cultura: MS, MS2, WPM, WPM2. Posteriormente, foi avaliado o percentual de germinação dos

embriões. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, contendo cinco

repetições com cinco embriões cada uma. Para ambos os cultivares em estudo, os meios MS e WPM

foram os que apresentaram os maiores valores médios de percentual de germinação, com valores de

50% e 55% respectivamente para o cultivar Meliforme, e 45% e 48% respectivamente para o cultivar

Zuquerinetta, não diferindo estatisticamente entre si. MS2 apresentou, para os dois cultivares, os menores

percentuais médios de germinação. Então, pode-se concluir que os meios de cultura MS e WMP podem

ser os mais adequados para o cultivo in vitro de embriões para os cultivares de marmeleiro estudados.

64

DIAGNÓSTICO DA FRUTICULTURA NAS REGIÕES NOROESTE E MISSÕES DO RIO GRANDE DO SUL.

ROHRIG, B.; RAMOS, R.F.; WELTER, P.D. SCHNEIDER, P.E. Universidade Federal da Fronteira Sul, Av. Jacob

Reinaldo Haupenthal, 1580, 97900-000 Cerro Largo, RS, e-mail: [email protected]

Com o objetivo de diagnosticar as potencialidades da fruticultura nas regiões Noroeste e Missões do RS,

realizou-se um diagnóstico da produção de frutíferas em cada município abrangido por essas regiões,

levantando-se dados, tais como área média por cultura/município, a fim de analisar qual cultura frutífera

é mais cultivada tanto em área por hectares como produção média em toneladas. Os dados obtidos,

tanto pelas Ematers como pelas prefeituras municipais foram cruzados com os dados do IBGE dos anos

de 2006-2011, juntamente com os dados de zoneamento agroecológico realizado pela Embrapa. Citros,

uva e pêssego foram as culturas que se destacaram em produção. No cultivo de citros (83ha), Alto

Alegre, localizado em uma região apta para todos os cultivares, foi o maior produtor de laranjas, com

1.386 toneladas. Cerro Largo foi o maior produtor de limão, com 30t, 2ha e 15 produtores envolvidos. No

pêssego de indústria, Braga foi o maior produtor comercial, com 10t, área de 1,5ha e dois produtores

envolvidos. Já no pêssego de mesa, Três Passos, localizado em uma região onde se recomendam

cultivares específicos, foi o maior produtor comercial, com 81,6t, área de 6,8 hectares e sete produtores

envolvidos. Na uva de indústria, Alto Alegre foi o maior produtor comercial, com 1.620t e área de 135ha.

Tuparendi foi o maior produtor comercial de uva de mesa, com 168t, área de 14ha e 17 produtores

envolvidos.

Page 160: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

160

65

INTERFERÊNCIA DO PORTA-ENXERTO E DO SITEMA DE CONDUÇÃO NA PRODUTIVIDADE DA MACIEIRA

‘FUJI-KIKU’. SANDER, G.F.; CARMINATTI J.F.; CRISTOFOLINI, F.R.; SCHELBAUER, E.; RUFATO, A.R.

Universidade do Estado de Santa Catarina/Centro de Ciências Agroveterinárias, Av. Luís de Camões, 2090,

Conta Dinheiro, C.P. 88.520-000, Lages, SC, e-mail: [email protected]

O cultivo moderno de macieiras evoluiu para pomares em alta densidade de plantas no intuito de reduzir

mão de obra e incrementar rentabilidade. Ao implantar um pomar, deve-se levar em conta o sistema de

condução, o número de plantas por hectare (densidade) e o porta-enxerto a ser utilizado. Com o objetivo

de avaliar o desenvolvimento do cultivar Fuji-Kiku sobre dois porta-enxertos em distintos sistemas de

condução, foi implantado um experimento no município de Vacaria, RS. O pomar foi implantado no

inverno de 2010. As plantas foram conduzidas em quatro sistemas de condução: eixo alto, eixo solar, axe

vertical e duplo eixo, com o porta-enxerto M.9 e Marubakaido com interenxerto de M.9 (MK). Na safra

2012/13 foram avaliadas variáveis produtividade (t.ha-1) e eficiência produtiva (kg.cm-2). A maior

produtividade média estimada (18,8t.ha-1) foi obtida com os sistemas: eixo alto, eixo solar e axe vertical

sobre ‘M.9’ e axe vertical sobre MK. A maior eficiência produtiva foi obtida nos sistemas eixo alto, eixo

solar e axe vertical sobre o porta-enxerto ‘M.9’. Os sistemas de condução eixo alto, eixo solar e axe

vertical combinados com o porta-enxerto M.9 são opções indicadas para a produção de macieiras cv.

Fuji-Kiku na região de Vacaria, RS.

66

APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOSES DE ÁCIDO SALICÍLICO EM PÊSSEGOS ‘RUBIMEL’ DURANTE PERÍODO DE

COMERCIALIZAÇÃO. LOY, F.S.; ANDRADE, S.B; RODRIGUES, C.M.; MALGARIM, M.B.; FACHINELLO, J.C.

UFPel/Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel/Departamento de Fitotecnia, C.P. 354, 96010-900 Capão do

Leão, RS, e-mail: [email protected]

Com o presente trabalho objetivou-se avaliar as diferentes concentrações de ácido salicílico (AS) em

pêssegos do cultivar Rubimel, buscando prolongar sua vida de prateleira. Aplicaram-se três diferentes

doses de AS em pêssegos colhidos em 2013 provenientes do pomar didático do Centro Agropecuário da

Palma em Capão do Leão, RS. O experimento foi realizado em esquema fatorial 3 x 2 (concentrações e

datas) e o delineamento experimental inteiramente casualizado com três repetições de 15 frutos cada

uma. As concentrações utilizadas foram de C0) 0, C1) 1 e C2) 2mmol de AS, tendo sido borrifado 1ml da

solução em cada fruto. Os frutos foram avaliados 2 e 6 dias após a colheita, armazenados em caixas

plásticas e deixados em temperatura ambiente. Os parâmetros analisados foram: firmeza de polpa (N),

coloração da epiderme (°HUE) e perda de massa (g). Para a variável firmeza de polpa, foram encontrados

valores maiores em C0 e C1 (14,84 e 11,02N respectivamente), e menor em C2, 3,69N. A perda de massa

foi maior em C2, 342,25g, e menor em C0, 193,50g, porém a cor da epiderme não foi influenciada pela

aplicação de AS. O uso de ácido salicílico é eficiente na redução de perda de massa e firmeza de polpa,

não interferindo na coloração da epiderme.

Page 161: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

161

67

ÍNDICE DE NECROSE DOS PRIMÓRDIOS FLORAIS DA PEREIRA JAPONESA ‘KOUSUI’ SUBMETIDOS A

FLUTUAÇÃO TÉRMICA DURANTE A ECODORMÊNCIA. 1HORIKOSHI, H.M., 2YAMAMOTO, R.R., 1SEKOZAWA, Y., 1SUGAYA, S. 1Graduate School of Life and Environmental Sciences, University of Tsukuba,

Japão; 2 Universidade Federal de Pelotas/Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Capão do Leão, RS, e-mail:

[email protected]

O alto índice de abortamento de gemas florais tem limitado a expansão comercial de pereira japonesa no

Brasil. Este trabalho teve como objetivo avaliar o índice de necrose de primórdios florais durante a

ecodormência sob flutuações térmicas em gemas laterais de pereira japonesa. O experimento foi

conduzido no ano de 2012 na Universidade de Tsukuba, Japão. Os ramos de pereira japonesa do cultivar

Kousui foram coletados do pomar experimental após acúmulo de 900 horas de frio abaixo de 7,2°C (HF).

A quantificação das unidades de acúmulo de calor foi realizada calculando-se o growing degree hours

(GDH), subtraindo a temperatura-base (4,5°C) da temperatura horária e somando os valores. Os ramos

foram submetidos a três diferentes condições de temperatura: 25°C; 25/15°C, 12h/12h; 25/15+5°C,

12h/12h; e uma diminuição para 5°C por 12h antes de cada amostragem em 2.000, 4.000, 6.000 e 8.000

GDH. O índice de necrose dos primórdios florais foi avaliado em 0, 300, 600, 900 HF e 2.000, 4.000, 6.000

e 8.000 GDH, utilizando-se 10 gemas por tratamento. De acordo com os resultados, durante o acúmulo

de frio sob condições naturais da região de Tsukuba, Japão, não ocorreu a incidência de necrose. Já os

ramos expostos à condição de temperatura 25/15+5°C apresentou os maiores níveis de incidência (42%),

seguido de 25/15°C (19,5%) e 25°C (11,1%).

68

APLICAÇÃO DE FÓSFORO E POTÁSSIO NO SOLO E PRODUÇÃO DE PEREIRAS. DOS SANTOS, M.A.; DOS

SANTOS JUNIOR, E.; AMBROSINI, V.G.; BRUNETTO, G.; NAVA, G. UFSC/CCA/ENR, Rodovia Admar Gonzaga,

1346, Itacorubi, Florianópolis, SC, e-mail: [email protected]

No Sul do Brasil as informações sobre a adubação de pereiras são escassas. Por isso, o trabalho objetivou

avaliar a produção de pereiras ‘Rocha’ submetidas à aplicação de doses crescentes de fósforo (P) e

potássio (K) no solo. O trabalho foi composto por dois experimentos com início em outubro de 2010 em

um pomar comercial de pereiras ‘Rocha’ implantado em 2004 no município de São Joaquim, Planalto

Serrano de Santa Catarina. As plantas são enxertadas sobre porta-enxerto P. caleriana, com densidade de

1.250 plantas.ha-1. O delineamento experimental adotado foi blocos completos ao acaso, com quatro

repetições. No mês de outubro dos anos de 2010, 2011, 2012 e 2013 foram aplicados 0, 40, 80, 120 e

160kg.ha-1 de P2O5 e de K2O nos experimentos 1 e 2 respectivamente, totalizando 0, 160, 320, 480 e

640kg.ha-1 deP2O5 e de K2O em quatro anos. Em março de 2014 foi contado o número de frutos por

planta e, em seguida, eles foram coletados e pesados para determinar a produção. O número de frutos

por planta e a produção não foram afetados pela aplicação de P e K no solo. Possivelmente, isso

aconteceu porque os teores de P disponível e de K trocável no solo foram suficientes para suprir a

demanda das plantas. Assim, conclui-se que a aplicação de P e de K no solo não afetou a produção de

pereiras ‘Rocha’ cultivadas no Planalto Serrano de Santa Catarina.

Page 162: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

162

69

APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NO SOLO E PRODUÇÃO DE PEREIRAS ‘ROCHA’ (Pyrus communis L.) NO

PLANALTO SERRANO DE SANTA CATARINA. DOS SANTOS JUNIOR, E.; DOS SANTOS, M.A.; AMBROSINI,

V.G.; BRUNETTO, G.; NAVA, G. UFSC/CCA/ENR, Rodovia Admar Gonzaga, 1346, Itacorubi, Florianópolis,

SC, e-mail: [email protected]

No Sul do Brasil a resposta da pereira à adubação nitrogenada não é suficientemente conhecida. O

trabalho objetivou avaliar a produção de pereiras ‘Rocha’ submetidas à aplicação de doses crescentes de

nitrogênio (N) ao solo. O experimento foi implantado em outubro de 2010 em um pomar comercial

cultivado desde 2004 com pereiras ‘Rocha’ no município de São Joaquim, SC. As plantas do pomar estão

enxertadas sobre porta-enxerto de marmeleiro ('BA 29') com densidade de 2.500 plantas.ha-1. Nos anos

de 2012 e 2013 foram aplicados 0, 40, 80, 120 e 160kg.ha-1 de N, sendo parcelado em quantidades iguais

e em duas épocas (início da brotação e pós-colheita). O delineamento experimental utilizado foi de

blocos ao acaso, com quatro repetições. Em fevereiro de 2014 foi contado o número de frutos por

planta, que, em seguida, foram colhidos e pesados para determinar a produção. A aplicação das doses de

N não afetou o número de frutos por planta nem a produção. Possivelmente, isso está relacionado ao

fato de que o solo possui médio teor de matéria orgânica (43g.kg-1), o que pode ter disponibilizado boa

quantidade de N no solo, suprindo a necessidade do nutriente para a pereira. Assim, para os níveis de

produtividade obtidos no presente estudo em solos com médio teor de matéria orgânica do Planalto

Serrano de Santa Catarina, a pereira ‘Rocha’ não responde à adubação nitrogenada.

70

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA NA QUALIDADE DOS FRUTOS DA MAÇÃ ‘FUJI’. GERBER, J.M.; NAVA,

G.; ERNANI, P.R.; AMARANTE, C.V.T.; Universidade do Estado de Santa Catarina, Av. Luís de Camões,

2090, 88520-000, Lages, SC, e-mail: [email protected]

Na cultura da macieira, as adubações com nitrogênio (N) e potássio (K) recebem uma maior atenção que

a adubação fosfatada (P). Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos da adubação fosfatada

em pomar de maçã 'Fuji' sobre alguns atributos de qualidade dos frutos. O experimento foi realizado em

São Joaquim, SC, de 2010 a 2013, num Cambissolo Húmico. As análises químico-físicas realizadas antes

da instalação do experimento revelaram os seguintes resultados: pH em água de 6,4; 4,3mg.dm-3 de P;

48g.dm-3 de matéria orgânica e 470g.dm-3 de argila. Os tratamentos consistiram de doses de P (0, 40,

80 120 e 160kg.ha-1 de P2O5) aplicadas anualmente ao solo, na forma de superfosfato triplo, sem

incorporação, numa faixa de 2,2m de largura centralizada junto à linha de plantio. Em 2013, 15 dias antes

da colheita comercial, os frutos foram coletados para a avaliação de maturidade e qualidade, na colheita

e após seis meses de armazenamento em atmosfera controlada (AC). Na colheita, as avaliações feitas nos

frutos foram teor de sólidos solúveis totais (SST), acidez titulável (AT), firmeza da polpa, índice de amido

e cor da casca, e após o armazenamento, para SST, AT e firmeza da polpa. No momento da colheita,

houve aumento significativo do índice de amido e firmeza da polpa, e uma redução da intensidade da cor

vermelha do fruto no lado exposto ao sol, com o incremento da taxa de aplicação de P. No entanto, após

6 meses de armazenamento em AC, não houve efeito da taxa de P na firmeza da polpa.

Page 163: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

163

71

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS CLIMÁTICAS DE SÃO JOAQUIM. POLA, A.C.; BACK, A.J.; DELLA BRUNA, E.;

FELIPETTO, J. Epagri/Estação Experimental de Urussanga, Rodovia SC-446, Km 16, C.P. D49, 888840-000,

Urussanga, SC, e-mail: [email protected]

As modificações climáticas e, em especial, o aumento da temperatura do ar e alterações na distribuição e

frequência de chuvas podem ter impactos na atividade vitivinícola. Este trabalho teve como objetivo

avaliar as tendências nas séries climáticas da estação meteorológica de São Joaquim, SC. Foram utilizados

os dados diários de temperatura máxima, temperatura mínima e precipitação da estação meteorológica

de São Joaquim, do período de 1961 a 2010. Foram calculados os índices climáticos definidos pela equipe

de especialistas em detecção, monitoramento e índices de mudanças climáticas. A tendência nas séries

foi avaliada pelo teste de Mann-Kendall, e para estimar a magnitude da tendência utilizou-se a

declividade mediana determinada pelo teste de Theil–Sen. Os resultados mostraram tendência de

aumento nas séries de temperatura mínima do ar em escala anual, bem como nas estações do ano. Com

relação às temperaturas extremas, não foi constatada tendência significativa nas séries de temperaturas

máximas absolutas anuais e mínimas absolutas anuais. Para temperatura máxima do ar houve tendência

significativa de diminuição nas séries de temperatura máxima anual e na temperatura máxima da

primavera e do verão. Com relação à precipitação, houve tendência significativa de aumento da

precipitação total anual, da precipitação no período de crescimento da cultura da videira e do número de

dias com chuva igual ou superior a 20mm.

72

ÍNDICES AGROCLIMÁTICOS DA VIDEIRA NA REGIÃO DE SÃO JOAQUIM, SC. BACK, A.J.; DELLA BRUNA, E.;

FELIPETTO, J.; POLA, A.C. Epagri/Estação Experimental de Urussanga, Rodovia SC-446, Km 16, C.P. D49,

888840-000, Urussanga, SC, e-mail: [email protected]

O desenvolvimento, a produção e a qualidade da viticultura são fortemente influenciados pelas

condições climáticas, principalmente pela temperatura e precipitação. As limitações climáticas podem

ser explicadas pelo emprego de índices climáticos. Este trabalho teve como objetivo caracterizar o clima

da região de São Joaquim, SC. Foram utilizadas as séries históricas diárias de temperatura máxima,

mínima e média do ar, e precipitação pluvial do período de 1961 a 2010, registrados na estação

meteorológica de São Joaquim (latitude 28o17’34” S, longitude 49o55'56” W, altitude de 1.388 metros).

Com base nesses dados, foram calculados os índices que compõem o Sistema CCM Geovitícola. O índice

de frio noturno, determinado pela temperatura mínima de março, é de 12,5°C, correspondendo à classe

de “noites frias” (IF + 1). O índice de Huglin médio foi de 1.644, que corresponde à classe “frio” (IH-2) do

Sistema CCM Geoviticola. O índice de seca (IS) calculado foi de 200mm, pois observa-se que a

precipitação média é superior à evapotranspiração em todos os meses do ano. O balanço hídrico anual

mostra que no final do ciclo se tem, em média, um excesso de 460mm. O IS é de 200mm, que

corresponde à classe “úmido” (IS-2), significando a ausência de seca, com nível de disponibilidade hídrica

elevado, tendendo a ser excessivo do ponto de vista da qualidade da uva.

Page 164: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

164

73

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS PARA O CULTIVAR DE VIDEIRA GOETHE. DELLA

BRUNA, E.; ARCARI, S.G. Epagri/Estação Experimental de Urussanga, Rodovia SC-108, Km 16, 88840-000

Urussanga, SC, e-mail: [email protected]

O cultivar de uva Goethe, hoje com a Indicação Geográfica de Procedência (IGP), é cultivado na região de

Urussanga desde o final do século 19. Apesar da longa tradição no cultivo dessa uva na região, nunca se

avaliou seu comportamento quando enxertada sobre diferentes porta-enxertos. Foram avaliados quatro

porta-enxertos: Campinas, Paulsen 1103, VR43-43, SO₄ e pé-franco. As plantas foram conduzidas no

sistema de latada, no espaçamento de 2 metros entre plantas e 3 metros entre filas. Foram avaliados:

produtividade (kg.ha-1), teor de açúcar dos frutos, número de cachos por ramo, peso dos cachos, peso

das bagas e ciclo (épocas de brotação, florescimento e maturação). Também foi avaliada a qualidade do

vinho produzido. O ciclo em dias foi de: 98, 99, 97, 101 e 98 para os porta-enxertos Campinas, Paulsen

1103, VR43-43, SO₄ e pé-franco respectivamente. A produtividade das plantas enxertadas não

apresentou diferenças entre elas, produzindo aproximadamente 30 toneladas por hectare, mas diferiu

significativamente das plantas em pé-franco, que produziu, em média, 16 toneladas por hectare. A

menor produtividade das plantas em pé-franco deveu-se à menor massa da baga e do cacho, além do

menor número de brotos e menor vigor. Embora as videiras plantadas em pé-franco tenham produzido

54% se comparadas às enxertadas, seus frutos apresentaram maior teor de açúcar e o vinho produzido

apresentou melhor qualidade nas avaliações organolépticas, especialmente no quesito aroma.

74

AVALIAÇÃO DE NOVOS PORTA-ENXERTOS DE MACIEIRA – SÉRIE CG. KATSURAYAMA, J.M.; BONETI, J.I.S.

Epagri/Estação Experimental de São Joaquim, Rua João Araújo Lima, 102, Jardim Caiçara, 88600-000 São

Joaquim, SC, e-mail: [email protected]

As macieiras com boa adaptação, produtivas e com aceitação comercial garantem o cultivo comercial. É

fundamental a utilização de porta-enxertos adaptados às condições edafoclimáticas da região Sul do Brasil.

Em 2009, foi implantado, na Epagri/Estação Experimental de São Joaquim, um experimento com os porta-

enxertos de origem japonesa “JM 2” e “JM 7”, os de origem americana “CG 008”, “CG 56”, “CG 969” e “CG

24”, “CG 874”, “CG 210” e “M.9/Marubakaido” com 20cm de interenxerto. O espaçamento foi de 4,5m

entre fileiras por 1,5m entre plantas, totalizando 1.481 árvores por hectare. As plantas foram conduzidas

em líder central com tutoramento em espaldeira. Resultados indicam que ‘Gala/CG 008’ apresentou a

melhor precocidade durante os anos agrícolas 2011/12 e 2012/13, com 38 e 102 frutos respectivamente.

Mas, no ano agrícola 2013/14, ‘Gala/M.9/Marubakaido’ atingiu 195 frutos por planta, superando as demais

combinações. Na somatória dos anos agrícolas, a combinação ‘Gala/M.9/Marubakaido’ produziu o maior

número de frutos por planta (303 frutos) e ‘Gala/CG 969’ apresentou o menor número (91 frutos).

Contudo, em relação ao peso médio do fruto, observou-se que ‘Gala/CG 969’ apresentou o maior peso

médio do fruto (157g), enquanto ‘Gala/M.9/Marubakaido’ produziu o menor peso médio (140g). Em

termos de produção acumulada, a melhor combinação foi de ‘Gala/CG 008’, com 41,2kg, seguida de

‘Gala/M.9/Marubakaido’, com 40,8kg, e ‘Gala/CG 969’, com 14,3kg de frutos, que foi a de menor produção

por planta. As combinações mais produtivas foram ‘Gala/CG 008’, com 60,9t, e ‘Gala/M.9/Marubakaido’,

com 60,4t, e as menos produtivas foram ‘Gala/JM 2’, com 32,1t’, e ‘Gala/CG 969’, com 21,1t.

Page 165: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

165

75

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE SUBSTRATO PADRÃO EUROPEU DE BIOBED CONTRA DOIS SOLOS

BRASILEIROS NA DEGRADAÇÃO DE RESÍDUOS PONTUAIS DE AGROTÓXICOS. CHEMELLO, M.C.; SILVA,

V.C.; GEBLER, L. Embrapa Uva e Vinho/EEFT, BR-285, Km 115, C.P. 1513, 95200-000, Vacaria, RS, e-mail:

[email protected]

Com o objetivo de encontrar alternativas no descarte de resíduos da lavagem de tratores e

pulverizadores para reduzir o dano ao ambiente, foram testados 19 reatores, sendo 8 com turfa + palha

de trigo + solo agrícola (SPT), 4 com Latossolo puro e 4 com Nitossolo puro. Foi efluente de lavagem do

maquinário após a aplicação em pomar de inseticida clorpirifós e do fungicida mancozeb em subparcelas

de 50 e 25L. Foi então coletado o solo/substrato em quatro pontos diferentes de cada reator biobed,

secando ao ar livre durante 2 dias e depois peneirada e pesada, formando 72 amostras de 5g. No terceiro

dia foram adicionados às amostras 20ml de solução tampão fosfato e uma solução de diacetato de

flurosceina (200µL), tampando e agitando por 20min. Após esse período, a reação foi interrompida pela

adição de 20ml de acetona e centrifugada, retirando-se o sobrenadante. Para cada solo/substrato foi

criada uma curva padrão com o mesmo procedimento, mas com material não contaminado nas

concentrações de 0, 50, 100, 150, 200µL. Depois disso, foi feita a leitura da absorbância das amostras em

490nm de comprimento de onda no espectrofotômetro colorimétrico. Verificou-se, nos dados

preliminares, que os biobeds que utilizaram substrato SPT apresentaram maior atividade microbiana,

representando maior degradação do resíduo do efluente, com maior probabilidade de eficiência.

76

Drosophila suzukii (Matsumura, 1931) (DIPTERA: DROSOPHILIDAE) ATACANDO FRUTOS DE

MORANGUEIRO NO BRASIL. SANTOS, R.S.S. Embrapa Uva e Vinho/Estação Experimental de Fruticultura de

Clima Temperado, BR-285, Km 115, C.P. 1513, 95200-000, Vacaria, RS, e-mail: [email protected]

Drosophila suzukii (Matsumura, 1931) é uma espécie nativa da Ásia com elevada capacidade invasora e

de ocasionar danos em frutos de uma diversidade de espécies vegetais, especialmente os pequenos

frutos de caroço. No Brasil, já teve registro nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina em

estudos faunísticos de drosofilídeos. Para o Brasil ainda não existe registro da praga atacando frutíferas.

Porém, em janeiro de 2014 um produtor de morangos do município de Vacaria, RS, trouxe à Embrapa

Uva e Vinho oito frutos da variedade San Andreas com sintomas do ataque de D. suzukii relatando o

problema em cerca de 30% de sua produção. Os frutos foram agrupados aos pares, aleatoriamente, e

depositados no interior de potes plásticos que continham na base uma fina camada de vermiculita para

retenção de umidade e pupação dos insetos. Os potes foram tampados e deixados em temperatura

ambiente até a emergência de adultos. A identificação foi baseada na morfologia externa e na análise da

genitália. Do total de frutos analisados emergiram 60 adultos identificados como D. suzukii, com média

de 7,5 adultos por fruto. A razão sexual da praga foi entre 0,15 e 0,47, indicando maior proporção de

fêmeas na população amostrada. Esse é o primeiro registro de D. suzukii atacando frutos de morangueiro

no Brasil. Devido ao caráter invasor da espécie, pode estar presente em outras frutíferas hospedeiras no

Brasil.

Page 166: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

166

77

EFEITO DA MODULAGEM DA TEMPERATURA SOBRE OS PERFIS SENSORIAIS DE VINHOS TINTOS FINOS

ELABORADOS NA REGIÃO DE SÃO JOAQUIM, SC. FELIPPETO, J. BRIGHENTI, L.M., MENON, Epagri/

Estação Experimental de São Joaquim, Rua João Araújo Lima, 102, 88600-000 São Joaquim, SC, e-mail:

[email protected]

A temperatura da massa fermentativa é fator de alta influência sobre as variações que se observam na

extração de compostos fenólicos em vinhos tintos durante a fermentação alcoólica. As antocianinas são

extraídas da casca da uva durante a fase inicial da fermentação alcoólica, e a extração dos flavanóis

aumenta no final desse processo, quando o teor de álcool se torna importante. O experimento foi

realizado no Laboratório de Enoquímica da Epagri/Estação Experimental de São Joaquim com uvas da

variedade Merlot produzidas na região de São Joaquim, SC. Foram utilizados tanques de aço inox com

40L de capacidade, munidos de sistema de controle de temperatura automatizado. No tratamento T2 o

mosto foi submetido a uma temperatura de 28°C durante 72 horas e, posteriormente, resfriado até 20°C,

mantendo-se essa temperatura constante até o momento da descuba. No tratamento T1 a temperatura

foi mantida constante a 24°C. Após as etapas de maceração e fermentação, os tratamentos foram

conduzidos de forma idêntica, seguindo o protocolo padrão para as demais operações de vinificação até

o engarrafamento final. As análises sensoriais correspondentes aos tratamentos T1 e T2 mantiveram

entre si os mesmos padrões sensoriais. Entretanto, pôde ser observada uma pequena tendência de

aumento da intensidade visual no T2. Temperaturas mais elevadas favorecem a ação das leveduras e,

consequentemente, a extração dos polifenóis, o que pode ter influenciado na maior percepção da

intensidade visual do tratamento com temperatura modulada.

78

ACOMPANHAMENTO DA EFICIÊNCIA DE ATRATIVOS ALIMENTARES PARA O MONITORAMENTO DE

Anastrepha fraterculus NA CULTURA DA AMEIXEIRA. ROSA, J.M. da.; ARIOLI, C.J.; BOTTON, M.; PADILHA,

A.C.; BRIGHENTI, L.M. Epagri/EESJ, Rua João Araújo Lima, 102, 88600-000 São Joaquim, SC, e-mail:

[email protected]

Neste trabalho, avaliou-se a eficiência de atrativos alimentares na captura de adultos de A. fraterculus em

ameixeira no ano agrícola 2013/14 buscando melhorias no sistema de monitoramento dessa praga, uma

vez que o atrativo padrão (suco de uva 25%) não tem sido eficiente em identificar sua presença nos

pomares, dificultando a tomada de decisão de controle. O trabalho foi conduzido em cinco pomares

comerciais do cv. Letícia em produção, no município de Videira, SC. Os atrativos avaliados foram: CeraTrap®

(sem diluição), Torula® (três pastilhas.L-1), BioAnastrepha® (5%), suco de uva (25%) e água como controle.

Foi utilizado um volume de 300ml em armadilhas tipo McPhail, dispostas nas bordas dos pomares,

distanciadas 20m entre si. A triagem, sexagem e identificação das moscas-das-frutas capturadas foram

realizadas semanalmente, bem como a troca dos atrativos, com exceção da Torula (a cada 15 dias) e

CeraTrap® (sem troca, apenas reposição). O delineamento foi em blocos casualizados com cinco repetições.

Os dados foram submetidos à ANOVA e ao teste de comparação de médias (p < 0,05). O atrativo CeraTrap®

promoveu capturas constantes e apresentou maior média de captura, 0,84 MAD (moscas/armadilha/dia),

diferindo dos demais atrativos (BioAnastrepha, Torula e suco, com 0,24, 0,24 e 0,02 MAD respectivamente),

comprovando a baixa atratividade do suco de uva, o qual não diferiu do controle.

Page 167: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

167

79

AVALIAÇÃO DE ARMADILHAS PARA A CAPTURA DE FÊMEAS DE Grapholita molesta (LEPIDOPTERA:

TORTRICIDAE) NA CULTURA DA MACIEIRA. PADILHA, A.C; BOTTON, M.; ROSA, J.M.da; ARIOLI, C.J.; BOFF,

M.I.C. Epagri/Estação Experimental de São Joauim, Rua João Araújo Lima, 102, 88600-000 São Joaquim, SC,

e-mail: [email protected]

O uso de feromônios por meio da técnica de interrupção de acasalamento (IA) é ferramenta

preferencial no MIP, destacando-se no controle de G. molesta em macieira. A eficácia da IA é medida,

principalmente, pelo monitoramento de armadilhas com feromônio sexual, em que qualquer captura

serve de alerta ao fruticultor. No entanto, essas armadilhas não são confiáveis, pois são específicas, não

capturando fêmeas, as quais são responsáveis pelo aumento da população nociva (lagartas) ao cultivo.

Por esse motivo, muitos fruticultores acabam tendo frustações com o uso da tecnologia. O objetivo do

trabalho foi avaliar a eficiência de diferentes modelos de armadilhas na captura de fêmeas de G. molesta

na cultura da macieira no ano agrícola 2011/12 em Farroupilha, RS. Os modelos de armadilhas testadas

foram: McPhail, Pote e Ajar. Dentro de cada armadilha foram colocados 300ml da solução atrativa

(solução composta por acetato de terpenila e açúcar mascavo). O delineamento foi de blocos ao acaso,

sendo as armadilhas posicionadas nas plantas a 1,65m de altura, distanciadas 25m umas das outras. A

avaliação consistiu na contagem de adultos de G. molesta (machos e fêmeas) e na identificação de

fêmeas virgens e acasaladas. A armadilha pote apresentou maior captura de fêmeas da mariposa-oriental

quando comparada com os demais tratamentos. Em relação à captura de fêmeas copuladas, os modelos

pote e Ajar foram superiores ao modelo Mcphail, mesmo não diferindo entre si.

80

ACOMPANHAMENTO DA EFICIÊNCIA DE ATRATIVOS ALIMENTARES PARA O MONITORAMENTO DE

Anastrepha fraterculus (DIPTERA: TEPHRITIDAE) NA CULTURA DA MACIEIRA. ARIOLI, C.J.; RIBEIRO, L.G.;

BOTTON, M.; ROSA, J.M.da; PADILHA, A.C. Epagri/Estação Experimental de São Joaquim, Rua João Araújo

Lima, 102, 88600-000 São Joaquim, SC, e-mail: [email protected]

Anastrepha fraterculus é a principal praga da cultura da macieira no Brasil. Seu monitoramento é feito

através de atrativos alimentares, especialmente suco de uva 25%, que não tem sido eficiente para

identificar a presença do inseto nos pomares, dificultando a tomada de decisão de controle. O objetivo do

trabalho foi acompanhar a eficiência de atrativos alimentares para o monitoramento da espécie em pomar

comercial em São Joaquim, SC no ano agrícola 2013/2014. Os atrativos alimentares avaliados foram:

CeraTrap® (sem diluição), Torula® (três pastilhas.L-1), BioAnastrepha® (5%) e suco de uva tinto (25%). Os

atrativos alimentares foram colocados em armadilhas McPhail, as quais foram distribuídas no pomar em

delineamento de blocos ao acaso. Realizou-se contagem semanal de A. fraterculus capturadas, bem como a

troca dos atrativos, com exceção da Torula® (a cada 15 dias) e CeraTrap® (sem troca, apenas reposição do

conteúdo perdido por evaporação). De acordo com os resultados obtidos, o atrativo CeraTrap® apresentou

capturas mais constantes, além de capturar o maior número de moscas por armadilha.dia-1 (1,68 MAD)

durante o período de condução do experimento, diferindo significativamente dos demais atrativos. O suco

de uva foi ineficiente no monitoramento dessa espécie em pomares comerciais (0,11 MAD), não

demonstrando confiabilidade para ser utilizado pelo setor produtivo.

Page 168: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

168

81

COMPOSIÇÃO MINERAL DE FRUTOS E PRODUTIVIDADE DE MACIEIRAS SUBMETIDAS A REGIMES DE

IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO. BRANCO, M.S.C; NAVA, G.; ERNANI, P.R. Engenheira-agrônoma, Mestranda

do curso de Ciência do Solo na Universidade do Estado de Santa Catarina, Av. Luís de Camões, 2090, Conta

Dinheiro, 88520-000, Lages, SC, e-mail: [email protected]

Nos últimos anos, ocorreram períodos frequentes de estiagem e irregularidade na distribuição de chuvas

nas principais regiões produtoras de maçã do Brasil. O presente trabalho objetivou avaliar o efeito da

irrigação, bem como comparar o efeito da adubação convencional (em superfície) em relação ao uso da

fertirrigação quanto ao incremento da produtividade, ao peso de frutos e à composição mineral. O

experimento foi conduzido na Epagri/Estação Experimental de São Joaquim, SC, durante a estação de

crescimento 2013/14, em pomar implantado no ano de 2011, com o cultivar Kinkas sobre o porta-enxerto

Marubakaido e interenxerto de M-9 em alta densidade (4,0 x 1,5m). O delineamento experimental foi de

blocos ao acaso, com oito repetições dos seguintes tratamentos: T1 – adubação convencional; T2 –

irrigação + adubação convencional; T3 – irrigação + fertirrigação; e T4 – fertirrigação. As parcelas foram

compostas por seis plantas, sendo consideradas as quatro centrais como úteis. A contagem de frutos foi

realizada no início de abril, e em seguida se realizou a colheita e a pesagem dos frutos. O tratamento T3

(irrigação + fertirrigação) apresentou maior peso médio de frutos (197g), porém a produtividade não foi

significativamente diferente entre os tratamentos. Quanto à composição mineral dos frutos, os

tratamentos T3 e T4 apresentaram maior teor de potássio (K). Para o cálcio (Ca), a testemunha (T1) foi o

tratamento que apresentou o maior teor.

82

ANTECIPAÇÃO E UNIFORMIZAÇÃO DE BROTAÇÕES EM MACIEIRAS ‘MAXI GALA’ COM O USO DE

ALTERNATIVAS À CIANAMIDA HIDROGENADA. UBER,S.C.; KRETZSCHMAR, A.A.; BOTELHO, R.V.; RUFATO,

L.; RODRIGUES, J.R. Universidade do Estado de Santa Catarina, Av. Luís de Camões, 2090, 88520-000 Lages,

SC, e-mail: [email protected]

O uso da cianamida hidrogenada tem sido revisto por alguns países devido a sua elevada toxicidade ao

homem e ao meio ambiente. Esse produto é comumente utilizado no Brasil para antecipação e

uniformização de brotações em macieiras e, com isso, o Brasil pode sofrer entraves com a exportação de

maçã. O objetivo do trabalho foi testar a eficiência de diferentes formulações em alternativa ao uso da

cianamida hidrogenada para antecipação e uniformização de brotações na macieira ‘Maxi Gala’ durante o

ano agrícola de 2012/13. O experimento foi conduzido no delineamento em blocos casualizados com

quatro repetições em pomar comercial localizado no município de Vacaria, RS. As aplicações foram

realizadas quando as gemas se encontravam no estádio fenológico considerado de “gema inchada”. Os

tratamentos utilizados foram: T1 – Testemunha (sem tratamento); T2 – OM (óleo mineral) 2%; T3 – OV

(óleo vegetal) 2%; T4 – OV 4%; T5 – OM 2% + OV 2%; T6 – OM 2% + OV 4%; T7 – Dormex® + OM e T8 –

Erger® 4% + Nitrato de Ca 4%. Os resultados foram submetidos à análise de variância seguida por

comparação de médias pelo teste de Duncan. Todos os tratamentos foram eficazes para antecipar e

uniformizar as brotações quando comparados ao controle para o ciclo agrícola 2012/13. O tratamento com

Erger 4% + Nitrato de Cálcio 4% promoveu maior número de brotações.

Page 169: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

169

83

VARIABILIDADE GENÉTICA EM GERMOPLASMA DE PEREIRA (Pyrus sp.). SOUZA, Z. da S. Epagri/Estação

Experimental de São Joaquim, Rua João Araujo Lima, 102, C.P. 81, 88600-000 São Joaquim, SC, e-mail:

[email protected]

A falta de adaptação dos cultivares comerciais de pereira tem dificultado o desenvolvimento da cultura

na região de São Joaquim, SC, com clima temperado devido à altitude. Entretanto, existem alguns

genótipos mantidos por produtores oriundos de antigas introduções com produção anual de frutos. Com

os objetivos de obter variabilidade genética para o programa de melhoramento da pereira na Epagri e

identificar algum possível genótipo superior com potencial de utilização comercial, foram iniciadas

coletas de germoplasma de Pyrus existente na região a partir de 2009. As coletas originaram um pomar

iniciado em 2010, com quatro plantas de cada genótipo, sendo duas enxertadas sobre Pyrus calleryana e

outras duas em marmeleiro para manutenção e avaliação. Até o inverno de 2013 foram plantados 35

genótipos, sendo 23 em 2010, sete em 2011 e cinco em 2012. No ciclo 2013/14 o início da brotação

variou de 20/8 a 15/10 no material avaliado. Dez genótipos plantados em 2010 e um em 2011

floresceram na primavera de 2013, com início em 1/9 até 18/10 no genótipo mais tardio. Nove genótipos

plantados em 2010 e um em 2011 produziram frutos no verão de 2014. As plantas enxertadas sobre P.

calleryana são mais vigorosas. A ocorrência de doenças (entomosporiose) é muito variável entre os

genótipos. Esses resultados indicam a existência de variabilidade genética para início de brotação e

florescimento, vigor sobre diferentes porta-enxertos e resistência de campo a doenças.

84

ADUBAÇÃO COM FÓSFORO E SUA INFLUÊNCIA SOBRE OS PARAMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE UVAS DO

CV. CABERNET SAUVIGNON EM SÃO JOAQUIM, SC. MENON, J.K.; BRIGHENTI, L.M.; FELIPPETO, J.; NAVA, G.

Estudante de Agronomia da UFSC/Campus Curitibanos, Rodovia Ulisses Gaboardi, Km 3, 89520-000

Curitibanos, SC, e-mail: [email protected]

Os aspectos nutricionais da videira podem refletir-se na produtividade e na qualidade das uvas, com

consequente variação na qualidade final do vinho. A exigência de fósforo pela videira é relativamente

pequena quando comparada com a de potássio, nitrogênio e cálcio. Este trabalho teve o objetivo de

avaliar o efeito da adubação com fósforo (P) sobre a maturação tecnológica e a produtividade de uvas do

cv. Cabernet Sauvignon. O experimento foi conduzido em vinhedo comercial em São Joaquim, SC, no ano

agrícola 2013/14. O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, com três plantas úteis e cinco

repetições. O espaçamento foi de 2,90 x 1,25m e as plantas estavam enxertadas sobre Paulsen 1103 em

sistema de condução de espaldeira. Os tratamentos consistiram na aplicação em dose única pós-colheita

de 0, 30, 60, 90 e 120kg.ha-1 de fósforo (P2O5). Na fase de maturação das uvas foi feita a coleta de 100

bagas a partir das quais foram determinados pH, sólidos solúveis totais (SST), acidez titulável, peso total,

peso de casca, número de sementes, peso de sementes e rendimento. Os dados foram submetidos à

análise de variância, não sendo observadas diferenças significativas para os parâmetros analisados.

Entretanto, o teor de SST (oBrix) aumentou de maneira curvilinear em função do aumento das doses de

fósforo aplicadas ao solo. O rendimento variou de 3,07 a 6,97kg.planta-1, porém não foi afetado pelas

diferentes doses.

Page 170: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

170

85

EFEITO DA ADUBAÇÃO COM NITROGÊNIO SOBRE A MATURAÇÃO TECNOLÓGICA DE UVAS DO CV.

CABERNET SAUVIGNON EM SÃO JOAQUIM, SC. NAVA, G.; BRIGHENTI, L.M.; FELIPPETO, J.; MENON, J.K.

Engenheiro-agrônomo, Dr., Epagri/Estação Experimental de São Joaquim, e-mail: [email protected]

O nitrogênio é um dos nutrientes mais exigidos pela cultura da videira, sendo absorvido do início da

brotação até o florescimento e no início do desenvolvimento das bagas. A adubação nitrogenada gera

grande impacto sobre o crescimento vegetativo das plantas, sua produtividade e características químicas

da uva, do mosto e do vinho. Este trabalho teve o objetivo de avaliar o efeito da adubação com nitrogênio

(N) sobre a maturação tecnológica e produtividade de uvas do cv. Cabernet Sauvignon. O experimento foi

conduzido em vinhedo comercial em São Joaquim, SC, no ano agrícola 2013/14. O delineamento

experimental foi o de blocos ao acaso, com três plantas úteis e cinco repetições. O espaçamento foi de 2,90

x 1,25m e as plantas estavam enxertadas sobre Paulsen 1103 em sistema de condução de espaldeira. Os

tratamentos consistiram na aplicação em cobertura de doses de N de 0, 30, 60, 90 e 120kg.ha-¹ (aplicadas

na forma de nitrato de amônio), parceladas no início da brotação (50%) e em plena floração (50%). Na fase

de maturação das uvas foi feita a coleta de 100 bagas, a partir das quais foram determinados pH, sólidos

solúveis totais (SST), acidez titulável, peso total, peso da casca, número de sementes, peso das sementes e

rendimento. Os dados foram submetidos à análise de variância, e os resultados mostraram que as

diferentes adubações com N não influenciaram significativamente nenhum dos parâmetros avaliados. O

rendimento variou de 2,43 a 4,5kg.planta-1, porém não foi afetado pelas diferentes doses.

86

ADUBAÇÃO POTÁSSICA E SEUS EFEITOS NA MATURAÇÃO TECNOLÓGICA DE UVAS DO CV. CABERNET

SAUVIGNON EM SÃO JOAQUIM, SC. BRIGHENTI, L.M. FELIPPETO, J.; MENON, J.K.; NAVA, G. Bolsista DTI,

CNPq – Rua João Araújo Lima, 102, São Joaquim, SC, e-mail: [email protected]

A adubação potássica é utilizada regularmente na cultura da videira, pois é um dos macronutrientes mais

absorvidos pela cultura e está relacionado com a produtividade. Contribui no adequado amadurecimento

dos frutos e aumenta a concentração de açúcares e os constituintes de cor e aromas, porém pode alterar a

qualidade final do vinho, principalmente por alterações no pH do mosto. O objetivo do trabalho foi avaliar

o efeito de diferentes doses de adubação com K na maturação tecnológica e produtividade de uvas do cv.

Cabernet Sauvingon. O experimento foi conduzido em vinhedo comercial em São Joaquim, SC, no ano

agrícola 2013/14. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, com quatro plantas úteis e cinco

repetições. O espaçamento foi de 2,90 x 1,25m e as plantas estavam enxertadas sobre Paulsen 1103 em

sistema de condução de espaldeira. Os tratamentos consistiram na aplicação em dose única pós-colheita de

0, 50, 100, 150 e 200 kg.ha-1 de potássio. Na maturação foi feita a coleta de 100 bagas, a partir das quais foi

obtido o mosto para determinação de pH, sólidos solúveis totais (SST), acidez titulável, peso total, peso da

casca, número de sementes, peso das sementes e rendimento. Os dados foram submetidos à análise de

variância, não tendo sido observadas diferenças para os parâmetros analisados. Entretanto, o pH foi

significativamente influenciado pelas diferentes doses de K aplicadas, apresentando uma curva de

regressão quadrática com incrementos até a dose de 100kg.ha-1 de K. O rendimento variou de 2,08 a

5,78kg.planta-1, porém não foi afetado pelas diferentes doses.

Page 171: 11º Seminário Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperadointranetdoc.epagri.sc.gov.br/producao_tecnico_cientifica/DOC_34526.pdf · Nacional sobre Fruticultura de Clima Temperado

171

87

DESEMPENHO AGRONÔMICO DA VARIEDADE VERMENTINO (Vitis vinifera L.) EM SÃO JOAQUIM, SC.

BRIGHENTI, E.; BONIN, V.; BRIGHENTI, A.F.; STEFANINI, M.; SILVA, A.L. Epagri/Estação Experimental de São

Joaquim, Rua João Araújo Lima, 102, 88600-000 São Joaquim, SC, e-mail: [email protected]

A variedade Vermentino é originária da região da Liguria e muito cultivada nas regiões de Massa Carrara

e da Sardenha. É utilizada principalmente para a elaboração de vinhos brancos tranquilos, mas também é

apropriada para elaboração de vinhos fortificados e espumantes. Acredita-se que ela possa ser uma

variedade com potencial para o cultivo na região de São Joaquim. O objetivo deste trabalho foi

determinar a época de ocorrência dos principais estádios fenológicos e as características físico-químicas

da variedade Vermentino, em quatro safras consecutivas. O experimento foi realizado na Epagri/Estação

Experimental de São Joaquim (28°16’30,08” S, 49°56’09,34” O, altitude de 1.400m), nos anos agrícolas

2011, 2012, 2013 e 2014. O vinhedo possui 7 anos de plantio e as plantas estão enxertadas em 1103 P.

Para a definição dos estádios fenológicos, foi utilizada a metodologia descrita por Baillod & Baggiolini. No

momento da colheita foi determinada a produtividade por planta, o teor de sólidos solúveis totais (°Brix),

a acidez total titulável (meq.L-1) e o pH. Na média dos quatro anos avaliados, o início da brotação ocorreu

em 17/9, a plena florada em 4/12, a mudança de cor das bagas (50%) em 17/2 e a colheita em 12/4. A

produtividade média foi 3,2kg.planta-1, as uvas apresentavam teores de SST de 18°Brix, acidez total de

116meq.L-1 e pH de 3,16. Os resultados comprovam que nas quatro safras avaliadas a variedade

Vermentino cultivada em São Joaquim apresentou desenvolvimento vitícola adequado. As características

fenológicas observadas foram típicas da variedade, e os índices de maturação foram adequados para a

elaboração de vinhos brancos de qualidade.